Onani Master Kurosawa

 

Conheci este manga através da análise que o Nintakun fez no blog, Mangas Cult, então antes de mais obrigado pela indicação, um excelente manga. E ainda antes de começar a análise do manga, dizer este é o típico manga que o leitor gosta, mas que não decora os nomes dos personagens, dito isto não esperem que me lembre dos nomes, o único que decorei foi o do Kurosawa, por ser o principal e pelo nome do manga ter o nome dele e se não tem idade mental para apreciar um manga seinen (para adultos), esqueçam não é para vocês.

 

O manga tem apenas 4 volumes e é um Doujinshi, ou seja feito a lápis em vez do habitual, a caneta, o que faz com que seja bem diferente da maioria dos mangas que se lê. O manga foi lançado apenas via web, mas mesmo assim se tornou num grande sucesso na net, ficando normalmente bem classificado nos rankings de vários sites sobre mangas.

 

 

Nem sei como classificar esse manga, mas diria que seja seinen, já que o tema é mais adulto e não se foca apenas em romances, mas sim nas personalidades de cada personagem, apesar do tema base não passe isso. O tema do manga, é algo bem peculiar, diria mesmo até o mais peculiar que já li em mangas, Onani Master Kurosawa quer dizer Kurosawa Mestre da Masturbação. Acredito que só pelo título a maioria passa longe desse manga, para falar a verdade fiquei curioso depois de ouvir falar tão bem acerca do manga, mas sempre com um pé atrás por causa desse título, que faz lembrar títulos de mangas yaoi, tipo de manga que qualquer homem gosta de passar longe. No decorrer da história o manga vai-se tornando muito mais profundo do que o título passa à primeira vista, afinal é um manga seinen.

 

Kurosawa, o personagem principal, é um rapaz de 14 anos, que não gosta de socializar, tentando passar o máximo de tempo despercebido pelos seus colegas, colegas que ele despreza por tudo, seja por falarem muito, seja por serem otakus, por serem fracos, fortes, gordos, magros, etc… Mas ele esconde um segredo, um ritual que segue à risca todos os dias, depois da as aulas terminarem, na altura em que a maioria vai para casa, ele dirige-se à casa de banho feminina abandonada e se masturba a pensar em alguma rapariga da sua turma. Isso é a base do manga, que aos poucos e poucos se começa a tornar em algo maior, da mesma maneira como a personalidade do Kurosawa muda.

 

A partir daqui há spoilers, não aconselho a quem ainda não leu o manga. Mas deixo a mesma conclusão que está no último paragrafo: “Este manga tem tudo o que é preciso para fazer uma grande história, drama, sem ser aquele drama da maioria dos shounens nem dos seinen sem sentido, bastantes surpresas, alguns romances e um bom ritmo, sem deixar o leitor farto de ler.” Relembrando a partir daqui spoilers.

 

O seu ritual foi meio que interrompido depois de se encontrar com uma certa rapariga, baixa, com óculos, tímida e que também se gosta de isolar do mundo, na casa de banho feminina, na altura em que ele se ia embora depois de cumprir o ritual. Nessa altura ele ainda arranjou uma desculpa, mas este foi o ponto inicial para toda a história. Ao contrário da maioria dos mangas, este começa logo no final do ano, apesar de que esse começo é apenas para mostrar o encontro do Kurosawa com a rapariga, deixando o resto da história para o ano seguinte.

 

 

Começa o novo ano, último ano do ginásio, e ele só pensa em duas coisas, que na turma dele entrem raparigas giras, para poder fantasiar e que o Afro Otaku, que era da sua turma no ano anterior e que tentava de todas as maneiras fazer amizade com o Kurosawa, apesar de ser sempre “rejeitado”, não estivesse na sua turma. Uma boa noticia e uma má, a turma ficou cheia de raparigas giras, mas o Afro continuou na mesma turma dele. Mas para piorar a situação a rapariga que o viu a sair da casa de banho feminina entrou para a mesma turma dele.

 

A rapariga era constantemente agredida pelas colegas, pelas características referidas acima. Então Kurosawa decide elaborar um plano contra as tais raparigas que a chateavam, não ele não é o herói da história, muito pelo contrário, durante a maior parte da história ele é o vilão, é como se fosse o Light Yagami deste manga, mas vez de usar o caderno usa o que todos sabem. O motivo é o mais banal possível, ele apenas lhes queria retribuir de uma maneira vergonhosa para elas, esta é a primeira missão de Kurosawa Mestre da Masturbação, o primeiro de muitos “ataques” usando a sua “arma” e “munição”, por assim dizer.

 

Kurosawa decide durante a aula de educação física lhes castigar, um presente nos seus uniformes escolares. No final ele se safa disso e tudo continua na mesma, mas a rapariga atormentada acaba por descobrir que o Kurosawa é o autor daqueles actos e acaba por o chantagear a fazer o mesmo nas pessoas que a chatearem, em troca ela não diz nada sobre o ritual de Kurosawa. Então começa a parceria mais estranha que já vi num manga e a fama do Mestre da Masturbação aumenta.

 

A partir daqui começa a parte psicológica do manga, Kurosawa começa a questionar os “alvos” que a rapariga aponta e isso se intensifica mais quando Kurosawa conhece, por conhecer digo falarem pela primeira vez, uma rapariga da sua sala, durante um dia de chuva, ela era uma das que o Kurosawa mais “usava” no seu ritual, segundo ele uma das 3 mais bonitas da sala. Kurosawa todos os dias ia para a biblioteca, enquanto fazia tempo para ir para o seu ritual, como estava a chover ela vai para a biblioteca, como muitos outros estudantes. Ela senta-se perto do Kurosawa e fala com ele, a partir daí ele começa a sentir algo por ela, que ele não entende o que é e vai aumentando ao longo da história.

 

 

Durante uma viajem de estudo, a rapariga por algum tempo esteve com o grupo do Kurosawa, o grupo dos rejeitados e o Afro. O grupo é formado por o Kurosawa, o Afro (que apesar de popular entre os otakus foi para esse grupo por causa do Kurosawa), a rapariga e o Pizza-ta, um rapaz gordo e tímido. Ela dá alegria ao grupo em conjunto com o Afro. Nessa viajem Kurosawa também rejeita pela primeira vez um dos pedidos da rapariga, diga-se de passagem se entendi bem o que iria acontecer, seria do mais nojento possível.

 

Depois da viajem, Kurosawa rezava para que chovesse todos os dias para se poder encontrar com a tal rapariga. Mas logo depois chega a altura do Verão, e como tal, ele teria de deixar de vê-la, mas numa tentativa desesperada, ele saí todos os dias sem rumo, com a esperança de que por milagre se encontre com a rapariga. Num fim passa-se o Verão e ele não a chegou a encontrar.

 

De volta à escola, a melhor parte do manga, sem dúvida alguma, a rapariga atormentada vai pedir um novo alvo ao Kurosawa, o alvo é nada mais nada menos que a amada do Kurosawa, como é claro ele recusa, ela sai dizendo que ele vai mudar de ideias. Mais tarde ele acaba por descobrir que o Afro e a sua amada estão mais juntos do que nunca. Se há algo que eu adoro seja em manga, filme ou série é quando em alguma parte da história, me conseguem surpreender e ficar sem palavras e os capítulos 17/18/19 são um excelente exemplo disso, o Afro e a apaixonada do Kurosawa começaram a namorar, a partir daí tudo muda na vida do Kurosawa.

 

 

Se estivesse de destacar um capítulo é o 19, um capítulo bastante corrido, que tinha de ser assim mesmo, bastante psicológico e que no final é marcado pela decisão de Kurosawa de punir a rapariga por qual estava apaixonada. Ele acaba por cumprir o plano, mas mais tarde descobre um desenho da tal rapariga, sobre o que queria para o seu futuro, o desenho era o grupo da viajem de estudo sorrindo, ele ficou com um sentimento de nostalgia, felicidade e tristeza depois de lembrar do que tinha feito a ela. Do momento em que ele descobre que eles começaram a namorar até ao momento de descobrir o desenho é para mim indiscutivelmente a melhor parte do manga.

 

Depois da introdução e da melhor parte vem o fim. Nessa parte a personalidade de Kurosawa muda por completo, ele admite em frente de toda a turma que foi ele que fez tudo, a partir daí recebe o nome de Onani Master Kurosawa. Ao longo do resto dos capítulos é sobre a reconciliação dele com a rapariga, com o Afro, para decidir o seu futuro e para levar porrada dos namorados das raparigas afectadas. Eles acabam por desculpá-lo e se tornam amigos, também nessa parte ele começa a conhecer melhor uma outra rapariga e mais uma surpresa, essa rapariga era uma das que atormentava a rapariga que chantageava o Kurosawa.

 

 

O final do ano chega ao fim, Kurosawa consegue minimamente se dar bem com os seus colegas e cada vez mais se aproxima da tal rapariga, que mais próximos se tornam com o passar do tempo, com isso vai-se esquecendo de vez da sua anterior paixão. No ano seguinte, a turma antiga do Kurosawa marca um jantar para relembrar esses tempos, nessa altura a rapariga atormentada estava em depressão por ser rejeitada durante o último ano, ela trancava-se no quarto e de lá não saía, Kurosawa consegue convencê-la depois de muitas tentativas a ir ao jantar. Essa cena também é marcada por uma piada, ela sempre falou com o Kurosawa através da porta da cada de banho feminina e naquele momento era ele que tinha de falar com ela através de uma porta.

 

Para o final do manga, finalmente Kurosawa se dá bem e consegue convidar a rapariga para sair, tudo termina com ela a despedir-se dele, com o encontro marcado para a noite de Natal. A história também tem um novel, ou seja como se fosse um livro, com história corrida, sem imagens, mas ainda não li.

 

Para concluir, este manga tem tudo o que é preciso para fazer uma grande história, drama, sem ser aquele drama da maioria dos shounens nem dos seinen sem sentido, bastantes surpresas, alguns romances e um bom ritmo, sem deixar o leitor farto de ler.

 

Scan: Fuji

publicado por Dark-Fenix às 14:11