Quinta-feira , 30 de Maio DE 2013

Opinião Semanal #68

 

Estava a ver que nunca mais conseguiria fazer o post, o blog deu um monte de erros nos últimos dias, principalmente hoje, mas pronto cá está mais uma edição. Esta semana destaquei Beelzebub, depois de algum tempo ser ler, Bleach, Naruto e One Piece, Kuroko no Basket com o final do jogo contra a equipa do Aomine e Vagabond. Não cheguei a ler nenhum capítulo de Dorohedoro esta semana, então fica para a próxima ou só na outra dependendo de quanto tempo terei disponível.

 

Ainda não li o capítulo, mas muito provavelmente para a próxima edição o capítulo final de Enigma, que depois de muito tempo foi lançado. Como já tinha dito há uns tempos quando tive a ideia, mas acabei não colocando exactamente em practica, caso queiram ler a minha opinião mais detalhada, de algum dos mangas que normalmente estarão no grupo que não terá muito destaque no post, é só deixar um comentário que tentarei dar-lhe o devido destaque.

 

Beelzebub 196-205:

 

Finalmente me actualizei com Beelzebub, foram 10 capítulos nesse meio tempo e sinceramente esperava mais, não é que o resultado geral seja mau, pelo contrário até é razoavelmente positivo, mas agora entendo o motivo para a sua situação na toc não ter mudado em praticamente nada, mesmo este sendo um arco que há partida iria voltar a mostrar o melhor do manga, volta às origens e ao que realmente funcionou no manga. O manga está agradável de ler, mas continua não deslumbrando, principalmente na primeira metade dos capítulos que comentarei.

 

Para começar no 196 tivemos uma versão alargada do que já tinha acontecido no 195, só que desta vez o Oga em vez de o derrotar com um soco, usou um festival de socos para parecer mais efectivo quando na verdade tudo continua igual, o Oga continua overpower demais e a cada nova luta já se sabe o resultado. Depois segue-se mais uma versão de troca de corpos em Beelzebub, desta vez entre o Oga e o Beel servindo de apresentação para mais uma das chefes dos novos grupos, desta vez completando a cota parte feminina.

 

O mini-arco que destacou a Aoi contra a nova inimiga foi bastante instável, não direi totalmente negativo, mas teve vários motivos que não o tornaram bom, para começar a Aoi tem o mal de 90% das personagens femininas principais de mangas shounen, servindo quase que exclusivamente para representarem o papel de donzela em perigo e quando a situação muda e conseguem fazer algo por si próprias parece um exagero, simplesmente porque saí do nada, parecido com a situação da Sakura no capítulo mais recente de Naruto.

 

 

Além disso a vilã também não foi bem trabalhada, ficando apenas pelo básico, servindo em alguns momentos para o fanservice e mais tarde depois de perder, para a piada com o demónio que a estava possuindo, vale frisar igual ao final de um dos arcos anteriores e um dos grandes motivos do final fraco dele. Também tem os extras de ter caído no capítulo 200, logo o autor manda para o lixo um capítulo de nº redondo com uma história que mais capítulo menos capítulo será esquecida. E segundo extra, fazendo lembrar um dos melhores capítulos de Makai no Ossan (outro manga do One, roteirista de One Punch-Man) cena abaixo, no capítulo 201 é parecido, seja pelos aparentes cortes na página dupla (na verdade neste caso até foi bom, o problema foi a seguinte) ou pelas linhas desenhadas duas páginas há frente.

 

 

Felizmente depois segue-se o melhor desses capítulos, a traição do Himekawa, inicialmente não gostei e ainda acho que o personagem tem alguma na manga, mas nos capítulos a seguir fui gostando da ideia dele ser o escolhido para trair o Oga, até porque ele é de longe dos 4 reis o que menos destaque teve na obra e depois da entrada da Futaba, e por consequência incrível aumento de carisma e popularidade do Kanzaki, isso ficou ainda mais evidente, resumindo no mínimo é bom ver que o autor conseguiu arranjar maneira de destacar o personagem, e principalmente com lógica já que dos 4 reis ele é o menos chegado ao Oga.

 

Só achei meio exagerado ele ganhar do Toujou, está certo que faz sentido, mas num manga shounen é sempre estranho ver alguém que por definição é mais forte perdendo para alguém mais fraco. Foi bom ver o Furuichi novamente forte, mas foi uma situação bastante forçada, novamente faz sentido pelo que a Hilda disse, mas se era para ele continuar usando os lenços mais valia não terem dito que ele iria ter todos aqueles sintomas e agora continuar a usar os lenços na mesma.

 

De resto Beelzebub está interessante, mas continua sem deslumbrar, pode ser que esse actual destaque dado ao Himekawa mude a situação de toda esta nova fase do manga e esperando que ao contrário dos dois anteriores adversários neste arco, que o novo líder seja forte e dei alguma luta e por consequência melhore a qualidade do manga, que está a precisar.

 

 

Bleach 537-538:

 

Bleach chegou àquela altura da história em que o autor tenta arrumar a casa e juntar todos os pontos para poder partir para o final da história. Ou seja saber como a mãe do Ichigo morreu e como isso, e tudo o resto apresentado no arco, está ligado à história principal do manga, já que apesar de tudo este é o arco final do manga. O Kubo conseguiu juntar tudo, mas claro que tudo pareceu bem forçado, afinal é uma coincidência enorme o Juha Bach retirar os poderes aos quincys logo na altura que a Masaki é atacada pelo hollow.

 

Também meio forçado todo esse entrosamento para fazer o Juha Bach ser o centro das atenções, é claro que como vilão final ele teria de ser destacado além do simples motivo de ser o vilão do arco, mas foi bastante forçado toda essa ligação com o Ichigo e toda a importância dada ao personagem, que acima de tudo apareceu há pouco tempo no manga. O Aizen sempre será o vilão principal de Bleach (parecido com a relação de Orochimaru com Naruto, mesmo que aí se aceite perfeitamente o destaque final ser dado ao Madara) e como tal ele deveria estar a ocupar o lugar actual de Juha Bach.

 

Mas sobre isso não há nada a fazer, o Kubo claramente não programou a longo prazo o seu próprio manga (não que o culpe, poucos são o que o fazem e menos ainda os que conseguem colocar os planos em pratica semanalmente) e dentro de todas as escolhas este é o caminho a seguir, apesar de que Aizen aparecer em destaque ainda ser bastante provável. Resumindo caso isto não fosse o arco final eu provavelmente estaria mais empolgado porque a história dos quincys até que é boa, tirando lá está toda essa “obrigação” do Kubo em colocar tudo como família do Ichigo, agora sendo o arco final, este arco parece tão deslocado da história como o arco dos fullbringers.

 

 

O flashback era importante, afinal respondia à pergunta de como a mãe do Ichigo morreu e sobre o passado do Ichigo, mas acho que mesmo os maiores fãs de Bleach concordaram que este foi um flashback abaixo das espectativas, principalmente quando o melhor momento do manga é um flashback, Back to the Pendulum, seja como for respondeu ao que tinha de ser respondido. Tendo em conta o apresentado o final do capítulo 537 acabou não sendo surpreendente, já que fica claro a importância de Juha Bach para todos os quincys, de qualquer maneira esperar para ver o que o Ishida irá apresentar ao arco, só esperando que ele não seja a donzela em perigo da vez.

 

Já o capítulo 538 foi quase um completo desastre, o Ichigo não conseguiu encontrar a sua Asaushi, então foi mandado para casa para treinar, acaba ouvindo a história dos seus pais, aparece uma personagem a cair do céu do nada, leva-o para o Palácio Real e como se tivesse feito aquilo a vida toda já consegue ter uma Asauchi? Caso tenha perdido algum pedaço da história peço sinceramente que me recordem nos comentários. Pessoalmente ainda bem que não houve treinamento, mas não era preciso jogar a lógica de lado. Segue-se o Hitsugaya a treinar junto dos novatos, ok, ele perdeu a sua bankai e ele dependia bastante dela, mas isso é ridículo. Acho incrível como as bankais se estão a tornar tão banais, não que o personagem do 69 não mereça uma bankai, sempre teve destaque na história o bastante para isso, mas não gosto da ideia de ele conseguir ganhar uma bankai na base de um treino, baixa bastante o grau de importância das bankais, que diga-se já não é o que era. Por fim, adorei o cão, mas não vejo como neste momento da história seja sensato dar destaque a mais um personagem e ainda para mais um que nunca foi popular perante os fãs de Bleach.

 

E esperando que agora se possa finalmente conhecer o Rei, a não ser que o Kubo queira esperar um ano para apresenta-lo depois da sua pequena aparição já nem me lembro há quanto tempo atrás.

 

 

Kuroko no Basket 132-138:

 

Final de jogo alucinante e não era para menos já que pelo menos no papel este é o segundo jogo que mais espero/esperava no manga, só sendo batido pela final com o Akashi, obviamente. Também serviu para apresentar a extremamente exagerada técnica “Zona”, único motivo para o meu comentário não ser só elogios.

 

Fundo branco, destacando totalmente Aomine e Kagami, foi dessa forma que o autor usou para apresentar a técnica mais exagerada, até agora, e pelo menos nesse momento funcionou, o problema foi o que veio de seguida, ou seja a explicação da técnica e principalmente o momento em que o próprio Kagami também entra na “Zona”. A “Zona” seria algo que podia funcionar como simbolismo e não como realidade do próprio Universo, dessa forma agora é esperar técnicas cada vez mais fantasiosas, até porque o autor não perdeu tempo a colocar o Kagami a usar a técnica.

 

De qualquer maneira tirando esse exagero, tudo o resto foi muito bem feito, reacções dos personagens, Kagami vs Aomine, jogadas que fizeram lembrar muito Slam Dunk e o final do próprio jogo são bons exemplos do que foi bem executado neste final de jogo. Começando pelas referências a Slam Dunk, primeiro a cena em que o Kuroko vai buscar a bola já fora do campo e bate contra a mesa, relembrando um dos grandes momentos do Sakuragi em Slam Dunk e segundo relembrando um dos melhores mementos já feitos num manga, seja ele de desporto ou não, o passe do Hanamichi para o Rukawa, representado em Kuroko no Basket por Kagami e Kyoshi, servindo não só para referenciar novamente Slam Dunk, mas também para representar o nível bastante superior do Aomine e também que o Kagami mesmo sendo um jogador individualista também sabe quando deve passar a bola, parecido com a situação do Sakuragi naquele momento de Slam Dunk.

 

 

Se há algum destaque principal neste arco sem dúvida é a disputa entre Kagami e Aomine, que não sendo transferida para o manga de forma perfeita ficou muito boa. Apesar do autor já me ter dados motivos mais que suficientes para confiar nele sobre assuntos mais complicados, fico sempre em receio que seja desta que ele estraga tudo, mas felizmente ainda não foi desta, o Kagami realmente ganhou algumas vezes ao Aomine, mais do que deveria, apesar disso o Aomine nunca deixou de parecer superior e momentos como o passe do Kagami para o Kyoshi, quando o Aomine marca por detrás da tabela e o pós jogo são bons exemplos disso. Resumindo Aomine perdeu, mas não ficou 100%, na verdade diria que nem 50%, descredibilizado, como acontece na maior parte dos mangas shounens fantasiosos que para credibilizar um parece terem de descredibilizar imediatamente o outro.

 

Uma coisa que estranhei bastante e que ainda não consegui compreender a lógica é a maneira como Seirin atacou o cesto no final do encontro e também a maneira como Touou o defendeu. Para começar, Seirin precisava de no mínimo 3 pontos a poucos segundos do fim para empatar, mas em vez de uma tentativa de 3 pontos foram à procura de marcar de 2. Ok, no final eles marcaram 2 pontos e ainda tiveram direito a lance livre, mas isso não é algo que se possa contar como adquirido ou sequer apostar e aí entra a defesa de Touou, que sabendo do marcador era simplesmente defender os lançamentos de fora e caso alguém quisesse atacar o cesto de dentro que o fizesse seriam 2 pontos, estariam ainda há frente e teriam a bola. A cena sem dúvida foi bizarra, mas não estraga o resto do jogo.

 

 

Até porque o final foi excelente, vitória nos últimos segundos como mandam as regras de uma grande partida de basquetebol, e nisso o autor acaba sendo beneficiado já que basquetebol e futebol americano são os únicos desportos, que me lembro neste momento, que isso é normal e longe de ser forçado, quase todos os jogos equilibrados nesses dois desportos são jogados até ao último segundo, literalmente, lembro-me da final do SuperBowl de 2012 se aquele último passe tivesse entrado seria uma reviravolta histórica no último segundo. Além disso as reacções finais dos jogadores, plateia e claro o momento em que o Aomine deixa cair a ficha e percebe que perdeu são excelentes. Na cena em que o Aomine comenta que irá voltar a treinar é mais um exemplo de como o personagem saí descredibilizado da situação, agora só não sei até que ponto uma revanche passará pela ideia do autor.

 

No capítulo seguinte, mais um momento de descontração envolvendo comida, longe de ser o melhor capitulo do género em Kuroko, mas novamente faz o seu trabalho bem feito. Ainda se teve tempo para ser apresentado à Alex, muito provavelmente para criar o background para o próximo jogo deles, contra o amigo do Kagami vindo dos Estados Unidos.

 

PS: Só reparei já na altura de organizar as páginas, de qualquer maneira o toque de punhos entre o Kuroko e o Aomine no final do jogo também faz lembrar Slam Dunk, só que neste caso com um significado totalmente diferente de um manga para o outro.

 

 

Naruto 630-631:

 

 

Ainda não consigo compreender porquê é que o Obito simplesmente não se joga dentro de um poço, viaja para o seu mundo imaginário, vive feliz para sempre com a Rin e deixa todo o mundo em paz? O resultado seria o mesmo e não perdia tempo lutando e elaborando planos que podem correr mal e acabar morto. Essa é uma das vantagens de no mundo real não existem sharigans e ninjútsus, no mundo real o Obito seria apenas mais um drogado que ninguém ligava, em Naruto ele é um dos principais vilões e quer destruir o mundo.

 

O Juubi já estava bizarro desde que apareceu pela primeira vez, mas o Kishimoto está conseguindo se superar a cada nova forma do Juubi. Está certo que os Bijus há muito que perderam a importância e a misticidade do início do manga, mas não era preciso o Kishimoto os transformar em pokémons, a flor é idêntica às pétalas de um vileplume e comparações com outros pokémons não ficariam por aí. Acho simplesmente ridículo quando um autor faz um personagem parecer que sabe tudo quando não faz o menor sentido ele realmente saber, como no caso do Naruto e a sua reação ao ver o pai aterrar à sua frente, não sei para vocês mas pelo menos para mim essas poses e frases de efeito não melhoraram em nada a cena, o mesmo se pode dizer da chegada do Sasuke, pela reacção do Naruto era dado como certo que o Sasuke estaria ali naquele momento. Uma reacção de surpresa cairia muito melhor tanto num como no outro caso.

 

 

Ao contrário por exemplo da página dupla onde os 4 hokages se reúnem, aí o Kishimoto decidiu fazer os personagens estranharem e se surpreenderem, tirando a reacção do Madara e a resposta do Hashirama que pareciam duas crianças a apontarem o dedo uma a outra. Minato transformado não se parece com o Naruto é igualzinho a ele. Logo no início do capítulo o Kishimoto também deixou uma ideia de que Naruto pode acabar ficando no final com a Sakura, principalmente pela comparação com a Kushina, pensava que a questão já estava arrumada, depois da situação HinataxNaruto há alguns capítulos atrás, mas parece que não, de qualquer maneira desde que isso não se torne o foco do manga tanto faz com quem ele ficar.

 

Há algumas semanas/meses atrás já tinha comentado que Sasuke Hokage era algo válido tendo em conta o que tinha sido apresentado na conversa entre ele e os Hokages, mas claro que para isso teriam de ter sido feitas muitas alterações na forma como o Kishimoto apresentou toda a fase Shippuuden. Porque tendo em conta tudo o que foi feito pelo Kishimoto não faz o menor sentido, na verdade o que faz ainda menor sentido é o Sasuke sequer sentir na obrigação de gritar que quer virar Hokage, ao estilo Naruto e Luffy, não combina com a personalidade dele, mesmo que a personalidade do Sasuke seja a coisa mais dúbia que o Kishimoto já fez no manga. Resumindo pior cena do capítulo e candidata a uma das piores cenas do manga, não pelo significado, mas por não fazer o menor sentido na maneira como foi feita.

 

Por fim, apesar de tudo o que comentei acima não dá para deixar um sorriso aparecer no rosto ao ver o time 7 novamente reunido, apesar de que a Sakura está ali a mais, ou melhor está longe de estar ao mesmo nível de Naruto e Sasuke, sendo esse mais um exemplo de algo que podia ter sido melhor planeado depois do time-skip, não que a quisesse ver com extremamente forte, mas pelo menos algo mais parecido com Orochimaru, Tsunade e Jiraya. De qualquer maneira bastante interessado nos próximos capítulos.

 

 

One Piece 709:

 

Odeio quando fica a ideia, verdadeira ou não, que um mangaka deixa a página mais importante, ou pelo menos a mais impactante, normalmente página dupla, para o fim e depois acaba ficando sem tempo e entregando a página parecendo um rascunho. Praticamente foi isso que aconteceu com a página dupla deste capítulo, o que deveria ser o momento do grande soco do Elizabello II ficou como uma página dupla por acabar, ou então nível Togashi de preguiça.

 

De resto, final do bloco B, com um festival de eliminações neste capítulo, por um lado é bom que o Oda tenha dado destaque a um personagem novo, neste caso o Blue Gilly, mas por outro ficou estranho ser logo ele, esperava mais do Ricky, mas tendo em conta as suas últimas palavras ainda deve de aparecer. O Bellamy acabou sendo derrotado facilmente, apesar de que ainda fiquei com a ideia que numa luta 1 contra 1 ele só perderia mesmo para o Bartolomeu, de qualquer maneira o Bellamy ainda serviu para um dos grandes momentos do capítulo com o Luffy a torcer por ele, dando a ideia que o mais provável é o Luffy e o Bartolomeu acabarem-se enfrentado mais há frente no torneio e que o Bellamy acabará sendo importante no arco.

 

 

Gostei de ver que afinal o incrível soco real do Elizabello II realmente faz efeito, mas claro que ele tinha de perder e nesse aspecto ser derrotado pelo Bartolomeu e a sua akuma no mi foi uma excelente escolha, momento que também deu origem a outro bom momento do capítulo com o Bartolomeu salvando os espectadores, enquanto se salvava a si próprio, já agora está certo que o organizador do torneio é o DoFlamingo, mas alguma proteção para os espectadores não era pedir muito. Bartolomeu venceu e fiquei curioso sobre quem é essa pessoa para quem ele irá dar a akuma no mi caso vença, Yonku ou o Oda surpreende? Seria um enorme plot twist ele ser alguém importante no grupo do Dragon.

 

Por fim, espero sinceramente que o boneco esteja a enganar o Franky, seja a mando de quem for, é muita coincidência o Franky dar logo de caras com alguém que também quer derrotar o Flamingo e Dessrosa. A principio o Oda agora irá dar uma pausa do torneio para dar uma vista de olhos pelo que o resto dos mugiwaras estão a fazer, seguindo essa ideia de bloco a bloco indo dando pausas no torneio, o que acho ser uma boa ideia. Pena é que One Piece estará duas semanas ausente, mas resta esperar e desejar as melhoras ao Oda.

 

 

Vagabond 305-307:

 

Já o tinha dito na altura que começaram a sair capítulos do manga depois do longo hiatu do Inoue, mas volto a repetir, Vagabond é um manga muito melhor lido capítulo a capítulo sem qualquer pressa do que no formato maratona, que querendo ou não sempre parece que se quer chegar ao fim para ter o manga em dia e acaba-se perdendo essa parte mais filosófica de Vagabond e também não apreciando tão bem a arte.

 

Antes do regresso de Vagabond do hiatu a grande ideia que tinha de Vagabond é que era um manga que valia em 90% pela sua arte, o que por si só já chegaria para ser considerado um dos melhores mangas de sempre, mas agora nesses capítulos mais parados e dedicados principalmente há introspeção do próprio Musashi antes da batalha final dá para ver que Vagabond está longe de ser apenas a sua arte, mesmo que esse sempre seja o seu maior trunfo.

 

Também por isso mesmo com o manga vindo de um enorme hiatu e no regresso continuar sem adiantar a história, não me importo realmente dessa fase de introspeção, até porque convenhamos não é todos os dias que se vê um manga que consegue trabalhar tão bem o psicológico de um personagem, presenciando uma retrospectiva da vida pelo próprio Musashi. Além disso não esquecer a batalha do Musashi com a água e tudo o que isso significa, não só para ele, mas como também para a batalha que se segue contra o Kojiro, representado pela água.

 

Resumindo Inoue fazendo o que sabe fazer melhor.

 

 

Restantes Mangas:

 

Baby Steps 10:

Continuação da primeira partida do E-chan, que como seria de esperar é completamente dominada pelo adversário, mas claro o E-chan aprende depressa e no final do capítulo houve mais um desses momentos surpresa, de qualquer maneira acredito que o autor sabe o que está a fazer e igual ao primeiro “game” apenas será uma surpresa momentânea.

 

Fairy Tail 331-332:

Nada a comentar sobre o 331, o fanservice fala por si. Já no 332, é a vez do Laxus dar a sua opinião: “Natsu, você só pode estar de sacanagem comigo”.

 

Gin no Saji 64-65:

Bons capítulos, seguindo a história do Komaba, que deve ser o destaque do arco, ou pelo menos de boa parte dele. De resto teria feito mais sentido dar a página colorida do capítulo 65 ao 64, já que o arco de Inverno começou no 64. Sabia que Gin no Saji ia ganhar anime, mas fiquei surpreso por ser na Fuji Tv, obviamente não é nos horários de One Piece ou Sazae-san, mesmo assim deve acabar ganhando bastante pelo anime passar no canal mais visto do Japão, mesmo com o horário.

 

 

Green Blood 24:

Capítulo de transicção que marca o fim da estadia dos irmãos em Cinco Pontos e a partida em busca da vingança, ou seja a primeira parte do manga. O mangaka fez o que tinha a fazer, conseguindo fechar os principais assuntos por resolver na cidade e agora é ver o que o futuro reserva para o manga. E como sempre a arte não desilude, como essa imagem acima bem o mostra.

 

PS: Já li o 25 e 25, mas deixarei para a próxima semana.

 

One Punch-Man 30:

Acabaram não sendo 100 páginas, mas acho que se fossem iriam dar ao mesmo, pelo menos o Murata não colocou mais uma cena em sequência, que volto a dizer é um dos pontos fortes do manga, mas não pode ser usado sempre e de preferência quando for usado que seja para benefício do manga e não apenas porque sim. Seja como for 61 páginas e a sensação que fiquei foi que podiam ser apenas 20 que a diferença seria pouca, ou nenhuma, sendo ainda mais evidente quando se olha para o final do capítulo, tantas páginas, acho que seria de esperar uma conclusão da batalha entre o tritão e o Sonic. De qualquer maneira tirando esses aspectos, foi mais um capítulo razoável de One Punch-Man, mas espero sinceramente que a história ganhe um foco.

 

 

Shokugeki no Souma 22-23:

Uma das maiores qualidades do manga é a sua incrível estabilidade, como tudo tem capítulos melhores que outros, mas no geral Shokugeki no Souma tem tido uma média bem estável e melhor que isso, degrau a degrau ou capítulo a capítulo, fica a ideia que a qualidade vai aumentado, algo não muito habitual num manga shounen e muito menos sendo um echi, onde a tendência é exactamente o contrário.

 

Mas sobre os capítulos, começo de um novo Shokugeki, desta vez focado na melhor amiga do protagonista, infelizmente ainda tivemos muita choradeira por parte da personagem, mas esperando que a última página do capítulo 23 signifique uma mudança definitiva na personalidade dela e por consequência excelentes próximos capítulos.

 

Toriko 233-234:

O principal defeito destes capítulos nem está nos próprios capítulos em si, mas sim no final do 232 e no seu super exagerado cliffhanger, que como o 233 mostra e o 234 comprova está longe de ser coerente, o Shimabukuro tenta chocar o leitor e funciona no 232, pena que para isso acaba baixando o nível desses dois capítulos, já que Toriko e Starjun estão a lutar de igual para igual, diferente do que foi mostrado no final do 232.

 

Sobre o 233 foi bom, mas no lugar errado, acho que dava para guardar perfeitamente essa retrospectiva da parceria entre Toriko e Komatsu para um momento mais importante, fora que veio do nada e sem grande motivo para acontecer. De qualquer maneira bons capítulos e esperando que a luta valha a pena, no 234 pelo menos deu indicio que sim.

 

Em relação às “cenas gays”, o bromance já há muito que é uma caracterista do manga, o melhor exemplo disso é dar para contar as personagens femininas pelos dedos de uma mão. E a cena entre o Toriko e o seu alter-ego tendo em conta a maneira como a cena está a ser representada faz todo o sentido eles estarem nus.

 

 

Ranking:

1ºKuroko no Basket
2ºVagabond

.

3ºGin no Saji
4ºGreen Blood
One Piece
6ºBeelzebub
7ºToriko
8ºShokugeki no Souma
9ºBaby Steps

.

10ºNaruto
11ºOne Punch-Man
12ºBleach

...

13ºFairy Tail

 

 

Os espaços entre alguns mangas significam a minha própria distribuição dentro próprio ranking, ou seja, Kuroko e Vagabond como claramente os melhores da semana, seguidos por todo aquele grande grupo 2 que já bastante perto em termos de qualidade. Também pode mostrar em muitos casos a minha incerteza, por exemplo esse mesmo grupo 2 me deu bastante dor de cabeça, acabou ficando dessa maneira, mas as posições podiam estar bastante diferentes que ainda veria como algo válido.

 

Igual na semana passada Kuroko no Basket acaba beneficiando dos vários capítulos comentados no mesmo post, o manga não foi perfeito, mas tendo em conta o resto da concorrência e o final excelente de jogo não tenho qualquer dúvida em relação ao primeiro lugar. Também sem dúvidas em relação a Vagabond, que continua excelente nos seus capítulos de introspeção.

 

Nos últimos capítulos do arco de Outono não gostei muito da história de Gin no Saji, mas este início do arco de Inverno tem melhorado a história do Komaba, então dentre algumas dúvidas acabei colocando Gin no Saji em terceiro. Green Blood finaliza o sua primeira parte e finaliza bem. One Piece tem um bom capítulo, mas o momento actual mais lento pode não ser um bom indicio para os próximos capítulos, esperando que não.

 

Beelzebub estaria melhor caso tivesse apenas comentado sobre a parte do Himekawa, mas deixa uma boa promessa para as próximas semanas. Toriko podia estar melhor, mas tendo em conta o capítulo anterior a estes dois acaba ficando desconexo e cliché demais, seja como for deixando esse fantasma para trás deve voltar a ter bons capítulos nas próximas semanas. Shokugeki teve alguns altos e baixos, de qualquer maneira acredito se tudo correr bem na próxima semana estará num lugar bem alto. Baby Steps com um capítulo de transição se calhar acaba ficando mais baixos do que deveria, mas nada a fazer.

 

Agora outra coisa a comentar, relembrando que por tempo indefenido parei a leitura de alguns mangas que ocupavam normalmente os últimos lugares do meu ranking, logo, ainda para mais sem ter lido Nisekoi nesta semana, acaba sendo normal capítulos nem por isso tão maus quanto isso ficarem tão abaixo, pelo menos tão perto de Fairy Tail, isto para dizer Naruto, Bleach e One Punch-Man não tiveram capítulos horríveis, mas dentro os mangas que comento sem dúvida foram os piores.

 

Sobre Fairy Tail, só tenho a dizer que o manga está pior do que nunca, ainda para mais depois de alguns capítulos que davam a impressão que no mínimo o manga podia ser interessante.

publicado por Dark-Fenix às 16:26
Terça-feira , 26 de Fevereiro DE 2013

Opinião Semanal #62

 

Antes de mais, abaixo deste post está já o anterior que fiz na semana passada, quando regressei ao blog e vários post sobre os óscares incluindo os resultados. Sobre este acabou atrasando um pouco, amanhã já saem os novos mangas da Jump, mas melhor agora do que voltar a fazer uma edição dupla.

 

Como tinha comentado, há algumas alterações, ou seja a partir deste post em diante a cada semana vou escolher alguns mangas e capítulos para comentar mais acerca deles, já os outros, a maioria, terão um comentário curto. Não serão sempre os mesmo mangas em destaque e nem sempre os que estão mais acima ou abaixo no post, os escolhidos são os que têm mais destaque, que têm algo de importante para comentar ou então para recapitular alguma coisa importante, início/final de arco por exemplo. Caso queiram ver um manga em especial com um comentário mais largo, peçam nos comentários, caso veja necessário irei dar destaque no post seguinte.

 

Dessa maneira, poderei comentar sobre mais mangas e sobretudo sobre mangas de melhor qualidade, já que o meu foco nos mangas da Jump, comentando sobre praticamente todos eles, estava acabando por deixar o post muitas vezes com mais capítulos fracos que bons. A ideia é destacar por semana entre 5 a 10 mangas, dependendo de vários factores pode ser menos ou mais, mas 90% das vezes deve ser entre 5 e 10.

 

No post em si, estreia de World Trigger e Molester Man, regresso de Rouruni Kenshin Kinema-ban, Gintama, Vagabond e Deadman Wonderland, comentando sobre os one shots de Nisekyuu e After School Idol. Já spoilando o meu próprio post, Dorohedoro foi de longe o melhor manga da semana e fica aqui novamente a recomendação.

 

 

23ºFairy Tail 319-320:

 

Gajeel ganhou como seria de esperar, alguma curiosidade para saber o que é a sombra e esperando que o Mashima ande de vez com este torneio. No 320, o Mashima até desenvolveu um gancho para um possível próximo arco de Fairy Tail, com os 4 magos em destaque, mas o pior do capítulo foi mesmo o gancho de esquerda do Laxus, resta ver como o 5º grande mago irá perder, ou será que o Mashima surpreende e o Laxus perde?

 

 

22ºKiruko-san 8:

 

Imaginem PSI tentar-se manter comédia ou continuar com a ambiguidade do seu plot tendo mais que um personagem com poderes, acabaria tirando a mística de apenas haver um, praticamente é a mesma coisa com a chegada dos amigos da Kiruko, o pouco de comédia que resultou no manga foi à custa da ambiguidade da Kiruko, havendo 3 torna tudo mais normal do que deveria ser.

 

Além disso mantenho a crítica que fiz no primeiro capítulo para um manga virado para comédia o manga tem muitas páginas. E com isso o que a Jump decide fazer, dá páginas extras, se serve de alguma coisa é por isso que ainda não li o 9 e o porquê de estar em penúltimo esta semana.

 

 

21ºRouruni Kenshin Kinema-ban 2-3:

 

Contínua aquela ideia que o mangaka não está a assumir grande compromisso com esta nova versão, criando-a só porque sim e para ganhar algum dinheiro sobre o manga da sua vida, já que nos últimos 15 anos não conseguiu criar algo de real sucesso. Percebe-se que ele tenha de mudar alguns acontecimentos para não alongar demasiado o manga, mesmo assim está tudo muito no “porque sim” ou no “porque não” e sem qualquer lógica.

 

Volto a comentar essa arte que ele assumiu principalmente em Busou Renkin não beneficia em nada Rouruni Kenshin, na verdade nem em Busou Renkin beneficiava. Entretanto acabei lendo o 3 e também fiquei com a impressão, se calhar pela necessidade de ser mais rápido, que até mesmo a nível de roteiro o mangaka está mais fraco.

 

 

20ºDeadman Wonderland 52:

 

Em si até não foi um capítulo mau de todo, se não tivesse havido hiatu estaria de certeza mais alto, mas para um capítulo pós hiatu tão longo seria esperado algo melhor e alguma introdução rápida para situar o leitor não teria ficado nada mal, mesmo que não tenha sido preciso muitas páginas de leitura para me recordar.

 

PS: Uma página colorida também não ficava nada mal.

 

 

19ºWorld Trigger 1-2:

 

Este manga tem tanta falha, que vou começar pela sua única qualidade, que é não querer ser mais do que realmente é, os dois capítulos em momento algum mostram o manga e o mangaka se achando mais do que realmente são, que é apenas um manga razoável e isso é benéfico, ainda para mais se pensar-se em Hungry Joker, que chegou se achando que era isto e aquilo e no final de inteligente não tem nada.

 

Mas isso é o mangaka, porque nem nisso a Jump ajuda, se calhar por pensar que foi por causa disso, não quererem ser mais do que são, que Kurogane e Takamagahara foram cancelados e vendo que World Trigger iria seguir o mesmo caminho, que os editores logo na página colorida dupla chamam o mangaka de génio, sendo que o máximo que o mangaka fez foi ter um manga na Jump que durou mais de 20 capítulos. Publicidade enganosa é motivo mais que bom para leitores deixarem de ler o manga e eu digo que da primeira vez que peguei no manga para ler desisti logo ao ver essa frase.

 

Agora os pontos negativos, a ideia da história é batida, desde histórias mais parecidas como Tokko, a mangas que seguem o mesmo padrão, mas de outra maneira, como Bleach. Na verdade se pensar-se bem até Digimon entraria nesse lote, resumindo o que não faltam por aí são exemplos. Mesmo assim essa é sempre um daqueles plots que podem funcionar deste que o resto do roteiro ajude, o que até ao momento não é o caso de World Trigger.

 

 

O manga, e principalmente o primeiro capítulo, foi totalmente cliché, a introdução até foi o melhor, mas quando começa a apresentar os personagens tudo parece um efeito de bola de neve até ao final do capítulo, onde a bola de neve torna-se uma avalanche. Começando pelo nerd típico, passando pelo personagem estranho que aparece com o seu bichinho de estimação, que claro que tem de passar logo pelo ritual dos, nada clichés, rebeldes da turma, só para mostrar o seu estilo. Depois piora, o nerd é derrotado vergonhosamente, mesmo que depois mostre ser um membro da Border e a criança esquisita mostra ser ainda mais forte salvando-o de um Naver. E para fechar com chave de ouro o que melhor do que ser totalmente obvio? Acredito que não tenha sido só eu que desde a primeira aparição dele que juntou 1 + 1 e deu 2.

 

E o último defeito, para quê a overdose de “3” no manga e principalmente no capítulo 2? O capítulo poderia ter corrido muito melhor sem isso, mas só conseguia pensar nessa cara dele durante toda a leitura, e agora olhando as imagens por alto novamente até foram bem menos do que estava a imaginar, e olhem que continuam a ser muitas. Tudo o que é demais enjoa, essa é uma das regras fundamentais para criar uma boa história.

 

Para concluir, World Trigger até pode funcionar, o tema é batido e a arte é genérica, mas se apanhar um bom público pode funcionar, mas sendo sincero não vejo um manga como World Trigger durar muito na Jump. Vale lembrar que o manga está a ser publicado pela Jump Alpha, que desde que começou a serializar novatos da Jump acertou em cheio no que vai ser cancelado.

 

 

18ºKurogane 43:

 

Praticamente igual a Deadman Wonderland, nem está assim tão mau, mas de forma resumida fiquei afastado do blog durante mais de 2 meses e quando volto apenas 1 capítulo, isso mata completamente a leitura, além disso foi mais um capítulo de introdução. O manga já foi cancelado e só espero que as scans terminem o manga.

 

 

17ºBleach 527:

 

Gostava de saber o que passou pela cabeça do Kubo para decidir dividir o capítulo em duas partes totalmente distintas, ou melhor provavelmente sei exactamente o que ele pensou, tendo em conta que a segunda metade pode ser facilmente resumida como o Kubo tentar surpreender e acabar sendo mais cliché do que se tivesse seguido o óbvio, acredito que o mesmo se possa dizer da primeira parte, onde ele sabiamente, só que não, decide mudar na melhor parte, como ele tanto gosta de fazer e raramente funciona.

 

A pergunta mantém-se, qual o sentido de ter hypado o Rei se demorarão meses para realmente vê-lo? É que se o Kubo seguir o que estou a pensar deve-se seguir um mini-arco com o Ichigo treinando, logo ainda mais tempo sem Rei.

 

 

16ºShokugeki no Souma 6:

 

Capítulo totalmente cliché e neste caso em especifico difícil de dizer que o manga foi cliché porque quis e funciona dessa maneira. De qualquer forma, acredito que seja um deslize e volte a apresentar bons capítulos daqui em diante, Shokugeki no Souma não é um manga que precisa ou necessita de ser cliché, então um pouco menos de exagero só lhe beneficiava.

 

 

15ºNisekyuu One Shot:

 

One shot simples, agradável de ler e que funciona bastante bem para promover tanto Nisekoi quanto Haikyuu, resumindo bom trabalho, mas pouco mais que isso.

 

 

14ºPSI 5:

 

Psi não é um mau manga, bem pelo contrário, o problema é que a sua premissa acaba por se tornar, mais tarde ou mais cedo, aborrecida e repetitiva. E nesse caso, ao contrário de Kurogane, a leitura mais demorada tem ajudado, porque tenho as minhas dúvidas se conseguiria ler 1 capítulo de PSI semana após semana. E aí entro novamente no assunto das páginas em demasia, 10 páginas, ou até menos, seriam o ideal para PSI, o manga já mostrou que deve seguir essa ideia em todos os capítulos, logo menos páginas acabariam sem qualquer dúvida por beneficiar a leitura, porque não cansariam tanto.

 

E só para ficar claro que não estou a criticar PSI ou Kiruko-san apenas porque sim, penso o mesmo de boa parte dos capítulos que li de Gintama, menos páginas não lhe ficavam mal, apesar de que em Gintama funciona melhor já que o manga diversifica mais e sem dúvida tem mais carisma.

 

 

13ºHaikyuu 27:

 

Agora é de vez, jogo pronto para começar e boa execução neste capítulo, desde a parte que o Hinata fica com o nº do seu ídolo, até à página final e mais uma vez à referência entre gatos vs corvos, achava muito bem vindo se o autor no futuro pudesse dar destaque a isso no futuro e não ser apenas para simbolizar este jogo.

 

 

12ºBeelzebub 192-193:

 

Típico capítulo de transição entre o ataque dos inimigos e a preparação de um plano para o ataque, Beelzebub continua bem, mas a cada capítulo que passa parece que a probabilidade do arco acabar de uma forma ridícula aumenta, esperando estar totalmente errado. Há alguém com um contrato de demónio entre os novatos e espero que isso possa significar algum adversário mais ao nível do Oga.

 

No 193 já se começam a movimentar e fica a ideia que o autor vai começar a distribuir poder demoníaco para todo o mundo, lá ver como será, mas já que o autor não quer colocar o manga em rota para o mundo dos demónios claramente tinha de fazer algo para equilibrar os poderes e correndo o risco de perder o fio à meada pelo menos pode sair daí algo interessante. A parte do jogo pedra, papel, tesoura era dispensável.

 

 

11ºAfterschool Idol One Shot:

 

Quem acompanha o blog há um tempo considerável deve-se lembrar que esta era a minha aposta para vencedor da Golden Future Cup, não tendo lido os restantes one shots até ao momento, a vitória de Afterschool Idol continua-me a parecer a escolha mais acertada, mesmo que tenha muitos contras, como a Jump já estar sobrecarregada de mangas de romance e principalmente mangas com uma escola como pano de fundo e a ideia de “já li isto antes”, que salta à vista neste one shot.

 

A história é relativamente interessante e bem desenvolvida, e também com boas possibilidades para o futuro, mas a ideia em si é igual a tantas outras histórias, o único factor de diferença é o protagonista ser cabeleiro, mas não deixa de ser apenas uma ligeira mudança numa história que segue o padrão de tantas outras. De qualquer maneira repito a história é bem desenvolvida e esse é o seu ponto forte.

 

 

Até porque muitas vezes as histórias que acabam passando a barreira inicial de cancelamento/falta de público não são as histórias mais originais, mas as que são bem desenvolvidas, é só olhar para Hungry Joker, ou qualquer outro battle shounen publicado na Jump nos últimos 3 anos, que dá para perceber o porquê de tanto romance e comédia na Jump actual. Por isso dá para ver futuro em Afterschool Idol, as questões que ficam é se o manga poderá sobreviver na Jump com tanta concorrência directa e se as mudanças que irá sofrer lhe acabaram por afectar? Algo que só se poderá dizer quando sair a versão serializada na Jump daqui a uns meses.

 

Acabei destacando mais o pode ou não fazer sucesso na Jump do que a história em si, mas realmente não há muito o que comentar, o protagonista cabeleireiro pode ser um diferencial interessante e a história da protagonista feminina pode ter futuro, isto se não se tornar repetitivo antes, naquela questão de descobrir ou não o segredo. De forma resumida, é um bom one shot, que pode funcionar na Jump, dependendo da maneira como for trabalhado.

 

 

10ºKuroko no Basket Volume 10:

 

Este volume marca o recomeço do manga, por assim dizer, por um lado faz parecer que os outros 9 foram totalmente perdidos já que neste volume se começa de novo uma competição, mas mesmo Kuroko não sendo o típico manga de desporto realista, logo acaba deixando praticamente todos os assuntos fora de campo de lado ou trata-los de uma maneira mais cliché, vejo algumas decisões muito bem tomadas pelo autor nos volumes anteriores e volto a comentar o que tinha dito da última vez, tendo em conta o que o autor mostrou nos volumes anteriores eles perderem na final da Copa de Inverno não seria uma má decisão.

 

Neste volume também uma homenagem à famosa cabeçada do Sakuragi no cesto de basket, que em Kuroko foi recriada pelo Kagami. Apesar de no título dizer volume 10, vou neste post comentar logo sobre todo o jogo com Shutoku, já que não faz muito sentido ficar a meio, ainda para mais porque o resto do volume 11 e o 12 praticamente andam de mãos dadas, algo que comentarei para a semana e actualizar de vez Kuroko no Basket.

 

 

O jogo foi claramente melhor do que o anterior entre as duas equipas, a começar pelo facto do autor não ter exagerado tanto no Midorima como de antes, mesmo que agora ajam mais técnicas extravagantes, pelo menos já estão mais equilibradas. Além disso claramente dá para ver que o autor também está a dar destaque a mais personagens do que no início do manga, agora já parecem mais como uma equipa e mesmo os adversários não se resumem só à Geração dos Milagres.

 

O resultado é que foi um pouco forçado, até porque até onde sei em basquetebol não existem empates, quando termina em empate passam para uma fase de prolongamento, além de que fica estranho eles empatarem, estando mais fortes, com uma equipa que já tinham ganho antes. De qualquer maneira se havia solução para o autor criar um empate sem parecer tão forçado sem dúvida era o lance livre mesmo à beira de fechar o encontro, além de que isso criou alguma tensão, algo que poucos mangas de desporto clichés conseguem fazer.

 

Concluindo, bom jogo, que acabou ganhando ainda mais pontos por ter funcionado melhor do que o anterior e claramente neste momento o autor parece que está a conseguir controlar bem os seus momentos clichés e de puro entretenimento com as fases em que se precisa de criar algum drama. Para a semana vou terminar de comentar sobre os volumes lançados até ao momento, mas vou dividir os comentários em dois, já que o flashback foi excelente, mas o próximo jogo em si foi uma completa desgraça.

 

 

9ºMolester Man 1:

 

Ainda não li o segundo capítulo, de qualquer maneira estreando mais um manga no post, Molester Man é um manga curto, então irá quase garantidamente ser completamente comentado no meu post. É do mesmo artista de Onani Master Kurosawa deixando a história pelo próprio Molester Man e a história contada no 2ch, o famoso fórum japonês.

 

Começando pelo 2ch, não sei ao certo quantas histórias do género já saíram desse forúm, mas no mínimo já são duas histórias reais passadas para o manga que saíram daí, a primeira é essa, a segunda, a mais conhecida, é a famosa história do Homem do Comboio, que provavelmente comentarei no blog futuramente. A história de Molester Man é a história de como um homem foi confundido por um pervertido/stalker, ou na tradução à letra, molestador.

 

O primeiro capítulo é apenas a introdução à história, resumindo tirando a tal cena que ele é confundido não mostra nada demais, mesmo assim sem dúvida deixou-me bem intrigado para saber o que vai acontecer nos próximos capítulos e se for tão entusiasmante como a história do Homem do Comboio (Densha Otoko) acompanhar semanalmente deverá ser uma tortura, no bom sentido.

 

Para concluir, fiquei surpreso por saber que esta história foi publicada antes de Onani Master Kurosawa e só agora aparecer pela net. Só falta comentar sobre a arte, ou falta dela, já que a arte em Molester Man é quase inexistente, com todos os fundos sendo brancos e os personagens muito mal desenhados, está certo que nesse tipo de histórias tanto faz se a arte é boa ou não e no caso de Onani Master Kurosawa até gostei da arte mais fraca, mas como está em Molester Man acaba sendo um ponto fraco, mesmo assim pontos por me deixar intrigado.

 

 

8ºToriko 223:

 

Mais um capítulo dedicado ao hype, desta vez dedicado aos Nitros. Sobre o resto uma aparição rápida do pinguim e o final pode indicar que agora o manga vai se estabilizar e deixar de apresentar novos personagens nesta guerra. Está certo que matar o Livebearer agora seria mais um tiro no pé do que outra coisa, já que era jogar fora um personagem relativamente importante, mesmo assim acaba sendo mais uma daquelas situações onde o autor cria a cena para surpreender e não tem coragem de ir até ao fim.

 

 

7ºGreen Blood 16-19:

 

Bons capítulos de Green Blood, que continua com um roteiro interessante e com uma arte extraordinária. Neste post para não me alongar muito apenas destacando uma coisa que muitas vezes me incomoda não apenas em Green Blood, mas em todos os mangas que li do autor. Já li 4 mangas deles, todos curtos, e por mais que ele tenha um roteiro sério e uma arte extraordinária em algum momento sempre consegue acabar parecendo meio shounen, como alguns personagens ou reacções. Só olhar para o pai do protagonista, igualzinho personagem overpower de battle shounen. De qualquer maneira Green Blood continua bom e recomendasse.

 

 

6ºGintama 418:

 

Apenas comentando sobre o 418, porque ainda tenho de me conseguir actualizar com Gintama, que nos últimos tempos tem tido muitos capítulos lançados, ainda bem, e que com isso acabei ficado totalmente perdido e atrasado. Mas antes de comentar sobre o capítulo, a princípio irei comentar a partir deste em diante e vou tentar ir por arcos, ou seja caso aja capítulos soltos que nem este comentarei separado a não ser que dê para agregar com o seguinte de alguma maneira, caso aja um arco comentarei tudo junto até para conseguir colocar o manga de novo em dia. Entretanto irei lendo capítulos antigos e se haver algum que mereça destaque, como o do arco do Kintoki, logo comentarei aqui eventualmente.

 

Sobre o capítulo, mais um que o autor faz com que se passe todo num espaço fechado, no caso apenas na casa de banho e aí volto a comentar, Gintama se passado para série live-action seria o sonho de qualquer produtor, porque de certeza seria uma série bem barata de produzir, nesses capítulos entenda-se. A ideia é boa, e ainda melhor executada e funciona como uma espécie de crítica, já que nunca se sabe o que os outros fazem quando estão sozinhos. Só achei meio exagerado a cena da peruca, dos pelos no peito e da cauda, que acabam aparecendo do nada no manga, mas como qualquer comédia longa, dá sempre para resetar tudo na semana seguinte.

 

 

5ºNaruto 621:

 

Capítulo de introdução do flashback, sem muito o que dizer, confronto entre Madara e Hashirama e no final um flashback dentro de um flashback. Sobre os personagens enquanto crianças, acredito que aquele com cara de Sasuke jogando pedras na água seja o Madara e o outro o Hashirama, certo? Então qual o sentido do último quadro do capítulo? Que dá a entender tudo totalmente ao contrário.

 

 

4ºAssassination Classroom 31:

 

Bom capítulo de Assassination Classroom, que nem sei se devo de elogiar ou esperar para ver se devo elogiar ou criticar, explicando neste capítulo o autor mostrou claramente que ele sabe dos problemas do seu próprio manga, ou seja tudo o que o Nagisa pensou no capítulo. O que o manga se propõe e no que funciona principalmente é nessa história dos alunos quererem matar o professor e na evolução a curto e longo prazo para que isso aconteça, ou não, dependendo do que o autor está a preparar para esse tal dia. Agora pensando nisso, e até por se tratar de um manga com fundo escolar, teria feito mais sentido ele dar um prazo de 3 anos e não 1, não que isso importe agora.

 

Mas ao longo dos capítulos, o que acontece é novos professores, novos alunos, várias tentativas de assassinato do governo, como o sniper na viagem escolar e agora até mesmo o “irmão” do Duro de Matar, são muitas interferências, o autor trabalha tudo e ao mesmo tempo não trabalha nada e o facto do Nagisa e do Kharma estarem cada vez com menos destaque no manga, fora o resto da turma que raramente aparece em destaque, mostra bem isso.

 

Sobre essa lista de fraquezas, que neste capítulo recebeu vários updates, como o Nagisa disse isso não faz muito sentido de acontecer já que o objectivo eram eles irem aos poucos conseguindo por si próprios se tornar fortes, na verdade já tinha comentado isso na altura que apareceu o sniper, mas agora está mais que evidente. Agora ficam as questões, esse questionamento do Nagisa neste capítulo quer dizer que o autor sabe o que fez de errado e vai mudar? Sabia e foi de propósito? Ou continuará como nada tivesse acontecido? Esperando que seja a segunda e que o Matsui confirme o génio que dizem que é.

 

 

3ºOne Piece 699:

 

Só eu que olhei para essa página dupla e me lembrei logo de Nanatsu no Taizai? Se fossem 7 em vez de 9, então ainda teria ficado mais parecido, de qualquer maneira como sempre boa página colorida.

 

Muito hype, até pela semana de pausa, e afinal acabou não sendo nada demais, não que isso seja errado, na verdade era o óbvio e o mais correcto de fazer nesse momento, até porque o Aokiji nunca foi, e agora muito menos é, alguém que se preocupa em arrumar os problemas dos outros e dessa maneira consegue fechar bem esse arco. Agora dispensava bem aquela cena final do Aokiji, mania dos mangakas de quererem infantilizar personagens.

 

Na segunda parte do capítulo, típico momento de descontração em alto mar, desta vez mais focado em fanservice e desta vez o Oda apelou, ele já tinha feito várias cenas da Nami e da Robin para levar o Sanji e o Broock à loucura, mas esta é provavelmente onde apela mais e onde funciona da melhor forma, muito por culpa do Monosuke, e também do seu pai, que já parecem estar mais que bem ambientados no bando.

 

A terceira e última parte me surpreendeu bastante e acima disso abre ainda mais probabilidades interessantes para o futuro do manga, o Oda agora tem tudo nas suas mãos, possibilidades infinitas para o manga e espero que o Oda acaba escolhendo uma das melhores. O Novo Mundo pedia algo fora da zona de conforto, algo que até agora ele ainda não saiu desde Marienford e se metade do que foi prometido neste capítulo se cumprir está-se perante, finalmente, o reerguer de One Piece, está-me a parecer que o capítulo 700 vai decidir se o manga passa para uma fase superior ou continua no mais do mesmo.

 

Aliança de Law e Luffy, aliança de Kid, Apoo e Hawkins, DoFlamingo já não ser Shibukai e muito provavelmente tudo isto afectará todos os Yonkus, a sério agora só falha se o Oda já não for o que era há 3 anos atrás. Esperemos que se esteja perante o real início do Novo Mundo e que o Oda finalmente cumpra o que prometeu.

 

 

2ºVagabond 304:

 

Voltando a comentar sobre Vagabond, mas tenho as minhas dúvidas de quando comentarei sobre o próximo capítulo, já que as traduções nas scans americanas estão praticamente paradas. De qualquer maneira aproveitar o que se tem, Vagabond e o Musashi continuam numa fase introspectiva, antes do combate entre ele e o Kojiro, para o Inoue poder finalmente concluir o manga. Musashi continua a cuidar do pequeno Takezo, enquanto enfrenta uma pequena batalha contra a chuva, que lhe leva a uma conclusão.

 

Esperando que não demore muito para poder ler os próximos capítulos.

 

 

1ºDorohedoro 62-67/Volume 11:

 

O que mais dou valor numa história, não só manga, mas como tudo no geral é quando acabo totalmente surpreendido, como se o meu cérebro tivesse explodido e não acreditasse mesmo no que acabei de ler/ver. Infelizmente isso tem sido cada vez mais raro, até porque quanto mais histórias se lê/assiste mais raro se torna encontrar algo novo e original, por pouco que seja há sempre uma cota parte do “já vi alguma coisa do género antes”.

 

Para quê essa introdução? Porque foi exactamente assim que me senti lendo esse volume, principalmente o capítulo final, não estava nada à espera do que estava por vir, e não foi apenas uma questão de não estar à espera, mas sim toda a situação envolvida, a reacção e tudo o resto que envolveu o En neste capítulo foi feito na perfeição, todo aquele sentimento de impotência, que mesmo sendo o mago mais poderoso não podendo fazer nada, a falta de reacção pela surpresa e finalizando com aquela já épica cena dele decapitado, fora tudo o resto que a autora trabalhou nos capítulos anteriores e acabaram fazendo todo o sentido nesse último capítulo do volume.

 

Nunca o En tinha sido tão “humano”, no manga sempre foi visto como alguém superior, e do nada vê-se, tão surpreendido quanto nós, pela primeira vez no manga frágil, com medo, com receio e finalmente a sensação de tem de fazer algo, mas que nada pode fazer. E com isso, o manga que até parecia estar numa fase mais calma, cria um plot twist com 1001 opções para o futuro, tornando de vez Dorohedoro como um dos mangas mais criativos e consistentes em publicação.

 

Acabei focando demasiado nesse capítulo, e tendo em conta a qualidade desse pouco importa neste momento comentar sobre os restantes, mas só tenho a dizer que a autora colocou todas as peças no lugar certo antes de explodir a bomba, desde tirar todos os principais da mansão, à história da Kikurage, que claramente teve destaque num dos capítulos anteriores para os leitores relembrarem que ela ressuscita os mortos, logo sendo peça fundamental de todo o futuro que irá sair desse último capítulo.

 

Sem qualquer dúvida, um dos melhores momentos que já comentei no Opinião Semanal e esperando que Dorohedoro continue fazendo o que sabe fazer melhor, ficar melhor a cada volume que passa.

 

 

Ranking:

1ºDorohedoro
2ºVagabond
3ºOne Piece
4ºAssassination Classroom
5ºNaruto
6ºGintama
7ºGreen Blood
8ºToriko
9ºMolester Man
10ºKuroko no Basket
11ºAfter School Idol
12ºBeelzebub
13ºHaikyuu
14ºPSI
15ºNisekyuu
16ºShokugeki no Souma
17ºBleach
18ºKurogane
19ºWorld Trigger
20ºDeadman Wonderland
21ºRouruni Kenshin
22ºKiruko-san
23ºFairy Tail

publicado por Dark-Fenix às 21:56
Sábado , 28 de Janeiro DE 2012

Top's Mangakas #1: Takehiko Inoue

 

Custou mas foi concluído, passado meses concluiu o top mangakas, com o meu mangaka favorito, Takehiko Inoue.

 

Como podem ver por todos os mangakas do top, eu gosto de mangakas que desenham bem e mesmo os que não são excelentes nisso todos eles têm uma arte própria. Num manga aguento qualquer arte desde que o manga seja bom, obviamente que uma arte melhor ajuda. Mas quando se trata de um mangaka, já é diferente, a arte do autor conta muito, e principalmente a sua originalidade, ou seja aquela arte que se olhe e se diz, isso é do Inoue, isso é do Murata, isso é sem dúvida Akira Toryama ou que arte horrível só pode ser do Togashi.


E o que é que o Inoue tem a ver com isso? Tudo, porque ele é o melhor desenhista entre todos os mangakas, só discorda quem nunca leu Vagabond ou quem tenha lido algum manga que eu não tenha lido e que tenha uma arte fantástica. Murata, Obata ou Miura (Berserk) podem ser muito bons desenhistas, cada um à sua maneira, mas Inoue está num nível acima, sem dúvida o melhor desenhista.

 

 

Mas por irónico não foi o traço que me fez ler as suas obras, apesar de que foi a sua maneira de desenhar que me fez respeitá-lo e se tornar o meu mangaka favorito. Com isso o que quero dizer é que Inoue não é apenas um génio na arte, mas também um génio de roteiro e sem dúvida o mangaka com o currículo mais completo desta lista, fora obviamente Tesuka.

 

Inoue é o criador de 3 hits, Slam Dunk, Real e Vagabond, todos eles enormes sucessos, todos passando a média de 500 mil cópias vendidas e de 1 milhão impressas. É complicado escolher uma obra que identifique Inoue, porque as 3 juntas é que mostram todas as qualidades de Inoue:

 

Slam Dunk:

 

Slam Dunk é um shounen de desporto, não apenas mais um shounen de desporto, mas sim um dos grandes shounens de desporto, publicado na Shounen Jump, foi o único manga na história a conseguir concorrer de frente com Dragon Ball, não lhe ganhou na popularidade e no estrangeiro, mas foi as únicas coisas que não lhe ganhou, porque arte, roteiro, vendas e carrinho dos japoneses, ele tem de sobra.

 

Slam Dunk é quase que unanimemente, no Japão, considerado o melhor manga de sempre, por uma junção de tudo o que foi a obra, há mangas com um melhor roteiro, com uma melhor arte, quase com o mesmo nível de popularidade e vendas, mas juntar isso tudo no mesmo lugar é difícil, Slam Dunk tem uma arte e roteiro excelentes, manga mais vendido de sempre e um dos mangas mais populares de sempre, por tudo isso Slam Dunk no mínimo é um manga obrigatório para qualquer um que se diga fã de mangas.

 

One Piece inevitavelmente vai lhe ultrapassar nas vendas e quem sabe em tudo o resto, mas por agora Slam Dunk ainda é o manga mais completo, e sem dúvida o manga da carreira de Takehiko Inoue e o que mais lhe identifica, apesar de os dois mangas que se seguem não serem de todo inferiores a Slam Dunk.

 

Vagabond:

 

Vagabond falha principalmente no roteiro, não que seja totalmente fraco, mas por ser adapto de um livro e por ser de longe o mais fracos dos 3 principais mangas de Inoue, acaba tendo o seu roteiro meio desvalorizado. É uma adaptação da lenda de Miamoto Musashi, o maior samurai que existiu, numa das mais importantes histórias japonesas.

 

Mas o que Vagabond não tem de roteiro tem de arte, onde cada capítulo é pura arte, seja pelos personagens paisagem ou qualquer outra coisa, cada capítulo de Vagabond é uma obra-prima em termos de arte. Vejam este video ou este, que provam bem o que disse.

 

Muitas vezes Vagabond é considerado como a grande obra de Inoue, por causa de ser mais adulto que Slam Dunk e por causa da arte perfeita, e principalmente por não ser sobre basquetebol ou termos gerais por não ser de desporto, mas mesmo assim Vagabond é apenas a melhor obra de Inoue no que se trata da arte, o resto não, até porque Inoue tem um segundo manga seinen, que esse sim é uma obra-prima.

 

Real:

 

Se eu disse-se que Real é o melhor manga que alguma vez li estaria a exagerar? Se calhar, mas não tanto assim, porque Real já tem mais de 10 volumes e continua interessante ou melhor cada vez mais interessante e parece ainda ter vários volumes pela frente. A maioria das histórias do tipo de Real, ou seja realistas e com uma grande carga dramática, são histórias curtas, mas Inoue conseguiu criar uma história desse género relativamente longa e sem perder a qualidade e o interesse do leitor, e só por isso já é algo memorável, até porque não é fácil criar uma história popular com um tema tão sério.

 

Real é das 3 a obra menos conhecida de Inoue, principalmente fora do Japão, mas sem dúvida alguma a sua melhor obra, realista seria a palavra que descreve Real, uma história sobre basquete em cadeiras de rodas, ou melhor uma história sobre a realidade por detrás de quem fica numa cadeira de rodas, os seus medos e as suas dificuldades, o basquete serve apenas para unir os personagens e vamos ver coisas que são simples para nós, para quem está numa cadeira de rodas é um inferno e o basquetebol será uma maneira de se esquecerem dos problemas.


Resumindo:

Mangas de Carreira (popularidade):
1ºSlam Dunk
2ºVagabond
3ºReal

 

Melhor Arte:
1ºVagabond
2ºReal
3ºSlam Dunk

 

Melhor Roteiro:
1ºReal
2ºSlam Dunk
3ºVagabond

Como disse no inicio Inoue não tem um manga que seja o seu melhor, aquele que realmente se sobressai aos outros, apesar de Slam Dunk levar uma clara vantagem, Inoue fez 3 manga diferentes que se complementam uns aos outros, a popularidade de Slam Dunk, o roteiro de Real e a arte de Vagabond, com isso pode-se dizer que Takehiko Inoue é sem dúvida um mangaka completo, apesar de que a maioria dos seus trabalhos serem sobre basquetebol, o que em nada o desvaloriza.

 

Concluindo, One Piece pode ser o meu manga favorito, mas Slam Dunk será sempre o manga pelo qual vou guardar mais carinho e Takehiko Inoue de longe é o meu mangaka favorito.

 

Onde ler:

Slam Dunk não foi traduzida a primeira fase, então tem de ser pelo anime, mas podem encontrar a segunda fase na comunidade orkut de Slam Dunk, a God Han Scans também está a traduzir o manga.

Real podem ler na AIUEO mangas, onde estão actualizados com o Japão.

Vagabond, actualmente em hiatus, traduzido pela antiga VagaProject, que se juntou à God Han Scans, quando voltar acompanhem por lá.

publicado por Dark-Fenix às 23:37
Sábado , 05 de Novembro DE 2011

Vagabond pode voltar ainda este ano

 

Ao passar hoje pelo site JBox, me deparei como uma das melhores notícias do ano, Vagabond está perto de retornar, Inoue já está a trabalhar novamente no manga e desta vez para concluir de vez o manga, que já está a ser adiado há demasiado tempo, a principio era para ter sido concluído no final de 2008.

 

O manga deve voltar no final deste ano ou no inicio do próximo, ainda não está nada oficializado quando será o retorno de Vagabond a Morning, revista onde é publicado. O motivo do Hiatu deveu-se a dois factores, uma doença de Takehiko Inoue, mas nada muito grave e a segunda, a principal, a falta de motivação do autor pelo manga.

 

Vagabond está longe de ser o melhor manga de Inoue, mas sem dúvida alguma é o manga mais bem desenhado de sempre, Inoue é o Deus do Traço e mostra claramente isso em Vagabond, onde cada página é arte, o manga que vale apena ler nem que seja pela arte. Neste post podem ver uma reportagem da carreira de Inoue.

 

Inoue além de Vagabond criou Slam Dunk, um dos mangas de maior sucesso de sempre, o mais vendido (média por volume) e sem dúvida o manga preferido da maioria dos japoneses. E Real, o melhor manga de Inoue, e um dos seinens mais realistas que já foram criados.

publicado por Dark-Fenix às 21:39
Sábado , 06 de Agosto DE 2011

Rankings

 

1 __Eiichiro Oda __54,856,000 __One Piece __36 __Male
2 __Masashi Kishimoto __11,035,000 __Naruto __36 __Male
3 __Karuho Shiina __8,768,000 __Kimi ni Todoke __35 __Female
4 __Hiro Mashima __7,743,000 __Fairy Tail __34 __Male
5 __Tite Kubo __6,954,000 __Bleach __34 __Male
6 __Takeshi Obata __6,264,000 __Bakuman. __42 __Male
7 __Hideaki Sorachi __6,227,000 __Gintama __32 __Male
8 __Hiromu Arakawa __5,883,000 __Fullmetal Alchemist __38 __Female
9 __Hikaru Nakamura __5,541,000 __Saint Young Men __27 __Female
10 __Hiroshi Shiibashi __4,623,000 __Nura: Rise of the Yokai Clan __31 __Male
11 __Hiroya Oku __4,535,000 __Gantz __43 __Male
12 __Akira Amano __4,465,000 __Katekyo Hitman Reborn! __38 __Unknown
13 __Tsujitomo __3,979,000 __Giant Killing __34 __Male
14 __Mitsutoshi Shimabukuro __3,492,000 __Toriko __36 __Male
15 __Kenta Shinohara __3,383,000 __Sket Dance __37 __Male
16 __Gosho Aoyama __3,320,000 __Detective Conan __48 __Male
17 __Hajime Isayama __3,181,000 __Shingeki no Kyojin __24 __Male
18 __Takehiko Inoue __3,085,000 __Vagabond __44 __Male
19 __Tomoko Ninomiya __2,971,000 __Nodame Cantabile __42 __Female
20 __Yūji Terajima __2,792,000 __Ace of Diamond __37 __Male
21 __Ryūhei Tamura __2,778,000 __Beelzebub __31 __Male
22 __Takeshi Hinata __2,756,000 __Ahiru no Sora __39 __Male
23 __Kenjirou Hata __2,558,000 __Hayate the Combat Butler __Unknown __Male
24 __Kanan Minami __2,498,000 __Kyō, Koi o Hajimemasu __32 __Female
25 __Tadatoshi Fujimaki __2,427,000 __Kuroko no Basuke __29 __Male

26 __Yana Toboso __2,358,000 __Black Butler __27 __Female
27 __Yellow Tanabe __2,303,000 __Kekkaishi __Unknown __Female
28 __Takeshi Konomi __2,271,000 __The Prince of Tennis __41 __Male
29 __Io Sakisaka __2,261,000 __Strobe Edge __Unknown __Female
30 __Asa Higuchi __2,241,000 __Big Windup! __41 __Female
31 __Kazue Katō __2,218,000 __Blue Exorcist __31 __Female
32 __Yuki Suetsugu __2,112,000 __Chihayafuru __35 __Female
33 __Jinsei Kataoka, Kazuma Kondou __2,039,000 __Deadman Wonderland __Unknown __Female, Male
34 __CLAMP __1,991,000 __xxxHOLiC __Various __Female
35 __Motoka Murakami __1,901,000 __Jin __60 __Male
36 __Mari Yamazaki __1,893,000 __Thermae Romae __44 __Female
37 __Katsura Hoshino __1,847,000 __D.Gray-man __31 __Female
38 __Miki Yoshikawa __1,841,000 __Yankee-kun to Megane-chan __29 __Female
39 __Oh! great! __1,839,000 __Air Gear __39 __Male
40 __Ken Akamatsu __1,780,000 __Negima __43 __Male
41 __Atsushi Ohkubo __1,767,000 __Soul Eater __Unknown __Unknown
42 __Gō Ikeyamada __1,726,000 __Suki Desu Suzuki-kun!! __Unknown __Female
43 __Natsumi Aida __1,670,000 __Switch Girl!! __Unknown __Unnown
43 __Akiko Higashimura __1,670,000 __Kuragehime __35 __Female
45 __Tamiki Wakaki __1,667,000 __The World God Only Knows __39 __Male
46 __Chūya Koyama __1,649,000 __Uchū Kyōdai __33 __Male
47 __Shoji Sato __1,572,000 __Highschool of the Dead __Unknown __Male
48 __Hiro Fujiwara __1,558,000 __Kaichō wa Maid-sama! __Unknown __Female
49 __Chica Umino __1,516,000 __March comes in like a lion __Unknown __Female
50 __Akira Akatsuki __1,504,000 __Medaka Box __33 __Unknown

Link: ANN 

 

Era para ter lançado este post ontem, pelo menos essa primeira parte, com os 50 mangakas que mais venderam desde 2010, mas acabei por interpretar mal o manga e deu preguiça de fazer um novo texto, depois de escrever bastante, por isso deixei para hoje. Já agora o quarto lugar do Top Mangakas ou amanhã ou na segunda.

 

O ranking não é muito diferente de juntar o ranking geral de vendas do ano passado, juntar a ele o ranking de vendas do primeiro semestre e adicionar as vendas desses últimos 2 meses, a única diferença é que em vez de estar por ordem dos mangas está pelos mangakas. Antes de passar ao ranking, como é um ranking que abrange um tempo bastante grande há vários mangakas prejudicados, como Arakawa e a mangaka de Nodame Contabile, já que os seus mangas terminaram em 2010, por outro lado os mangakas de Shingeki no Kyojin e Ao no Exorcist são prejudicados por terem começado a crescer apenas em 2011.

 

Sem dúvidas acerca do priemiro, afinal se a diferença já era gigante nos rankings antes apresentados, imaginem junta-los, o que deu foi One Piece vender 5 vezes mais que o segundo classificado, Naruto. Por outro lado se já mangas prejudicados por esse ranking há os que foram beneficiados, como Fairy Tail e Bleach, já que em 2010 Fairy Tail estava em alta e Bleach ainda estava mais ou menos, este ano estão em constante queda.

 

Gostei de ver Giant Killing tão bem colocado, Shingeki no Kyojin a mostrar a sua força, já agora um facto curioso acerca de Shingeki no Kyojin, pelo que sei começou em 2010, ou seja essas vendas aí são tudo o que o manga já vendeu, ou seja quase 800 mil por volume, o recorde absurdo para o manga com menos de 2 anos e com um mangaka de apenas 24 anos, recorde maior só mesmo do Oda, que desde os 22 que é o mangaka do manga mais popular.

 

 

Uma coisa que não entendi bem é se esse total de vendas é apenas do manga que é mencionado à frente ou se de todos os mangas que o mangaka está envolvido, se isso não muda nada em quase nenhum dos mangakas, isso é importante para determinar as vendas de Takehito Inoue, se for apenas de Vagabond, seria algo incrível já que ele lançou apenas 2 volumes durante esse espaço de tempo, já que o manga está em hiatus. Por isso aposto que seja as vendas de Vagaond e de Real, mesmo assim, todos juntos seriam apenas 4 volumes contabilizados, já que Inoue só lança um volume por ano de Real. De qualquer maneira é algo incrível, quase o mesmo que Shingeki no Kyojin, com a única diferença de que ao contrário de Hajime Isayama, Takehito Inoue é veterano e além disso o criador de Slam Dunk, o manga com a melhor média de vendas de sempre, que deve ser por pouco tempo, com essas vendas absurdas de One Piece.

 

Diamond no Ace ganhou, mesmo por pouco, a Ahiru no Sora. Olhem só a idade do mangaka de Jin, 60 anos, desse ser dos mangakas mais velhos ainda em actividade. O mangaka de Kuroshitsuji (Black Butler), só podia mesmo ser mulher, com aquele manga shounen que mais parece yaoi. Curioso o facto de Deadman Wonderland ser feito por uma dupla mista, é a primeira vez que vejo isso. O mangaka de Prince of Tennis leva o título de mangaka que mais vendeu da Jump Square, mas não chega a ser surpresa, por toda a popularidade de Prince of Tennis. Esperava mais das Clamp e por isso fico na dúvida se realmente o ranking conta todos ou apenas um, mas se for apenas um, então onde estaria Inoue se Real conta-se no top10, já que Real, apesar de pouco, vende mais que Vagabond.

 

 

Top Clubes Escolares:

 

Um ranking sobre clubes escolares, muitos mangas se focam nisso, não apenas os mangas de desporto, mas sendo a sua maioria. O ranking foi elaborado pelo site Cobs Online e como habitual foi dividido em mulheres e homens, os resultados são os seguintes:

 

Mulheres:

1ºSlam Dunk

2ºK-on

3ºTouch

4ºOuran High School

5ºPrince of Tennis

Menções honrosas: Hikaru no Go, Sket Dance, Sexy Commando e Chihayafuru's.

Link: ANN

 

Fiquei surpreso por Slam Dunk ganhar esta, pelo menos à primeira vista, agora olhando mais atentamente e vendo as outras opções não há surpresa, mas a verdade é que é raro ver uma lista em que Slam Dunk esteja envolvido que não ganhe o primeiro lugar, mesmo no lado feminino. K-on em segundo, a representar a parte feminina da lista, que por incrível que pareça é bem pequeno. Em terceiro mais um manga de desporto, desta vez de basebol, Touch, a mostrar a sua enorme popularidade no Japão.

 

Não conheço Ouran High School, nem estou interessado. Prince of Tennis não poderia faltar, afinal é um manga bem popular do lado feminino. Já das menções honrosas, Hiraru no Go, já me tinha esquecido que eles realmente criaram um clube escolar disso, adoro o manga, mas esse clube não queria. Gostei de ver Sket Dance envolvido nesse ranking, Chihayafuru's não tenho anda a declarar.

 

Sexy Comando, a sério? Eu não acredito que este manga foi sequer mencionado, o manga mais cómico que já li na vida e sem dúvida alguma o manga mais sem sentido de sempre. Poderia tentar fazer um resumo, mas não consigo arranjar uma maneira de tentar explicar o manga, mas numa tentativa, quando pensam que já viram a cena mais estúpida da vida o Masaru, protagonista, ainda consegue arranjar algo mais estúpido.

 

 

 

Homens:

1ºSlam Dunk

2ºTouch

3ºK-on

4ºCaptain Tsubasa

5ºPrince of Tennis

Menções Honrosas: Sket Dance, Ichigo 100%, Sexy Commando, Ouran High School e Hikaru no Go.

Link: ANN

 

Sem surpresas para Slam Dunk, também normal o segundo lugar de Touch, K-on a mostrar a sua popularidade, apesar de nunca ter entendido o porquê? Captain Tsubasa a entrar no ranking masculino, sem muitas surpresas, um dos mangas de desporto mais populares e Princ of Tennis também bem popular do lado masculino. Resumindo 4 em 5 são mangas de desporto, um de basket, um de basebol, um de futebol e um de ténis.

 

Sobre as menções honrosas, de diferente do lado feminino apenas Ichigo 100%, a única surpresa, para mim, foi saber que há um clube nesse manga, ainda só li o primeiro volume.

 

 

Concluindo:

Slam Dunk é o grande vencedor deste ranking, mas a grande surpresa foi sem dúvida a menção a Sexy Commando.

publicado por Dark-Fenix às 21:08
Sexta-feira , 10 de Dezembro DE 2010

Vagabond continua em hiato

Comics Wallpaper: Vagabond - Musashi vs Baiken

 

Essa semana, o autor Takehiko Inoue confirmou que Vagabond vai continuar paralisado por tempo indefinido. Em Agosto ele disse que estava com problemas de saúde, e no mês seguinte saiu a confirmação que os exames estavam bem, e que ele estava descansando.

 

Segundo o autor, ele só volta a fazer o mangá quando voltar o ânimo. O mangá está na revista Mornind desde 1998 e já teve 33 volumes encadernados. No Brasil, Vagabond foi lançado pela Editora Conrad, que paralisou a série.

 

Takehiko Inoue também é conhecido no Japão por ser o criador de Slam Dunk e mais recentemente por Real, ambos de basquetebol.

 

Fonte: Anime Pró

 

Comentário Pessoal:

É uma pena as férias dele, terminei de ler Vagabond há umas duas semanas, mais ou menos, uma grande obra, principalmente pela arte, onde Inoue mostra que é um dos melhores, se não o melhor nesse requesito. Mas pelo menos fica-se a saber que ele está bem e que um dia poderá terminar Vagabond e principalmente Real.

publicado por Dark-Fenix às 18:45
Terça-feira , 28 de Setembro DE 2010

Os Bastidores de Vagabond

Vagabond

 

Estava à procura ontem de nóticias na net, para colocar aqui no blog, quando me deparo com esta super noticia, pelo menos para mim:

 

Existe um programa no Japão que passa na estação de televisão, NHK, que se foca em ética de trabalho, carreira e empreendedorismo, com convidados conhecidos pelo público em diversas profissões no Japão. No caso, o episódio do programa é focado em Takehiko Inoue (Slam Dunk, Vagabond e Real), mostrando sua metodologia de trabalho – e até suas crises criativas, com uma honestidade ímpar.

Ainda não li a obra de Vagabond no seu todo, mas do pouco que li deu para perceber que esta é uma obra que Inoue desenvolveu mais pela arte do que pela história em si, história essa de vem de uma livro Japonês, "Musashi", só isso já mostra que Inoue desenvolveu Vagabond mais para mostrar a sua arte ao mundo do que propriamente as suas histórias, que nesse requesito ficam Slam Dunk(considerado por maioria, mais que absoluta dos japoneses, como o melhor manga de sempre) e Real(manga que Inoue ainda desenha e tem uma lição de vida que nunca vi em mais nenhum outro manga). Slam Dunk e Real, ambos mangas de basquetebol, sendo Real de basquetebol de cadeiras de rodas, tem uma arte extraordinária, mas Vagabond é perfeito nesse requesito, só verem a foto que abre o post para perceberem quão bem Inoue desenha.

 

Sem mais conversas fica ai os videos desses programa:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Acho que mesmo que quem ler este post não goste de Slam Dunk, Vagabond ou Real, ou seja não gosta de Takehito Inoue, tem de admitir, contam-se pelos dedos os mangakas que conseguem competir com ele em arte.

PS: Ao ver Inoue desenhar até parece fácil, mas a verdade é que não é bem assim.

publicado por Dark-Fenix às 17:27
Sexta-feira , 10 de Setembro DE 2010

Novidades sobre o final de Vagabond

http://www.animebros.com/wp-content/uploads/2010/01/Vagabond.jpg

Por conta de problemas de saúde, o autor de Slam Dunk e Vagabond, Takehiko Inoue afastou-se nos últimos meses de seu trabalho como mangaká para se cuidar. Recentemente o site oficial do autor foi atualizado, e informa que volume #10 de Real será lançado em novembro.

Quanto a sua outra obra, Vagabond, esta se encontra em pausa por causa da doença do autor. O retorno devia acontecer no dia 02 de setembro, mas foi adiado para outubro, mas sem uma data definida. O fim de Vagabond deve ocorrer até o fim do ano ou no início de 2011.

 

Fonte: ANMTV

publicado por Dark-Fenix às 17:05
Terça-feira , 17 de Agosto DE 2010

Vagabond em pausa no Japão

https://1.bp.blogspot.com/_xdNjfQhbP10/S6r-P60-PgI/AAAAAAAABeQ/MOq68x8abgg/s1600/%5Blarge%5D%5BAnimePaper%5Dscans_Vagabond_bouinbouin(1.12)__THISRES__185929.jpg

Não se desesperem e nem cortem seus pulsos com suas katanas. Takehiko Inoue sofreu um problema de saúde e, com isso, o mangá de Vagabond será paralisado por apenas um mês no Japão. Não se sabe que doença atacou Inoue. Vagabond  entrou em sua reta final, como o próprio autor já havia adiantado.

 

Fonte: Anime Pró

publicado por Dark-Fenix às 19:38

mais sobre mim

pesquisar

 

Dezembro 2013

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

últ. comentários

  • Karigurashi No Arrietty.
  • O Dark conheceu a vida na faculdade, o League of L...
  • Você escreve bem.Uma pergunta, de qual animação ja...
  • ALL FREE ANIME FOR YOU at http://www.anime4you.com...
  • Também estão disponíveis à venda nas lojas FNAC, B...
  • A Devir começou a traduzir mangás em português. Es...
  • Tb acho que o telefonema de walt a skyler não tem ...
  • Aceitas parceria? Já adicionei o teu banner. O lin...
  • Bom dia,vi que seu site oferece arquivos para baix...
  • Me pergunto se o Dark passa alguma vez por aqui ne...

mais comentados

Button

Parceria

Ohayo Scans

Tags

Contador