Quarta-feira , 05 de Dezembro DE 2012

Opinião Semanal #60

Mais uma vez atrasou, mas saiu. Nesta semana a estreia de Shuumatsu no Laughter e comentando a primeira metade do one shot de Hunter x Hunter, por outro lado sem Nisekoi e Hungry Joker, ainda não li os capítulos. Foi uma boa semana, onde só Fairy Tail foi realmente mal.

 

Sobre o nº que aparece no título, desde o início que sempre segui o padrão japonês, ou seja toc #52, Opinião Semanal #52, então agora deveria ser a #1, mas vou começar a partir de agora a contar a partir de cada post que faço, ou seja esta é a edição 60, caso não tenha contado errado. Muito provavelmente para a semana também terá mais uma alteração para prevenir que o post seja lançado tão tarde.

 

14ºFairy Tail 310:

 

Capítulo típico de Fairy Tail e totalmente esperado, serviu para empatar tempo e esperando que agora ande depressa para a viagem no tempo, o que infelizmente não deve ser assim tão depressa porque ainda falta a parte final do torneio.

 

 

13ºBeelzebub 183:

 

O capítulo em si não merecia um penúltimo lugar, mas também dentro do resto das alternativas é sem dúvida o mais fraco da semana. Em primeiro lugar a minha critica ao capítulo é a mesma que ao 181, um capítulo um combate, com isso acaba sendo muito destaque para um único com combate e com isso vê-se mais erros e torna-se mais aborrecido.

 

Em segundo lugar, o facto do Oda e da Hilda nem sequer terem combatido, não que me tenha aborrecido com isso, mas mostra que o nível de preocupação com o torneio está quase no nível de Fairy Tail, o que para um gag manga não é propriamente um problema, mas também não está a ser positivo. E em terceiro lugar a maneira como terminou, um capítulo inteiro para um empate e a decisão fica apenas para um quadro.

 

Por outro lado a referência a Toriko foi excelente e a parte do kanzaki com o iogurte também, mas foi basicamente só isso. Agora com as meias-finais é provável que empolgue mais, mas por agora está bem aquém do que o início do arco prometia.

 

 

12ºBleach 518:

 

Nem sei para que vou dizer isto outra vez, mas também se deixasse isso de lado não explicaria totalmente o porquê de uma posição tão baixa para Bleach, numa altura que vamos conhecer o Rei, ou seja deveria ser só de elogios. Novamente o grande problema é o humor do Kubo, este momento do manga pedia tudo menos humor, duvido que alguém que leia esse capítulo aleatoriamente, ou os anteriores, e não conheça Bleach leia o capítulo e pense em qualquer momento que a Soul Sociaty foi derrotado há uns 5 ou 6 capítulos atrás, com tanto sorriso se calhar era mais fácil pensar que era um encontro de convívio entre shiginigamis sem mais o que fazer além de jogar conversa fora.

 

Ainda em respeito do capítulo da semana passada, está certo que a Soul Sociaty é responsabilidade da Gotei 13, mas difícil engolir essa atitude da Guarda Real em respeito da situação. Um bom exemplo é a destruição de Marienford em One Piece, Marienford é responsabilidade da Marinha e a Marinha e o Governo Mundial são duas coisas diferentes, mas a Marinha também responde ao Governo Mundial, desta forma que a Gotei 13 responde ao Rei, e não vejo de maneira alguma o Gorosei ter visto a destruição de Marienford como algo que não lhes interessava minimamente, vale lembrar que os Shibukais respondem ao Governo Mundial e estavam na guerra ajudando e estavam lá vários soldados do Governo Mundial, além do mais o Sengoku de certeza que ouviu das boas no final da guerra. Resumindo sim a culpa é da Gotei 13, mas vale lembrar que com a Soul Sociaty destruída não ajuda nada na segurança do Rei e duvido que lhe seja indiferente.

 

 

Outra coisa que o Kubo tem falhado é na reaparição de novos personagens, como o Kon ou agora a Kuraku, o Ganju e os Fullbringers, o autor está a fazê-los aparecer muito aleatoriamente e praticamente sem propósito para isso, está certo que ela serviu para mandar aquela coisa de volta ao palácio, mesmo assim não deixou de ter uma aparição bem aleatória. Sobre os mistérios, primeiro com a chegada mais que previsível sobre o Ichigo, no capítulo anterior o telefonema do Urahara e agora esse que não pode falar ao telefone com o Ichigo. O Kubo parece que esta sem rumo e volta com personagens só porque sim e coloca mistérios só porque acha que isso por si só melhora a obra em si, mistérios tem de ter o seu próposito, se forem jogados só porque sim ou para causar impacto nos leitores, não passa longe do que foi o final de Lost.

 

De resto está certo que Bleach não respira carisma como Naruto ou One Piece, que não é apoiado pelos exageros gráficos de Toriko, ou que não tem aquele carisma reverso de Hunter x Hunter, mas ao longo dos seus mais de 500 capítulos o Kubo já criou personagens carismáticos e sítios impactantes, então como é que é possível que a essa primeira imagem do Palácio Real seja tão simples e sem graça? O pior é que essa falta de carisma não me surpreende nada, esperando que no próximo capítulo isso melhor, e muito.

 

PS: Pelo que vi do capítulo desta semana termina da mesma forma simples e sem graça, só porque o Kubo quer surpreender, mas quer deixar o mistério no ar.

 

 

11ºRookies 82-83:

 

Foram maus capítulos? De forma alguma, mas foram totalmente previsíveis, e quando digo totalmente é mesmo como todos os quadros desses dois capítulos são o mais puro cliché nessas situações. Os delinquentes que tem a fama, mas no final realmente mudaram, com a comparação entre as meninas santinhas que no final fumam mais que os delinquentes, a personalidades da nova professora, a surpresa que não é surpresa para ninguém, a história de conclusões precipitadas, o director e as suas infames piadas, o seu problema com o protagonista, até a santa dor no estomago, a mãe que acha que a filha é uma santa, os óculos sem lentes e finalizando com o cliché dela ter vindo para essa escola por causa do Kawatou.

 

Mas repito de forma alguma foram maus capítulos, apenas seguiram um caminho totalmente cliché que podia muito bem ser dispensável.

 

 

10ºKiruko-san 2:

 

Bem melhor do que o primeiro capítulo, mas o motivo também é meio obvio, pelo menos para mim, ou seja muito menos páginas, tornou a leitura menos arrastada. Mas também estaria a ser injusto se dissesse que esse foi o único motivo, a comédia em si também fluiu muito melhor.

 

No geral foi um bom capítulo e ao contrário da semana passada, nesta eles estarem numa cidade pacata ajudou, além de que terrorismo calhou muito melhor do que o ladrão do capítulo anterior. Por outro lado o manga continua não escolhendo um caminho, sendo uma junção de géneros e de coisas que não ajudam nada na sua qualidade.

 

 

9ºNaruto 611:

 

A parte da luta entre o Juubi e o time Naruto continua desinteressante, mas compensou com a chegada da aliança Shinobi. Indo por partes, acho que neste capítulo ficou provado que apesar do Madara ter influenciado bastante a mudança do Obito para o lado negro da força, o principal problema dele foi o mesmo do Anakyn Skywalker, ou seja o seu ego gigante, isso é facilmente visto na fala “Um dia você também… não… todos irão se tornar como eu”. E depois ainda nessa discussão entre o Obito e o Naruto saí o clássico momento de que no final o protagonista não saí perdendo se o vilão ganhar e no caso do Naruto é só benefícios, é da forma que se tornava hokage mais rápido.

 

A aliança Shonobi chegou na altura certa e ao mesmo tempo, como mandam as regras, foi um excelente momento, mas pergunto fui o único que pensava que ficaria mais interessado com a chegada deles do que realmente fiquei, acho que faltou muito mais emoção na cena. De qualquer maneira a nível técnico acho que teria sido muito mais benéfico para a cena final se fosse uma página dupla com um único quadro e com uma visão mais alta, da forma que ficou tirou o destaque da imagem principal e também acabou fixando demasiado nos personagens conhecidos, sem chocar pelo nº de soldados presentes.

 

 

8ºKuroko no Basket Volume 9:

 

Mais um volume e estou quase em dia com as scans, nesta semana 4 assuntos em destaque:

 

O Tetsuya #2: Parece que a criatividade do autor nos capítulos de comida, passaram para outro nível, desta vez num capítulo bem parecido com a forma desses capítulos, o autor apresenta o novo personagem e membro da equipa, o cão mascote, Tetsuya #2. Mais um daqueles capítulos clichés, mas que funcionam bastante bem em Kuroko no Basket e esperando que o cão realmente tenha destaque no futuro.

 

Basketball de Rua: Gostei da ideia, mas ficar muito tempo sem um jogo oficial pode prejudicar muito um manga de desporto na Jump, em popularidade entenda-se, de qualquer bom arco, que serviu para relaxar para o que aí vem, voltar a mostrar personagens antigos, o que é bom para um manga que se centra demasiado nos personagens da Geração dos Milagres, e apresentar dois novos personagens, o novo membro da Geração dos Milagres e o amigo do Kagami. A única critica ao arco, tirando os personagens em questão que falo abaixo, foi a maneira como terminou, o jogo ser cancelado é muito anti-climax, mesmo para um jogo amigável, é estranho pensar que organizam o torneio e não vai ter vencedor, nem que marcassem para outro dia.

 

 

Amigo do Kagami: Gostei da história dele e do Kagami, mas o personagem em si e principalmente o timing da sua apresentação não deixa de ser bem aleatório. Por um lado é bom o manga dar destaque a alguém além da Geração dos Milagres e o Kagami, mas por outro esse destaque ser dado logo ao amigo do Kagami e na mesma equipa que um membro da Geração dos Milagres é cliché, exagerado e desnecessário. Isso raramente funciona num manga de desporto.

 

Novo membro da Geração dos Milagres: Um bom personagem, realmente já faltava o personagem alto na equipa, dizendo isto já que o Midorima é o de 3 pontos ou seja não conta, o personagem como praticamente tudo em Kuroko é cliché, mas como a maioria das coisas em Kuroko esse é um dos clichés que funcionam bem, o único defeito é aquela mão, muito gay.

Nova técnica do Kuroko: Não sei ao certo o que pensar, já que por um lado essa personalidade, ou falta dela, é a melhor coisa do Kuroko, mas por outro foi excelente ver Kuroko tendo destaque, esperando para ver no que isso vai dar, de qualquer maneira excelente maneira de terminar o volume.

 

 

7ºAssassination Classroom 21:

 

Boa página colorida.

 

Como seria normal esperar depois da apresentação de um novo personagem no final do capítulo anterior, neste o autor se foca na nova personagem e não há muito o que comentar, deu personalidade há robô, mostrou mais uma vez a relação professor e alunos e como seria esperar o Duro de Matar deu um upgrade na MATA, afinal um ipod gigante até pode funcionar há primeira vista, mas depois acaba ficando sem graça, por agora essa solução de ser uma espécie de ecrã funciona e nem queria ver ela como um robô humanoide, mesmo assim acho que eventualmente isso terá de acontecer, afinal ela continua a ser uma caixa no fundo da sala.

 

 

6ºHunter x Hunter One Shot Kurapkia Parte 1:

 

Gostei mais da página colorida do que propriamente da capa da Jump desta semana.

 

O capítulo é bem simples e isso pode ter influenciado no proveito final de muita gente que esperava no “retorno” do manga já capítulos nível final da saga das Chimera Ants ou Eleições, mas como tinha sido dito era apenas um one shot para promover o filme de Hunter x Hunter, então é normal ser algo bem mais simples.

 

Prefiro comentar melhor quando sair a segunda metade, e sim acho que para a qualidade o one shot nunca deveria ter sido dividido em duas partes, então por agora vou só dizer que gostei da versão criança do Kurapika, do amigo dele e até mesmo desse clima mais infantil do manga.

 

Não me lembro se chegou a ser mencionado ou não no manga, mas caso não esse capítulo deixou muito na cara que a culpa do extermínio do clã será culpa do Kurapika e a sua curiosidade.

 

 

5ºHaikyuu 24:

 

Excelente página colorida, pena que não traduziram o que está escrito nas t-shirts e não sei nada de japonês.

 

Capítulo simples que deu os retoques finais que eram precisos dar, a praticamente todos os personagens da equipa, em especial o Hinata e o novo treinador, que passou meio despercebido do jogo e até fiquei com a ideia que ele em si não aceitou oficialmente, mas sim já foi aceitando dando indicações e pedindo alguns dados sobre os jogadores. Uma cena que gostei bastante foi ver que o grupo adversário ganhou, mas não apenas pelos jogadores mais velhos da equipa, mas sim também pelos jogadores do bairro, dá uma ideia mais realista, em vez daquela de jogadores do colegial já ganharem a jogadores muito mais velhos.

 

No fim o autor já começa criando o plot para a próxima história, por um lado é uma boa ideia, aproveitar o capítulo final do arco e fazer a ligação para o próximo, mas fica a ideia que o manga vai seguir muito na ideia de termina um jogo e começa outro. E nem 8 nem 80, uns 2 ou 3 capítulos mais normais no meio focando na relação entre os personagens da equipa também são necessários, mas esperar para ver, já que até agora o autor não desiludiu e está a fazer um óptimo trabalho.

 

 

4ºToriko 213:

 

Foi um bom capítulo de Toriko, mas faltou alguma coisa e espero que isso não seja algum presságio para ser algo como o arco anterior que tinha tudo para ser excelente, mas falhou em alguns aspectos fundamentais. Tirando as escolhas de cores estranhas por parte do Shimabukuro foi uma boa página colorida e volto a frisar que o autor parece estar a seguir o padrão do Oda, que quando ganha destaque na Jump só lança a página colorida dupla.

 

O Shimabukuro continua a adicionar novos personagens a irem em direcção ao Estádio Gourmet, também seguiu o padrão da semana passada e saí fazendo ainda mais apresentações, mas desta vez felizmente foram poucas. De seguida as previsões dos membros do Gourmet7 e só espero que o Shimabukuro não esteja mesmo a pensar em colocar o Komatsu para ganhar. Apesar de ter gostado bastante das expressões do Komatsu na última página, esse momento não me empolgou tanto quanto gostaria, mas espero que o Shimabukuro prove que estou errado.

 

 

3ºShuumatsu no Laughter 1:

 

A melhor coisa de ler um manga shounen que não seja da Jump é poder aproveitar sem pensar imediatamente se vai fazer sucesso ou não, já que a probabilidade de se manter até o autor lhe apetecer é bem grande na Sunday. Por isso ou pelo manga ser mesmo bom gostei bastante de Shuumatsu no Laughter, mesmo que o manga não seja a coisa mais original do mundo, como cheguei a comentar no blog, em comparação com Hungry Joker, HJ tem mais potencial, mas Shuumatsu no Laughter tem a experiência de lado e por isso em 1 capítulo mostra um óptimo desenvolvimento e consistência.

 

Kekkaishi, antigo trabalho da autora, também nunca foi grande coisa no que diz respeito a potencial da obra, resumindo uma obra que serve para quem está à procura de algo para divertir e não para comentar todas as semanas, por isso acredito que Shuumatsu no Laughter siga o mesmo caminho, apesar de que o facto de, pelo menos por agora, o manga não estar restrito a um espaço pequeno, quando Karasumori. Shuumatsu também parece ser um pouco mais dark que o anterior trabalho da autora, o que pode indicar também um manga menos monótono quanto Kekkaishi, mas com um capítulo apenas é difícil de especular.

 

 

A premissa é meio simples, uma catástrofe e o mundo ficou devastado e repleto de demónios e como maior cliché de mangas com essa descrição, o protagonista é um desses demónios, apesar de seguir uma linha cliché gostei do personagem, não mostrou logo um grande carisma, mas tem um bom design, é mais velho que o típico protagonista shounen e gostei do sítio onde foi colocada a boca do demónio, mesmo que seja meio cliché, já que é no mesmo sítio do X do Kenshin. E curiosamente a irmã dele não me irritou, bem pelo contrário, como na maioria dos casos.

 

Como disse o manga tem um ar bem dark, mesmo sem tentar ser mais do que é, os flashbacks foram excelentes, dando um bom hype para o manga como um todo, o único grande defeito desse primeiro capítulo é que primeiros capítulos de certa forma devem funcionar como one shots, mas deixando o futuro em aberto, já no caso de Shuumatsu no Laughter ficou totalmente aberto, mas sem fechar nada, não é algo preocupante ou algo que se pareça, apenas um apontamento que acho importante.

 

Concluindo, um bom primeiro capítulo, que dá boas indicações para o futuro e que recomendo para quem está à procura de um bom manga para ler, mas sem grande compromisso e expectativa futura, apesar de que se a autora quiser pode criar um excelente manga a partir deste primeiro capítulo.

 

 

2ºOne Piece 690:

 

Finalmente um capítulo onde a capa não é mais interessante que o resto. Sobre a capa, não tenho muito a dizer, só que essa cena fez-me lembrar bastante de Drum, ou seja do arco do Chopper, mas esperando pelo próximo que deve dar algo mais concreto acerca dessa história.

 

Não é exactamente a primeira vez que o Oda acerta nesta saga, mas desta vez fez tudo como deveria, focou-se em todos os acontecimentos de forma rápida e concisa, ou que faz com que se torne menos aborrecido e monótono, e terminou com o personagem que tem levado esta saga nas costas, ou melhor com todos os personagens em destaque desta saga, porque se há algo que se aproveita verdadeiramente desta saga é sem dúvida Law, Smoker, Vergo e DoFlamingo.

 

Indo por partes, o Oda fez exactamente o que tinha de fazer com o Caesar, pena que igual fez com o Bellmay devia despachar isso o mais depressa possível, mas ainda adia por mais algum tempo. Outra coisa que o Oda já precisava de fazer era actualizar a situação dos mugiwaras, mas de forma rápida, duas páginas e pronto nem dá para se irritar por eles nunca pararem de correr.

 

Por fim o main-event do capítulo, como disse nos comentários não gostei muito da derrota do Smoker, não exactamente por ter perdido, até porque não houve exactamente uma luta directa, mas sim por causa da má imagem que deixa, ele perde para o Vergo e o Vergo para o Law, então faz parecer uma grande diferença para alguém que sempre foi visto como uma versão do Garp, se compararmos o Luffy com o Roger.

 

 

A parte final do capítulo foi simplesmente excelente, numa conversa entre os principais destaques desta saga, Law e DoFlamingo, DoFlamingo esse que pela primeira vez no manga perdeu a compostura e aquele sorriso enervante. A parte dele cortar a montanha e o Vergo foi um bocado exagerado, mas acredito que tenha a ver com o novo alcance da sua akuma no mi, que relembro corta tudo dentro de um determinado espaço.

 

Mas o melhor do capítulo foi praticamente a promessa de que vamos ver bastante confrontos entre os supernovas no futuro e se calhar sair um pouco da rotina de One Piece de uma saga um vilão, seguindo algo maior como foi em Marienford, uma coisa também é certa o Kid e o Law estão de lados diferentes, mas no que o Law disse ao Flamingo os dois concordam, a nova Era é deles.

 

PS: Agora esperar que o Oda no próximo capítulo não estrague tudo.

 

 

1ºDorohedoro 59-60:

 

Como sempre, mais dois capítulos excelentes de Dorohedoro, desta vez a autora não seguiu o padrão de capítulo one shot, está numa sequência e agora dá facilmente para perceber porque a Fuji Scans decidiu lançar dois capítulos por semana, as histórias mostradas nos 3 capítulos anteriores reúnem-se nestes dois capítulos, até mesmo a história da Ebisu, que parecia estar mais afastada do resto.

 

E foi na Ebisu que o capítulo 59 se focou, a Ebisu falsa é bem o que dá para esperar de Dorohedoro, quanto mais bizarro melhor, então porque não um homem com uma espécie de tubo de cola na cabeça que cria pessoas iguais ao original, a transformação da Ebisu em dinossauro também foi excelente e surpreendente, pena que não mostrou o poder do Fujita no capítulo seguinte.

 

 

Mas o principal desses capítulos foram mesmo o encontro entre o Kaiman e o En, o que deu azo ao provável melhor momento do manga até agora, a transformação do Kaiman, ou melhor dizendo ele voltar à sua forma original sem o rosto de lagarto, agora resta esperar pelos próximos capítulos para saber exactamente o que aconteceu, de qualquer maneira o manga está excelente e se manter o nível nos próximos capítulos dificilmente sairá do primeiro lugar.

 

PS: Essa segunda imagem que postei representa na perfeição o que é Dorohedoro.

 

 

Ranking:

1ºDorohedoro
2ºOne Piece
3ºShuumatsu no Laughter
4ºToriko
5ºHaikyuu
6ºAssassination Classroom
7ºHunter x Hunter
8ºKuroko no Basket
9ºNaruto
10ºRookies
11ºKiruko-san
12ºBleach
13ºBeelzebub
14ºFairy Tail

publicado por Dark-Fenix às 13:55
Terça-feira , 27 de Novembro DE 2012

Opinião Semanal #52

Semana sem Toriko quer dizer semana sem battle shounen no topo e nesta semana isso foi mais que verdade, sendo que o puro battle shounen mais perto do topo do ranking está apenas em sétimo. Tirando isso foi uma semana no geral bem mediana, onde os mangas que se destacam são aqueles mais estáveis, como é o caso de Haikyuu, Rookies ou Dorohedoro.

 

 

15ºSensei no Bulge Fim:

 

Finalmente foram lançados os últimos capítulos e já posso juntar mais um manga há lista de concluídos, tirando isso não há muito o que dizer, sendo que o único momento que esses últimos capítulos me fizeram pensar que o cancelamento foi injusto foi o último quadro, que não me fez pensar que o manga foi cancelado injustamente, mas sim que nas mãos de outro mangaka poderia ter futuro, afinal estamos a falar de um manga com aliens e viagens espaciais.

 

Que fique claro gosto bastante do autor, afinal ele fez Oumagadoki Zoo, mas sem dúvida essa mesma premissa nas mãos de um autor de shounen de batalha teria tido mais sucesso, já o autor de Sensei no Bulge devia-se dedicar a comédia, de preferência na Magazine ou Sunday.

 

 

14ºFairy Tail 309:

 

Típico capítulo de Fairy Tail, depois do Mashima dar a entender que podia dar algum destaque às lutas, ele faz o do costume fazer com que a Fairy Tail esteja em desvantagem, para no final dar a volta por cima, para no próximo capítulo eles darem o golpe final e seguirem em frente. Resumindo nada de novo e totalmente esperado, confirmando-se o que esse novo grupo além de aleatório serviu apenas para gastar tempo.

 

Além disso ainda se teve tempo para ver Arcadios, o homem lava, a correr na lava para salvar as damas em apuros, mas nem para deixar o personagem morrer, além de não ser derretido por causa da lava ainda é salvo pelo relógio da Lucy, que se vê salva por um Loki, que está tão estranho que nem parece o Loki.

 

 

13ºOne Piece 689:

 

Na altura que saiu o 688 ao ler alguns comentários sobre One Piece acabei vendo um que dizia que era melhor entrar em hiatus com um capítulo fraco para depois no regresso voltar em grande, do que terminar com um bom capítulo e depois regressar por baixo. De certa maneira ele tinha razão, caso não fosse o Oda ter entrado em hiatu com um capítulo fraco e voltado com um que não foi muito melhor.

 

Como disse nos comentários nas últimas semanas One Piece é um manga à partida lançado para um público infantil, mas que como bem mostram as pesquisas feitas no Japão agradam a todas as faixas etárias e isso deve-se ao facto de que mesmo com uma premissa infantil na hora certa o manga ganha a carga dramática certa para agradar aos fãs que procuram algo mais que uma história boba e infantil, o Oda em praticamente o manga inteiro soube balancear esses dois aspectos muito bem, mas parece que desde o final de Marienford, claramente um momento mais sério do manga, ele não soube voltar direito aos momentos mais simples do manga e isso viu-se na saga dos tritões, mas ainda está mais visível em Punk Hazard, em especial a maneira sem sentido que o Oda tenta mostrar que o Caesar é mau.

 

 

O Caesar está quase ao nível Bruxa Má das histórias da Disney e o facto de ele criar frutas artificiais podia bem funcionar como uma comparação com a história da Branca de Neve, seja como for se o objectivo do Oda era tornar o personagem irritante conseguiu, porque no final também queria ter feito igual ao Luffy, mesmo que seja bem inferior aos épicos socos que o Luffy deu no Bellamy e no Tenryubito e ao contrário desses dois personagens não beneficia nada o Caesar.

 

O melhor do capítulo é ver que mesmo que o Oda esteja gastando mais tempo do que o necessário em Punk Hazard, One Piece ainda continua com a linha de pensamento de pensar no futuro e não fazer uma saga fechada, as akuma no mis artificiais, Smile, abrem uma boa possibilidade para o futuro do manga, ainda para mais com tudo isso envolvendo o DoFlamingo. O ponto forte disso foi também que o Oda deu destaque às akuma no mi tipo zoans, que o Oda sempre deixou em terceiro plano, só espero é que não ajam muitas akuma no mis artificiais lendárias, senão as Smile vão ser bem overpower e acabam estragando por consequência com o significado de só haver uma akuma no mi de cada tipo.

 

Esta semana concluindo ao contrário, ou seja falando da capa do capítulo, mais uma vez o melhor do capítulo continua a ser a história do Caribou, que agora chegou à ilha onde o X-Drake tinha ido antes do timeskip, relembrando uma das ilhas do Kaidou, o que deixa muito boas possibilidades para essa história e quem sabe até descobrir alguns segredos do pós-timeskip, algo que o Oda está a dar a conta-gotas e a esta altura já estava mas que na altura de mostrar algo mais concreto sobre como está o mundo pós esses 2 anos.

 

 

12ºKiruko-san 1:

 

Igual a One Piece vou começar por algo que li na internet, alguém disse algo parecido com isto, comecei a ler e estava a achar sem graça, mas já que estava a ler decidi ir até ao fim, isto quando paro para ver em que página vou e ainda estava na 20, de mais de 55. No meu caso não foi logo na 20, mas também não durou muito, foi na 27 que parei para ver quanto ainda faltava e a partir daí foi um martírio para acabar de ler o resto.

 

Kiruko-san é um gag manga, mas ao mesmo tempo que é um gag, tem o nº de páginas normais que os mangas da Jump têm e isso até pode acabar passando despercebido quando tiver as habituais 19 páginas, mas ler 55 páginas seguidas disso é complicado. Até comentei parecido no primeiro capítulo de PSI, onde quase no final do manga também já estava a começar a ficar irritante, a diferença é que em PSI faltavam apenas 6 páginas para o final e em Kiruko-san faltava praticamente 30.

 

Antes de comentar sobre a história, não é só Kiruko-san, mas ao ler esse capítulo me fez pensar no porquê de cada vez gostar menos dos mangas que estreiam na Jump, antigamente um gag manga policial seria um Kochikame, personagem adulto e dentro dos possíveis realista, agora manga publicado na Jump tem de ter personagens com cara de criança e se não terem traços realistas ainda melhor, e a comédia é o mais bobo possível e se possível também envolvendo um ladrão de roupa interior feminina. Mas como disse isso não é só problema de Kiruko-san, mas sim de mangas shounen no geral, provavelmente por isso Toriko funcionou tão bem na Jump de hoje em dia, para contrariar essa tendência.

 

 

Sobre a história em si, é bem ao nível de Reborn, entendam como quiserem. A Kiruko é uma ex-mercenária que vai trabalhar para a polícia de uma pequena cidade, não tem muita personalidade, parecendo que nunca conviveu com ninguém, sendo muito forte, essas duas ideias basicamente servem para 90% das piadas do capítulo. Os outros 10% ficam para o coprotagonista pervertido, que até gostei no início, mas no final vi que mesmo com personalidade diferente da maioria dos protagonistas no final vai dar ao mesmo.

 

Para concluir, Kiruko-san ainda não mostrou muito a que veio, o primeiro capítulo é gag, mas tem um toque de quem pode ir para comédia romântica ou battle shounen, seja como for actualmente na Jump essa indecisão pode não ser benéfico para o manga. De qualquer maneira logo no primeiro capítulo já entregou logo um dos maiores clichés de mangas de romance, o ladrão de roupa interior feminina, e acho que isso mostra bem o nível do manga.

 

Mas é como disse acima é bem ao nível de Reborn e o manga durou 42 volumes.

 

 

11ºBleach 517:

 

A página colorida já mostrava bem o que estava por vir, uma sequência de comédia protagonizada pela Guarda Real. Deixando isso de lado, é sempre uma pena quando a Jump decide colocar toda essa publicidade em cima das páginas coloridas, principalmente nessa que era a primeira com os 5 da Guarda Real reunidos. Além disso volto a relembrar a boa referência que o Kubo fez uma das melhores músicas de sempre, pena que a qualidade do capítulo não esteve há altura da referência.

 

Bleach sempre esteve longe de me agradar totalmente, mesmo tendo excelentes momentos nunca conseguiu resultar durante muito tempo seguido, mas uma coisa que nunca me agradou foi o senso de humor do Kubo, piadas forçadas e num timing pior ainda, é a maneira como descrevo o humor em Bleach, um bom exemplo foi a aparição do Kon no capítulo anterior, algo que se esperava há uns bons tempos estragado pelo timing da sua aparição.

 

Neste capítulo como se já não bastasse a personalidade dos membros da Guarda Real não combinar nada com os seus postos, ainda veem fazer piadas depois da Soul Sociaty ter sido praticamente destruída, na terceira página do capítulo então parece que eles estão a abrir o desfile de Carnaval do Mundo Espiritual. Percebi que a ideia do Kubo era mostrar o quão eles são fortes e quanto os capitães os respeitam, mas havia melhores maneiras para o fazer do que estragar a imagem de alguns personagens importantes, em destaque a Unohana, personagem que nunca sequer teve tempo para brilhar e já foi humilhada.

 

E para terminar em grande porque não uma dose de protagonismo, pelo menos uma coisa saiu de bom daí, vai-se conhecer o Rei mais cedo do que se esperaria. O telefonema no final não sei bem o que comentar, esperando para ver o que saí daí.

 

 

10ºKurogane 40-42:

 

Fica difícil gostar de Kurogane quando se lê capítulos a conta-gotas e que a cada semana que passa mais parece que é uma questão de tempo até o manga ser cancelado, além de claro de alguma falta de qualidade da maioria dos capítulos anteriores, mesmo assim Kurogane tem um ponto forte que são as batalhas e isso mais uma vez ficou provado nesses 3 capítulos.

 

Não que o manga tenha deixado de ser cliché, mas sim que o manga funciona dessa maneira na parte dos duelos, já no drama, é melhor que o autor perceba de uma vez que essa esta longe de ser a sua praia. Os clichés em si não me incomodaram muito, o que mais me incomodou foi ver que o autor na responsabilidade de mostrar algo de interessante para não ser cancelado vai já jogar o herói do Kurogane no lixo, metendo-o numa equipa fraca e tendo em conta que eles perderem os dois primeiros jogos é de certeza que o Kurogane lhe vai ganhar, o personagem podia ter sido melhor aproveitado.

 

PS: Lutar com duas espadas está dentro das regras?

 

 

9ºNaruto 610:

 

Naruto volta a ter um capítulo bem morno, e volto a dizer numa altura que se esperaria que o manga estivesse em alta, sendo o assunto de conversa de qualquer fã de mangas, fosse para elogiar ou criticar, a verdade é que o manga apresenta mais uma vez um capítulo morno e sem nenhuma empolgação, é que nem para criticar.

 

Resumindo, um pouco de estratégia por parte dos bijus e um Juubi feio como tudo, acho que foi só isso que aconteceu no capítulo. Não foi um mau capítulo, nem um bom capítulo, foi um capítulo onde pouca coisa aconteceu e que faltou carisma tanto de um lado quanto do outro.

 

 

8ºBeelzebub 182:

 

Um dos motivos porque este capítulo não correu da melhor maneira foram os adversários, só estão 8 equipas e mesmo assim tanto na primeira luta em destaque quanto na segunda, os adversários foram personagens randoms, de certa maneira faz lembrar um pouco o torneio em Fairy Tail, onde não havia equipas suficientes sequer para preencher 8 vagas.

 

A parte da Aoi foi bem fraca, sendo que os melhores momentos não envolveram nem ela nem o seu parceiro, ou seja as falas do Furuichi e a burrice do Oga. Seria esperado um pouco de mais destaque para o Toujou, mas a sua parceira, Shizuka, fez um optimo trabalho e roubou os holofotes para ela. Vale lembrar que ao contrário da semana passada o autor se lembrou do juiz, que continua excelentes nas suas aparições aleatórias.

 

 

7ºHungry Joker 2-3:

 

Não me lembro ao certo quem comentou no blog sobre a importância do segundo capítulo, de qualquer maneira pegando nesse comentário para começar a análise a Hungry Joker. O primeiro capítulo é uma das coisas mais importantes de um manga, ainda para mais na Jump, porque se a maioria das pessoas não gostou do primeiro capítulo nem sequer vai ler o segundo, mas o segundo é provavelmente o mais importante capítulo do manga, principalmente para um manga que teve um primeiro capítulo de bom para cima.

 

Isto porque o segundo capítulo é a confirmação sobre a ideia que se ficou do primeiro e também dá uma ideia mais realista da obra em si, já que o primeiro capítulo é normal levar mais tempo para ser terminado, ou seja tempo mais que suficiente para melhorar algo que ficou pior, não só na arte, mas no roteiro, já a partir do segundo capítulo é a sério, agora e a doer o manga está serializado e o autor tem de fazer um capítulo por semana. Mas voltando à parte principal, a qualidade, um segundo capítulo mau, pode ser quase tão mal quanto um primeiro.

 

E nisso Hungry Joker falhou, não totalmente, mas falhou, apresentando um capítulo de transição, que não ajudou a melhorar a personalidade dos protagonistas, que também não adiantou muito sobre os Eurekas, que apresentou um vilão meio do nada, exagerou no nível de poder do Haiji, como disse logo de início foi de transição e acima de tudo o pior problema foi que neste capítulo o Haiji chamou a Yamada de outro nome, ela já é uma personagem sem nenhum carisma e andar a mudar o nome não ajuda nada a Yamada.

 

 

O capítulo 3 começou também com alguma falta de carisma e seguindo alguns dos erros que apontei no parágrafo anterior, dando principalmente destaque agora à falta de expressão do Haiji, por um lado esse tipo de personagem é bom, mas para um shounen, é complicado um personagem assim funcionar, onde protagonistas são algo essencial a um leitor se identificar com o manga.

 

Por outro lado o autor continua a acertar em cheio no que diz respeito à Ciência e há maneira como tem criado os Eurekas, inicialmente esperaria que fosse tudo na base de maças, principalmente para não haver comparações desnecessárias com as akuma no mis, mas com este capítulo mostrou que não são só frutas ou plantas, mas sim objectos também e isso é uma boa escolha do autor que abre um leque bem vasto de possibilidades, fazendo lembrar de certa maneira a série Once Upon a Time, só que em fez de ser um monte de contos de fadas na mesma história é um monte de cientistas, matemáticos, inventores e outras pessoas do género como base para uma história.

 

Para concluir, gostei de ver que o autor não se vai fixar apenas no Japão, o que é o problema de muito manga com background no mundo actual, e que acaba-se centrando demasiado ao Japão, na mesma perspectiva que as séries americanas se focam demasiado na América, a diferença é que as séries é difícil exagerar por causa do orçamento, já num manga viajar até à Inglaterra custa o mesmo que continuar na mesma cidade o manga inteiro, o melhor exemplo pela negativa é provavelmente Hajime no Ippo, onde o Ippo nunca lutou fora do Japão, mas pior mesmo é o Takamura nunca lutou fora do Japão, sendo que defende o cinturão mundial.

 

 

6ºKuroko no Basket Volume 8:

 

Apesar de dizer que vou comentar em específico sobre o volume 8, tenho de comentar sobre algo que acontece no volume 7 e adiantar algo do volume 9, já que o jogo entre o Kise e o Aomine não termina no volume 8. Focando os assuntos que quero abordar no comentário.

 

Campo de Treino:

O problema de muitos mangas de desporto é saber como criar uma boa história fora dos jogos, resumindo problema mais que obvio de Kurogane e que tendo em conta o lado cliché de Kuroko no Basket poderia ser um grande problema, mas o autor soube trabalhar isso bem e essa fase entre a derrota para o Aomine e o começo do torneio de Inverno foi o ponto-chave para provar isso, em especial o campo de treino, que ficou ainda melhor com a adição da equipa do Midorima, dessa maneira o autor matou dois coelhos de uma só vez, provou que também sabe fazer bons capítulos fora dos jogos e mudou, para melhor, a personalidade do Midorima, algo que tinha sido de longe a maior falha do manga até ao momento.

 

Jogo entre o Kise e o Aomine:

Outra coisa que o autor acertou em cheio foi em dar destaque, e por destaque digo ter usado mais que 1 volume para isso, a jogos que não apenas os de Seirin, isso é algo que também falha bastante nos mangas de desporto, centrando tudo demais na equipa principal, mas sem credibilizar os adversários fica difícil motivar o leitor a gostar do jogo, principalmente nos mangas de desporto shounen onde é fácil adivinhar quando uma equipa vai ganhar ou perder. Resumindo mostrou um grande jogo entre duas equipas adversárias e ainda aproveitou para dar alguma dúvida sobre os resultados futuros, contando ainda mais para isso com que comentei na semana passada.

 

 

Capítulo Especial - Tip Off:

Sem muito o que dizer desse capítulo, apenas que deu uma visão diferente da geração dos Milagres e deu para conhecer um pouco mais da personalidade do Kise, Kuroko, Midorima e Aomine, esperando que saía algo do género quando forem revelados os últimos dois.

 

Páginas Extra volumes:

Para concluir algo que mostra que muitas vezes se perde bastante ao não ler um manga pela sua versão compilada, não que isso me tenha surpreendido, na verdade só confirmou o que já esperava, o autor realmente sabe o que está a fazer, e novamente repito, mesmo Kuroko seguindo um rumo que tinha tudo para ser algo cliché e por consequência sem qualidade, o autor mostra que dá para ser cliché com qualidade.

 

O que quero dizer, quem nunca viu algumas cenas de mangas shounens clichés e pensou, que timing perfeito ou que perspicácia sobre-humana, pois Kuroko, como manga cliché que é, está cheio de cenas dessas, mas não chega a ser aquela coisa totalmente irritante e essas páginas extras dos volumes mostram bem isso, já que o próprio autor brinca com esses clichés, lembro-me principalmente de uma cena de um personagem que faz o cliché de ir andando num corredor e num cruzamento parar, sem olhar para o lado, e falar a sua frase de efeito. Depois na página extra o autor faz a piada com ele parando no cruzamento errado, e falando o mesmo para a senhora da limpeza.

 

 

5ºPSI 4:

 

Este capítulo flui muito melhor do que o anterior e esse é o ponto-chave desse capítulo, o facto dos 3 personagens principais já terem sido apresentados também ajuda, já que dessa forma distribui o capítulo pelos 3, tornando o capítulo menos repetitivo, algo que tinha sido um problema no final do primeiro e principalmente no terceiro.

 

De resto, novamente o autor começa com uma boa piada na primeira página, desta vez com a evolução, os 3 personagens de tão diferentes que são formam um grupo bem interessante e o autor continua a adicionar poderes interessantes ao Saiki. Resumindo se o manga continuar seguindo esses aspectos tem tudo para ser um bom manga de ler, mesmo que dificilmente fuja dessa fórmula.

 

 

4ºRookies 80-81:

 

Mais dois bons capítulos de Rookies, mesmo que o autor continue a focar mais no aspecto pessoal do que no basebol em si, mas como disse anteriormente o autor antes de Rookies fez Rokudenashi Blues, um manga escolar sem destaque em nada especifico, então é normal ele focar mais no aspecto pessoal do que no desportivo, e claro que também sabe o que faz.

 

O 80 foi o melhor, focando num personagem que teve pouco destaque anteriormente, destacando a página final com a piada do Instinto contra Instinto. Já o 81 foi apresentar uma nova personagem e foi o início de algo, resumindo é algo que não dá para comentar com muito destaque por agora, então esperando os próximos capítulos para poder comentar com algo mais consistente.

 

 

3ºAssassination Classroom 19-20:

 

Desta vez sem um comentário gigante, até porque o que tinha para comentar sobre esse hype de AC já o fiz nos dois posts anteriores.

 

Quando comecei a ler o 19 pensei logo, não acredito que o autor ainda vai continuar com o foco nessa viagem escolar, sendo que é principalmente desde que essa viagem começou que o manga me começou a desanimar e também a cair numa pequena fase de estabilidade que não é a melhor solução para um manga que veio com uma popularidade tão alta, mas este capítulo mesmo ainda pertencendo ao arco da viagem, vem com algo novo.

 

O único problema que aponto foi o que disse na semana passada, o destaque dado ao Duro de Matar, o capítulo 19 foi bom? Porquê? Porque o Duro de Matar aparece em todas as cenas do capítulo e ele é o centro de tudo, não tem como dar errado, destacando a cena que há uma troca de papéis, em vez de serem eles a espia-las, são elas que vão espiar o Duro de Matar, que claro faz o seu papel de Diva. Para finalizar um capítulo simples e divertido o que melhor que deixar um pequeno mistério no ar?

 

O 20 também foi um bom capítulo, nem tanto pelo capítulo em si, mas pelo que do futuro aguarda, o manga com este capítulo abre boas possibilidades para o futuro, mesmo que eu não seja grande fã de robôs, principalmente porque na maioria dos casos é difícil imaginar que eles terão real destaque e irão ser ameaças, como no caso onde de certeza não serão os robôs que iram derrotar o Duro de Matar. A personagem Mata é uma ideia que funciona há partida, mas que tenho sérias dúvidas que funcione a longo prazo, difícil pensar que um iPod gigante vai ser importante daqui a 50 capítulos, mas quem sabe. De qualquer maneira o ponto principal desse capítulo sem dúvida foi as probabilidades que a Mata comenta no final do capítulo, o que dá esperança aos alunos de que a cada dia que passa a probabilidade de ser possível matar o professor aumente.

 

 

2ºHaikyuu 23:

 

Este é mais um manga que só se lê a conta-gotas, pelo menos a scanlator americana tem mantido um ritmo aceitável, resta esperar é pela dragon scans.

 

Deixando isso de lado, mais um excelente capítulo de Haikyuu que a cada semana prova o quanto estava errado quando disse que o principal ponto positivo de Haikyuu era os jogos e não a interação entre personagens. Não que o drama seja melhor que as jogadas em si, mas desde o capítulo 20 que o autor tem apresentado uma excelente sequência de boas decisões no que diz respeito à personalidade dos personagens, algo que não estava à espera de Haikyuu.

 

Depois de destacar os novos membros da equipa, agora é a vez de dar destaque aos dois protagonistas, principalmente ao Hinata e sem dúvida foi uma boa surpresa ver que o autor vai dar personalidade ao personagem, algo que nos últimos anos tem faltado bastante nos protagonistas. Resumindo, o Kageyama vê que precisa ajudar o Hinata, que depois de ver o craque a jogar se sente inferior e pensa que nunca chegará ao seu nível, à sua maneira mostra ao Hinata que ele também é importante e que com a sua ajuda pode ser ajudar a equipa, pelo meio ficam excelentes páginas duplas com as jogadas dos dois jogadores, proposta simples, mas não tão simples de executar.

 

 

1ºDorohedoro 56-58:

 

Um dos pontos fortes de Dorohedoro é o nº de tramas ao mesmo tempo, ou melhor dizendo, a falta de um único protagonista ou grupo de protagonistas, havendo dois grupos principais o do Kaiman e o do En, sendo que como os últimos capítulos tem mostrado esses dois grupos podem ser bem flexíveis, como o facto da Noi e o Shin estarem amigos do grupo do Sasukabe. De qualquer maneira isto para dizer que vou comentar sobre 3 capítulos e 3 histórias diferentes, a primeira focada no passado do Sasukabe, a segunda na Ebisu e a terceira no presente focando em vários assuntos.

 

Também por causa dessas mudanças de plot muitas vezes acaba-se esquecendo de algumas cenas, principalmente antes de ter começado a comentar, onde muitas vezes não li exactamente capítulo a capítulo, por isso estava meio a apanhar do ar sobre esse personagem que eles foram desenterrar. Mas afinal ele ainda não tinha aparecido, achei o personagem interessante, mas acima de tudo a história envolvendo o personagem trás muito boas possibilidades, além disso o flashback esteve cheio do habitual tema bizarro do manga que é sempre bem-vindo.

 

 

A Ebisu é uma das melhores personagens do manga e se havia dúvidas disso, esse capítulo vem provar o contrário, a sua maneira peculiar, excêntrica e bizarra combina na perfeição com a personagem e essa imagem com ela relembrando os seus melhores momentos mostra muito bem isso. Além disso faz uma excelente parceria com o Fujita e isso mostrou-se novamente no capítulo 57, para concluir sobre este assunto adorei quando a Ebisu chega a casa e quem abre a porta não a reconhece-se, esperando para ver o que daí saí.

 

Sobre o 58, não se foca numa história em específico, mostrando as duas principais e terminando com o grupo do En ficando sabendo onde está a Nikaido. Não há muito o que comentar sobre a parte do Sasukabe, só que ele faz uma boa parceria com a Noi e o Shin, e a excelente reação atrasada do velho. Já o Kaiman se encontra a pensar sobre o seu passado, enquanto encontra com um grupo de olhos cruzados, finalizando com um excelente momento. E por fim parece que no final todos ou pelo menos os personagens principais se vão encontrar nos próximos capítulos.

 

 

Ranking:

1ºDorohedoro
2ºHaikyuu
3ºAssassination Classroom
4ºRookies
5ºPSI
6ºKuroko no Basket
7ºHungry Joker
8ºBeelzebub
9ºNaruto
10ºKurogane
11ºBleach
12ºKiruko-san
13ºOne Piece
14ºFairy Tail
15ºSensei no Bulge

publicado por Dark-Fenix às 23:55
Segunda-feira , 19 de Novembro DE 2012

Opinião Semanal #50&51

 

Depois de uma semana de pausa voltando com o post, numa semana marcada pelos fracos capítulos dos mangas mais populares, esta semana também marca porque vou retirar mais dois mangas do post, Ao no Exorcist e Gin no Saji, com este último voltando sempre que ter bons capítulos ou quando eu achar necessário. Por outro lado comentando também sobre One Punch Man, que acabou-me surpreendendo deste a última vez que comentei sobre o manga.

 

Estreia de Hungry Joker no post, já o Rookie policewoman Kiruko-san fica só para a semana, sem Haikyuu porque ainda não li o capítulo lançado pela Dragon, o mesmo para Kurogane e relembrando só comento Sensei no Bulge quando for lançado o último capítulo em português, ainda falta 1 e eu pensando que tinha terminado no 15.

 

Sem Reborn no post, quando comecei a fazer o post estava com a ideia fixa de logo comentar sobre Reborn noutro post separado, agora pensando bem mais valia comentar mesmo aqui sobre o final fraco e dando uma pincelada pelo resto, assim já estava livre do manga, mas como agora fica complicado encaixar Reborn no meio vai assim mesmo e logo saí eventualmente, esperando que seja nesta semana, mas não fiquem surpresos se for só para o mês que vêm.

 

 

17ºAo no Exorcist 40:

 

Como disse acima, vou deixar de comentar sobre Ao no Exorcist, o motivo é simples tentar reduzir a lista de mangas que comento que já está extensa demais, além disso não sou grande fã do manga, não é um manga que muita gente comenta e mais uma vez a autora mostrou que segue para um caminho não muito bom.

 

Este último lugar é uma junção entre o facto de ir deixar de comentar sobre o manga e a qualidade baixa desse capítulo, em particular a maneira fraca com que a autora trabalhou o plot do capítulo e o que tinha deixado como cliffhanger no capítulo anterior. Está certo que seria meio ingénuo pensar que aquele portal já teria destaque logo neste capítulo, mas mesmo assim esperava que tivesse tido mais foco por parte do grupo de personagens da escola, já que o mais certo é cedo ou tarde eles irem lá parar, então num manga mensal mais cedo vale mais.

 

Mas deixando isso de lado, foi um capítulo totalmente filler, mesmo que o plot de 7 mistérios da Academia Vera Cruz podia ser bem aproveitado, mesmo não tivesse nada de especial e que fossem apenas fillers, dava para fazer isso com qualidade e também como treino para futuros arcos do manga ou ligação entre arcos, mas com essa cena de parecer que 7 é apenas um número e que depois com um deles sendo um fantasma travesti fica complicado ver isso como algo positivo.

 

Para concluir, acho que o grande problema do actual Ao no Exorcist é a sua popularidade extremamente alta que veio do nada e o facto da autora não saber lidar com isso, fazendo de certa forma lembrar de Fairy Tail, antes de sair o anime era um manga aceitável e que entretém bem, mesmo passando longe de ser de qualidade, saiu o anime e a qualidade caiu a pique. Ao no Exorcist não caiu a pique, mas parece que a autora está a pensar que entregar qualquer coisa serve, pelo menos já voltou a fazer 40 páginas por semana.

 

 

16ºFairy Tail 307-308:

 

Capítulos base de Fairy Tail, com o Mashima mais uma vez focando no poder dos sentimentos, só que desta vez para o inimigo, tirando o facto de que tudo isso dos poderes do sentimentos e tal é ridículo, essa parte de agora também ser reconhecido pela Sabetooth e que o Natsu não está no torneio, pode ser que o Mashima saía do cliché e coloque a Fairy Tail a perder, mesmo que tendo em conta o que o Mashima fez no torneio isso não faz o menor sentido, mas essa também é a especialidade do Mashima.

 

A morte do gato era dispensável, mas a cena de dizer que ele afinal não morreu era mais dispensável ainda. É complicado, para quando se tem duas histórias diferentes a acontecer ao mesmo tempo, saber balancear o que dar mais desta e o que dar menos, além de em que momento mudar, por isso muitos acabam por seguir a maneira mais segura, de primeiro finalizar uma parte e depois mostrar a outra e tendo em conta esses dois capítulos o Mashima devia ter seguido a maneira segura.

 

Digo isto principalmente porque o Mashima parece que vai gastar alguns capítulos para derrotar o novo grupo, ou seja deve demorar até voltar ao torneio e se ele já não estava muito interessante com hiatos fica difícil. O grupo é bem cliché, ao estilo do Mashima, até podia resultar se não tivessem sido tão aleatórios e além disso servirem apenas para empatar e não deixar tudo tão fácil, mesmo assim é uma boa ideia o Mashima gastar alguns capítulos numa luta, é algo que falta há um bom tempo no manga.

 

 

15ºOne Piece 688:

 

One Piece está a desanimar tanto que novamente o melhor do capítulo volta a ser a sua capa e a viagem do Caribou no Novo Mundo, o que é mais engraçado nisso é que o personagem em si não é nenhum Buggy em carisma, se mantendo no básico e mesmo assim a sua história está a conseguindo ser melhor que os capítulos semanais de One Piece. Sobre a página em si, parece que se não acontecer nada surpreendente ele vai ter um papel semelhante ao Buggy.

 

Uma das coisas mais importantes numa história semanal, seja de que género for é o interesse que dá a quem lê, por exemplo o capítulo em si foi mau? Não, foi mais ou menos, o grande problema é os altos e baixos que o manga tem sofrido nas últimas semanas, o autor dá destaque ao Flamingo e depois entra em pausa e volta a meter todo o mundo a correr, depois para e faz uma boa luta contra a Monet, mesmo que tenha falhado em alguns aspectos, e aí pensasse é agora que vai e o Oda apresenta este capítulo com nada demais e pior que isso volta a ter uma pausa, assim é difícil esta saga pegar interesse do público.

 

Sobre o capítulo em si, voltou tudo a correr, só que desta vez basicamente apenas na escadaria. O plot da Mocha podia ser muito bom, mas em One Piece é difícil levar a sério principalmente porque toda gente já sabe que o Oda não mata ninguém a não ser em flashback, randoms ou em casos especiais como o Barba Branca e o Ace. Além disso eu tenho um sério problema com esse tipo de plot, está certo que os doces fazem mal e que as crianças deviam deixar de comê-los, mas que mal fazia os mugiwaras deixarem as crianças comerem o raio dos doces, ir tratar logo do Caesar e do resto dos problemas da ilha e logo deixavam as crianças para o fim, afinal elas já comem os doces há vários meses que diferença faz se comerem agora mais um.

 

 

14ºBleach 515-516:

 

Os dois capítulos mostrando a calma depois da tempestade, esses dois capítulos podiam muito bem ser encaixados no mesmo, na verdade deveriam, principalmente pela chegada da Guarda Real, mas já falo disso. É raro o momento que o Kubo acerta no que toca a conversas e ele fez isso razoavelmente na parte da conversa entre os capitães, as reacções mesmo que não totalmente bem-feitas têm um tom pesado, essencial naquele momento.

 

O problema é que não interessa o quão as reacções foram bem-feitas quando momento antes do Kubo dá um tiro no pé, pelo menos se quer ter a qualidade que ele diz que o manga tem, Byaukuya vivo é chamar de burros os leitores, depois de mais de umas 3 declarações de morte ele ainda continua vivo, então para quê aquele discurso para o Ichigo ou gastar umas 3 páginas com ele a dizer que vai morrer? Já do Zaraki não havia dúvidas que estava vivo, agora com essa declaração que não acharam o corpo do Yamamoto ainda fico em dúvida se o Kubo não o vai fazer ficar vivo também, do Kubo espero tudo. O melhor do capítulo foi provavelmente o Shunsui no final do capítulo, dando aquela impressão de que é quem vai tomar as rédeas da Gotei 13 quando essa guerra terminar ou mesmo na guerra, apesar da Unohana também ser uma possibilidade a ter bastante em conta.

 

Já o 516 falhou em praticamente tudo, ou seja 3 coisas:

 

 

1ºA história da bankai quebrada não poder voltar ao que era, não é que veja isso como falha, defeito ou qualquer critica, na verdade gostei bastante disso, o problema é que já houve melhores alturas para isso ser introduzido, acho que o mais obvio seria na luta contra o Aizen, agora já em cima do final do manga parece que o único motivo para ser introduzida é porque o Kubo se lembrou em cima da hora e provavelmente vai servir para algo em especial, provavelmente envolvendo os poderes quincy do Ichigo.

 

2ºKon, fiquei bastante surpreso com o Kon a aparecer no manga, há muito que isso era esperado, afinal faz uma eternidade que ele não aparece, então de certa forma criou-se um grande hype há volta da sua reaparição em Bleach ou em casos como o meu de mesmo nunca tendo gostado do personagem torcer para que ele simplesmente não fique esquecido. A minha primeira reacção ao ver o Kon foi surpresa e entusiasmo, mas rapidamente passou para o sentimento, agora lembrou-me por nunca gostei do Kon. Além do mais a sua aparição foi aleatória demais e num momento sem sentido, até porque comédia é algo que o manga não precisa nada neste momento.

 

3ºA Guarda Real, ou seja a segunda metade do capítulo, por mais que tenha gostado do Kubo finalmente sair daquela ideia que que personagem popular, forte e carismático tem de ser bonito e sem imperfeições e no caso delas ter peitos gigantes, para 5 personagens que em nada combinam com o típico personagem de Bleach, principalmente os mais fortes. Mas mesmo com isso os personagens mostraram uma falta de carisma gigante e sendo bem estereotipados, primeiras impressões muitas vezes não correspondem à realidade, mas também muitas vezes são essas impressões que ficam.

 

Como disse acima estes dois capítulos deviam ter sido apenas 1, um já deixava a ideia que eles tinham levado uma eternidade para chegarem, quando o esperado seria ir o mais depressa possível, agora fica a ideia que se passa mais de um dia até eles lá chegarem e depois a maneira do Kubo de ser não ajuda em nada, já que mesmo com a Soul Sociaty destruída eles chegam a sorrir e a fazer pose como se fossem para uma festa. De qualquer maneira esperar pelo próximo capítulo para ter uma ideia melhor do que está por vir.

 

 

13ºHajime no Ippo 955-958:

 

Uma coisa que me esqueci de ter em conta na última vez que comentei foi o adversário do Itagaki, porque o Itagaki tem tudo para ser o típico personagem génio que vira irritante e isso poderia acabar por estragar a luta, mas do outro lado também está um personagem que não fica muito atrás da personalidade do Itagaki, o Saeki apesar de mais contido também tem a mesma personalidade do Itagaki e isso viu-se bastante claramente nesses capítulos em questão.

 

Tirando isso só tenho a dizer que o autor tem um sério problema com dimensões, do corpo há muitos exemplos, sendo o melhor uma imagem do Myata quando criança, que ficou mais bizarro que as poses dos personagens de Jojo Bizarre Adventures. Agora essa do ringue é nova, ou se calhar não, a ideia era dar rapidez aos personagens, mas praticamente tornou o ringue rectangular e dimensões gigantescas.

 

 

12ºNaruto 608-609:

 

Antes de mais, acho que a Scans project não lançou a versão final, pelo menos no site deles e no leitor online não está então vai mesmo com a prévia. E segundo que título de capítulo mais sem sentido esse do 609, novamente igual há página de fundo preto há uns capítulos atrás, pena não ser noutra altura, porque senão dava uma boa ironia.

 

O manga em si está a fazer o básico, mas sem cativar, foram dois capítulos bem normais, numa altura que para bem ou para mal se esperava algo que chamasse a atenção, esse algo seria o 10 caudas, mas a verdade é que a última página do capítulo 609 não saiu desenhada da melhor maneira, ou falando de outra maneira, o angulo não é o melhor, para não falar que o biju é apenas a estatua com 10 caudas, não é como se fosse uma grande surpresa.

 

Uma coisa que também me tem incomodado nesses capítulos é o que o Naruto está ali a fazer, obviamente é o protagonista e essa é tecnicamente a luta final, mas ele está ali completamente à toa desde que o Tobi mostrou ser o Obito. O momento deveria ser do Kakashi e do Obito, até o Gai, o Bee e o Madara se afastaram, mas continua ali o Naruto sem saber bem o que dizer e o que fazer, saindo com as suas frases de efeito só para não se esquecerem que ele existe.

 

 

11ºPSI 3:

 

PSI tem um grande problema, fica difícil dizer isso no capítulo 3, já que não dá para confirmar se isso acontece em todos os capítulos ou foi uma característica única e exclusiva desse capítulo. O problema é conseguir manter um manga gag, ou seja um manga cheio de diálogos, interessante durante tanta página. Isso falhou perto do final do primeiro capítulo, onde já estava a começar a ficar repetitivo, no segundo não tive esse sentimento, mas neste terceiro foi bem rápido até começar a achar repetitivo.

 

Na verdade isso foi logo na primeira página, o autor devia ter deixado a dúvida, ou pelo menos enrolado, mas não entregou o melhor do capítulo logo na primeira página, depois que se fica a saber que ele não tem nenhum poder, mas sim que é uma doença, o capítulo pelo menos para mim perde bastante o interesse, mesmo tendo bons momentos, principalmente a parte do raio e a cobra.

 

 

10ºAssassination Classroom 17-18:

 

Depois de na última vez me ter focado no quão esse sucesso pode afectar negativamente o manga e nos haters que quanto mais reclamam mais adiam esse provável problema, nesta semana vou comentar sobre os 3 principais problemas de AC:

 

1ºO protagonista, que fique claro o problema não é o protagonista, mas sim o Duro de Matar ser tão carismático que o manga gira praticamente apenas à volta dele, isso pode não ser muito visível agora, mas já dá para notar bastante, o melhor exemplo é provavelmente o capítulo 17, quem não leu o capítulo esperando que ele aparecesse e salvasse todo o mundo, já sentindo falta do personagem nas primeiras 15 páginas em que não aparece? A melhor maneira do público se interessar por um manga é ter um protagonista carismático, mas um manga depender demais do seu protagonista é mau. Isso até resulta em séries, mas em mangas é complicado.

 

2ºSer um manga com background escolar. Por mais que o manga tenha um enorme potencial e ainda não tenha mostrado ao que veio, a verdade que o manga se passando numa sala de aula restringe muito o que o manga pode e não pode fazer, tanto que em menos de 20 capítulos o autor já fez uma Viagem Escolar e um capítulo filler. Além disso com essa ideia o manga fica muito restrito a um manga episódico, o que não seria de maneira alguma mau se não fosse a popularidade bastante alta do manga.

 

 

3ºO primeiro capítulo de AC, ele é perfeito no que se propõe, mostra uma ideia original numa revista onde isso cada vez se torna mais raro, apresenta um personagem extremamente carismático, algo que também estava em falta, e apresenta a ideia geral do manga que dificilmente irá mudar muito num futuro próximo. O problema é que AC já começa com um capítulo a bater muito forte, então os seguintes acabam por ser bons, mas usando os elementos do primeiro, sem acrescentar algo mais, sem mais nenhuma grande surpresa, salvo a introdução do director, o que volto a dizer é normal para um manga escolar, mas para um manga com essa popularidade toda isso acaba sendo uma desvantagem, afinal o que fez Death Note ganhar popularidade até ao volume 7 foi que a cada capítulo acontecia algo novo e surpreendente, dando aquela ideia de que a cada capítulo fica melhor.

 

Ou seja nada do que disse acima é uma crítica há qualidade do manga, mas sim problemas que o autor e a Jump têm de levar em conta, porque essa popularidade alta de AC pode acabar prejudicando o manga, seja pelo manga centrar demais no protagonista, por causa de se repetir demasiado ou por não conseguir ter aquele capítulo que todos os fãs consideram como o topo de qualidade. Isso era algo que não seria necessário se o manga tivesse se estabilizado, mas crucial se o autor e a jump quiserem manter AC como sucesso absoluto ou no mínimo que não caia pique de um momento para o outro.

 

Sobre os capítulos em si, uma excelente página colorida e uma boa finalização para o arco, o livro do Duro de Matar é um guia essencial para qualquer viagem e até mesmo para a vida, gostei da nova personagem, mesmo que o autor lhe tenha dado uma personalidade bem cliché, não acabou ficando tão irritante quanto esperaria. Já o vilão estava muito irritante, numa tentativa do autor mostrar que ele era mau, acabou faltando personalidade e como disse acima o Duro de Matar é só carisma.

 

 

O capítulo 18 foi praticamente um filler, também mostrando o que referi no ponto 2, o capítulo em si é praticamente desnecessário por vários motivos, mas principalmente por o sniper provavelmente nunca mais aparecer no manga, por alongar ainda mais a viagem escolar e simplesmente porque não serviu para nada. Mas tirando isso foi um bom capítulo, dando uma perspectiva de fora do quão bizarro é o Duro de Matar e da relação da turma com o estranho professor.

 

O capítulo também está cheio de referências como tem vindo a ser habitual no manga, e isso é algo que tenho vindo a gostar muito no manga, porque o autor não para e diz olhem a referência, não ele faz e só quem leu o manga ou conhece a história percebe, quem não conhece na maioria das vezes passa sem nem se aperceber que foi uma referência. A única coisa que não gostei e pensava que seria feito de melhor forma é a lista com as fraquezas do Duro de Matar, que até ao momento tinha sido sempre feitas pelo Nagisa ou dita a ele por algum outro aluno, mas essa fraqueza no capítulo 18 só os leitores ficam a saber.

 

PS: Obviamente AC também pode virar uma espécie de The Big Bang Theory ou Walking Dead da Shonen Jump e fugir completamente dos padrões normais, aumentado a cada semana a audiência, mesmo que as séries não são tudo isso.

 

 

9ºDorohedoro 55-Extra:

 

O capítulo 55 não teve muita coisa de novo e foi bem parado, mesmo com os seus bons momentos como o En descobrindo que a Nikaido afinal era o Chota, mais uma das cenas aleatórias da Ebisu ou a Nikaido olhando para o Kaimen e vendo ele normal. Fora a frase final que dá um excelente gancho para o próximo volume, mostrando que ao contrário da maioria onde um bom cliffhanger é uma página dupla, também é possível ter a mesma emoção com apenas uma frase num capítulo bem calmo.

 

Pessoalmente nunca gostei muito de extras, quando estou a ler um manga por volume, parece que corta a emoção do manga se ler-se em maratona e às vezes não interessam nada há história, nem piada ou qualidade têm, mas os de Dorohedoro são sempre excelentes fillers, na sua maioria bem divertidos. Como esse, que se foca no grupo do En, que mesmo não sendo protagonistas roubam quase sempre a cena, só achei cliché demais o Shin ter dançado com a Noi há 10 anos atrás e só ter percebido agora.

 

PS: A parte final do Volume onde a autora comenta sobre o que aprendemos neste volume é sempre genial e um bom resumo do que aconteceu.

 

 

8ºKuroko no Basket 52-61:

 

Hás 3 coisas a comentar sobre esses capítulos:

 

1ºA derrota no campeonato, provavelmente o que mais gostei do que li em Kuroko até ao momento, não esperava de todo por isso, até porque de certa maneira foge a praticamente todos os clichés de shounens de desporto, além do mais abre uma possibilidade bem interessante para o futuro do manga, já que se eles perderam esse torneio caso o autor decida fazer Serin perder na final contra o Akashi, já não ficará tão aleatório e com aquela ideia de que isso só aconteceu para esticar o manga.

 

E até vejo essa possível derrota como positivo, já que pelo pouco que foi dito do Akashi, até onde li, ele está acima do resto da Geração dos Milagres, então uma derrota seria algo lógico, para uma revanche no ano seguinte no torneio nacional, afinal essa ainda é uma possibilidade maior quando se pensa que Seirin não tem 3º ano e que todos da Geração dos Milagres são do 1º, então o que não faltam são possibilidades em aberto para o manga continuar depois do torneio, até mesmo um terceiro ano não seria uma carta fora do baralho, mesmo que ai já ache desnecessário, a não ser que Seirin perca nas meias-finais do torneio de Inverno.

 

 

2ºA chegada do Teppei, o personagem apareceu meio do nada e vinha com cara de que iria acabar estragando o manga com alguma drama irritante ou destaque em demasia, mas o que aconteceu foi que mais uma vez o autor de Kuroko mostra que mesmo criando um manga à partida cliché, sabe balancear bem o que fazer e não fazer. Ele chega, se ambienta e torna parte da mobília sem grandes problemas e aumenta a personalidade da equipa, que sempre viveu dos dois protagonistas.

 

3ºCapítulos de comida, caso o autor de Kuroko depois de concluir o manga quiser fazer um manga de comédia envolvendo comida tem todo o meu apoio, a sério, não há um capítulo em Kuroko que envolva comida que não saia algo no mínimo excelente.

 

PS: Tinha pelo menos mais uma coisa a comentar, mas deixo para a próxima semana, já que

 

 

7ºBeelzebub 180-181:

 

Parece que as opiniões acerca destes dois capítulos dividiram bastante, uns (eu incluído) gostaram mais do 180 do que 181, já outros preferiram o contrário. Então vamos por parte, o 180 foi um capítulo muito mais fluido, teve duas disputas, fora os combos rápidos nas lutas que não interessavam muito. Como sempre em Beelzebub tudo tem de ser bem bizarro e ser desculpa para uma luta, seja quais as regras forem.

 

Nunca fui grande fã do Kanzaki, mas parece que desde a aparição da Futaba o personagem ganhou mais destaque e personalidade, então ele serviu para manter a primeira disputa interessante, já na segunda tem o Furuichi e isso já diz tudo, mas sem dúvida o melhor do capítulo, e que fez com que não gostasse tanto do 181, foi o juiz, ou melhor a maneira ridícula e aleatória que ele apareceu.

 

Já o 181 teve uma boa página colorida, mas se focou demasiado numa só luta, acabando não fluindo tão bem, felizmente dá para contar com o Beel e terminou a luta muito bem. Como disse acima um dos motivos para não ter gostado desde capítulo foi a ausência do juiz, essas cenas aleatórias sempre foram o forte de Beelzebub e autor devia ter aproveitado isso, além disso essa história da Hilda mudar de personalidade está bem irritante e tirando muita personalidade própria da personagem.

 

De qualquer maneira seja qual for o preferido dos dois, foram dois bons capítulos que continua a manter este arco bem interessante e que o juiz apareça mais vezes.

 

 

6ºRookies 78-79:

 

Mais dois excelentes capítulos, com dois temas que podiam dar muito errado, primeiro tocar no assunto dos estudantes fumarem, o que também se vê não só na qualidade do manga, como a diferença entre a mentalidade de alguns anos atrás e a actual, onde hoje em dia é raro o manga que toca no assunto cigarro em manga escolar.

 

Deixando isso de lado, não esperava que o autor conseguisse fazer os personagens mudarem de ideia, mas o mais interessante foi mesmo a maneira como o autor desenvolveu o capítulo, porque não foi preciso uma grande lição de moral do Kawatou, na verdade ele mal tocou no assunto, eles simplesmente virão que o cigarro não presta por eles próprios. Mas a frase do Anya no fim diz tudo, “É hoje que eu paro, eu acho…”.

 

Já no 79 o problema é que essa nova personalidade do Shinjo não combina nada com a imagem que o manga dá dele nos primeiros capítulos, inicialmente não gostei muito, mas no final, como a maioria dos plots em Rookies, ficou muito bem desenvolvido, principalmente porque foge, de todo, do cliché, tanto da sua personalidade, como aquela ideia que ele ia começar a jogar e já seria um génio, em vez disso ele vai ter de conseguir através do trabalho duro, como o resto da equipa.

 

 

5ºToriko 211-212:

 

Um dos grandes problemas de Toriko é que o Shimabukuro muitas vezes acaba exagerando demais, por mais que o manga tenha um vasto leque de exorbitâncias e isso até seja um dos seus grandes pontos fortes, o Shimabukuro conseguiu exagerar demais neste festival Gourmet, números extravagantes e estádios gigantescos sem o menor sentido, se quem vai a um jogo de Futebol e fica nos lugares de topo do estádio já vê os jogadores pequenos imaginem esses estádio com 100 milhões de pessoas, sendo um estádio de 100 mil já é considerado muito grande.

 

Além disso há uma coisa que também me chamou a atenção, não é exactamente uma critica já que não me lembro em que parte, mas sei que já foi mencionado que em Toriko as pessoas vivem mais tempo que o normal, mas se contabilizara-se que esse esse torneio é tipo os Jogos Olímpicos e é de 4 em 4 anos, quer dizer que o Zaus e Setsuno participaram de todos os torneios, já que eles os dois somados dão 43 troféus e ainda há mais os dois títulos do 1 Milímetro Yuda. Ou seja tudo personagem a rondar a casa dos 200 anos.

 

 

Tirando isso e mais alguns outros exageros, foram mais dois excelentes capítulos que serviram para hypar o torneio, a aparição da Bishokukai ainda ajuda mais a hypar este arco, mesmo que pessoalmente preferisse ver o torneio até ao fim. Como em qualquer manga shounen fica sempre aquela dúvida de sair o tão terrível protagonismo, ou seja o Komatsu sair dali vencedor, mas com apenas 5 chefes tendo ganho o torneio dá para descansar nesse aspecto.

 

Para terminar a sequência de apresentações foi mais demorada do que deveria acabando por ser bem entediante e mesmo que pelo meio esteja cheio de excelentes ideias para personagens, a verdade é que com tanto personagem sendo apresentado fica difícil se interessar particularmente por algum. Esperando um bom torneio para o Komatsu, mas que fique fora do top25, ainda é cedo, quem sabe daqui a 4 anos, ou mesmo 8, seja como for sem preocupações Komatsu ainda há mais de 100 anos para tentares a sorte e até lá os grandes vencedores já devem ter morrido.

 

 

4ºGin no Saji 52-53:

 

Mais um manga que irei deixar de comentar, mas este ao contrário de Ao no Exorcist não tem nada a ver com eu não gostar ou falta de qualidade, é mais porque o manga é bem episódico e não tem muito o que comentar, servindo mais para encher o post que outra coisa. Então mesmo deixando de comentar sobre o manga repito é um excelente manga, apesar de não ter personagens a soltar raios pelas mãos, e não deve demorar muito a ganhar anime e virar um grande sucesso.

 

Sobre o capítulo em si, adorei essa página que abre o comentário, além do significado da cena a autora conseguiu realmente colocar na mesma página várias culturas diferentes, se não estou em erro na mesma página a autora faz referência a 7 culturas diferentes. O final do capítulo 52 foi excelente, mesmo que preferisse que tudo corresse bem, sem ele precisar de ir parar ao hospital, mas pode ser que isso dei azo a um plot de final de arco diferente dos anteriores.

 

 

Plot esse que pode envolver o pai do Hachiken e sinceramente a última página foi tão bem feita que me surpreendeu totalmente, aquela situação de, agora f****, é nestes momentos que dá para ver que não precisa de duelos de titãs para criar drama numa cena é apenas preciso por o protagonista a ser surpreendido pelo pai.

 

PS: Usando uma frase de feito para terminar de comentar, não é um adeus, mas um até já.

 

 

3ºNisekoi 46-49:

 

Enquanto lia os capítulos já pensava no que iria criticar mais tarde, mas depois quando chego ao 49 mudo de opinião, depois de algum tempo com capítulos mais fracos Nisekoi apresenta na altura certa um capítulo excelente, mas indo por partes.

 

Não gostei da escolha de Romeu e Julieta para tema da peça, principalmente porque em vez de ser um professor a escolher foi o próprio Shou, a sério que aluno em sã consciência decide interpretar Romeu e Julieta? Sendo que ele não está fazendo o papel principal e não está interessado pela pessoa que vai interpretar a Julieta.

 

Além disso mais uma vez o Naoshi mostra que parece que não existem mais alunos na turma, fora o grupo principal, fazendo com que o Raku seja escolhido para fazer de Romeu, não estou a dizer por isto que ele não deveria fazer de Romeu, mas ser escolhido à base da sorte é forçar.

 

E a terceira grande falha do Naoshi é que para criar uma boa história entre o Raku e a Kirisaki, quase que mandou a Onodera no lixo, bem forçado ela torcer o pé, para não falar que havia uma substituta que também teve uma explicação sem graça para ficar de fora, mas que apareceu, tudo em favor da Kirsaki. Agora fica mais que claro o que o Shinuki tem dito nas últimas semanas.

 

 

Mas tudo isso meio que é deixado de lado com o capítulo 49, que por si só já seria um excelente capítulo, mas que ainda ganha mais por comemorar o primeiro aniversário de Nisekoi o que torna este capítulo marcante para o manga e um dos melhores capítulos. Neste capítulo não fez com que a lesão da Onodera fizesse sentindo, nem o protagonismo do Raku e ainda acho uma escolha errada do tema ser escolhido pelo Raku, mas por outro lado o Naoshi fez uma história com princípio, meio e fim na relação entre a Kirisaki e o Raku e o tema foi Romeu e Julieta para a cena de comédia ter mais graça, já que toda a gente conhece essa peça.

 

O capítulo 49 de tão ridículo e sem noção que foi parecia um gag, mas um bom gag, porque funcionou muito bem, fazendo uma peça chata como Romeu e Julieta se tornar algo muito bom, além de exagerar bastante no caminho e adversários que o Romeu teve se seguir e vencer para poder se encontrar com a Julieta. Excelente página final, compensando a página dupla colorida do inicio do capítulo que não foi nada demais.

 

PS: Ainda bem que Titanic é um filme e não uma peça de teatro e que uma adaptação seria complicada, porque Romeu e Julieta já chega.

 

 

2ºHungry Joker 1:

 

Inicialmente ao ver a raw fiquei preocupado acerca do manga por causa das suas mudanças drásticas do one shot para a versão serializada, que mudou praticamente tudo, mantendo apenas o protagonista e o título, que agora já não faz tanto sentido com a história. Mas depois de ler o primeiro capítulo a única preocupação no que trata essas mudanças é se o público japonês não ficará na maioria logo contra o manga porque não era aquilo que esperaram mais de 1 ano para ler, mas é uma questão de esperar.

 

Tirando esse aspecto, que não dá para controlar, é uma questão de esperar e torcer para que não afecte, as alterações foi a melhor coisa que aconteceu a Hungry Joker, que mesmo tendo um one shot cheio de potencial tinha muitas falhas e pelo menos por este primeiro capítulo o autor se não conseguiu supera-las pelo menos tapo-as bem.

 

A única coisa que seria preferível ter mudado é a personagem feminina, nem se trata da personagem do one shot ser melhor, mas sim que essa personagem desta versão é cliché demais, seguindo o padrão básico de personagem pequena, atrapalhada e sem sal. Mas isso nem é tanto culpa do autor, mas sim do próprio padrão Jump actual, onde parece que personagem bom é personagem sem personalidade, como aconteceu com Cross Manage. Seja como for gostei de uma coisa nela, o Haiji chama-la de Yamada, relembrando a relação do Walter e a Astrid em Fringe, onde ele também nunca acerta o nome dela e a Astrid também era bem apagada no começo, então pode ser que funcione no futuro.

 

 

O protagonista sofreu poucas alterações e mesmo não tendo gostado muito dele no one shot foram alterações que melhoraram o personagem, porque até achei interessante nesta versão, fazendo lembrar um pouco o Walter, mas mais ainda o Sherlock Holmes, da actual série britânica, que também vive num mundo só dele e tem basicamente a mesma arrogância.

 

Para terminar as comparações, sem dúvida que Hungry Joker faz lembrar e muito Fringe, desde o protagonista, o tema ou principalmente pelo corpo brilhante logo no início do capítulo, parece que se o manga quiser dá para seguir naquele estilo Fringe de caso semanal, mesmo parecendo que vai seguir uma trama mais fixa. É bom ver um manga do género ciência na Jump, principalmente porque é um tema pouco explorado e que de certa forma cria alguma originalidade ao manga.

 

A aspecto principal desse primeiro capítulo é sem dúvida alguma o significado da maça perante a vida e a ciência, a escolha da maça não é por acaso, da mesma maneira de os Shinigamis em Death Note gostam de maças, ou a fruta envenenada que a Bruxa má dá à Branca de Neve ser uma maça, não são puras coincidências, entre tantas outras vezes que se vê essa fruta associada a alguma história ou mesmo a simbolismos reais, como a marca Apple ter escolhido uma maça dentada como símbolo.

 

 

A maça significa muita coisa, mas no geral conhecimento, poder, amor, livre arbítrio ou vida, dependendo de qual interpretação dada ao fruto, a maior referência é sem dúvida a Adão e Eva, que retrata praticamente todos os aspectos que referi acima e como referido no capítulo significa também a teoria da gravidade, criada pelo Newton depois de levar de ver uma maça a cair. Essa história e foco na maça deixou interessado no manga e se o autor conseguisse seguir bem esse caminho, o que é difícil para um manga shounen, podia muito bem servir para amenizar o final de Fringe, que já está bem próximo.

 

Achei bem interessante a escolha do poder dado pela maça, mesmo que com a referência ao Newton se tornasse obvio, gravidade pode dar excelentes momentos de batalha no futuro, mesmo que para um manga também possa andar ali de mãos dadas com a confusão de desenho, mas esperar para ver.

 

Para concluir o manga tem potencial e sinceramente espero que dei certo, é o manga certo para a Jump, que precisa urgentemente de um battle shounen de sucesso, nem que seja para a Jump não pensar em alongar Naruto e Bleach mais que o desejado. Esperando que a qualidade se mantenha e que os japoneses saibam diferenciar o one shot desta versão.

 

PS: Por comparar com Fringe e Sherlock Holmes não quer dizer que Hungry Joker está ao nível dessa duas grandes séries, apenas que apanhou elementos das duas séries que me agradaram.

 

 

1ºOne Punch-man:

 

Como dá para ver não vou comentar sobre nenhum capítulo em específico, mas sim sobre o manga, e como disse no início do post o manga entrou no ranking em cima da hora. Na última vez que falei sobre One Punch Man critiquei o manga e agora sinto-me na necessidade de retificar o que disse, porque o manga é excelente e os spoilers que apanhei com alguns gifs fazem que o manga mereça este primeiro lugar.

 

 

Agora vale lembrar o que disse nos comentários quem é fã do Murata e lê apenas o primeiro capítulo, deixando o resto de lado, tem todos os motivos para criticar, afinal por mais que o manga tenha qualidade e seja divertido fica aquela sensação que o Murata está a perder tempo e a desperdiçar a sua qualidade num manga cliché feito para a internet. Mas passado essa barreira o manga torna-se excelente, fazendo com que aquilo que pareça cliché à partida seja bem executado e numa maneira de sátira ao género battle shounen.

 

 

 

O Murata é um génio no que toca à arte, já o tinha mostrado em Eyeshild21 e Doten Prism Solar Car, mas em One Punch man está melhor do que nunca, isso vê-se logo como uma qualidade deste manga nos primeiros capítulos, mas nesses dois gifs que postei o Murata fez um trabalho simplesmente perfeito, porque esses excelentes gifs não são bons pelo trabalho de quem os fez, até eu fazia, eles são bons e encaixam na perfeição, porque tudo cada frame do gif é uma página dupla. Esperando a para ver esses capítulos em português.

 

Para terminar igual a Gin no Saji não vou comentar todos os capítulos, mas o manga deve aparecer aqui frequentemente, principalmente nesses capítulos geniais.

 

 

Ranking:

1ºOne Punch Man
2ºHungry Joker
3ºNisekoi
4ºGin no Saji
5ºToriko
6ºRookies
7ºBeelzebub
8ºKuroko no Basket
9ºDorohedoro
10ºAssassination Classroom
11ºPSI
12ºNaruto
13ºHajime no Ippo
14ºBleach
15ºOne Piece
16ºFairy Tail
17ºAo no Exorcist

publicado por Dark-Fenix às 16:09
Segunda-feira , 05 de Novembro DE 2012

Opinião Semanal #48&49 Parte 1

 

Tive algumas dificuldades em escolher os mangas que ficariam entre o 3º e o 7º lugar, então não posso dizer que esteja de total acordo com a maneira final com que essas posições ficaram. Por uma questão de que não é fácil comentar sobre 20 mangas por semana vou deixar de comentar sobre Green Blood e para quem não lê os meus comentários sobre o manga, a sua posição nesta semana nada tem a ver com isso.

 

O meu comentário a Assassination Classroom acabou saindo gigante, já que fugi bastante do assunto dos capítulos, focando na minha opinião sobre o manga, principalmente sobre como vejo esse actual sucesso do manga, o resultado final do que escrevi acabou ficando meio confuso, mas espero que consigam entender o que quis dizer.

 

Relembrando novamente o post inicial é o de cima.

 

11ºAssassination Classroom 14:

 

A popularidade à volta de Assassination Classroom tem aumentado a um ritmo estrondoso, tanto que pelo menos ao nível das tocs já é a melhor estreia desde os celebres mangas que estrearam entre 1996 e 1998, a Jump também já se apercebeu disso e está a apostar forte no manga, dando um destaque gigante ao manga no seu site, resta só saber os números das vendas para poder considerar o manga um sucesso ou um mega sucesso.

 

Mas é em todo esse destaque que o manga tem tido que entre uma questão problemática, é porque por mais que o manga seja bom, tenha um protagonista carismático, tenha potencial e que duvido que a qualidade caia no futuro, a verdade é que mesmo com isso tudo o manga não está ao nível do hype e isso pode não querer dizer nada ou pode querer dizer muita coisa.

 

Que fique claro não estou a agoirar, na verdade o que mais quero como leitor é ver o nascimento do futuro da Jump, algo que nenhum novato mostrou ser possível desde que acompanho as tocs, é comecei a acompanhar as tocs um tempo depois do início de Toriko, mas o que depressa sobe também depressa desce. O exemplo perfeito disso é Double Arts, um sucesso imediato que acabou cancelado do nada, porque tanto leitores quanto autor pensaram que já estava ganho, da mesma forma que muitos já fãs de Assassination Classroom pensam que top3 nas tocs actualmente já quer dizer que o manga é o 3º manga mais popular da Jump, não o é e vai levar tempo para o fazer se realmente o fazer.

 

Assassination Classroom é acima de tudo um manga escolar e como praxe desse tipo de manga é complicado a cada capítulo surpreender na verdade chega uma altura em que o manga tem de estabilizar, afinal se não o fizer acaba-se logo o que o manga pode explorar, outro bom exemplo disso é Nisekoi, começou a com a corda toda e toda a gente falava dele e agora está bem mediano e sem muita discussão há volta do manga, não está mal, mas já não empolga como aquela sequência de capítulos excelente empolgou. Assassination Classroom vai ter sofrer do mesmo, ou melhor, já o está a começar a fazer e a pergunta é, e agora?

 

 

Esses dois capítulos do manga por mais que tenha o carisma do Duro de Matar e dos outros personagens, na verdade nada mais é que o autor a usar o cliché da viagem escolar misturado com o estilo do manga. São dois capítulos normais do manga, que no futuro vão ser importantes para o manga, afinal servem para desenvolver a história e principalmente os personagens, mas não empolgam e mesmo que isso não fique claro agora aos poucos vai acontecendo e com o passar do tempo se manter-se assim os leitores podem pensar que o manga afinal não era tudo isso e acabar abandonando o barco de quem elogia.

 

Para concluir isso é tudo se’s e como disse no início pode querer dizer muita coisa ou pode simplesmente não querer dizer nada, também há a possibilidade de Assassination Classroom do nada seguir fora desses padrões e apresentar capítulos surpreendentes a cada semana. O que quero realmente dizer com isso tudo é que muitas vezes um hype grande não é o melhor, principalmente para um manga como total cara de manga escolar padrão, mesmo que envolva o que seja lá que o Duro de Matar for.

 

Em contra partida esse hype também cria muitos haters e nesse aspecto pode ser que o manga acabe ganhando com isso, porque mesmo parecendo ridículo, essa relação fanboy x hater acaba beneficiando muito Assassination Classroom, os hater vão criticar sem razão e isso vai dar motivos para os fanboys ainda apoiarem mais o manga, sem que deixem o manga cair na situação que Nisekoi está actualmente. Então para quem não gosta de Assassination Classroom e está a ler isto se querem ver o manga cair na toc simplesmente parem de criticar, vão ver que a popularidade do manga vai descer.

 

Caso não tenha feito o menor sentido, três exemplos para fechar isto. Primeiro, Gin no Saji, inicialmente ninguém ligava, ganhou o prémio de melhor shounen já todo o mundo dizia que era melhor que Full Metal Alchemist, passou o hype do prémio e não vejo muita gente a falar do manga, daqui a uns 6 meses a 1 ano deve estrear o anime e volta o anime. Segundo, quem nunca acabou de ler um manga pensando que era a melhor coisa do mundo e mais tarde veio a saber que afinal não era nada demais e já tinham feito igual e melhor? Meu exemplo Death Note. Terceiro, o contrário do segundo ponto, terminar de ler um manga e pensar que desperdício de tempo, mas com o tempo passando se percebendo que afinal o manga era excelente, só não se tinha apreciado, entendido ou no meu caso gostado do final, exemplo Hikaru no Go.

 

Depois de tudo isso já me ia esquecendo de comentar, excelente referência no capítulo 16, e melhor que a referência é a maneira como o autor fez a cena, para quem está a ler o manga agora vai se lembrar logo do que ele está a falar, mas quem ler daqui a uns 5 ou 10 anos de certeza que não se vai lembrar, mas aí está o autor não fez uma referência directa, mas sim uma cena bem aleatória e cenas aleatórias combinam bem com Assassination Classroom.

 

 

10ºGreen Blood 11-12:

 

Depois de colocar o manga praticamente sempre em primeiro e agora colocar em 10º até parece que a qualidade do manga caiu drasticamente, mas não é de todo verdade, mesmo que estes 2 capítulos sem dúvida alguma tenham sido muito abaixo do normal. Isto pro causa do novo personagem, num manga que até ao momento estava a ser bem realista, esse personagem faz um contraste que eu não consigo ver como positivo, já que o personagem tem total personalidade de vilão de manga shounen.

 

Mas tirando esse personagem, a arte continua como sempre impecável e a página dupla final do capítulo 12 foi de certa forma surpreendente e colocou o manga de volta ao nível dos capítulos anteriores. Mas sem dúvida que o facto do personagem em momento algum me ter convencido fez daquele cena menos chocante do que deveria.

 

Para concluir, os posts já estão a ficar extensos demais e preciso de cortar alguns mangas e por isso Green Blood será um deles, acho que já passei a mensagem que o manga é excelente e para comentar mangas do tipo de Green Blood é preferível comentar por volumes ou quando for concluído.

 

 

9ºOne Piece 686-687:

 

Depois de algumas semanas sem acontecer nada de especial nas capas de One Piece, com a história do Caribou a arrastar-se um pouco, a do 687 esta excelente e mostra bem a personalidade do Caribou, que abandona o irmão, mesmo depois de ele o ajudar. E agora fica a questão do que se segue na história do personagem que agora tem o caminho aberto para fazer o que quiser.

 

Uma coisa que o Oda sem dúvida alguma acertou nestes dois capítulos foi em só destacar a luta entre o Zoro e Tashigi contra a Monet, o Oda tem de perceber que a correria tem de acabar e começar as batalhas ou pelo menos algum desenvolvimento e apesar de a correria ainda não ter terminado pelo menos estabilizou por dois capítulos.

 

Os dois capítulos foram bons e voltaram a dar entusiasmo, algo que faltava desde que o Oda tinha tirado uma semana de folga, mesmo assim tiveram os seus erros, no 686 foi toda a aparição do Sanji e dos Marinheiros, por mais que até tenha rido com a cena, foi desnecessário e um anti-climax digno de Fairy Tail. Mesmo assim o capítulo compensou colocando a Tashigi no combate.

 

 

Já o problema do 687 foi a falta de destaque para a Monet, está certo que não se poderia esperar que ela tivesse um grande destaque, já que ficou claro que o Vergo e o Caesar teriam mais destaque e que seriam os verdadeiros vilões desta saga, o problema é que a Monet mostrou muito mais carisma que eles os dois e vê-la a ser derrotada tão facilmente foi algo que me incomodou, agora é rezar para uma boa luta entre o Smoker e o Vergo e que o Luffy acabe rápido com o Caesar.

 

A discussão entre o Zoro e a Tashigi foi tanto um ponto positivo quanto negativo, negativo pelo que comentei acima da Monet, destacou tanto a sua discussão que acabou faltando o destaque para a Monet e para a luta em si, tudo sendo focado na conversa dos dois e no facto do Zoro não atacar mulheres. Por outro lado foi bom ver o destaque sendo o Zoro e a Tashigi, porque trabalhou os dois personagens de uma maneira que há algum tempo o Oda não fazia em One Piece.

 

Agora esperar pelos próximos capítulos e ver se o Oda consegue pelo menos manter a qualidade destes dois capítulos e por favor que parem de correr de um lado para o outro.

 

 

8ºRookies 76-77:

 

 

Finalizando o arco envolvendo o novo personagem e o desenvolvimento do Kawatou como personagem, apesar de capítulos simples, o autor finalizou muito bem o arco e aproveitou para desenvolver ainda melhor do que já tinha feito a personalidade do Kawatou e do próprio Anya que é colocado ao barulho nesses 2 capítulos.

 

Já o tinha dito antes, mas estes capítulos mais virados para os personagens que para o tema do manga em si faz-me lembrar bastante da série Friday Night Lights, que tirando as diferenças óbvias entre mangas e séries e a personalidade do seu protagonista, são bem-parecidos principalmente entre o Anya e o Tim Riggins. Cada um dos dois bons à sua maneira, preferindo Friday Night Lights, mas não dá para não gostar da personalidade do Kawatou e da maneira efusiva como resolve os problemas.

 

Para concluir, espero que o manga agora volte ao basebol, mas gostava que esse personagem não sumisse de vez do manga, até porque teve uma participação grande para nunca mais ser mencionado. E o Anya a cada aparição que faz se torna cada vez mais o melhor personagem do manga.

 

 

7ºACxPSI:

 

Inicialmente quando li sobre esse crossover fiquei meio sem saber o que esperar já que mesmo os dois seguindo um caminho mais gag não via como o Saiki conseguiria igualar o carisma do Duro de Matar, mas entretanto acabei lendo PSI e vi que mesmo que seja complicado igual o carisma também não fica tão atrás assim. E o ponto forte deste crossover é que de propósito ou não o Saiki é que contou a história, fazendo com que o destaque tenha ido para ele, igualando assim com o carisma do Duro de Matar.

 

Uma outra coisa que faz com que os personagens se entendam tão bem são os seus poderes, cada um com os seus poderes, mas no geral bem equilibrados faz com que aquele encontro casual ponha frente a frente dois monstros que podem destruir a Terra facilmente. Além disso o crossover apanha duas características importantes, o facto do Saiki nunca falar, que logo comento mais à frente no post, e a rapidez do Duro de Matar.

 

No geral foi um crossover pequeno, que apanhou o melhor de cada obra e que ficou excelente dando aos fãs de cada uma dessas obras a conhecer a outra.

 

 

6ºToriko 209-210:

 

Um bom exemplo do que tinha dito ao Ever, só que na altura foi, “Só não é erro porque foi o Kishimoto que fez”, agora digo o mesmo só que para o Shimabukuro. Muita gente adorou ver o Teppei “morto” no final do capítulo 208, mas no 209 não reclamou de vê-lo vivo, até percebo já que o personagem é popular e que se tratando de manga shounen, sem ser Hunter x Hunter, era pedir demais. Mesmo assim isso para mim sempre será um erro, uma falha, um defeito ou simplesmente falta de coragem do autor, mesmo que até perceba o porquê do Teppei continuar vivo, só que tirou, não toda, mas muita emoção da cena final do capítulo 208.

 

Agora deixando isso de lado, foram dois capítulos interessantes, o Komatsu finalmente entrou no top100 chefes, directo para a posição 88, não tem anda a ver, mas associe logo a Sekirei, onde a protagonista também tem o nº88, mas que usa esse nº para passar para 8 e ser considerada uma das 10 mais fortes, então fiquei a pensar se o Shimabukuro não vai seguir a mesma estratégia, quando da próxima vez de o Komatsu melhorar o ranking passar logo para 8º, afinal eles não devem demorar muito para entrar no Mundo Gourmet, ou seja até voltarem ele será sempre 88º.

 

 

Curioso sobre o próximo arco, Festival de Cozinha, por outro lado dispensaria o clone do Komatsu, um chega e sobra. E felizmente o Shimabukuro resolveu uma coisa que eu tinha reclamado no inicio do último arco, a facilidade com que o Quatro Bestas tinha destruído os ecossistemas onde o Toriko teve tanta dificuldade, em especial a Pirâmide Gourmet e o Inferno de Gelo, mas com esse alguém por detrás do monstro e ainda para mais com esse alguém parecendo ser alguém que vai ser importante para o manga, já não deixa a cena tão aleatória e exagerada com que tinha parecido na altura.

 

Por fim o que mais gosto em Toriko é a facilidade com que o autor exagera com estilo e qualidade, como a cena da nova faca do Melk. Além disso essas poucas páginas no Mundo Gourmet me fizeram aumentar ainda mais o hype com que estou em volta desse épico momento.

 

 

5ºPSI 2:

 

Nesta semana vou só comentar sobre o capítulo 2, o 3 fica para a próxima edição, já que duvido que o manga comece a sair semanalmente.

 

O que mais gosto de PSI, e que se tinha dúvidas confirmei no capítulo 2, é a maneira como o autor criou o protagonista, ele não fala, tudo o que aparece no manga dito por ele são os seus pensamentos e tendo em conta a proposta do manga isso é muito bem executado. Fazendo até lembrar do genial Oyasumi Punpun, onde o protagonista também não fala, mas nesse manga tudo é levado até um outro nível já que o protagonista mesmo representando um humano é uma caricatura de um pato(?).

 

Mais deixando Oysumi Punpun de lado, dos 3 capítulos este foi sem dúvida o melhor, primeiramente pelo passado do protagonista e em segundo lugar pelo novo personagem Nendou Riki. Novamente o autor na descrição inicial do personagem faz com que se pense que vai inserir novos usuários de PSI ou alguma coisa do género, mas não, ele simplesmente é um idiota sem cérebro. E o terceiro motivo e sem dúvida o mais importante é que foi o único dos 3 capítulos que não me cansou antes do final.

 

 

4ºBeelzebub 178-179:

 

O que mais me irrita em Beelzebub é por mais que tente reclamar do manga e em especial do facto do autor não seguir um rumo, não dá para reclamar quando o autor apresenta capítulos de comédia bons como estes dois e provavelmente o resto do arco. Um arco focado em casais foi uma boa ideia, em especial por causa do Furuichi, que assim pode mostrar o máximo do seu potencial.

 

De resto não há muito mais o que comentar, destacando apenas a excelente cena do Furuichi ligando para a Misaki, a parceira do Furuichi, a pequena, mas carismática, participação da Futaba e o que já tenho comentado anteriormente o Oga estar a ganhar personalidade. Fiquei surpreso do autor não ter colocado o Himekawa para participar, mesmo que também não sinta muita falta dele, já que nunca fui grande fã do personagem.

 

 

3ºHaikyuu 21-22:

 

Mais dois capítulos excelentes de Haikyuu, que continuaram a construção do Asahi, o craque do time, e nesse aspecto o capítulo 21 conseguiu ser quase tão bom quanto o 20, que sem dúvida deverá ser relembrado por um bom tempo como o marco de qualidade do manga. Novamente o autor não se preocupa em gastar um capítulo com um único movimento, porque tendo em conta a carga emocional desse movimento esse destaque é necessário.

 

Já no final do 21 e o 22 o destaque vai para o Hinata, ou melhor para a maneira como ele vê o craque a ter destaque e a sua necessidade de se firmar na equipa. Uma coisa que gosto bastante em Haikyuu são as recordações que os personagens tem quando estão a jogar, isso aumenta ainda mais a carga dramática da cena, vê-se isso claramente nos momentos antes do craque pedir a bola.

 

Agora é esperar que a scanlator americana não atrase novamente o manga, que já está bem atrasado comparativamente ao Japão, o que ainda se torna pior porque Haikyuu tem sido um dos melhores mangas da Jump nos últimos tempos.

 

 

2ºDorohedoro 54:

 

Já saiu o 55, mas tendo em conta que para a semana não vai haver post, não faz sentindo comentar sobre esses dois capítulos e depois comentar sobre um capítulo especial, ou pior ainda um capítulo especial e o início de um novo volume. Antes de comentar sobre o capítulo, t-shirts bem ao estilo de Dorohedoro, apesar de a maioria ser bizarra, se tivesse de escolher uma seria a do Team En, pena que a t-shirt é branca, fundo preto ficava melhor.

 

Sobre o capítulo, só tenho uma crítica e vou já dizer, é que a autora sentiu necessidade de no final colocar algo acerca da história actual, quando este capítulo teria funcionado muito melhor apenas com o passado da Nikaido contado através do Chota, que se não é o melhor personagem do manga anda lá perto. Gosto da maneira como a autora faz fanservice sem parecer o fanservice habitual de manga, já que mesmo com a personagem quase nua e em alguns momentos nua mesmo, coloca a mascara e ainda relembra o tempo todo que mesmo tendo corpo de mulher ainda é o Chota, ou seja um fanservice bizarro por parte da autora.

 

A Nikaido bebé é quase tão carismática quanto a Futaba, de Beelzebub, e o passado dela funcionou muito bem basicamente por uma junção de tudo o que disse anteriormente, por envolver a Nikaido bebé, por ser contado pelo Chota e pelo jeito bizarro de contar a história. Basicamente é o tipo genial e diferente que a autora faz tão bem e que torna Dorohedoro mais único e carismático a cada capítulo.

 

 

1ºKuroko no Basket 36-51:

 

Não tenho qualquer problema, como já o mostrei várias vezes em especial com Reborn, Fairy Tail, Bleach e Naruto de numa semana colocar o manga no top3 e depois coloca-lo entre os últimos, mas não gosto de fazer o contrário, mas vale lembrar que no caso especifico de Kuroko não estou a comentar sobre dois capítulos seguintes, mas sim sobre dois arcos diferentes e aí já é outra história, por isso o penúltimo lugar na última edição e o primeiro nesta.

 

Mangas de desporto escolar têm vários padrões aos quais é impossível fugir, um deles é a primeira derrota no campeonato, e isso é algo que a maioria dos mangakas tem dificuldade em fazer, porque se não falham na altura acabam falhando mais tarde, como Eyeshild21 onde a derrota foi excelente, mas faltou a revanche depois. Além disso uma derrota é sempre algo complicado de fazer, já que apesar de tudo é um manga shounen e em shounen o protagonista tem sempre de ganhar.

 

 

E dito isso esse jogo contra a equipa do Aomine funcionou na perfeição, porque tudo foi feito para eles perderem e melhor do que perderem, tudo foi feito para serem humilhados, ou seja o jogo todo o autor foi preparando o leitor para a derrota, para uma derrota pesada e em contra partida dava destaque à personalidade dos membros da Geração dos Milagres, algo que sem dúvida alguma falhou redondamente com o Kise e o Midorima nos capítulos anteriores, tanto que a partir deste arco o autor começou a perceber isso e até o Midorima se tornou menos irritante.

 

Além disso o autor deu a clara ideia que haveria revanche e tendo em conta que ao contrário de Eyeshild21 não estou a ver nenhuma brincadeira por parte do autor, além de que tendo o manga todo dedicado aos 5 personagens da Geração dos Milagres fica difícil imaginar eles não se encontrarem mais tarde num novo duelo. E como já o tinha mencionado antes no blog uma derrota muitas das vezes é mais importante que uma vitória, isso é cliché em manga de desporto e se também o fosse em mangas de batalha muitas das vezes seriam evitados muitos problemas de roteiro.

 

Para concluir, Aomine é um excelente personagem e fico à espera da revanche contra o Kuroko e esse jogo foi o grande momento do manga, que dividiu a fase mais fraca do manga para uma nova fase que apesar de repleta de clichés e exageros nunca perde a qualidade. Resta esperar pelo Akashi e pela Winters Cup, destaque da próxima edição que comentar de Kuroko no Basket.

 

Ranking:

1ºKuroko no Basket
2ºDorohedoro
3ºHaikyuu
4ºBeelzebub
5ºPSI
6ºToriko
7ºAC X PSI
8ºRookies
9ºOne Piece
10ºGreen Blood
11ºAssassination Classroom
12ºNanatsu no Taizai
13ºReborn
14ºOumagadoki Zoo
15ºBleach
16ºHajime no Ippo
17ºNaruto
18ºTakamagahara
19ºFairy Tail
20ºNisekoi
21ºOne Punch Man

publicado por Dark-Fenix às 23:00
Domingo , 21 de Outubro DE 2012

Opinião Semanal #47

 

Mais uma semana cheia de mangas para comentar, com mais uma estreia, PSI, gag manga que estreou recentemente na Jump e que finalmente teve scans. Ao contrário do que gostaria esta semana teve muitos mangas com capítulos maus e principalmente mangas com capítulos sem nada demais, em contrapartida também não houve grandes capítulos, tanto que Rookies conseguiu brilhar e chegar a um excelente ranking.

 

18ºReborn 406:

 

Nem sei oque comentar sobre este capítulo, porque no geral é o Reborn do costume e não entrega nada, tanto pode terminar na próxima semana, como ter mais uma saga, é uma questão de esperar por quarta-feira e ter a certeza se o manga terminará ou começar outro arco. Seja como for não vejo qual o sentido de continuar com o manga, o mais importante já foi mostrado, tudo agora é puro capricho ou coisas que já poderiam ter sido resolvidas antes, o pior é que com a posição que Reborn ocupa nas tocs hoje em dia se não aproveitar e terminar agora, será uma questão de tempo até ser cancelado, até porque muita gente irá dropar o manga se ele continuar, ou seja cair ainda mais nas tocs é inevitável.

 

Mas sobre o capítulo, confirmou-se um drama gigantesco para nada, no final tudo foi resolvido na base da conversa, com explicações forçadas e uma resolução feita à pressa. Até gostei da maneira como toda a história da maldição dos arcobalenos terminou, com eles ainda bebés, excepto a Lal Mirch, mas aí entraria a questão da expectativa de vida, será que os anos que eles já viveram não irão contar? Seja como for, isso seria entrar em campos de qualidade que Reborn nunca abordou.

 

 

Aquela cena no hospital combina perfeitamente com Reborn, o que por si só já é uma crítica, de qualquer maneira se o manga terminar na próxima semana, isso poderia servir como despedida desses personagens aos leitores. E no final a cena que me fez colocar Reborn em último, novamente uma cena que combina na perfeição com Reborn, relembremos que nos últimos capítulos o Tsuna tem dado uma de superdotado, mas a sua inteligência superior não lhe deixe perceber o obvio.

 

Para concluir, para aqueles fãs de Reborn que dizem que ainda falta isto e aquilo para ser abordado no manga, só relembro-vos de Slam Dunk. Para quem já leu o manga, pensem no que os fãs pensaram ao ler o penúltimo capítulo do manga. Slam Dunk, sim, ainda tinha muito por mostrar, tanto que o autor teve de abandonar vários plots que tinha criado, mas o Inoue inteligente como é, percebeu que mesmo que continuasse não conseguiria fazer um jogo mais emocionante que aquele, além de que viu uma oportunidade perfeita para concluir um manga num final cruel, mas ao mesmo tempo genial.

 

 

17ºKuroko no Basket 26-35:

 

Comentando nesta semana sobre o jogo contra o Midorima, o jogo mais forçado do manga, pelo menos espero que o seja, onde Seiren foi visto como um Underdog o tempo todo. Não me entendam errado, uma boa história de um verdadeiro Underdog normalmente saí algo épico, afinal o último jogo de Slam Dunk baseia-se totalmente nisso. O problema é que este jogo em Kuroko no Basket não seguiu a ideia do último de Slam Dunk, mas sim o último jogo do torneio nacional de Eyeshild21, ou seja um jogo impossível de ganhar, mas que é ganho.

 

Mesmo que Kuroko tenha tocado num ponto extremamente importante, uma jogada de 3 pontos dá mais pontos que um afundanço, mas um afundanço na altura certa dá uma motivação extra à plateia e aos próprios jogadores que um cesto de 3 pontos nunca poderá dar. Mas mesmo com isso e com a maneira com o jogo foi desenvolvimento era impossível Seirin ganhar o jogo.

 

 

Fora que o “poder” do Midorima é extremamente exagerado mesmo que se tenha em conta o nível cliché e de exagero de Kuroko no Basket, marcar o cesto de qualquer lugar da quadra é algo que o autor nunca deveria ter criado. Porque ele até deu boas explicações para Seirin ter ganho, mas nenhuma realmente me convenceu, até porque em nenhum momento o autor mostrou que o Midorima se poderia cansar. Além disso há a história do horoscopo que podia muito bem ser deixada de lado, porque só ajudou a tornar o resultado ainda mais incoerente.

 

Esta poderia ter sido uma boa altura para eles perderem o primeiro jogo, apesar de que não vejo o Midorima com essa moral toda para ser o que ganhou ao Kuroko, algo que o adversário seguinte tem. De qualquer maneira a seguir é o Aomine, que na altura que li essa parte até cheguei a pensar que ele fosse o principal da Geração dos Milagres, o que me deixa ainda mais curioso para ver os outros dois, o melhor o Akashi, o capitão da Geração dos Milagres.

 

Na sexta acabei-me empolgando e li todos os capítulos lançados em português, nas próximas semanas irei comentar por arcos, ou seja para a semana o jogo contra o Aomine. E uma última coisa ao ler os próximos capítulos percebi o quanto o autor sabe o que está a fazer, mesmo que o manga siga um caminho cliché e exagerado, mas logo comento melhor depois.

 

 

16ºNaruto 606:

 

Difícil rankear este capítulo, porque este capítulo tem dois lados bem distintos, a primeira metade que devia ter ficado em último lugar no ranking e a segunda metade onde o Kishimoto tenta juntar todas as peças. É engraçado porque ainda esta semana tinha defendido Naruto, porque mesmo que aquela cena do capítulo 600 tivesse ficado infantil, o autor até estava a conseguir convencer com a Rin ser o motivo para tudo começar, mas depois apresenta este capítulo, onde me conseguiu surpreender, já que fez algo ainda mais infantil do que a tal cena do capítulo 600. Moral da história, nunca elogiar Naruto, porque o Kishimoto logo trata de mostrar que se está errado.

 

Outra cena engraçada foi eu ter comentado em tom de piada ao Ever sobre colocar aliens em Naruto e não é que o Kishimoto vem mostrar que afinal não estava assim tão longe da verdade, não que aja aliens, por agora, mas o Juubi já foi selado na Lua, então se Naruto demorar muito a ter ser concluído, não me surpreenderia se isso fosse mais explorado. Mas agora mais a sério, Madara ao mesmo nível do Rikudou Senin? Agora sim o Kishimoto exagerou, curioso para ver como o Naruto derrotará alguém que está no nível do ninja lendário.

 

 

Outra coisa que não faz muito sentindo é ver que o Rinnegan nada mais é que o estágio final do Sharigan e menos sentido ainda o Pain afinal ter ganho o Rinnegan, o que só comprova que só não tem jutsus oculares quem não quer. A única coisa positiva desse capítulo foi o final, que explica o porquê de o Itachi pensar que o Tobi era realmente o Madara, por outro lado é incrível a facilidade com que o Madara entrega tudo ao Obito, está certo que ainda está ali o Zetsu, mas o Madara morre e deixa no Obito a esperança de ser renascido, o Obito simplesmente podia abandonar o plano, ir viver num eterno gengutsu com a Rin e ninguém morreria, não que realmente alguém tenha morrido na guerra.

 

 

15ºGin no Saji 51:

 

Capítulo completamente sem nada para comentar, não foi mau, mas não mostrou nada de novo. À espera do final do arco.

 

 

14ºBleach 512:

 

É engraçado como muitas vezes não veem as palavras certas para comentar sobre algo, mas por outro lado aparece outra coisa que explica bem o que senti lendo este capítulo de Bleach. No caso foi Homeland, uma das melhores séries em exibição, apresentou no último Domingo um episódio filler, foi um mau episódio? De maneira alguma, afinal é Homeland, mas não deixou de ser filler, o anterior tinha terminado com a revelação bombástica que se esperava desde o primeiro episódio da série e no episódio desta semana apenas enrolou, finalizando o episódio da mesma maneira que o anterior, com a diferença que mais uma pessoa ficou sabendo, a pessoa chave diga-se.

 

Em termos de qualidade não dá para comparar Homeland com Bleach, mas nesses capítulos/episódios em questão dá, tanto o episódio de Homeland como o capítulo de Bleach foram bem executados e tanto os dois foram pura enrolação, podiam desaparecer que não fariam grande falta. E é engraçado porque a parecença entre os dois não fica por aí, já que a enrolação deve-se a um único factor nos dois casos, a diferença é que em Homeland é a revelação mais bombástica da série, até mesmo maior do que o final da primeira temporada, já em Bleach é o Ichigo, que toda a gente já sabia, só não queria acreditar, ou seja Homeland ansiedade para assistir o próximo episódio, Bleach decepção.

 

 

Mas como disse o capítulo foi bem executado, não é a primeira vez que o digo e não será a última, o Kubo de vez em quando tem alguns momentos de genialidade, este foi um desses casos, só que o problema dele é que ou não sabe ligar esses momentos de génio ou não sabe construi-los. Pode parecer apenas haterismo dizer que o motivo para o capítulo ter falhado é pelo personagem em destaque ser o Ichigo, mas não é. Por duas razões, primeira é protagonismo, o pior cliché que existe e o segundo é pelo mesmo motivo que critiquei o Oda há uns tempos atrás quando o Vergo apareceu, só que de uma maneira diferente, ou seja, qual o sentido em fazer um personagem aparecer apenas como sombra se já se sabe quem ele é, ainda para mais gastar um cliffhanger e depois 19 páginas com isso.

 

Se fosse outro personagem que não se conhecesse ai sim poderia fazer sentido, e digo poderia, já que depende da situação. Já que daria aquela dúvida se é alguém conhecido ou não e acabaria no final por surpreender, ou seja teria contrariado as expectativas dos leitores, teria jogado com as suas mentes e no final teria surpreendido, basicamente o que o autor de Toriko fez na perfeição no capítulo desta semana. Mas não o Kubo decidiu seguir o exemplo de Fairy Tail, fazer aparecer o seu protagonista e dar razão aos leitores para criticar.

 

 

Além disso o autor ainda dá mais protagonismo à cena, já que faz com que o Ichigo pareça que vai salvar o dia, cheio de poses e tudo mais. Como disse nos comentários ele já ganhou o direito de ser respeitado pelos grandes nomes da Soul Sociaty, o que não é pouca coisa, mas ser o Salvador do Mundo? Igual ao Goku ou o próprio Naruto? Ai já é forçar e me pergunto o que aconteceria se em vez do Ichigo fosse o Hitsugaya a dar uma de estrela e querer aparecer? O mais provável era o Juha Bach chegar perto dele pisá-lo igual formiga e seguir em frente, mas o Ichigo de certeza vai merecer uma conversa.

 

A melhor cena do capítulo sem dúvida foi a conversa do Ichigo e do Byakuya, mas mesmo assim me suou forçado e o mesmo que venha dizendo nos últimos parágrafos, protagonismo, e nem é por ele depositar as suas esperanças no Ichigo, mas sim por o Yamamoto ter morrido e o Byakuya ainda pensar que o Ichigo ganha. O Shinigami de mais de 100o anos de idade morre com um golpe, mas o meio shinigami de nem 18 anos já consegue proteger a Soul Sociaty.

 

PS: Para quem ainda não acha que Bleach enrolou ou que teve um bom capítulo é olhar para as imagens que coloquei no post, duas delas tem o Ichigo a fazer pose, como pode um capítulo não enrolar quando o autor coloca o meso personagem a fazer pose duas vezes no mesmo capítulo, claro a não ser que seja o manga sobre moda, ai faria sentido.

 

 

13ºFairy Tail 304:

 

Foi um bom capítulo de Fairy Tail, mesmo com as suas cenas dispensáveis do costume, a primeira delas a cena do gato sozinho, uma morte de um personagem, mesmo que um gato tem de ter emoção, mas toda a história até ao momento não me disse nada e aquela cena do gato sozinho no início deste capítulo foi mais irritante que outra coisa.

 

Novamente o Mashima mostra que tem boas ideias só não as sabe utilizar da melhor maneira, esse último jogo é simples mas eficaz, só acho que faria mais sentido se tivesse sido feito no inicio do Jogos Mágicos, dando assim quem ganhasse uma boa vantagem sobre o resto, agora sendo o último jogo meio que não faz muito sentindo afinal a Fairy Tail tem 45 pontos e apenas neste jogo está em causa mais de 50 pontos, muda muita coisa, quando o último jogo deveria ser só a confirmação da vitória.

 

O grupo do Natsu como já estava à espera é a parte menos interessante do capítulo, com uma entrada no castelo bem fácil, nem digo por aquela ideia funcionar, mas mais por o Natsu ser o que foi capturado, afinal ele deu um show nos jogos meio estranho pensar que ele foi capturado assim. No final, nova personagem e novo plano, esperar para ver no que isso vai dar.

 

 

12ºTakamagahara 11-12:

 

“Tamagahara, eu gostei do manga, mas me pareceu algo Shonen Champion, muito exagerado e pesado para a Jump actual, é um manga que eu sei que iria acabar por gostar com o tempo, mas tempo é coisa que os mangas da Jump não têm, pelo menos no início, além de que como referi não acredito que tivesse muito publico.”

 

Essas foram as minhas exactas palavras quando comentei sobre a raw do one shot, que relembro foi publicado na Golden Future Cup do ano passado. E hoje em dia não podia estar mais de acordo, o manga tem cara da Shonen Champion e infelizmente para o manga, o autor e a Jump ninguém pensou nisso, ou melhor decidiram seguir em frente, mesmo sabendo disso. E o facto do tão comentado capítulo não ter saído do último lugar na toc só demonstra isso, nunca teve hipóteses, porque nunca teve público.

 

Sobre os capítulos, foram clichés, como sempre e até funcionaram bem, o meu único problema é que os personagens adversários são todos iguais, todos tem o mesmo estilo de desenho e isso acaba tirando a personalidade dos personagens, algo essencial. Mas por outro lado as Dádivas Divinas continuam interessantes.

 

 

11ºNisekoi 43:

 

Vou comentar apenas o 43 porque não faz muito sentido comentar sobre dois capítulos totalmente diferentes, para além disso o próximo capítulo começa um arco, então deixar as coisas divididas como devem ser. Sobre o 43, foi um bom capítulo e bom desfecho para o arco, mas esperava um pouco mais, em especial juntar o final do 44 no festival, até porque faria mais sentindo afinal, o destaque deste capítulo foi o amuleto do amor, o que não tornaria a tal cena do próximo capítulo tão aleatória.

 

 

10ºHajime no Ippo 947-950:

 

Cada vez mais perto da Chrono ficar em dia com Hajime no Ippo, nem sei ao certo quantos são, mas é bem possível que a Chrono fique em dia antes do tão esperado capítulo 1000.

 

Sobre os capítulos, o 947 foi bem interessante, fez regressar um personagem que já há algum tempo não aparecia, o amigo mangaka do Ippo e também serviu como previsão sobre os capítulos que se aproximam. Já os outros 3 capítulos se focam principalmente no Aoki, que pelo que apanhei de alguns spoilers vai ser o grande destaque dos próximos capítulos. O capítulo 950 foi o melhor dos 4, principalmente na parte bizarra do Aoki hipnotizado e claro o seu medo tinha de ser o Takamura.

 

 

9ºBeelzebub 177:

 

Na altura que fiz o post da toc nem me lembrei, mas essa página colorida não faz o menor sentindo, tanto para o dia que a Jump saiu quanto para o que está a acontecer no capítulo, onde comemoram o Natal. Ou seja uma capa comemorando o Haloween e um capítulo comemorando o Natal, só faltava em vez do Pai Natal aparecer o Coelho da Pascoa. Por um lado é uma crítica, por outro Beelzebub é um manga de comédia, então não fazer sentindo é um ponto positivo, mesmo que nesse caso não o ache.

 

O capítulo foi cheio de altos e baixos, começando em baixo, usar uma ideia que já nem tinha funcionado muito bem na primeira vez é sempre uma má ideia, a única coisa de positivo que isso teve foi ver alguma personalidade do Oga, tanto que até achei estranho ver o personagem pensar e usar a Hilda fofa a seu favor. Mas acabou estragando tudo quando dá uma de Tsuna ao encontrar a Aoi modo baby-sitter, basicamente todas as primeiras 10 páginas foram um ponto baixo.

 

 

Mas depois na página 10 é tudo felicidade, Futaba regressou e claro roubou o capítulo, com a frase do Kanzaki, “O Pai Natal morreu” e “No mês passado, o seu trenó bateu no caminhão do lixo”, fora a reação épica da Futaba, o Toujou que se prepare porque vai levar com a força da criança que descobriu que o Pai Natal morreu.

 

Por fim, um baile de Natal, que tem tudo para ser excelente. O problema é o de sempre mais uma vez o autor decide continuar com os capítulos normais em vez de seguir para um plano maior, de qualquer maneira a Futaba deve animar os próximos capítulos. O curioso é que logo no capítulo do regresso da Futaba o autor deixa o Furuichi de fora, medo de um confronto directo entre os melhores personagens do manga?

 

 

8ºOne Piece 685:

 

One Piece comemorando o Haloween, com uma página dupla colorida excelente. Sendo que provavelmente essa página foi mesmo o momento mais emocionante do capítulo, que novamente voltou a ser bem sem sal. De qualquer maneira o destaque sem dúvida vai para o Zoro e a sua frase, “Whisky ou Cerveja”.

 

O meu actual interesse em One Piece tem estado tão baixo que me escapou completamente o facto obvio do mini Shen Long que apareceu no final do último capítulo ser o Monosuke, de qualquer maneira se confirmou, novamente o Luffy por pura coincidência vai parar ao sítio onde está o “objectivo” do arco. Pelo menos, ele ganha um pouco de destaque nesta saga onde ele tem estado tão sem sal quanto o manga.

 

 

Não gostei muito da maneira como o Oda desenvolveu o flashback, não pela personalidade do Monosuke, mas por ter entrado no cliché de fazer tudo rápido, pela maneira como a outra criança falou dele parecia que eram amigos e no final mal se tinham falado antes. Em contrapartida o facto de haver uma akuma no mi, mesmo que artificial, do Dragão faz com que se possa acreditar numa akuma no mi dessas para o Monkey D. Dragon, ainda para mais o dragão se parece com o Shen Long, o que combinaria com o Dragon que já mostrou controlar o clima, ou algo do tipo.

 

Por outro lado não gostei da akuma no mi da Monet, desde que o Oda inventou o haki que tem sido cada vez mais natural as akuma no mis tipo logia, algo que não vejo com bons olhos, porque é tornar algo banal, o que até há guerra de Marienford era algo especial e raro. Além disso akuma no mis do tipo zoan não tem sido muito utilizadas e o Oda poderia apostar mais nelas, nem que seja para balancear melhor os 3 grupos.

 

 

7ºPSI 1:

 

Se há um lado bom de um gag manga ter bastante sucesso na Jump é que mais tarde ou mais cedo alguma scanlator acaba pegando o manga para traduzir e assim dá para tirar a curiosidade sobre o que o manga trata e se a ideia que se tira das raw é correcta ou não. E nesse aspecto tenho a dizer que mesmo não sendo muito diferente do que imaginei ao ver as raws, me surpreendeu porque não é tão infantil como o seu antecessor, Inumarudashi.

 

Não há muito o que dizer sobre a história do manga, é uma pessoa que nasceu por poderes psíquicos, ou seja se tornando um usuário de PSI, o que deixa em aberto se existem mais como ele não, provavelmente o autor só irá decidir bem lá para a frente. Apesar do personagem ser aquele típico personagem cliché que por causa de ser superior não liga para o resto do mundo, típico personagem da Geração dos Milagres de Kuroko no Basket, gostei dos monólogos internos dele.

 

Principalmente sobre o motivo por ele não gostar dos seus poderes, porque no Universo de PSI, apenas ele tem esses poderes, ou seja ele pode fazer tudo com os seus poderes, como ele bem explica é como se fosse um vilão de manga shounen, só que ao contrário dos mangas shounen ele não teria inimigos, como ele também diz bastaria apenas 3 dias para controlar o mundo com os seus poderes. Apesar de cliché, sem dúvida a melhor piada é onde ele explica o porquê de não gostar de ouvir os pensamentos.

 

 

O resto do capítulo mostra a relação dele com os seus pais, que levam na boa o facto do filho ter esses poderes, comecei por gostar dessa interação entre os personagens, mas lá para as últimas páginas já estava a ficar chato. O que mostra bem o porquê de gags mangas terem menos páginas no primeiro capítulo e até mesmo nos capítulos normais.

 

Para concluir, não é o melhor gag manga já publicado na Jump, longe disso, mas serve para ser o único gag manga da revista e tapar a cota necessária desse género na revista. Nem sei se vou continuar a acompanhar, já que o manga tem tudo para ser bem repetitivo, mas logo vejo depois de ler o segundo capítulo.

 

 

6ºDorohedoro 53:

 

Capítulo quase filler, onde basicamente só tenho uma coisa a comentar, seguiu a mesma linha de raciocínio que o capítulo desta semana de Toriko, apresentando no início a cena onde dois personagens randoms vão comprar “carne”, que serve para se transformar em futuros demónios, no ar fica a pergunta sobre que carne é essa.

 

Passa para a cena do demónio amigo da Nikaido, onde ele é desmembrado e volta ao seu estado normal, retirando-lhe o título de demónio, passa para umas cenas de acção com a Nikaido e o Kaiman. Isto para no final soltar a pérola que a tal carne é na verdade carne de demónio, não ficou uma cena tão perfeita como em Toriko, mas a maneira simples, bizarra e eficaz com que a autora faz isso dá profundidade ao capítulo e mesmo ao manga inteiro.

 

 

5ºGintama 417:

 

Mais um bom capítulo de Gintama, apesar de não tão genial e tão constante como o anterior, começou meio fraco, melhorou com a chegada dos macacos, antes do final já estava a cair de qualidade, mas terminou bem com um combo de momentos sem noção. O grande problema de não acompanhar algo desde o início é ver personagens a relacionar com os já conhecidos protagonistas e não saber nada sobre eles, no caso a criança e essa mulher, apesar de que ela ainda vi nos recentes capítulos do anime.

 

Este capítulo também foi bastante focado na história japonesa, algo que acabou meio disfarçado com a chegada dos macacos e quando dá para ver que o Gintoki já perdeu completamente o rumo da história, mas na maior parte do tempo é apanhar do ar, apesar de que há algumas coisas que me lembro por alto, como a batalha de Sekigahara e alguns nomes de generais dessa época, informação essa que sei já de ler outros mangas, principalmente Samurai Deeper Kyo que se passa nessa época.

 

 

Uma cena excelente foi a naturalidade com que Gintama fez uma referência a Assassination Classroom, ficando numa daquelas situações, percebes-te a referência achas genial, não percebes-te nada a preocupar, já que nesse momento o capítulo já não fazia o menor sentindo mesmo. Até porque se pensar-se bem o Universo de Gintama não é propriamente um Japão futurista, então referências ao passado japonês por si só já não faz muito sentindo.

 

Para concluir, é sempre bom ver quando uma conversa estranha dessas vai aumentando aos poucos o nível apocalíptico da história, começando com uma metáfora simples, mas se expandindo para uma guerra apocalíptica sem o menor sentido. O melhor momento do capítulo sem dúvida alguma foi quando o Gintoki explica as mudanças de capital do Japão feudal, com os macacos mudando de caverna e mais tarde para um iglô.

 

 

4ºToriko 208:

 

Inicialmente era para ficar mais baixo, até porque o capítulo em si parece ser um capítulo de uma só cena, mas olhando o capítulo como um todo e a maneira como foi construído parece que o Shimabukuro fez tudo de propósito. Ou seja esse desfecho cliché e bem infantil do arco, meio que foi feito de propósito para a cena final ter ainda mais impacto, porque o mais importante da cena final é mesmo o facto de ser o completo oposto do resto do capítulo, 15 páginas de um manga infantil e 4, principalmente as duas últimas, com uma qualidade do nível de Hunter x Hunter. Se isso não foi feito de propósito então Toriko deveria estar mais abaixo, mas se o Shimabukuro fez isso tudo pensando dessa maneira deveria até ter ficado mais alto.

 

Mas voltando atrás, o desfecho do arco foi bem infantil, está certo que é na Shonen Jump, então o autor não poderia matar todos aqueles humanos, mas isso seria resolvido facilmente se não fosse mencionado, até porque as crianças nem vão pensar que alguém ali realmente morreu e se não for mencionado não fará diferença, tipo em Power Rangers onde os monstros destroem a cidade, ninguém menciona nada então ninguém liga se morreu ou não alguém pisado.

 

 

Uma coisa que ainda não sei se gostei ou não foi a dica que fica no ar que tudo é Apetite, esperar para ver como isso irá funcionar no Mundo Gourmet, já que lá é que terá o destaque. De resto também foi explicado como eles comeriam o quatro bestas, mesmo que eu ainda ache bem estranho todos os animais em Toriko serem comestíveis, não que não o sejam, mas olhando para a realidade, animais herbívoros são os comestíveis, já um leão ninguém quer saber de come-lo, ou mesmo um macaco, mas aí volta ao assunto que mesmo Toriko tocando em vários assuntos importantes, ainda é um manga shounen, onde quanto maior for o nível de captura maior o sabor.

 

A cena final é simplesmente uma obra de arte, na semana passada tinha dito que a página dupla tinha entrado para aquele grupo de páginas épicas, mas tinha as minhas dúvidas a longo prazo, mas esta digo sem qualquer dúvida, é uma página épica. E como disse nos comentários, quando comecei a ler o capítulo pensei, era excelente se o Teppei morresse, mas nunca na vida esperei que acontecesse, ainda para mais assim. E como o Dave disse para a cena ficar mesmo perfeita, só mesmo o vinho sendo o sangue do Teppei.

 

 

3ºAssassination Classroom 12-14:

 

Rankear Assassinantion Classroom é algo bem complicado, porque o manga vale pela maioria e não pelos capítulos individualmente, então fica estranho colocar o manga no meio do ranking, mas também não consigo de certa maneira olhar para o manga como o melhor da Jump da semana. E mesmo comentar arcos não é propriamente fácil, de qualquer maneira decidi coloca-lo em terceiro lugar, o que equivale ao melhor da Jump da semana.

 

O interessante de Assassinantion Classroom é que igual a Gintama as referências saem com naturalidade, como a referência a Naruto logo no início do capítulo 12. O director da escola é o típico personagem cliché, mas que em Assassinantion Classroom consegue ter uma personalidade própria e se apresentar já como um excelente personagem, lembrando um pouco a introdução do Karma no manga.

 

Outra cena cliché que ganha personalidade no manga é toda a situação da classe E, como disse na semana passada o capítulo 11 não fluiu bem e teve uma apresentação da situação da escola meio fraca, mas nestes capítulos a situação muda, porque mesmo que isso seja cliché, a verdade é que isso funciona, o facto do director querer fazer uma classe de excluídos e fazer parecer que aquilo é o pior buraco onde os estudantes podem ir parar faz com que o resto olhe para eles como superiores, desprezo e dar-lhes motivação para estudarem, para não se tornarem neles.

 

 

Outra coisa que estou a gostar no manga é a lista de fraquezas do Duro de Matar, porque são fraquezas naturais, para um monstro que pode destruir a Terra quando quiser, além de que acredito que seja com base nessas fraquezas que eles vão acabar derrotando-o. Uma cena que ficou excelente foi a maneira como o Duro de Matar reagiu ao facto da classe E se convencer de que não precisam se esforçar, já que eles tem o objectivo de mata-lo, quando na verdade é precisamente o contrário.

 

No capítulo 13 novamente acaba numa cena cliché, para no capítulo seguinte o autor desconstruir tudo, numa maneira diferente de roteiro, que ganhou muito com o factor surpresa e originalidade, não diria que foi perfeitamente construído, mas funcionou. No final foi tudo uma armadilha do professor o que deixa tudo mais interessante para o futuro e deu uma boa cena final com os alunos trollando o professor.

 

 

2ºRookies 73-75:

 

Fiquei surpreso da AIUEO ter lançado 3 capítulos nesta semana, mas ainda bem que o fizeram, porque deu um ar melhor aos capítulos, da mesma maneira como ler Hajime no Ippo seguido é melhor do que ler capítulo a capítulo. Os capítulos continuam meio filler, digo meio porque mesmo que não tenham nada a ver com Basebol, servem para construir o protagonista, algo que na minha opinião não seria preciso neste momento, dava para o fazer aos poucos, mas por outro lado parar e fazer alguns capítulos dedicado apenas ao Kawatou também é uma boa ideia e que aumenta a qualidade do manga a curto e longo prazo.

 

Foi apresentando um novo personagem, que junto do Kawatou é o destaque do arco, ele igual ao Kawatou tem uma personalidade um pouco exagerada, um ideal quase impossível de ser concretizado, mas combina com o que Rookies se propõe a fazer. A cena final do capítulo 73 ficou excelente, porque combina na perfeição com os dois personagens, principalmente com o Kawatou que não viu o nível da conversa que ele estava a ter com o aluno.

 

 

Os capítulos 74 e o 75 são focado na maneira diferente de ser do Kawatou, um professor novato que tenta sempre ver o lado positivo e que quer ajudar a todos, tanto que ele fica irritado com a maneira como os outros professores lidam com a situação, uma situação que se diga normal e impossível de resolver, mas aí que entra a personalidade do Kawatou e a sua determinação que ajudam a ligar os dois lados, fazendo lembrar de certa maneira o papel do Hana Tsukishima em Worst, que tem a personalidade para unir a escola que o Bouya Harumichi não tinha em Crows.

 

O arco em si ainda não terminou, mas espero que não demore muito a ser concluído, mesmo gostado dos capítulos, o manga tem de saber oscilar melhor entre manga escolar e manga de desporto, mas percebe-se, já que o anterior manga do autor era um manga escolar, com um pouco de desporto, o contrário deste, o que dificulta a transição.

 

 

1ºGreen Blood 9-10:

 

A história desses dois capítulos de Green Blood são basicamente contados através dessas 3 excelentes páginas duplas. Na primeira a diferença entre um manga shounen e um seinen, no shounen ele sairia daquele duelo vencedor, mas num seinen isso não é possível e além de sair com o rabo entre as pernas, não consegue a vingança que tinha ido buscar. Além disso uma cena excelente é ver que o líder da gang não jurando que o vai matar, como aconteceria de certeza num manga shounen.

 

 

Na segunda, ele se encontra a pensar sobre a sua vida, o que fez e o que irá fazer, visitando o cemitério da sua mãe, numa excelente cena, mesmo que bastante utilizado, na maioria das vezes terá sempre o mesmo excelente impacto. Por fim, na última página dupla, o desespero, vendo que tudo o que faz sempre acaba afectando negativamente tudo e todos com que se preocupa, algo que é retratado bem na cena final do capítulo, com o seu irmão mais novo em perigo.

 

 

Ranking:

1ºGreen Blood
2ºRookies
3ºAsssassination Classroom
4ºToriko
5ºGintama
6ºDorohedoro
7ºPSI
8ºOne Piece
9ºBeelzebub
10ºHajime no Ippo
11ºNisekoi
12ºTakamagahara
13ºFairy Tail
14ºBleach
15ºGin no Saji
16ºNaruto
17ºKuroko no Basket
18ºReborn

publicado por Dark-Fenix às 22:17
Terça-feira , 16 de Outubro DE 2012

Opinião Semanal #46

 

Esta semana atrasou bastante, mas não deu para trazer mais cedo, muitos capítulos para comentar e pouco tempo para o fazer, de qualquer maneira ainda dentro do tempo limite e se calhar até melhor do que se tivesse lançado no Sábado e Domingo como tenho feito nas últimas semanas.

 

Nesta semana são 18 mangas para comentar, incluindo um novato, que na verdade não é nenhum novato, bem pelo contrário, um dos mangas mais importantes da Shonen Jump, sendo que não dá para comentar sobre Kochikame, não fica difícil de adivinhar que o manga que estou a falar é Gintama, já agora para quem não leu o manga ainda podem ler o comentário que fiz, porque mesmo tendo spoilers do capítulo em questão serve como exemplo do que Gintama é.

 

18ºReborn 405:

 

“Tão fácil assim?”

 

Nunca pensei concordar com o Tsuna, mas essa fala dele explica na perfeição o que foi esse capítulo, depois de tanto drama nesta saga tudo se resume a isto e até mesmo que a Amano no próximo capítulo mude tudo a verdade é que este capítulo não será apagado, da mesma maneira que o capítulo 600 de Naruto e a sua já celebre frase não será esquecida.

 

O que é engraçado é que na semana passada comentei sobre como é fácil estragar uma história quando se começa a fazer viagens no tempo e a Amano prova-o bem neste capítulo, não vou falar se alguma coisa é erro ou falha, porque simplesmente Reborn nunca me interessou ao ponto de me fazer lembrar de vários aspectos da história, mas acredito que este capítulo tenha muitas contradições com o que aconteceu no futuro.

 

 

Além disso também fez-me lembrar de Lost, uma das séries de maior sucesso de sempre, excelente nas suas primeiras temporadas, mete umas quantas viagens no tempo e perde completamente a coerência da história, mas sempre com os produtores a dizerem que iriam resolver todos os mistérios no final, mas o final chega e tudo é despachado com uma explicação meia boca, sem muito sentido e sem nem metade dos mistérios resolvidos.

 

Pessoalmente não odiei o final de Lost, mas não critico quem tenha detestado, com aquele final tem todo o direito de reclamar, também não estou a comparar Lost com Reborn, até porque Reborn e Lost estão em níveis completamente diferentes, mas essas explicações apresadas e sem sentido me fizeram lembrar muito o final de Lost, tudo feito à pressa e sem qualquer motivo para isso.

 

O lado bom é que tudo aponta para Reborn estar perto de terminar.

 

 

17ºSensei no Bulge 12:

 

O que é engraçado é que eu já me tinha esquecido de Sensei no Bulge, já nem me lembrava que as scanlators ainda estavam em atraso. Em contra partida não passo muito tempo sem me lembrar que ainda não li o final de Oumagadoki Zoo, anterior manga do autor.

 

Além disso foi à venda o primeiro volume do manga e não apareceu sequer nos 50 primeiros, dizem mesmo que não passou dos 10 mil, ou seja um fracasso total e mesmo que qualidade nunca tenha sido sinónimo de popularidade a verdade é que se foi um fracasso total algum motivo teve para o ser.

 

Sobre o capítulo já nem me lembro do que aconteceu.

 

 

16ºFairy Tail 303:

 

Não tenho muito o que dizer sobre Fairy Tail, um capítulo nem mau nem bom, apenas o normal de Fairy Tail, o Natsu afinal acabou não lutando, mas claro que ele também não podia ficar parado. O grupo de resgate da Lucy podia ser bem melhor, pelo menos tem a Mirajane, que desta vez não irá ficar apenas com o papel de torcer pelo resto da guilda, só achei estranho a Lisana, a Levi e o Elfman não serem incluídos no grupo de resgate.

 

 

15ºKurogane 39:

 

Gostei da simplicidade como o autor fez a primeira página, uma explicação muita mais simples e eficaz que todos os flashbacks e desculpas sem sentindo do personagem. De resto foi um capítulo cliché, como Kurogane é, tem de ser e funciona, não posso dizer que foi um excelente capítulo, mas se o autor tivesse seguido esse padrão durante os 20 últimos capítulos se calhar o manga não estaria entre os possíveis cancelados.

 

Continua difícil de engolir que uma equipa extremamente fraca ganha o primeiro duelo do campeonato por 5-0, principalmente porque o motivo para esse aumento de qualidade do grupo foram 3 novatos, mas como disse é cliché. De qualquer maneira isso também simplifica explicações futuras para como eles aumentaram o poder da equipa, pena é que dificilmente o manga terá futuro.

 

E por fim, alguém me sabe explicar quem é aquele personagem que aparece no final? É porque não me lembro do personagem, mas a fala final do capítulo me faz parecer que ele já foi mostrado antes.

 

 

14ºAo no Exorcist 39:

 

Muitas vezes esse recurso é usado em séries, terminar um episódio e no seguinte começar com alguns segundos/minutos atrás do final do anterior, mas isso ficou muito estranho em Ao no Exorcist ou diria mais, isso é algo que fica muito estranho em mangas e que estranhei logo de imediato quando comecei a ler o capítulo, imaginem então quem estiver a ler isso por volume ou em sequência.

 

De resto o capítulo se foca basicamente no jantar entre o Rin e o Mephisto, que acontece aquele momento extremamente irritante, pelo menos para mim, quando o protagonista, normalmente burro que nem uma porta, fica a saber algum segredo que os leitores do manga já sabem faz uma eternidade. Acho isso extremamente irritante porque é dar destaque em algo que o leitor já sabe. E o final da conversa, ou luta, achei bem confuso.

 

Já o final do capítulo abre um excelente gancho para o futuro do manga, agora esperar se a autora irá aproveitar isso bem ou se seguirá o caminho de Beelzebub que abre um monte de oportunidades e não aproveita nenhuma.

 

 

13ºBeelzebub 176:

 

Não é que o capítulo tenha sido mau, apesar de também não ter sido bom, o problema é que mais uma vez o autor em vez de aproveitar o que fez no arco anterior e seguir para um caminho maior, não, novamente trava o ritmo bom dos capítulos anteriores e volta às histórias “fillers” que só servem para o manga andar em círculos, como já vem fazendo há mais de 100 capítulos.

 

O melhor do capítulo foi a conversa entre a Mikasa e a Hilda, também os 3 presentes da Hilda, mas tudo isso meio que fica para trás quando no final do capítulo o autor volta à história da Hilda fofa. Esperar que esteja errado e que com as páginas coloridas do próximo capítulo o autor siga um caminho mais promissor.

 

 

12ºAssassination Classroom 12:

 

Antes de mais, esta semana vou só comentar sobre o 12, mesmo que o ideal seria comentar sobre os 4 que saíram até ao momento, não só porque assim estaria em dia, mas porque os 4 se completam, tanto que a ideia que fiquei neste muda completamente nos 3 seguintes.

 

Mas vou só comentar sobre o 12 por causa da confusão com as scanlators, tenha as minhas dúvidas que se comentasse nesta semana sobre os 4 teria algo para comentar para a semana, então prefiro comentar nesta sobre o 12 e para a semana sobre os outros 3. Normalmente não sou grande fã dessas guerras entre scans, mas em alguns casos sou a favor, até porque como digo desde o início a Shin Sekai não é scanlator semanal e provavelmente se não fosse a Scancarado publicar o 11 e o 12, duvido que a Shin Sekai já tivesse lançado.

 

Sobre o capítulo como disse em resposta ao comentário do Shinuki sobre esse capítulo, eu não gostei, porque achei extremamente cliché essa cena de turma de excluídos, não que isso venha de agora, já era algo que me incomodava desde a primeira vez que foi mencionado, só que como não tinha tido tanto destaque e até via como recurso de roteiro para ser uma escola e eles estarem completamente isolados do que seria uma escola normal, preferi nem tocar no assunto.

 

 

Mas isso prova o que já disse, meio por alto, o autor sabe como ligar os capítulos e como utilizar essa ligação a favor no manga no geral, ou seja basicamente o que disse num comentário anterior, individualmente nenhum capítulo merecia um primeiro lugar no meu ranking ou na toc, mas como manga em si, sem dúvida alguma mereceu o primeiro lugar que teve na toc e merecerá os futuros primeiros lugares que terá.

 

Então concluindo esse assunto, capítulo cliché, como uma história cliché, mas que no capítulo seguinte faz sentindo, o qual logo comentarei para a próxima semana. Além disso o final do capítulo teve uma excelente cena envolvendo o Nagisa, onde fica a dúvida se apenas foi a aura do momento e pelo convívio com o Duro de Matar ou se realmente o autor não pode surpreender e descaracterizar completamente o personagem.

 

 

11ºOne Piece 684:

 

Novamente o Oda não faz um capítulo mau, mas também não consegue voltar ao seu nível de carisma habitual, o capítulo até estava a ir bem, com uma boa batalha entre o Smoker e o Vergo, que só não foi melhor pela fala do Smoker, que em parte condiz com a posição do personagem na Marinha, mas que não condiz em nada com a personalidade do personagem, não que não ligue para eles, mas dize-lo alto já é outra coisa.

 

Depois teve a já habitual infantilização dos randoms da marinha e depois o pior do capítulo, o destaque para o Caesar Clow, na semana passada tinha ficado contente quando o Oda deu mais destaque para o Vergo e para a Monet, parecendo que o Caesar era quase secundário como vilão, mas neste ele volta-lhe a dar destaque e o Caesar não tem qualquer credibilidade como vilão, está muito infantil e o flashback só confirmou isso.

 

No final o momento WTF? da semana, o Luffy encontrou o Shen Long, esperar para ver onde isso vai dar.

 

 

10ºNisekoi 42:

 

Um capítulo sem muito o que dizer, foi bem normal, seguindo mais um dos temas básicos em mangas de romance, o festival, e os seus tradicionais vestidos, Yukatas, a também já cliché cena do jogo de apanhar os peixes dourados, nessa parte adicionando um pouco de humor de Nisekoi com o peixe grande, e o amuleto da sorte no amor.

 

Gostei da maneira como o amuleto foi o centro do capítulo ou melhor dizendo deste arco, funciona dentro do que Nisekoi se propõe e serviu para o Raku e a Kirisaki se aproximarem, além da excelente cena final com a Onodera.

 

 

9ºKuroko no Basket 16-25:

 

Nesta semana comentando sobre 10 capítulos, era para seguir a ideia dos 5 capítulos, mas como ficaria a meio do jogo segui até terminar e parar exactamente antes do encontro com o segundo membro da geração dos milagres. Por causa de ser 10 capítulos, comentários meio por alto, sem aprofundar muito o assunto de um capítulo em especifico.

 

Uma coisa que gosto em Kuroko é que mesmo sendo um manga de desporto que segue um caminho mais fantasioso que realista ainda toca em vários assuntos interessantes e às vezes esquecidos por outros mangas mais realistas, neste caso foi o cansaço e de eles terem de jogar dois jogos no mesmo dia. Já que na realidade o mais provável é exactamente isso acontecer, uma equipa jogar dois jogos por dia, para ser mais fácil, rápido e dispendioso para as escolas.

 

 

Prefiro deixar o assunto Midorima para comentar para a semana, mesmo que nesses capítulos já se tenha visto a personalidade e as qualidades do personagem, uma qualidade absurda. O maior destaque desses capítulos foi o jogo contra um dos 3 reis, no qual só tenho a dizer que gostei de ver o autor também, ou pelo menos nesse jogo, dar destaque aos veteranos em vez dos novatos, de resto foi um bom jogo, mas sem muito o que dizer.

 

Para concluir, esses capítulos são parecidos com o capítulo de Kurogane que comentei acima, Seirin também ganhou os seus primeiros jogos com relativa facilidade, também eles na sua maioria focados nos novatos, a grande diferença é que em Kuroko a equipa já estava feita e os novatos só vieram melhorar o nível, passar do 4º grande para uma equipa que possa lutar contra os 3 melhores, além disso são apenas 2 novatos, numa equipa onde não há jogadores do terceiro ano, ou seja mesmo os mangas sendo do mesmo género mais fantasioso, Kuroko ainda tem os pés no chão.

 

 

10ºHajime no Ippo 942-946:

 

Estes capítulos mostram bem porque o Takamura é o melhor personagem de Hajime no Ippo, ele depois de ver o seu kouhai a derrotar o adversário com apenas um soco, obviamente que tinha de fazer igual e com isso leva 14 rounds a dar socos no ar, não sendo a primeira vez que ele o faz no manga. No final é essa imagem que abre o comentário, Takamura é um monstro e nunca se pode baixar a guarda.

 

Ao ler esses capítulos, pensei no Takamaura como um personagem completamente inverso ao Rocky, em vez de ter o apoio total do público é totalmente o contrário, o Takamura consegue colocar toda a gente contra si, pela sua personalidade egocêntrica e mesquinha. E é isso que o torna o melhor personagem do manga, algo que ainda ficou mais evidente no capítulo do bar, onde o Takamura vence 5 pugilistas, sendo 3 deles dos mais fortes que apareceram no manga.

 

Sobre o 945 e o 946 não há muito o que dizer, foi concluir de vez sobre a luta do Ippo e partir para o próximo assunto, que é o torneio Classe A, agora ver qual deles combate primeiro. Também nesses capítulos houve o gancho para um futuro destaque ou pelo menos o caminho que o Ippo irá seguir daqui para a frente, já está na hora de ir para o mundo.

 

 

7ºRookies 72:

 

Mais um capítulo escolar que não se foca no basebol, mas não por isso mau, bem pelo contrário, foi um capítulo simples, focado totalmente na personalidade do Kawatou e que finalizou com a excelente cena dos ex-alunos o reconhecendo e querendo de volta, quando na actual escola ele ainda está a construir essa relação com os alunos e professores.

 

O capítulo mesmo que tenha sido bem simples foi eficaz em mostrar de forma rápida o que o Kawatou é capaz de fazer e o seu carisma, isso também não é algo apressado, é algo que o autor sabe fazer bem e que já vem desenvolvendo desde o início do manga, neste momento já convenceu a maioria dos jogadores da equipa de basebol e com o tempo irá convencer a escola.

 

 

6ºBleach 511:

 

Boa página colorida, que serve de despedida para o Yamamoto. Por outro lado não gostei dessa cena do Yamamoto morrer de pé, mesmo sendo corto em dois, é impossível não se lembrar da mesma cena em One Piece, obviamente One Piece não foi o primeiro e Bleach não será o último onde o seu personagem velho overpower morre de pé, mas fica mal Bleach parecer ter copiado a ideia a One Piece e ainda para mais a morte e o simbolismo da morte não teve tanto impacto quanto a morte do Barba Branca, algo que esperaria que tivesse, mas no final foi apenas um flashback

 

Sobre o flashback fiquei sem entender direito se aquela cena de fogo é o Yamamoto ou algo ainda mais poderoso, é porque se é o Yamamoto e isso se refere à 1000 anos atrás ficou meio estranho, pensava que o Shunsui era mais velho. Igual à história do Yamamoto e o seu tenente, esta história do Yamamoto e o Shunsui poderia ter tido muito mais impacto se já tivesse sido mencionada anteriormente e o Kubo tivesse dado destaque a isso, assim ficou meio jogado no ar e apenas um gosto do que podia ter sido.

 

 

No geral toda a história há volta do Yamamoto e dos últimos capítulos foram bem feitos pelo Kubo, mas também cheio de falhas ou coisas que se o Kubo se tivesse lembrado antes podia ter funcionado melhor. A morte dele era necessária, pelo menos se o Kubo quisesse realmente fazer uma guerra e não uma batalha, mas faltou o factor épico e impactante, fora que a morte teve 3 pontos negativos:

 

1ºMorrer de pé igual ao Barba Branca em One Piece.

 

2ºSer corto em dois como o Freeza em Dragon Ball.

 

3ºE a que a minha resposta ao comentário do Ever me fez lembrar, na minha opinião há apenas dois tipos de personagens que devem ser overpowers, o primeiro é o não humano, o Meruem em Hunter x Hunter ou o Pai do Homonclus em Full Metal Alchemist, o segundo tipo de personagem é exactamente o velho overpower, no caso o Yamamoto. Então basicamente o que estou a dizer é que em Hunter x Hunter houve esse duelo de titãs, o Rei das Formigas contra o humano mais forte, já em Bleach mesmo com o Juha Bach tendo vencido o Yamamoto não os consigo ver ao mesmo nível e novamente faltou uma história de fundo.

 

 

Sobre o resto do capítulo, estava a gostar bastante, principalmente por causa de agora com o Yamamoto morto o Juha Bach e os quincys tem o caminho livre para controlar a Soul Sociaty, mas no final o Kubo conseguiu-me fazer perder o hype todo com que estava desde os últimos capítulos, é porque aquela última página tem completa cara de Ichigo is Back, algo que não faz o menor sentido acontecer neste momento.

 

Tem de haver uma guerra, pelo menos essa é a ideia que o Kubo e a Jump venderam, então o Ichigo tem de estar o mais longe possível dali, para mais tarde se reunirem e contra-atacar, com o Ichigo ali vai haver na certa o protagonismo e o Kubo pode estragar muito do que construiu nos últimos capítulos. Mas ainda há a possibilidade de ser a Guarda Real e aí o Kubo poderia abrir algumas boas soluções, mesmo assim penso que independente de qual ser a melhor solução, sempre será a que o Aizen é solto e para isso o Juha Bach precisa de sair dali vencedor.

 

Seja como for esperar pelos próximos e pela ideia que o Kubo irá por em praticamente, mas uma coisa tenho a certeza o Ichigo aparecer na história neste momento não lhe vai acrescentar qualidade, bem pelo contrário e o facto de todos os maus capítulos desta guerra terem o Ichigo em destaque não é coincidência.

 

 

5ºNura Mago 208 (Final 1/3):

 

Agora é a contagem decrescente para o final de Nura Mago e sabendo disso esse é o grande motivo para Nura Mago tem ficado “apenas” em quinto, foi um excelente capítulo, mas que prefiro deixar aqui mais para trás, já que a não ser que Hunter x Hunter retorne, seja na semana em que o Luffy luta contra o Flamingo ou o Toriko entra no Mundo Gourmet duvido que no capítulo 210 Nura Mago não fique em primeiro no meu ranking, até porque a qualidade é algo que nunca desiludiu no manga.

 

Ainda antes de comentar sobre o capítulo, pelo que entendi foi a scanlator americana que coloriu o capítulo, por um lado é bom ver o manga a cores e bem colorido, mas Nura Mago é aquele tipo de mangas que a arte é tão boa a preto e branco que não precisa de ser colorido, num exemplo mais fácil de entender e em uma escala maior, Vagabond a cores não seria a mesma coisa que a preto e branco.

 

Sobre o capítulo, como se esperaria de um manga que só tem 3 capítulos para finalizar a história, o ritmo foi apressado e fez-me pensar em como seria excelente ver essa mesma sequência em ritmo semanal, sem pressas, apenas apreciando o momento, provavelmente ficaria melhor, mas mesmo assim ficou excelente.

 

 

Essa escalada pelo Castelo Espiral também fez lembrar de que mesmo Nura Mago sendo um manga que raramente falha e baixa a qualidade, tem as suas falhas e em alguns momentos bem clichés, até porque a ideia do Castelo Espiral é totalmente cliché, mas por exemplo a luta do Rikuo com o filho do Nue, bem aquele clima cliché do vilão só fazer o que faz pelo pai.

 

Achei estranho o autor se ter livrado da maioria dos personagens logo de caras, muito poucos seguiram para o segundo nível e só o Rikuo e a Tsurara para o terceiro, quando ainda falta o Nue, ou seja em vez do autor dividir os personagens para o Rikuo ficar apenas com o Nue, não, ele vai acabar lutando com os dois mais fortes, o que causa aquela cena desnecessária de protagonismo.

 

Seja como for, Nura Mago apresenta a qualidade de sempre e agora resta esperar pelos dois últimos capítulos e fechar de vez esse excelente manga, que infelizmente nunca teve o reconhecimento que merece.

 

 

4ºNaruto 605:

 

Me surpreendi com este capítulo, porque o Kishimoto conseguiu passar bem o que queria e fazer uma excelente sequência e o massacre no final foi a cereja no topo do bolo, que tal com o Shinuki disse no seu post, capítulo mais sangrento que a guerra inteira. E essa explicação rápida é basicamente o porquê de Naruto estar em quarto lugar esta semana, simples e bem executado.

 

Sobre o resto do capítulo, ao contrário do anterior, este já me deixou em dúvida sobre o que realmente aconteceu para o Kakashi ter matado a Rin, principalmente por causa do Obito e do Kakashi terem despertado o Mangekyou Sharigan. O que me leva ao ponto de que este capítulo mesmo estando em quarto poderia estar em último, em Dragon Ball para o Goku se tornar super sayajin o Krilin precisou morrer, já o Goten se tornou super sayajin a treinar com o Gohan, quando era criança.

 

 

Em Naruto, o overpower Sasuke acusado de ter um jutsu próprio, Kishimoto no Jutsu, só despertou o mangekyou sharigan ao derrotar o irmão e o Itachi mesmo sendo um Anbu ainda não tinha o Mangekyou Sharigan, já o Obito e o Kakashi, duas crianças que ganharam o sharigan recentemente, despertam o sharigan dessa bela maneira. Com o Kakashi, um não-Uchiha, e acusado de não conseguir nem no início do manga controlar o Sharigan nível 3 e o Obito, o desastre ambulante que ainda nem sequer fez uma luta 1 contra 1 a usar sharigan já desperta o mangekyou na primeira vez que saí da toca.

 

A sério, o massacre podia ter acontecido de uma maneira muito melhor, não precisava do Obito ter despertado o mangekyou sharigan. De qualquer maneira quarto lugar dado, mas esquecendo completamente esse nível de poderes ao nível de Dragon Ball, apenas apreciando o massacre, porque o resto…

 

 

3ºDorohedoro 52:

 

Eu adoro esses capítulos fillers de Dorohedoro, porque mesmo a história principal sendo fantástica é nesses capítulos que se vê a verdadeira essência do manga, a simplicidade. Apesar de ter dito filler nenhum capítulo em Dorohedoro, pelo menos não me lembro de nenhum, é totalmente filler e sem ligação à história principal, por exemplo neste capítulo o destaque são os olhos cruzados, mas a autora dedica algumas páginas ao actual tema principal.

 

Basicamente o capítulo envolve os olhos cruzados a tentar dar uma morte natural para a velha que eles mataram, primeiro tentando entrar na casa dela e de seguida arranjado as ideias mais estúpidas possíveis de a matar, digo estúpidas pelo peso da mulher, antes de eles executarem a ideia já dava para ver que aquilo ia dar mal, principalmente no enforcamento.

 

 

Mas essa previsibilidade meio que é feita de propósito e não deixa em momento algum o fã desgostar ou se desinteressar pela bizarra cena e a cereja no topo do bolo foi o Verme Dieta que estava dentro da mulher que no final acabou sendo a solução mais natural, mesmo que totalmente bizarra. A única coisa que não gostei foi do personagem a tricotar, piada sem graça de manga shounen genérico.

 

Para concluir um ponto forte da autora é a piada no final do capítulo, normalmente apenas um quadro que funciona na perfeição, com alguma coisa aleatória e que muitas vezes relembra o leitor de algo que possa se ter esquecido. Como neste capítulo que termina relembrando, pelo menos a mim que o outro personagem com mascara de pássaro ainda está com o corpo da Nikaido.

 

 

2ºToriko 207:

 

Já o venho dizendo nas últimas semanas, este arco esteve longe de cumprir as expectativas, tanto que até há semana passada os melhores capítulos do arco foram os que aumentaram o hype para a luta e o final da primeira metade onde o Zebra mandou o soco na tartaruga. Mas o Shimabukuro é um génio e mostrou neste capítulo, finalizando de uma maneira fantástica algo que não estava de todo entre os melhores arcos do manga.

 

As primeiras páginas foram dentro da ideia da última página do capítulo anterior, com os alter egos dos Reis a jantar o Quatro Bestas, mesmo assim continuou com a mesma ideia que fiquei no final do capítulo anterior, faltou uma página dupla épica focada apenas nisso. Em contra partida a página dupla depois de eles terem derrotado o Quatro Bestas sem dúvida é um marco histórico para o manga e essa sim ficou bem desenhada e enquadrada.

 

 

Esse monstro do apetite ou o Pacman como a maioria o apelidou mostra na perfeição o quão genial é o Shimabukuro, consegue surpreender, já que todos esperariam um ataque de energia, ao estilo de tudo o que mencionei na semana passada, mas no final saí aquela coisa bizarra, num outro manga diria que teria sido uma piada sem graça do autor, mas em Toriko funciona, porque é coerente com tudo o que o Shimabukuro criou. A minha única crítica é que assim eles realmente não vão comer o Quatro Bestas, o que descredibiliza completamente a ideia base de Toriko, de qualquer maneira esperar para que isso seja explicado.

 

Para concluir, um excelente final para um arco que podia ter sido muito melhor. E esse capítulo ainda teve o extra de terminar com o gancho para os seguintes, uma coisa que muitas vezes os mangakas não usam, mas que bem usado aumenta tanto a qualidade do actual quando o hype para os seguintes.

 

 

1ºGintama 416:

 

Finalmente comentando sobre Gintama, na verdade finalmente entrando no Universo de Gintama, acompanhando o manga pela nova scanlator, Scancarado, acompanhando também a nova temporada do anime e pensando em ver e ler tudo o que já saiu, de qualquer maneira irá com calma e com tempo. Na maioria dos mangas isso seria um erro começar do meio, mas como o capítulo 416 bem mostra, Gintama não tem exactamente uma sequência directa, então é uma boa maneira de acompanhar sem precisar de ler todos os outros 400 capítulos de seguida.

 

Eu tinha começado a ler pelo 415, mas fiquei completamente a apanhar do ar, já que era um arco em andamento e nem cheguei a ler ainda o 414 que foi lançado depois, então preferi deixar isso completamente de lado e comentar apenas sobre o 416 que sem dúvida alguma digo, se já estiveram a pensar, será que leio ou não Gintama, leiam esse capítulo e saberão a resposta.

 

Uma coisa que Gintama faz muito bem é quebrar a barreira manga/realidade, por exemplo Beelzebub de vez em quando faz isso e não gosto muito, porque é feito do nada e apenas porque o manga é de comédia, por outro lado o Adachi consegue quebrar essa barreira muito bem nos seus mangas, na sua maioria com publicidade para os seus outros mangas, mas Gintama simplesmente faz isso melhor, a um outro nível, diria mesmo que esse é um dos motivos para o sucesso de Gintama.

 

 

Neste capítulo a ideia era promover a nova temporada do anime, então os 3 protagonistas se reúnem para fazer uma espécie de poster comercial. Em praticamente metade do capítulo o autor usa a imagem de um jogo, que não faço a menor ideia do que é e sobre o que é, mas que adorei a ideia, principalmente pela Elizabeth aparecer na árvore, fora que o autor usa esses posters para contar a própria história, em destaque a página 9.

 

Depois o autor decide que tem de mudar de ares e decide fazer o poster com fotos dos protagonistas, mas claro todos os 3 têm egos gigantes, então nunca vai dar certo em escolher a foto, além disso se junta o Makidai, que também não faço a menor ideia de quem é. Por causa de não estar a par de todas as ideias malucas dos japoneses perdia muita informação do manga, mas por outro lado simplesmente adorei o facto de não conhecer o Makidai, porque dá aquele ar de gag excelente, onde tudo aparece do nada, sem qualquer lógica, mas que esse é o seu ponto forte.

 

No final acabou sendo o Sadarahu a fazer o poster para promover o anime e da forma mais simples que existe e simplesmente eficaz, a imagem escolhida mostra completamente a personalidade dos 3 personagens e ainda tem a pata do Sadaharu. E basicamente é isso um capítulo excelente num dos melhores mangas de sempre da Jump.

 

 

Ranking:

1ºGintama
2ºToriko
3ºDorohedoro
4ºNaruto
5ºNura Mago
6ºBleach
7ºRookies
8ºHajime no Ippo
9ºKuroko no Basket
10ºNisekoi
11ºOne Piece
12ºAssassination Classroom
13ºBeelzebub
14ºAo no Exorcist
15ºKurogane
16ºFairy Tail
17ºSensei no Bulge
18ºReborn

publicado por Dark-Fenix às 20:53
Sábado , 06 de Outubro DE 2012

Opinião Semanal #45 Parte 1

 

Ao contrário da semana passada este post já me saiu melhor e foi engraçado ver que pensava que o texto de Bleach na semana passada seria o que não conseguiria passar a mensagem que queria, mas no final acabaram sendo outros mangas que não consegui passar a ideia correcta. Como tem sido habito nas últimas semanas e provavelmente será a maneira como continuarei a post daqui para a frente, a primeira metade hoje e a segunda amanhã.

 

Sobre os mangas que aparecem nesta parte, Fairy Tail saiu do último lugar e concordo com quem disse na semana passada que não deveria ter ficado em último, mesmo que só o colocasse à frente de Reborn, comentando sobre Ao no Exorcist e Kurogane esta semana e depois de uma pausa de uma semana One Piece volta com o capítulo que apesar de não ser mau também não surpreendeu e não compensou a semana de ausência.

 

14ºReborn 404:

 

Depois da Amano ter feito um óptimo trabalho nos últimos meses, ela agora parece que desligou de vez do manga, muita gente especula que seja por causa da sua participação no anime Psycho Pass. Este capítulo é a prova mais que certa dessa rapidez no roteiro por parte da Amano, desenvolveu razoavelmente bem a luta contra o Bermuda para tudo acabar em dois capítulos.

 

Claro que há a história dos 3 minutos da maldição, o que de certa maneira faria com que a luta não se pudesse arrastar muito, claro que há sempre hipóteses, afinal 5 minutos na luta do Goku contra o Freeza equivaleram a muitos episódios no anime. Seja como for não dá para negar que tudo que a autora fez neste capítulo acabou descredibilizando toda a situação dos últimos capítulos, afinal para quê todos os personagens se reunirem se foi tão fácil, para o Tsuna, derrotar o Bermuda.

 

 

A revelação final foi boa e de certa forma é usada para fechar a única trama do manga que ainda faltava, então foi bem jogada pela Amano, além de que dessa forma o Checker Face não é revelado como um personagem aleatório que nunca apareceu na história. Mas, por outro lado, fica a ideia que não vai haver batalha final, que provavelmente tudo será resolvido na base da conversa, mas sem muitas especulações, esperar pelo próximo para saber, mas seja como for essa última página, mesmo que tenha consequências positivas, não chega para melhorar a qualidade do capítulo.

 

Por fim, já o venho dizendo há algumas semanas, não odiei essa nova arte da autora, na verdade até vejo como algo positivo, pelo menos comparado com quando ela fazia tudo tão detalhado que ficava difícil de saber o que estava a acontecer, mas neste capítulo mostrou que ela não fez essa arte dessa maneira para tentar mudar, mas sim por total preguiça, a página 10 mostra bem isso, já que não é uma página de luta.

 

 

13ºNisekoi 41:

 

Mais uma vez o Noashi pega num daqueles capítulos usados e reutilizados em mangas de romance e usa em Nisekoi, só que ao contrário do capítulo do tufão, que teve um bom desenvolvimento, e o anterior, que teve uma boa ideia, este acabou ficando apenas com cara de filler, o que não é necessariamente mau, como já venho dizendo Nisekoi não tem muito por onde fugir, então necessariamente tem de fazer capítulos fillers.

 

Para concluir, gostei do autor estar a dar foco a cada personagem feminina individualmente, mas sem se esquecer totalmente do resto dos personagens, como neste capítulo utilizando a ideia do cão abandonado para faze-los aparecerem na história. O final, ou melhor a penúltima página ficou excelente, representa bem a relação dos dois personagens, agora é seguir para capítulos mais focados no objectivo principal, para não ficar muitos fillers seguidos.

 

 

12ºAo no Exorcist 38:

 

Página colorida meio desnecessária.

 

Sobre o capítulo, fiquei confuso de início, pensava que essa escola era só para exorcistas, até porque não vejo o sentido em fazer uma escola para exorcistas e humanos. Seja como for a autora seguiu um dos clichés mais irritantes que existem, o protagonista a fazer o seu primeiro amigo, sem ser exorcista, não admira que as fãs de yaoi gostem de Ao no Exorcist, é só ver o momento em que o Rin corre a pensar que provavelmente conseguiu fazer um amigo.

 

Não sou o maior fã do manga e o facto de sair mensalmente não me ajuda a relembrar de certos pormenores, mas a ideia que tenho é que o Paladino é o mais forte dos exorcistas e que só 1 exorcista recebe esse título e se isso é verdade e o Arthur Auguste Angel é o mais forte dos exorcistas então fiquei realmente desapontado com Ao no Exorcist, apesar de que não posso dizer que esteja realmente surpreso.

 

 

Digo isto porque igual à primeira história do capítulo esse personagem é a cara das fãs de yaoi, está certo que foram elas que fizeram Ao no Exorcist o sucesso que é, mas mesmo assim não é preciso dar mais motivos para um manga shounen virar outra coisa. Além disso este capítulo vem para me contradizer no que disse na semana passada sobre Takamagahara, na altura tinha dito que preferia que a espada realmente falasse e que não fosse ventriloquismo, mas olhando para este capítulo que venha o diabo e escolha qual a pior hipótese.

 

Se essa história da Princesa Impura fosse usada daqui a uns 20 ou 30 capítulos eu iria elogiar a autora, mas é impossível não critica-la quando se acaba de sair de um arco sobre o Rei Impuro, é muita falta de criatividade, mesmo que possa fazer sentido. Pelo menos no que trata de força o Paladino não desiludiu e tratou de despachar essa história sem criatividade em poucas páginas.

 

Por fim, uma reunião que pode dar um bom gancho para o próximo arco do manga e o melhor momento do capítulo, curiosamente uma piada, a carta do Mephisto.

 

 

11ºKurogane 38:

 

A scan americana está tão atrasada que já saíram mais capítulos traduzidos de Nisekoi que de Kurogane, fico pensando se caso o manga seja cancelado terão a decência de terminar de traduzir. Seja como for, saíram mais dois, neste post irei comentar sobre o 38 e para a semana o 39, que ainda não li.

 

A pergunta com que fiquei a ler este capítulo foi, “Já que Kurogane quer seguir um caminho cliché, porque não fazer capítulos clichés como este?” O capítulo em si não avançou em nada na história e acima de tudo não disse nada de novo, mas teve um pequeno debate interior por parte do capitão da equipa. Toda a gente já sabia como ia terminar, se fosse num Slam Dunk, um Eyeshild21, um Ahiru no Sora ou um Haikyuu ainda podia ficar a dúvida e até mesmo se concretizar do protagonista não participar, mas Kurogane é um manga cliché, então não havia dúvidas que o Kurogane iria ser titular, restava saber apenas como.

 

Apesar de seguir o cliché do capitão não o escolher, do personagem escolhido desafiar o Kurogane para um duelo para verem realmente quem é o melhor e claro o Kurogane saindo vencedor e virando titular, numa equipa em que a maioria é novato. É cliché? Sem dúvida e também não faz muito sentido, afinal em menos de 40 capítulos o Kurogane passou de um zero á esquerda para titular, mas pelo menos o capítulo funcionou e não exagerou, agora é esperar que não demorem muito a entrar de novo em combates, porque essa é a qualidade do manga e não os diálogos.

 

 

10ºFairy Tail 302:

 

A primeira metade estava a ser mais da mesma qualidade de sempre, mas depois da chegada das tropas se tornou um bom capítulo. É engraçado como esse cemitério que deveria ser algo super bem escondido é encontrado por toda a gente e acima de tudo serve como ponto de encontro, mas deixando isso da mão, até faz sentindo nesse personagem que trabalha para o rei ir falar com o grupo do Natsu, mas não dá para negar que isso ficou muito forçado, principalmente depois da personalidade que deu a entender durante todo o torneio.

 

O Natsu irritado é algo dispensável e já o comentei pelo menos uma vez aqui, mas é incrível como das 12 chaves de ouro a Lucy tem a maioria e as outras tem a personagem ex-sabertooth, descredibiliza toda a história envolvendo as chaves, mas é Fairy Tail, descredibilizar é o que o Mashima faz melhor.

 

Não sou grande fã de viagens no tempo, principalmente para o passado, em qualquer história e o motivo é simples, é rara a vez que isso é bem feito. E isso é facilmente explicado pelo clássico filme Regresso ao Futuro, só vi um dos 3, não sei qual, de qualquer maneira um dos 3 tem como história o protagonista viajar ao passado, lá encontra com a mãe e acaba fazendo com que o encontro entre a mãe dele e o pai não aconteça na altura que deveria, mais tarde ele consegue fazer com que os dois fiquem juntos, volta para o futuro e tudo está normal, a dúvida que fica é, ele mudou a história e tudo está igual?

 

 

Ou seja querem que uma história tenha erros de roteiro? É só colocar uma viajem no tempo, até a excelente série Misfits não conseguiu ser 100% coerente nesse aspecto. E é basicamente por isso que gostei da chegada do novo personagem a falar que mudar a história é perigoso, até porque já estava a ver o Mashima fazer uma viajem no tempo, mudarem a história, voltarem ao presente e continuar tudo igual.

 

De qualquer maneira, no meio de tudo isso perdem a Lucy e o Natsu “perde” os poderes, digo entre aspas porque duvido que ele não ganhe mais um daqueles “treinos” milagrosos e volte mais forte do que nunca, mas seria interessante ver a Fairy Tail na última jornada sem o Natsu.  Seja como for e todas as criticas que tenho e que saiba que o Mashima só venha a fazer porcaria eu quero que essa viajem no tempo aconteça, quero ver os dragões, a não ser que sejam tão irritantes como o do capítulo passado, porque senão mais vale estar quieto.

 

 

9ºRookies 71:

 

Mais um capítulo filler, desta vez focado no melhor personagem do manga, o Aniya. O capítulo no geral focou-se num dos maiores clichés de mangas de desporto, é usado em tudo e é quase um tema inevitável, mesmo pelas grandes histórias do género, só que em Rookies foi usado de forma diferente, em vez do objectivo ser jogar era a professora e o seu presente.

 

Foi uma jogada genial por parte do autor, que usou um cliché para trabalhar o Aniya como personagem, para usar a professora e não deixar o Kawatou de fora. Aquela cena com o papel seria algo que nunca nenhum professor faria, mas estamos a falar do Kawatou, então faz sentido ele ter arrumado todos os papéis e colado de novo.

 

 

8ºOne Piece 683:

 

Depois de um capítulo excelente e de uma semana de pausa, o Oda acabou desiludindo ou melhor não surpreendendo, foi um capítulo bem normal e que pouco desenvolveu, de qualquer maneira tendo em conta o final e alguns outros momentos dos capítulos é esperar por bons e óptimos capítulos nas próximas semanas.

 

Mas indo por partes, a história das capas ainda está sendo desenvolvida e sem nada de muito especial a comentar por agora. O Oda foi inteligente ao começar o capítulo por relembrar o que aconteceu no final do anterior, sendo esse um dos pontos a que me refiro como não desenvolveu nada, mas tem potencial para daqui a uns capítulos. Neste momento parece que o Caesar Clow já virou vilão secundário, já que os holofotes vão para a Monet e o Vergo. Monet que pelo menos em inteligência ganha ao Luffy, que por pura coincidência caí para um sítio que de certeza terá destaque nos próximos capítulos.

 

 

A história envolvendo os mugiwaras, as crianças e no final a Monet também não levaram a nenhum lugar, pelo menos por agora. O Law anda bem instável nesta saga, muitas das vezes parece que tem tudo controlado, outras das vezes comete erros gravíssimos, até porque não daria para saber que o Smoker e o Luffy acabariam por ir parar à ilha. Smoker que acabou por salva-lo e finalmente a batalha esperada, Vergo vs Smoker, com mais um gancho para o capítulo seguinte.

 

Resumindo capítulo de transição, com boas ideias para o futuro, mas que deixa a desejar, já que na semana passada não houve capítulo.

 

 

Ranking:

8ºOne Piece
9ºRookies
10ºFairy Tail
11ºKurogane
12ºAo no Exorcist
13ºNisekoi
14ºReborn

publicado por Dark-Fenix às 19:50
Sábado , 29 de Setembro DE 2012

Opinião Semanal #44 Parte 1

 

Já saíram novos capítulos de Ao no Exorcist, mas logo comento para a semana, por outro lado saiu mais um one shot da Golden Future Cup do ano passado, Tsukimi no Soba, que irei comentar neste post. De resto foi uma semana sem grandes surpresas, mas por outro lado também houveram poucos capítulos maus, na verdade foi tudo no razoável.

 

Não tive qualquer dúvida nos 5 primeiros e nos 5 últimos, mas os 4 do meio tive bastantes duvidas, na verdade ainda não concordo totalmente com as posições finais.

 

14ºFairy Tail:

 

Estou sempre a repetir isto, mas a cada capítulo o Mashima dá-me mais razão, tinha tudo para fazer algo genial dessa história da Wendy conseguir falar com os espíritos dos Dragões mortos e tudo acabe servindo para um monte de piadas sem graça, sendo as principais, as que envolvem a estranha personalidade do Dragão.

 

Outro exemplo de história que podia ser aproveitada é a da Acnologia, isso poderia servir para envolver os dragon slayers em algo especial, mas provavelmente o único objectivo é tentar surpreender com o facto de um humano ter-se transformado num dragão. De resto foi mais um capítulo normal, depois do Mashima prometer tanto.

 

 

13ºReborn 403:

 

É impossível olhar para este capítulo e não se lembrar do início de Reborn, até porque a Amano faz questão de o relembrar com essa página. Na maioria dos mangas seria bom, o factor nostalgia é muito importante, mas o problema é que o início de Reborn é muito ruim, ou seja o factor nostalgia funciona completamente no sentido contrário, fazendo relembrar de algo que deveria ficar esquecido.

 

Além disso aconteceu o que todos esperavam e que tinha ficado claro no final do capítulo passado, o Tsuna conseguiu chegar ao nível do Bermuda não por treino, não coerentemente e não porque descobriu uma fraqueza, mas sim porque levou um tiro na cabeça.

 

 

12ºTsukimi no Soba:

 

Uma má semana para Tsukimi no Soba aparecer no ranking, já que todos os capítulos esta semana foram aceitáveis. Para quem não se lembra de Tsukimi no Soba, foi um dos 6 participantes da Golden Future Cup do ano passado, com este falta apenas sair WolfXRed e o próprio one shot de Takamagahara, que pensando bem até me surpreende de não ter saído até agora.

 

O one shot não foi tão negativo quanto a minha primeira impressão da raw foi, no geral Tsukimi no Soba é mais do mesmo, é uma história echi de romance igual a tantas outras, que funciona como one shot, mas nunca como série, pelo menos não dessa forma como foi apresentada.

 

 

De resto o one shot fez-me lembrar de Sekirei, desde o protagonista típico de manga echi, à protagonista feminina aparecer do nada e ele ajuda-la ao facto de tudo ser um plano maior envolvendo lutas entre mulheres. Esse seria o único ponto por onde veria uma possibilidade da história sair do one shot para uma versão serializada, mas tinha de ser melhor trabalhado, principalmente se o quisesse fazer na Jump

 

Além disso o facto da forma criança da personagem feminina parecer com o Pikachu ajudou a ser um one shot razoável, mesmo assim no geral tudo é cliché. Para concluir é a típica história que funciona como one shot, já que não tem pretensão de ser mais do que apresenta, mas como série teria de fazer muitas mudanças e nunca fugiria do factor cliché.

 

 

11ºGin no Saji 49-50:

 

O melhor exemplo do que disse acima, gostei desses capítulos de Gin no Saji como gosto da maioria do manga, mas esses foram menos interessantes que a maioria, então acabei colocando bem no fundo do ranking, mas com o aproximar do final do arco Gin no Saji tem tudo para conseguir de novo excelentes resultados.

 

Os capítulos foram centrados na Mikage e tirando o plot dela foram pequenas interações entre os personagens, que acabam sempre por ser o melhor do manga, mas o plot principal foi um pouco fraco, não por culpa da Mikage, mas sim porque ela era a única a competir, ao contrário dos capítulos anteriores onde teve o Hachiken e a outra nova personagem dava o alivio cómico necessário.

 

De resto acabou este pequeno arco, que serve de introdução para o final do arco, que tem tudo para ser excelente, como os dois finais de arcos anteriores.

 

 

10ºRookies 70:

 

O capítulo 69 foi um filler com um filling Rokudenashi Blues, já este 70 foi um filler com cara de Rookies e mostrando o Kawatou, no seu papel de professor, em ajudar os alunos, no caso aluna, com problemas. E é irónico pensar que gostei mais do capítulo com cara de Rokudenashi Blues que do com cara de Rookies, até porque eu pessoalmente gosto muito mais de Rookies.

 

A resposta a essa ironia é simples, é porque o capítulo 70 foi apenas Rookies, enquanto o 69 juntou o melhor das duas obras. E é isso o capítulo 70 foi um capítulo normal onde o Kawatou ajudou uma aluna tímida a conseguir ganhar coragem para entrar no clube de softball feminino, esperando que no próximo já volte novamente á história principal.

 

 

9ºTakamagahara 9-10:

 

Takamagahara segue o caminho de tentar convencer o leitor a ler um manga que deitou 7 capítulos/ 1 volume para o lixo, é um caminho complicado e que provavelmente já será tarde para ter hipótese de conseguir, mas há que tentar e sem dúvida alguma os capítulos 8, 9 e 10 melhoraram e muito a qualidade do manga.

 

Takamagahara até podia ter ficado melhor rankeado se não fosse o capítulo 9 e acima de tudo a revelação de que a espada afinal não fala, mas sim que ele simplesmente gosta de ser ventríloquo, além de ser uma piada sem graça, acabou desperdiçando uma boa ideia. Além disso qual a lógica de um pássaro, ou qualquer animal, ter 3 pernas?

 

De resto uma boa luta e gostei das cenas dos “portais” para entrar e sair de Takamagahara serem aquelas espécies de portas que existem nos templos, não é a ideia mais original do mundo, mas é aquela típica ideia que funciona sempre. Pelo último quadro da página 16 me deu a impressão que o autor teria jeito para um manga de boxe.

 

 

O capítulo 10 foi de longe o melhor capítulo do manga até ao momento, e o motivo para isso é o Izumo, além do estilo do personagem, fica alguns enigmas no ar e tem um técnica bem estilosa, a arma esquilo também ficou muito bem desenhada. Outra coisa que funcionou foi o facto de Takamagahara ser guardado pelos 12 animais do Zodíaco Chinês, é cliché? É, mas Takamagahara tem cara de que funciona com clichés, só tem de saber utiliza-los.

 

Algo que continua sem conseguir fazer, acerta em muita coisa e depois falha redondamente, como no caso da espada, outros exemplos são o facto da garota raptada não existir, entre outros escolhas que meio que são pequenos anti-climax’s, era só tirar isso e deixar completamente de lado o núcleo de personagens da escola e Takamagahara poderia funcionar.

 

 

8ºNaruto 603:

 

E não é que este capítulo seguiu a mesma ideia que o anterior e continua a fazer sentido, toda a gente sabe, ou deveria saber, dos erros ao longo da obra por parte do Kishimoto, algo que é impossível não levar em conta na hora de juntar todas as peças como neste momento, onde se aproxima o climax de todo o manga.

 

Mas uma qualidade importante de qualquer autor é saber como esconder esses erros, no caso do Kishimoto é impossível esconde-los a todos, até porque há umas semanas deixou alguns claríssimos no flashback do Obito, mas o que importa neste momento é ele, pelo menos por alguns momentos, conseguir fazer com que o leitor que algum tempo deixou de acreditar, acredite por esses momentos que tudo está a fazer sentido.

 

O Kishimoto conseguiu no 602 e 603, mas o grande obstáculo será consegui-lo fazer no 604, que tendo em conta que irá ter página colorida deve querer dizer que irá terminar o flashback. Mas isso logo se vê para a semana, nesta ele fez um bom trabalho, tirando as piadas sem graça ao modo do Kishimoto, o capítulo funcionou.

 

Outra coisa que funcionou foi novamente as páginas sem falas, igual ao capítulo 599 o Kishimoto conseguiu utilizar bem essa ferramenta, acima de tudo porque conseguiu passar a ideia pelo que o Obito passou para recuperar.

 

 

Ranking:

8ºNaruto
9ºTakamagahara
10ºRookies
11ºGin no Saji
12ºTsukimi no Soba
13ºReborn
14ºFairy Tail

publicado por Dark-Fenix às 21:39
Domingo , 23 de Setembro DE 2012

Opinião Semanal #42&43 Parte 2

 

8ºGame of Thrones 5:

 

Capítulos mais mornos de Game of Thrones, que até tiveram bons momentos, mas no geral foram apenas de transição e de apresentação de personagens, personagens esses que são claramente o ponto forte dessas 4 histórias.

 

A história da Sansa acabou ficando mais infantil do que se esperaria, é difícil sentir pena de um novo personagem, principalmente quando ele é claramente visto como random, mas na série e no livro conseguiram passar esse sentimento em poucas páginas ou poucos minutos, deixando um gosto de injustiça na morte do Mycah, algo que não aconteceu de todo na hq.

 

Tirando o facto da história da Catelyn ter apresentado o Mindinho e o Varys foi totalmente dispensável na hq, algo que principalmente no livro foi muito bem trabalhado. Esses dois personagens são 2 dos 4 personagens mais inteligentes de todo o reino, tanto um como o outro com grandes momentos no futuro, em especial o Mindinho.

 

 

A história da Arya foi provavelmente a mais parecida de todas até agora com o livro e com a série, obviamente falta a carga dramática que o Martin e os roteiristas conseguem e que o autor da hq passa longe de o conseguir, mas mesmo assim funcionou bem. E assim morre o primeiro dos lobos, curioso para saber quantos irão chegar ao final da história.

 

Por fim, os sonhos do Bran, isso é algo que foi pouco trabalhado na série e que nos livros fica bem confuso, então por isso gostei de ver isso retratado na hq, para ter uma ideia melhor. E no final do capítulo ele acorda, o que dá um bom cliffhanger.

 

 

7ºAssassination Classroom 6-7:

 

Comentando apenas os capítulos 6 e 7, para a semana logo comento o resto.

 

Mas sobre esses dois capítulos o 6 fecha o arco do Karma, achei o capítulo mais fraco até ao momento porque em muitos momentos o autor seguiu ideias bem clichés. Em destaque aquela cena do professor morto, ficou bem estranha, porque ele não tendo matado o professor acaba ficando desvalorizado, mas por outro lado não dá para matar um professor e só apanhar uma pequena suspensão e voltar de novo à escola, então foi um beco sem saída por parte do autor.

 

De resto, gostei de ver o autor a seguir o padrão, que pessoalmente acho o mais correcto para arcos curtos, 3 capítulos, introdução, desenvolvimento e conclusão, ele fez isso para o mini-arco do Karma e também para o próximo com a professora, fora que pensando já numa maneira de vender o manga em formato Tankōbon, o normal é o primeiro volume dos mangas da Jump terminar no capítulo 7, capítulo 7 que introduz na última página o gancho para o arco seguinte.

 

 

Mas sobre o 7 e deixando o próximo arco para a semana, foi um capítulo no geral normal, mas que gostei mais do que do 6, principalmente pela simplicidade e por mostrar a relação entre o Duro de Matar com um aluno, no caso aluna, que não tem muito destaque, além disso também serve para ficar entre arcos, o que também é bem feito pelo autor.

 

Para concluir, quando li esses capítulos, ainda não tinha visto a toc da semana passada, então o primeiro pensamento que me veio à cabeça quando li o final do capítulo 7 foi só espero que essa aparente adição de fanservice não seja por o manga não ter ido tão bem quanto esperado, mas tendo em conta que entretanto já ganhou um primeiro lugar, pode ser visto como um extra.

 

 

6ºRookies 68-69:

 

Difícil decidir quem ficar nas posições 3-6, inicialmente Rookies estaria mais alto, principalmente pelo seu ponto forte, a estabilidade, mas acabei baixando para dar destaque aos outros que não são assim tão estáveis e por consequência surpreenderam mais esta semana.

 

Estabilidade representa totalmente esse dois capítulos, o 68 é praticamente um dia normal de escola, o Kawatou chorando feito um bebé, os membros da equipa de basebol voltando a faltar às aulas. Apesar de metade do capítulo ter sido normal, a segunda metade foi excelente, com o Anya descobrindo sobre o director, o director assumindo as culpas e no final aquela despedida sem glória, mas com um significado grandioso.

 

O 69 então foi completamente um filler, que mais pareceu Rokudenashi Blues, anterior manga do autor, do que propriamente Rookies. Há de se dizer que o autor também soube conciliar o nº do capítulo com a ideia deixada durante praticamente o capítulo inteiro, mas no final é um manga shounen e ela apenas estava a ensinar ao Kawatou como mexer no computador. Ao ler esse capítulo me fez pensar como dava trabalho a um professor fazer os testes antes de haverem computadores ou melhor antes das impressoras e fotocopiadoras.

 

 

5ºToriko 203-204:

 

O que fez a diferença para Toriko perder para Bleach e One Piece foi curiosamente o mesmo motivo de Rookies, a sua estabilidade, como normalmente coloco sempre Toriko entre os 5 primeiros do meu ranking, acabei preferindo colocar nesta semana Bleach e One Piece à frente, já que Toriko foi a qualidade normal de sempre e os outros dois foram surpresas.

 

Mas deixando isso de lado, uma história normalmente tem uma trama principal e a partir dessa tem outras secundárias, muitas vezes até mais interessantes que a principal, o que muitas vezes não é levado em conta é que essas tramas secundárias se tornam interessantes exactamente por não terem tanto destaque, serem apenas um bónus.

 

 

E é isso que penso que deveria ter sido feito com essa história do Komatsu, apenas um extra e não tornar em algo tão importante quando a luta contra o monstro mais forte visto em Toriko. Foi meio que um anti-climax no que trata do assunto principal, não tão grande quanto de Fairy Tail, longe disso, mas desnecessariamente longo.

 

Porque falando sobre essa trama do Komatsu, o único defeito que têm é esse exagero no Komatsu, com ele criando comidas que nunca tinha imaginado em poucos minutos e ainda levando mais tempo por causa de que queria melhorar o sabor, ficou muito cliché. Mas tirando isso o capítulo 204 foi muito bem feito, com alguns pormenores bem interessantes e que apesar de cliché foi bom ver que o nível actual do Komatsu e onde ele se enquadra no meio de todos esses grandes chefes, pode ser que com isso até venha a entrar nesse top100, o que daria um bom gancho para a entrada dele no Mundo Gourmet, já que a Bishokukai está atrás dos 100 melhores chefes.

 

 

Para a próxima semana o foco volta para a luta, que não está nada fácil para eles os 4, lá ver como será que o Shimabukuro irá derrotar o monstro que quando mais tempo passa mais forte fica, de qualquer maneira uma coisa é certa, passa de certeza por trabalho em grupo.

 

Para finalizar um pormenor interessante quando as pessoas ficam a saber sobre o veneno na chuva, é uma reação normal do ser humano, quando não sabe de nada não tem nenhum problema, mas é só contar que está doente, já doí tudo, gostei de ver isso, mesmo que em tom de piada.

 

 

4ºOne Piece 681-682:

 

A história do Caribou está-se a formar, com o Jinbei levando para o antigo G5, resta esperar para ver o que acontecerá com o Caribou, que agora foi capturado pela marinha. Esperava mais destaque para o Jinbei que tendo em conta a capa do 682 já não deve de aparecer mais no especial, mesmo assim esperar para ver a aventura do Caribou.

 

O capítulo 681 foi na sua maioria mais ou menos, ou mais do mesmo, com o Luffy enfrentando o sem carisma do Caesar e que pelo que mostrou neste capítulo também não lá muito forte, já que a Monet é que acaba por salvar o Caesar. Ainda bem que o Oda restringiu bem a akuma no mi do Caesar, mas mesmo assim ainda acho bem exagerado ele conseguir controlar o oxigénio, mesmo que seja apenas num pequeno espaço.

 

Mas mesmo assim foi o capítulo 681 que deu o tal click que vinha falando, o motivo foi o obvio, Trafalgar Law, que a cada capítulo que passa rouba mais a cena. E ao contrário do que possa ter parecido nos capítulos anteriores e até mesmo nestes dois, aquele sorriso do Law mostra que ele tem tudo bem planeado e espero que seja realmente um grande plano, grande o suficiente que possa apagar completamente da memória este mau começo do Novo Mundo.

 

 

Fazendo uma pausa entre elogios para uma crítica, a mesma das últimas semanas, os marinheiros. Já o tinha dito nas últimas semanas e repito o Oda consegue trabalhar muito bem personagens importantes da história, mas consegue infantilizar demasiado os randoms, principalmente quando são grupos, como os marinheiros e a página 5 do capítulo 682 mostra bem isso, com eles agindo que nem crianças, desde gritar pelo Sanji, a se recusarem a acreditar na cruel verdade que o Vergo é mau e gritando que nem crianças quando a Tashigi diz para irem ajudar as crianças.

 

E agora voltando aos elogios, Doquixote DoFlamingo, já o disse ele era a minha grande aposta para o primeiro vilão no Novo Mundo desde há muito tempo e não posso ficar mais feliz por isso acontecer. Nunca fui grande fã do personagem, mas é inquestionável que ele é um grande vilão e serve na perfeição como grande teste para o Luffy. As cenas com ele foram meio confusas e no-sense, mas mesmo assim interessantes e pelo que dá a entender ele não irá até a Punk Hazard, o que na minha opinião é uma decisão mais que certa, porque One Piece precisa de uma mudança de ares, além de que dá um ar melhor à saga.

 

Mas Flamingo só daqui a pelo menos uns 20 capítulos, por agora ainda é Punk Hazard, com o Oda voltando à comédia que sempre funcionou em One Piece, não achei tão natural quanto antes do time-skip, mesmo assim uma excelente interação entre os personagens, incluindo o espadachim, que até poderia ser um forte possibilidade para o grupo se não fosse o grupo já estar cheio de espadachins.

 

 

O Broock e o Kinemon foram o destaque da luta contra o dragão, mas o Zoro foi o melhor, sem fazer nada, o papel que ele mais gosta de desempenhar. No final do capítulo uma bomba, pelos vistos o dragão é o filho do Kinemon, só que volta-se a um assunto já antigo, em One Piece personagem secundário não morre, a não ser em flashback, então não passa de uma bomba momentânea, mas sem dúvida seria muita ousadia do Oda matar uma criança num manga shounen, principalmente nessas circunstâncias.

 

Mas numa virada de roteiro interessante gostaria de ver o Kinemon a morrer e o Momonosuke a entrar para o bando dos mugiwaras, um dragão seria um bom bicho de estimação, mas duvido bastante que isso fosse acontecer. Já me esquecia, foi pena que o Vergo e o Sanji não lutassem até ao fim, mas faz sentido já que a ideia inicial sempre pareceu ser Smoker vs Vergo.

 

Para concluir, é incrível como o Oga logo agora que conseguiu chamar a atenção dos leitores de novo para One Piece tira uma folga, mas por outro ponto de vista foi sem dúvida na altura certa, já que quando se tira uma folga de uma semana é sempre bom deixar algum gancho importante, para manter o leitor interessado.

 

 

3ºBleach 507-508:

 

Começando pelas críticas e deixando os elogios para o fim, o maior cliché de manga shounen é, todos ou 99%, dos personagens gritarem o nome do ataque quando vão atacar, mesmo quando é um ataque surpresa pelas costas. É algo que qualquer fã de mangas shounen já deve aceitar logo à partida, porque senão ou vai ler mangas seinen ou parte para outra mídia.

 

Isso é algo que não se deve criticar, mas sim elogiar quando o autor não o faz, como por exemplo o Mihawk, o seu ar nobre, sério e de poucas palavras faz com que não faça sentido ele sair gritando o nome dos seus ataques para o mundo saber, ele simplesmente tira a espada e ataca o Barba Branca para dar início à guerra.

 

E em Bleach o Yamamoto deveria ser um desses personagens, tem idade suficiente para não ser arrogante e sair dizendo em alto e bom som o nome do seu ataque ou da sua bankai, para quê contar o inimigo a sua única vantagem? Um Naruto, um Luffy ou até mesmo o Ichigo, sim faz sentido eles são burros mesmo, mas um velho e acima de tudo o comandante da Gotei 13 não faz.

 

E acho que isso até mesmo influenciou muita gente, mesmo que inconscientemente, a não ter gostado da bankai, porque o facto de ele ter dito o que a bankai faz torna-a simples. Porque sinceramente se o Kubo não tivesse feito toda aquela lengalenga inicial dizendo que ia mostrar a bankai e depois dado um close para a manga a rasgar-se e deixar tudo tão óbvio, na altura que mostrou o chão sendo cortado iria surpreender. O que quero dizer é uma imagem vale mais que mil palavras.

 

 

Muito texto e no final irá parecer que foram mais críticas que elogios, mas foi para explicar o meu ponto de vista, algo que não irei de todo levar tanto tempo para elogiar, é que tirando tudo isso do Yamamoto, os dois capítulos foram excelentes, até porque coloca frente a frente os prováveis dois personagens mais fortes já apresentados até ao momento no manga.

 

Mas acima disso foi ver o comandante Yamamoto a libertar a sua bankai, que por motivos óbvios é a bankai mais poderosa que a Soul Sociaty já viu e provavelmente nunca mais irá ver, tamanha é a força que emana. O Juhabach até tentou contra-atacar, com ataque que parece ter vindo de Soul Eater, pelo menos para mim pareceu bastante com a arte do manga.

 

E no final o que fez Bleach ficar em terceiro, grande impacto ao ler o capítulo, normalmente não fico muito entusiasmado com novos ataques e ataques mirabolantes e coisas do tipo, preferindo uma boa história, mas esse final de Bleach me animou para ler o próximo, agora esperar para ver se os próximos capítulos estão à altura.

 

 

2ºGreen Blood 7:

 

Estava em dúvida se continuaria a comentar ou não sobre Green Blood, já que o manga mostrava seguir um padrão de seinen com boa arte, alta qualidade em arte e um roteiro mais arrastado, mas depois deste capítulo não tive como não comentar. A arte como sempre está extraordinária, em especial essas duas imagens do post, mas neste capítulo o destaque vai para a história, que surpreendeu.

 

Não estava à espera que o chefe dos Grave Diggers aparecesse e nessa aparição é que se vê uma grande diferença entre uma história shounen e uma seinen, num shounen o pai seria igual ao filho, sem qualquer dúvida disso, no seinen o pai sabe que o filho não presta, mas o desgraçado não deixa de ser seu vilho.

 

No final do capítulo fica a dúvida sobre o que o Brad decide fazer, mesmo assim tiros foram disparados e provavelmente esse será o gancho para o futuro da história. Outros pontos interessantes do capítulo foram a fala da personagem feminina ao dizer que o Brad está a trabalhar e o valor que o Brad atribui à vida do Kip, 10 dólares, até achei bastante, normalmente é 1 dólar ou até mesmo entram nos cêntimos.

 

 

1ºBeelzebub 173:

 

Sinceramente já esperava vir criticar ou pelo menos não elogiar e o início do capítulo até estava a mostrar isso, mas é impossível não elogiar este capítulo, que em todos os aspectos foi construído da melhor maneira possível.

 

A página colorida é um bom exemplo disso, servindo como aperitivo para a luta que irá vir, depois o facto da batalha serve à beira rio, algo que remota ao primeiro capítulo de Beelzebub e também ao maior cliché de mangas de batalha escolares. O autor também não seguiu com uma batalha completamente séria entre os dois como o Furuishi fez com o Toujou ou os outros que derrotou antes, afinal eles são amigos de infância.

 

E isso foi praticamente o assunto ao qual o capítulo rodou, desde as posses estranhas deles no inicio, passando pelos incidentes de infância sem qualquer lógica, pela sequência de desespero do Furuishi, ao não conseguir encontrar um demónio forte, ele ao dizer que já sabia do veneno, o momento épico dele ao chamar o demónio mais forte, culminando numa troca de socos até à exaustão e finalizando com os dois deitados à beira rio falando sobre o passado.

 

 

No final o Furuishi só queria por uma vez se igualar ao Oga, mesmo que depois voltasse a ser o mesmo Furuishi de sempre e pelo que parece o próprio Oga também queria lutar de igual para igual com o Furuishi mais uma vez. Isso faz-me lembrar de várias lutas de Crows/Worst, mangas sobre gangs escolares, onde esse tema é mais que recorrente.

 

Além disso tudo o que o capítulo ainda serviu para mais duas coisas. Primeiro porque há já bastante tempo que o autor não conseguia terminar um arco bem, começava a maioria bem, mas no final deitava tudo a perder, já este foi mais inconstante, começou bem, falhou no meio, mas fechou com chave de ouro, se calhar mesmo com o melhor capítulo do manga.

 

E a segunda coisa foi o final do capítulo que não só termina o arco como dá o gancho para o seguinte ou para uma continuação do mesmo, com o passado dos dois personagens. Além de flashbacks quase sempre darem bons resultados ainda há o factor de que se irá ter o Furuishi em destaque durante mais algum tempo e se calhar dar alguma personalidade ao Oga, que sempre foi bem sem personalidade, algo que mais cedo ou mais tarde é um ponto negativo num protagonista.

 

 

Ao contrário da luta do Furuishi e do Toujou, onde o Jagger foi destacado demais, neste o Behemoth fez apenas uma aparição simbólica, servindo apenas para o Furishi e o Oga brilharem ao mesmo nível e para mim isso foi perfeito, o Behemoth não precisava de destaque, era apenas simbólico e o facto de ele não ter tido destaque também faz com que não fique totalmente a ideia que o Oga está ao mesmo nível dele, já que a luta foi entre Oga e Furuishi e não Oga vs Behemoth, como foi desenvolvida a luta Toujou vs Jagger.

 

Para concluir, acima falei de Crows e Worst, porque esse discussão entre o Oga e o Furuishi me fez lembrar da relação entre o Bouya e o Yasuda de Crows, onde o primeiro também é o mais forte da escola e o segundo o alívio cómico do manga, além de ser o segundo em comando, mesmo sendo provavelmente o mais fraco de Suzuran.

 

 

Ranking:

1ºBeelzebub 173
2ºGreen Blood
3ºBleach
4ºOne Piece
5ºToriko
6ºRookies
7ºAssassination Classroom
8ºGame of Thrones
9ºBeelzebub 172
10ºNisekoi
11ºKuroko no Basket
12ºTakamagahara
13ºNaruto 602
14ºReborn
15ºPokémon
16ºFairy Tail 300
17ºNaruto 601
18ºFairy Tail 299

publicado por Dark-Fenix às 20:22
Quarta-feira , 22 de Junho DE 2011

Opinião Semanal #28

Novamente atrasou, era para ter saído no Domingo, mas decidi postar Rookies, Segundas para mim é igual a dia sem tempo livre e na terça também não tive muito tempo.

 

Esta semana em vez de ir comentando como calhar, vou comentando o que achei o pior da semana até ao melhor, mas para quem quiser logo saber o ranking, pode olhar no final do post que está lá, igual como tenho vindo a postar nas semanas passadas. Então sem mais demoras vamos para o último colocado:

 

12º Fairy Tail:

 

O capítulo desta semana foi totalmente focado no Grey e no geral não foi até um mau capítulo, mas comparando com os outros, merece de certa maneira o último lugar, o que me dá piada, ao lembrar que se fizesse um ranking destes no início desta saga provavelmente Fairy Tail ocuparia o primeiro lugar, mas agora só espero que esta saga acabe depressa.

 

Como disse o capítulo foi totalmente Grey, eu pessoalmente gosto do personagem, só não gostei foi da maneira como o autor criou a história deste capítulo, será que alguém tinha dúvidas que ela estava a mentir, eu não gosto de ler algo que tenha total certeza do que venha a acontecer, gosto quando uma história deixa a dúvida, seja ela de que lado um personagem está ou se vai morrer ou não. E essa é a principal crítica a este capítulo. Já agora, para num futuro não disserem que me estou a contrariar, há momentos em que ser o mais obvio é o melhor.

 

E por fim outro ponto, a sério que o autor vai entrar de a cada personagem que aparece ele é que o chefe do grupo, sim porque havia um aí que era o chefe e outro que era o mais forte e agora aparece a Urtear, eles são 7 e 3 já passaram por chefe, um bocadinho exagerado, ainda mais se pensar-se que foi em tão curto espaço de tempo. Sobre o final deixo para comentar para a semana.

 

 

11ºReborn:

 

Capítulo que mostra tudo o que disse acima sobre ser óbvio, era obvio que a autora não ia matar o Enma, o que os leitores não sabiam era qual a solução que a autora ia usar para atacar o Daemon e mesmo assim não matar o Enma, então que surge Mukuro, que mais uma vez salva o dia.

Gostei bastante da última página, espero que Daemon morra de vez, assim pode-se terminar esta saga sem noção e começar uma outra que possa estar ao nível da saga Varia ou à do futuro, mas mais curta. Mas se fosse para apostar acredito que o Daemon não morra, mas é esperar pelo próximo capítulo que terá página colorida.

 

 

10ºBleach:

 

Mais um capítulo 100% Bleach, um capítulo enrolado que não vale nada, merecia o último lugar de qualquer ranking, mas que se salva mais uma vez pelo seu final. É incrível como Tite Kubo consegue fazer tantos anti-clímax, na semana passada acaba com Ichigo ganhando os poderes, parecia algo que iria mudar por completo o manga, para melhor, mas no final continuou tudo na mesma, nem parecia que tinha recuperado os poderes.

 

Para juntar a isso, ele se transforma no power ranger branco, sinceramente não gostei dessa transformação, ficou bem tosco, mas lá ver no futuro, pode ser que saía algo bom disso e que me habitue a esse novo estilo de Ichigo.

 

Agora sobre o que interessa, o final, só tenho uma palavra a dizer, Primo? Será que foi alguma lavagem cerebral à irmã do Ichigo ou realmente são primos e Ichigo já se tinha esquecido. Se forem realmente primos irei ficar surpreendido, mas sendo que estamos a falar do Tite Kubo, não meter a fasquia muito alta, porque ele tem tendência a decepcionar os fãs. De qualquer maneira parece que flashback vem a caminho.

 

 

9ºMágico:

 

Gostei do capítulo, cada vez estou a simpatizar mais com Mágico, bem que a Jump precisava de um manga desse tipo, meio acriançado, mas não ao ponto de se tornar um Inumuradashi.

 

Dito isto, o porquê de Mágico estar apenas em nono, é simples Mágico é o típico manga que agrada ao publico, mas que perde na história, igual a Dragon Ball, por exemplo, então na maioria das vezes irão ver esse manga entre os mangas maus e bons da semana, o que aconteceu aqui. Mas claro que não é por isso que de vez em quando não saía um capítulo realmente bom, como o da semana passada e mereça um lugar melhor.

 

 

8ºNaruto:

 

O capítulo desta semana de Naruto foi bem normal, nem muito bom, nem muito mau. O flashback durou menos do que esperava, mas foi bem feito e a “luta” de Raikage conta Bee e Naruto terminou. Pelo final fiquei meio em dúvida se ainda haveria um flashback sobre a memória perdida do Raikage, ou se ficará apenas por aquela lembrança rápida deles a apertarem as mãos? Não sei, de qualquer maneira espero que não demore muito a voltarem para a guerra.

 

Guerra essa que está bem fraquinha, pelo menos abaixo das expectativas, o que é algo irónico de se pensar, já que a guerra estava a ir muito bem, até que o Kishimoto decide colocar o Tobi e o Naruto na guerra e deixar Kakashi vs Espadachins da Névoa, Gaara vs antigos Kages, entre outras lutas de lado, está certo que até pode voltar a colocar, mas o clímax dessas lutas já passou.

 

 

7ºEnigma:

 

O capítulo que vou comentar é o 36, ou seja o da semana passada, as scans estão um pouco atrasadas, mas nada de que atrapalhe as análises. Gostei do capítulo, mas há dois pontos que tenho de destacar um positivo e outro positivo ou negativo, não tenho exactamente a certeza, tanto um como o outro tem a ver com o poder do protagonista, telepatia, que já agora o título do capítulo.

 

O ponto positivo/negativo é sobre essa mudança do poder de desenhar o futuro, para ouvir os pensamentos ou comunicar telepaticamente. Está certo que isso até faz sentido, por isso o ponto positivo, mas não acredito muito que de todas as vezes que ele desenhou no diário dos sonhos tenha sido com a ajuda da sua amiga, mas como teria de ler tudo outra vez para poder falar sobre isso, porque agora fica só a observação.

 

Já o ponto positivo é esse limitador, sim porque sempre defendi que Enigma funciona bem, com esses poderes limitados, porque se tirarem esses limitadores, ficam algo como o que pode entrar nas fotos ou este que pode controlar a escola, ou seja autênticos monstros ao pé do resto dos personagens.

 

E é isso este capítulo se focou praticamente apenas no poder do protagonista e foi um bom capítulo, só ainda não consigo gostar desse vilão, mas lá ver os próximos capítulos.

 

 

6ºGin no Saji:

 

Esta semana a estreia de Gin no Saji nas análises, como já falei várias vezes do manga e até mesmo já lancei os primeiros capítulos do manga, acredito que não precise de um post de recomendação, mas de qualquer maneira podem esperar que ainda irei falar mais sobre Gin no Saji num outro post, que já era para ter saído há quase duas semanas.

 

Mesmo assim uma breve introdução, Gin no Saji é o mais recente manga de Hiromu Arakawa, criadora de Full Metal Alchemist, o tema é Agricultura e em vez de um cenário de fantasia, habitual dos mangas de Arakawa, desta vez se passa num cenário escolar. O tema à partida poderia fazer com que muitos nem lêem-se o manga, mas sendo da Arakawa, muitos deram uma oportunidade e puderam ver há bons mangas, a partir dos temas mais estranhos.

 

O capítulo que vou comentar é o 8, acredito que não esteja totalmente em dia, mas a diferença deve ser pouca. Neste capítulo têm-se mais um dia normal na vida de Hachiken, até nada de mais, mas o seu final me deixou empolgado com os próximos capítulos, lá ver o que saí daí. De resto os seus capítulos são bem normais, dá para rir um pouco e a história está a ser bem desenvolvida, mas claro não dá nem para comparar com Full Metal Alchemist.

 

Gin no Saji será quase de certeza outro Mágico, ou seja irá ficar quase sempre entre os que gostei e os que não gostei, mas com esta semana foi a semana de estreia e gostei bastante do final mereceu melhor lugar.

 

 

5ºRookies:

 

O capítulo 27 de Rookies se focou num único personagem, que para ser sincero, nem sei bem quem é. De qualquer forma ele chegou, meteu terror entre os estudantes, falou o que tinha que falar e acabou por ir acertar as contas. Isto é o resumo do capítulo, um capítulo um ritmo bem rápido e que mudou completamente do avesso o sentido em que a história estava a seguir, pelo menos a parte dos estudantes, agora falta o director.

 

Com isto foi um grande passo para o protagonista, que nem apareceu, conseguir construir a equipa de basebol que irá rumar ao título no Koshien.

 

 

4ºBeelzebub:

 

Beelzebub continua com capítulos normais, bem ao seu estilo inicial que lhe levou ao ponto de até mesmo ganhar a One Piece, nas toc’s, algo quase impensável hoje em dia, ainda para mais para um manga que tinha estreado fazia pouco tempo. Continua com a mudança de corpos entre Oga e Beel e deu bons momentos, finalizando com chave de ouro, numa disputa entre Helga e Kunieda.

 

 

3ºToriko:

 

Eu já tinha grandes expectativas para o templo Gourmet, mas superou e muito as minhas expectativas, está certo que no geral ao autor exagerou geral, como logo na segunda página com aquela entrada gigante ou ainda na mesma páginas quando na nota falam que a área do Templo Gourmet é igual à região de Hokkaido, ou fazendo outra comparação é quase tão grande como Portugal, a diferença é de apenas 12 mil quilómetros quadrados.

 

Mas qualquer um que tenha minimamente o olho aberto irá reparar que em Toriko tudo é ligeiramente maior, afinal esse planeta de certeza absoluta é maior que a Terra, já que tudo o que foi mostrado até ao momento não passa é apenas 15/20% do planeta e mesmo assim é já tem mais quilómetros quadrados que o planeta Terra.

 

Para além dos exageros gostei bastante do festival, se isso fosse em qualquer outro manga provavelmente diriam que aquele dia em que os personagens foram lá era o dia do festival anual, mas sendo em Toriko, o autor coloca o templo Gourmet em festa todos os dias, é como se fosse um parque de diversões, com a única diferença de em vez de funcionarem apenas durante o Verão o Templo Gourmet festeja durante todo o ano.

 

 

Outra coisa que tenho de comentar foram os dois torneios em que Toriko e Komatsu participaram, torneios que só acontecem uma vez por ano, mais uma vez isso não quer dizer que foi por causa de eles estarem ali naquele momento, mas sim porque calhou a ser aquele torneio, já que pelo que percebi eles fazem torneios o dia inteiro e depois só um ano depois é que voltam a fazer o mesmo, um completo exagero de Shimabukuro, mas é isso que ele melhor sabe fazer.

 

Por fim Acacia, não simpatizei muito com o personagem, achei meio normal, para o personagem que é quase um Deus, mas mesmo assim não é o aspecto que faz de Acacia o personagem mítico que é, mas sim os seus feitos e nisso ele é o melhor de sempre dentro do Universo de Toriko. Já agora Acacia e Roger, mais uma curiosidade entre as parecenças entre One Piece e Toriko.

 

 

2ºOne Piece:

 

Esta semana One Piece volta da folga e como é normal depois de folgas, One Piece vêm com páginas coloridas e capa, tanto as páginas quanto a capa foram muito boas, principalmente a páginas colorida dupla, normalmente o Oda faz uma página com todos os mugiwaras em alguma paisagem, mas desta vez foi uma página sem paisagem e com eles em quadros separados, ficou muito bom mesmo.

 

Depois do flashback agora há que se focar no que está a acontecer na ilha, que virou completamente de pernas para o ar. Já agora um aparte, percebem o estava a dizer acima em Toriko, sobre tudo ser feito para que os protagonistas estejam sempre no lugar certo há hora, ou melhor dizendo no lugar errado há hora errada, sim mas isso é algo tão normal em tudo o que é história, seja manga, anime ou filme, todos usam isso, então não chega a ser uma critica, mas quando acontece o contrário é algo que tem de ser elogiado.

 

Hodi tomou conta da ilha, é o novo rei e capturou Neptuno e os mugiwaras que estavam no castelo, sim Zoro perdeu, apesar de ter ganho o primeiro assalto. Agora que Hodi conseguiu o que queria é hora de tratar dos assuntos pendentes, ou seja os traidores, que queriam que os tritões se dessem bem com os humanos, agora Hodi vai atrás dos tritões que assinaram os papeis da Rainha, além disso Luffy e o resto da tripulação não poderia passar despercebida e também estão na lista de Hodi.

 

Claro que seja qual for o capítulo de One Piece têm sempre de haver alguma parte cómica, está certo Marienford é excepção, mas se percebe já que se estava no meio de uma guerra e para falar a verdade mesmo na guerra, Luffy ainda mostrou um pouco da sua maluquice, pelos menos na primeira parte. Neste capítulo foi Brook a ter estragado tudo, além da sempre batida piada de ele estar morto, para além disso, a melhor, Luffy ao saber que a sua recompensa tinha aumentado, genial por parte do Oda.

 

Além disso mais um mistério que surge em One Piece, cada vez mais One Piece se torna o “Lost” dos mangas, só espero que no final não siga o caminho de “Lost”. Quem raios é Joy Boy? O que me irrita nisso é que Oda vai guardar esse segredo durante tanto tempo, que os leitores iram esquecer e depois quando aparecer vai ser mais uma sacada genial do Oda, mas até lá há que ficar na espera para saber quem raios é Joy Boy, isto até que apareça outro mistério que faça com que os leitores se esqueçam do Joy Boy.

 

 

Para o fim do capítulo Luffy vs Jinbei, será que a luta irá mesmo acontecer? Não consigo imaginar eles a lutarem, pelo menos a sério, no máximo algo como se está a passar agora por Naruto ou como a luta do Luffy contra o seu avô, que durou apenas um soco. De qualquer forma se a luta realmente acontecer só vejo um vencedor, Luffy, afinal o próprio Jinbei mostrou na guerra que não está no nível do Novo Mundo e se Luffy empatar com ele, me pergunto para que é que ele treinou durante 2 anos?

 

 

1ºBakuman:

 

Só não coloca em primeiro lugar Bakuman quem não lê actualmente este capítulo é mais do que prova disso, sem dúvida alguma colocaria este capítulo entre os melhores de sempre de Bakuman, podendo até mesmo arriscar dizer, o melhor de sempre, por um motivo que já comento. Só para verem como gostei do capítulo, devo ter levado mais de 15 minutos lendo o capítulo e quando cheguei ao fim penso para mim mesmo, “Já acabou, agora tenho de esperar mais uma semana”.

 

Antes de mais, na página colorida, que Bakuman recebeu esta semana, pode-se ver que já está marcada a segunda temporada, para Outubro, como já era de esperar. Gostei da capa e as letras em destaque resumem bem como está actualmente o manga, “Impeçam o génio, Impeçam o Eiji”.

 

 

Depois da notícia bombástica na semana passada, hora de pensar sobre o assunto, mas mais importante que isso colocar as mãos ao trabalho, os mangakas não perdem tempo, tentando dar o seu melhor para derrotar o Eiji. Mas parece que o editor do Eiji estava a achar a concorrência pequena e vai contar para todo o mundo do departamento editorial, no qual o editor do Hiramaru faz o enorme discurso que faz com que os editores não tenham dúvida alguma do que fazer e agora todos os mangakas serializados estão contra Eiji.

 

Agora o motivo de eu achar este o melhor capítulo de sempre, não é por causa da disputa de Eiji contra o resto dos mangakas, mas sim o nº de bons mangas em que o Ohba consegue pensar, num curto espaço de tempo, sim porque ao contrário de outros mangas, que precisam apenas de se focar em uma única coisa, em Bakuman, Ohba tem de criar Bakuman e dentro de Bakuman ainda tem de criar, mesmo que apenas o tema e personagens, mais mangas para poder fazer uma Jump fictícia.

 

 

E neste deu para ver a sua genialidade ao seu máximo, Crows, PCP, Rider, o manga do Hiramaru e do manga do tribunal, 5 mangas que eu digo sem dúvida alguma, se fossem mesmo publicados na Shounen Jump eu leria, quando pensei nisso tive a ideia de porquê é que a Jump não poderia criar uma outra revista, apenas com os mangas já publicados na Jump de Bakuman, não apenas esses 5, mas também Trap, Otthers 11, o antigo manga do Fukuda, entre outros que não me esteja a lembrar agora, acredito que faria bastante sucesso, já que a maioria bem trabalhados seriam bem melhores do que os actuais mangas da Jump.

 

Sobres os mangas em separado, o do Hiramaru por exclusão de partes acaba sempre por ser o que menos goste dos 5, afinal não sou o maior fã daquele tipo de arte, nem de romance e o manga é bem típico manga regular, meio de tabela, mas mesmo depois de dizer isso se o manga fosse publicado leria sem dúvida alguma, já que apesar de não ser do meu tipo favorito, gosto de ler um desse tipo mais maluco de vez em quando.

 

PCP também é do tipo regular meio de tabela e dificilmente irá realmente ganhar a Crow, mas não é impossível, já que na revista real já se viu Gintama ganhar a One Piece e no ano 1981 Dr. Slump, manga de comédia era o mais popular da revista, ou seja não é impossível, pelo menos ganhar uma vez, mas tanto para PCP quanto para o do Hiramaru acho bastante difícil. Vale lembrar que Gintama já tem uns 7 anos e que igualar o feito de Dr. Slump é quase impossível, já que Dr. Slump é um manga de comédia que conseguiu ser o mais popular da jump.

 

 

O manga do tribunal para mim seria o terceiro melhor entre os 3, gostei bastante da criatividade por detrás desse manga, mas por outro lado, igual a PCP e ao do Hiramaru não passa de mais um manga regular de meio de tabela, não é um manga que alguma vez chegará a primeiro, provavelmente será o grande derrotado dos 4 concorrentes, já que o personagem é o de menos destaque.

 

Crow eu considero-o como o segundo melhor dos 5, Crow seria o exemplo claro do que eu gostaria que Mágico se tornasse, um manga engraçado, com personagem carismático e ao mesmo tempo um manga de lutas, main stream. Além disso eu vejo Crow como uma espécie de Dragon Ball, com uma história aberta que pode terminar quando o mangaka quiser, agora a diferença é que Dragon Ball acabou já a decair e Eiji quer terminar Crow no auge, tanto de popularidade, quanto de criatividade, ou seja comparando com Dragon Ball, seria terminar depois da saga do Frieza.

 

Em primeiro lugar sem dúvida alguma o manga do Fukuda, essa página acima está simplesmente genial e aliando a isso ser um manga de corridas, acredito que faria um enorme sucesso na Jump real, já que é um tema pouco abordado. Eu gostaria que o Fukuda ganhasse do Eiji, mesmo que esteja a apoiar o Eiji, para começar seria algo que levantaria o nível de Bakuman, mostrando que não é apenas os protagonistas que podem ganhar, além de que isso daria mais tempo para a dupla preparar algo para um futuro embate contra o Eiji e ai sim ganhar, mas por agora não consigo ver uma maneira de PCP ganhar sem que pareça que ganhou apenas por ser o manga dos protagonistas.

 

 

Já me esquecia, mais uma vez poderia-se dizer Hiramaru roubou o capítulo, sensacional a maneira como o seu editor lhe deu a volta, apesar de tão obvia a sua ideia e a sua mentira, mas mesmo assim, quando li essa cena, ainda pensei será que Ohba vai fazer com que Hirumaru ganhe do Eiji, seria perfeito, mas igual a PCP bem forçado, de qualquer maneira, capítulo com Hiramaru = capítulo bastante cómico.

 

Escrevi bastante desta vez, mas quando se gosta de um capítulo, ainda para mais um capítulo cheio de informações com os de Bakuman, dá sempre azo a que aconteça algo deste tipo. Agora é esperar pelos próximos capítulos e saber se Eiji será derrotado ou se irá concluir o seu manga, como disse fico dividido entre Eiji concluir o manga e Fukuda lhe roubar o primeiro lugar, mas lá ver.

 

Ranking:

1ºBakuman

2ºOne Piece

3ºToriko

4ºBeelezebub

5ºGin no Saji

6ºRookies

7ºEnigma

8ºNaruto

9ºMágico

10ºBleach

11ºReborn

12ºFairy Tail

 

PS:Adicionei o ranking no final do post, esqueci-me completamente de o colocar.

publicado por Dark-Fenix às 15:31

mais sobre mim

pesquisar

 

Dezembro 2013

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

últ. comentários

  • Karigurashi No Arrietty.
  • O Dark conheceu a vida na faculdade, o League of L...
  • Você escreve bem.Uma pergunta, de qual animação ja...
  • ALL FREE ANIME FOR YOU at http://www.anime4you.com...
  • Também estão disponíveis à venda nas lojas FNAC, B...
  • A Devir começou a traduzir mangás em português. Es...
  • Tb acho que o telefonema de walt a skyler não tem ...
  • Aceitas parceria? Já adicionei o teu banner. O lin...
  • Bom dia,vi que seu site oferece arquivos para baix...
  • Me pergunto se o Dark passa alguma vez por aqui ne...

mais comentados

Tags