Quinta-feira , 30 de Maio DE 2013

Opinião Semanal #68

 

Estava a ver que nunca mais conseguiria fazer o post, o blog deu um monte de erros nos últimos dias, principalmente hoje, mas pronto cá está mais uma edição. Esta semana destaquei Beelzebub, depois de algum tempo ser ler, Bleach, Naruto e One Piece, Kuroko no Basket com o final do jogo contra a equipa do Aomine e Vagabond. Não cheguei a ler nenhum capítulo de Dorohedoro esta semana, então fica para a próxima ou só na outra dependendo de quanto tempo terei disponível.

 

Ainda não li o capítulo, mas muito provavelmente para a próxima edição o capítulo final de Enigma, que depois de muito tempo foi lançado. Como já tinha dito há uns tempos quando tive a ideia, mas acabei não colocando exactamente em practica, caso queiram ler a minha opinião mais detalhada, de algum dos mangas que normalmente estarão no grupo que não terá muito destaque no post, é só deixar um comentário que tentarei dar-lhe o devido destaque.

 

Beelzebub 196-205:

 

Finalmente me actualizei com Beelzebub, foram 10 capítulos nesse meio tempo e sinceramente esperava mais, não é que o resultado geral seja mau, pelo contrário até é razoavelmente positivo, mas agora entendo o motivo para a sua situação na toc não ter mudado em praticamente nada, mesmo este sendo um arco que há partida iria voltar a mostrar o melhor do manga, volta às origens e ao que realmente funcionou no manga. O manga está agradável de ler, mas continua não deslumbrando, principalmente na primeira metade dos capítulos que comentarei.

 

Para começar no 196 tivemos uma versão alargada do que já tinha acontecido no 195, só que desta vez o Oga em vez de o derrotar com um soco, usou um festival de socos para parecer mais efectivo quando na verdade tudo continua igual, o Oga continua overpower demais e a cada nova luta já se sabe o resultado. Depois segue-se mais uma versão de troca de corpos em Beelzebub, desta vez entre o Oga e o Beel servindo de apresentação para mais uma das chefes dos novos grupos, desta vez completando a cota parte feminina.

 

O mini-arco que destacou a Aoi contra a nova inimiga foi bastante instável, não direi totalmente negativo, mas teve vários motivos que não o tornaram bom, para começar a Aoi tem o mal de 90% das personagens femininas principais de mangas shounen, servindo quase que exclusivamente para representarem o papel de donzela em perigo e quando a situação muda e conseguem fazer algo por si próprias parece um exagero, simplesmente porque saí do nada, parecido com a situação da Sakura no capítulo mais recente de Naruto.

 

 

Além disso a vilã também não foi bem trabalhada, ficando apenas pelo básico, servindo em alguns momentos para o fanservice e mais tarde depois de perder, para a piada com o demónio que a estava possuindo, vale frisar igual ao final de um dos arcos anteriores e um dos grandes motivos do final fraco dele. Também tem os extras de ter caído no capítulo 200, logo o autor manda para o lixo um capítulo de nº redondo com uma história que mais capítulo menos capítulo será esquecida. E segundo extra, fazendo lembrar um dos melhores capítulos de Makai no Ossan (outro manga do One, roteirista de One Punch-Man) cena abaixo, no capítulo 201 é parecido, seja pelos aparentes cortes na página dupla (na verdade neste caso até foi bom, o problema foi a seguinte) ou pelas linhas desenhadas duas páginas há frente.

 

 

Felizmente depois segue-se o melhor desses capítulos, a traição do Himekawa, inicialmente não gostei e ainda acho que o personagem tem alguma na manga, mas nos capítulos a seguir fui gostando da ideia dele ser o escolhido para trair o Oga, até porque ele é de longe dos 4 reis o que menos destaque teve na obra e depois da entrada da Futaba, e por consequência incrível aumento de carisma e popularidade do Kanzaki, isso ficou ainda mais evidente, resumindo no mínimo é bom ver que o autor conseguiu arranjar maneira de destacar o personagem, e principalmente com lógica já que dos 4 reis ele é o menos chegado ao Oga.

 

Só achei meio exagerado ele ganhar do Toujou, está certo que faz sentido, mas num manga shounen é sempre estranho ver alguém que por definição é mais forte perdendo para alguém mais fraco. Foi bom ver o Furuichi novamente forte, mas foi uma situação bastante forçada, novamente faz sentido pelo que a Hilda disse, mas se era para ele continuar usando os lenços mais valia não terem dito que ele iria ter todos aqueles sintomas e agora continuar a usar os lenços na mesma.

 

De resto Beelzebub está interessante, mas continua sem deslumbrar, pode ser que esse actual destaque dado ao Himekawa mude a situação de toda esta nova fase do manga e esperando que ao contrário dos dois anteriores adversários neste arco, que o novo líder seja forte e dei alguma luta e por consequência melhore a qualidade do manga, que está a precisar.

 

 

Bleach 537-538:

 

Bleach chegou àquela altura da história em que o autor tenta arrumar a casa e juntar todos os pontos para poder partir para o final da história. Ou seja saber como a mãe do Ichigo morreu e como isso, e tudo o resto apresentado no arco, está ligado à história principal do manga, já que apesar de tudo este é o arco final do manga. O Kubo conseguiu juntar tudo, mas claro que tudo pareceu bem forçado, afinal é uma coincidência enorme o Juha Bach retirar os poderes aos quincys logo na altura que a Masaki é atacada pelo hollow.

 

Também meio forçado todo esse entrosamento para fazer o Juha Bach ser o centro das atenções, é claro que como vilão final ele teria de ser destacado além do simples motivo de ser o vilão do arco, mas foi bastante forçado toda essa ligação com o Ichigo e toda a importância dada ao personagem, que acima de tudo apareceu há pouco tempo no manga. O Aizen sempre será o vilão principal de Bleach (parecido com a relação de Orochimaru com Naruto, mesmo que aí se aceite perfeitamente o destaque final ser dado ao Madara) e como tal ele deveria estar a ocupar o lugar actual de Juha Bach.

 

Mas sobre isso não há nada a fazer, o Kubo claramente não programou a longo prazo o seu próprio manga (não que o culpe, poucos são o que o fazem e menos ainda os que conseguem colocar os planos em pratica semanalmente) e dentro de todas as escolhas este é o caminho a seguir, apesar de que Aizen aparecer em destaque ainda ser bastante provável. Resumindo caso isto não fosse o arco final eu provavelmente estaria mais empolgado porque a história dos quincys até que é boa, tirando lá está toda essa “obrigação” do Kubo em colocar tudo como família do Ichigo, agora sendo o arco final, este arco parece tão deslocado da história como o arco dos fullbringers.

 

 

O flashback era importante, afinal respondia à pergunta de como a mãe do Ichigo morreu e sobre o passado do Ichigo, mas acho que mesmo os maiores fãs de Bleach concordaram que este foi um flashback abaixo das espectativas, principalmente quando o melhor momento do manga é um flashback, Back to the Pendulum, seja como for respondeu ao que tinha de ser respondido. Tendo em conta o apresentado o final do capítulo 537 acabou não sendo surpreendente, já que fica claro a importância de Juha Bach para todos os quincys, de qualquer maneira esperar para ver o que o Ishida irá apresentar ao arco, só esperando que ele não seja a donzela em perigo da vez.

 

Já o capítulo 538 foi quase um completo desastre, o Ichigo não conseguiu encontrar a sua Asaushi, então foi mandado para casa para treinar, acaba ouvindo a história dos seus pais, aparece uma personagem a cair do céu do nada, leva-o para o Palácio Real e como se tivesse feito aquilo a vida toda já consegue ter uma Asauchi? Caso tenha perdido algum pedaço da história peço sinceramente que me recordem nos comentários. Pessoalmente ainda bem que não houve treinamento, mas não era preciso jogar a lógica de lado. Segue-se o Hitsugaya a treinar junto dos novatos, ok, ele perdeu a sua bankai e ele dependia bastante dela, mas isso é ridículo. Acho incrível como as bankais se estão a tornar tão banais, não que o personagem do 69 não mereça uma bankai, sempre teve destaque na história o bastante para isso, mas não gosto da ideia de ele conseguir ganhar uma bankai na base de um treino, baixa bastante o grau de importância das bankais, que diga-se já não é o que era. Por fim, adorei o cão, mas não vejo como neste momento da história seja sensato dar destaque a mais um personagem e ainda para mais um que nunca foi popular perante os fãs de Bleach.

 

E esperando que agora se possa finalmente conhecer o Rei, a não ser que o Kubo queira esperar um ano para apresenta-lo depois da sua pequena aparição já nem me lembro há quanto tempo atrás.

 

 

Kuroko no Basket 132-138:

 

Final de jogo alucinante e não era para menos já que pelo menos no papel este é o segundo jogo que mais espero/esperava no manga, só sendo batido pela final com o Akashi, obviamente. Também serviu para apresentar a extremamente exagerada técnica “Zona”, único motivo para o meu comentário não ser só elogios.

 

Fundo branco, destacando totalmente Aomine e Kagami, foi dessa forma que o autor usou para apresentar a técnica mais exagerada, até agora, e pelo menos nesse momento funcionou, o problema foi o que veio de seguida, ou seja a explicação da técnica e principalmente o momento em que o próprio Kagami também entra na “Zona”. A “Zona” seria algo que podia funcionar como simbolismo e não como realidade do próprio Universo, dessa forma agora é esperar técnicas cada vez mais fantasiosas, até porque o autor não perdeu tempo a colocar o Kagami a usar a técnica.

 

De qualquer maneira tirando esse exagero, tudo o resto foi muito bem feito, reacções dos personagens, Kagami vs Aomine, jogadas que fizeram lembrar muito Slam Dunk e o final do próprio jogo são bons exemplos do que foi bem executado neste final de jogo. Começando pelas referências a Slam Dunk, primeiro a cena em que o Kuroko vai buscar a bola já fora do campo e bate contra a mesa, relembrando um dos grandes momentos do Sakuragi em Slam Dunk e segundo relembrando um dos melhores mementos já feitos num manga, seja ele de desporto ou não, o passe do Hanamichi para o Rukawa, representado em Kuroko no Basket por Kagami e Kyoshi, servindo não só para referenciar novamente Slam Dunk, mas também para representar o nível bastante superior do Aomine e também que o Kagami mesmo sendo um jogador individualista também sabe quando deve passar a bola, parecido com a situação do Sakuragi naquele momento de Slam Dunk.

 

 

Se há algum destaque principal neste arco sem dúvida é a disputa entre Kagami e Aomine, que não sendo transferida para o manga de forma perfeita ficou muito boa. Apesar do autor já me ter dados motivos mais que suficientes para confiar nele sobre assuntos mais complicados, fico sempre em receio que seja desta que ele estraga tudo, mas felizmente ainda não foi desta, o Kagami realmente ganhou algumas vezes ao Aomine, mais do que deveria, apesar disso o Aomine nunca deixou de parecer superior e momentos como o passe do Kagami para o Kyoshi, quando o Aomine marca por detrás da tabela e o pós jogo são bons exemplos disso. Resumindo Aomine perdeu, mas não ficou 100%, na verdade diria que nem 50%, descredibilizado, como acontece na maior parte dos mangas shounens fantasiosos que para credibilizar um parece terem de descredibilizar imediatamente o outro.

 

Uma coisa que estranhei bastante e que ainda não consegui compreender a lógica é a maneira como Seirin atacou o cesto no final do encontro e também a maneira como Touou o defendeu. Para começar, Seirin precisava de no mínimo 3 pontos a poucos segundos do fim para empatar, mas em vez de uma tentativa de 3 pontos foram à procura de marcar de 2. Ok, no final eles marcaram 2 pontos e ainda tiveram direito a lance livre, mas isso não é algo que se possa contar como adquirido ou sequer apostar e aí entra a defesa de Touou, que sabendo do marcador era simplesmente defender os lançamentos de fora e caso alguém quisesse atacar o cesto de dentro que o fizesse seriam 2 pontos, estariam ainda há frente e teriam a bola. A cena sem dúvida foi bizarra, mas não estraga o resto do jogo.

 

 

Até porque o final foi excelente, vitória nos últimos segundos como mandam as regras de uma grande partida de basquetebol, e nisso o autor acaba sendo beneficiado já que basquetebol e futebol americano são os únicos desportos, que me lembro neste momento, que isso é normal e longe de ser forçado, quase todos os jogos equilibrados nesses dois desportos são jogados até ao último segundo, literalmente, lembro-me da final do SuperBowl de 2012 se aquele último passe tivesse entrado seria uma reviravolta histórica no último segundo. Além disso as reacções finais dos jogadores, plateia e claro o momento em que o Aomine deixa cair a ficha e percebe que perdeu são excelentes. Na cena em que o Aomine comenta que irá voltar a treinar é mais um exemplo de como o personagem saí descredibilizado da situação, agora só não sei até que ponto uma revanche passará pela ideia do autor.

 

No capítulo seguinte, mais um momento de descontração envolvendo comida, longe de ser o melhor capitulo do género em Kuroko, mas novamente faz o seu trabalho bem feito. Ainda se teve tempo para ser apresentado à Alex, muito provavelmente para criar o background para o próximo jogo deles, contra o amigo do Kagami vindo dos Estados Unidos.

 

PS: Só reparei já na altura de organizar as páginas, de qualquer maneira o toque de punhos entre o Kuroko e o Aomine no final do jogo também faz lembrar Slam Dunk, só que neste caso com um significado totalmente diferente de um manga para o outro.

 

 

Naruto 630-631:

 

 

Ainda não consigo compreender porquê é que o Obito simplesmente não se joga dentro de um poço, viaja para o seu mundo imaginário, vive feliz para sempre com a Rin e deixa todo o mundo em paz? O resultado seria o mesmo e não perdia tempo lutando e elaborando planos que podem correr mal e acabar morto. Essa é uma das vantagens de no mundo real não existem sharigans e ninjútsus, no mundo real o Obito seria apenas mais um drogado que ninguém ligava, em Naruto ele é um dos principais vilões e quer destruir o mundo.

 

O Juubi já estava bizarro desde que apareceu pela primeira vez, mas o Kishimoto está conseguindo se superar a cada nova forma do Juubi. Está certo que os Bijus há muito que perderam a importância e a misticidade do início do manga, mas não era preciso o Kishimoto os transformar em pokémons, a flor é idêntica às pétalas de um vileplume e comparações com outros pokémons não ficariam por aí. Acho simplesmente ridículo quando um autor faz um personagem parecer que sabe tudo quando não faz o menor sentido ele realmente saber, como no caso do Naruto e a sua reação ao ver o pai aterrar à sua frente, não sei para vocês mas pelo menos para mim essas poses e frases de efeito não melhoraram em nada a cena, o mesmo se pode dizer da chegada do Sasuke, pela reacção do Naruto era dado como certo que o Sasuke estaria ali naquele momento. Uma reacção de surpresa cairia muito melhor tanto num como no outro caso.

 

 

Ao contrário por exemplo da página dupla onde os 4 hokages se reúnem, aí o Kishimoto decidiu fazer os personagens estranharem e se surpreenderem, tirando a reacção do Madara e a resposta do Hashirama que pareciam duas crianças a apontarem o dedo uma a outra. Minato transformado não se parece com o Naruto é igualzinho a ele. Logo no início do capítulo o Kishimoto também deixou uma ideia de que Naruto pode acabar ficando no final com a Sakura, principalmente pela comparação com a Kushina, pensava que a questão já estava arrumada, depois da situação HinataxNaruto há alguns capítulos atrás, mas parece que não, de qualquer maneira desde que isso não se torne o foco do manga tanto faz com quem ele ficar.

 

Há algumas semanas/meses atrás já tinha comentado que Sasuke Hokage era algo válido tendo em conta o que tinha sido apresentado na conversa entre ele e os Hokages, mas claro que para isso teriam de ter sido feitas muitas alterações na forma como o Kishimoto apresentou toda a fase Shippuuden. Porque tendo em conta tudo o que foi feito pelo Kishimoto não faz o menor sentido, na verdade o que faz ainda menor sentido é o Sasuke sequer sentir na obrigação de gritar que quer virar Hokage, ao estilo Naruto e Luffy, não combina com a personalidade dele, mesmo que a personalidade do Sasuke seja a coisa mais dúbia que o Kishimoto já fez no manga. Resumindo pior cena do capítulo e candidata a uma das piores cenas do manga, não pelo significado, mas por não fazer o menor sentido na maneira como foi feita.

 

Por fim, apesar de tudo o que comentei acima não dá para deixar um sorriso aparecer no rosto ao ver o time 7 novamente reunido, apesar de que a Sakura está ali a mais, ou melhor está longe de estar ao mesmo nível de Naruto e Sasuke, sendo esse mais um exemplo de algo que podia ter sido melhor planeado depois do time-skip, não que a quisesse ver com extremamente forte, mas pelo menos algo mais parecido com Orochimaru, Tsunade e Jiraya. De qualquer maneira bastante interessado nos próximos capítulos.

 

 

One Piece 709:

 

Odeio quando fica a ideia, verdadeira ou não, que um mangaka deixa a página mais importante, ou pelo menos a mais impactante, normalmente página dupla, para o fim e depois acaba ficando sem tempo e entregando a página parecendo um rascunho. Praticamente foi isso que aconteceu com a página dupla deste capítulo, o que deveria ser o momento do grande soco do Elizabello II ficou como uma página dupla por acabar, ou então nível Togashi de preguiça.

 

De resto, final do bloco B, com um festival de eliminações neste capítulo, por um lado é bom que o Oda tenha dado destaque a um personagem novo, neste caso o Blue Gilly, mas por outro ficou estranho ser logo ele, esperava mais do Ricky, mas tendo em conta as suas últimas palavras ainda deve de aparecer. O Bellamy acabou sendo derrotado facilmente, apesar de que ainda fiquei com a ideia que numa luta 1 contra 1 ele só perderia mesmo para o Bartolomeu, de qualquer maneira o Bellamy ainda serviu para um dos grandes momentos do capítulo com o Luffy a torcer por ele, dando a ideia que o mais provável é o Luffy e o Bartolomeu acabarem-se enfrentado mais há frente no torneio e que o Bellamy acabará sendo importante no arco.

 

 

Gostei de ver que afinal o incrível soco real do Elizabello II realmente faz efeito, mas claro que ele tinha de perder e nesse aspecto ser derrotado pelo Bartolomeu e a sua akuma no mi foi uma excelente escolha, momento que também deu origem a outro bom momento do capítulo com o Bartolomeu salvando os espectadores, enquanto se salvava a si próprio, já agora está certo que o organizador do torneio é o DoFlamingo, mas alguma proteção para os espectadores não era pedir muito. Bartolomeu venceu e fiquei curioso sobre quem é essa pessoa para quem ele irá dar a akuma no mi caso vença, Yonku ou o Oda surpreende? Seria um enorme plot twist ele ser alguém importante no grupo do Dragon.

 

Por fim, espero sinceramente que o boneco esteja a enganar o Franky, seja a mando de quem for, é muita coincidência o Franky dar logo de caras com alguém que também quer derrotar o Flamingo e Dessrosa. A principio o Oda agora irá dar uma pausa do torneio para dar uma vista de olhos pelo que o resto dos mugiwaras estão a fazer, seguindo essa ideia de bloco a bloco indo dando pausas no torneio, o que acho ser uma boa ideia. Pena é que One Piece estará duas semanas ausente, mas resta esperar e desejar as melhoras ao Oda.

 

 

Vagabond 305-307:

 

Já o tinha dito na altura que começaram a sair capítulos do manga depois do longo hiatu do Inoue, mas volto a repetir, Vagabond é um manga muito melhor lido capítulo a capítulo sem qualquer pressa do que no formato maratona, que querendo ou não sempre parece que se quer chegar ao fim para ter o manga em dia e acaba-se perdendo essa parte mais filosófica de Vagabond e também não apreciando tão bem a arte.

 

Antes do regresso de Vagabond do hiatu a grande ideia que tinha de Vagabond é que era um manga que valia em 90% pela sua arte, o que por si só já chegaria para ser considerado um dos melhores mangas de sempre, mas agora nesses capítulos mais parados e dedicados principalmente há introspeção do próprio Musashi antes da batalha final dá para ver que Vagabond está longe de ser apenas a sua arte, mesmo que esse sempre seja o seu maior trunfo.

 

Também por isso mesmo com o manga vindo de um enorme hiatu e no regresso continuar sem adiantar a história, não me importo realmente dessa fase de introspeção, até porque convenhamos não é todos os dias que se vê um manga que consegue trabalhar tão bem o psicológico de um personagem, presenciando uma retrospectiva da vida pelo próprio Musashi. Além disso não esquecer a batalha do Musashi com a água e tudo o que isso significa, não só para ele, mas como também para a batalha que se segue contra o Kojiro, representado pela água.

 

Resumindo Inoue fazendo o que sabe fazer melhor.

 

 

Restantes Mangas:

 

Baby Steps 10:

Continuação da primeira partida do E-chan, que como seria de esperar é completamente dominada pelo adversário, mas claro o E-chan aprende depressa e no final do capítulo houve mais um desses momentos surpresa, de qualquer maneira acredito que o autor sabe o que está a fazer e igual ao primeiro “game” apenas será uma surpresa momentânea.

 

Fairy Tail 331-332:

Nada a comentar sobre o 331, o fanservice fala por si. Já no 332, é a vez do Laxus dar a sua opinião: “Natsu, você só pode estar de sacanagem comigo”.

 

Gin no Saji 64-65:

Bons capítulos, seguindo a história do Komaba, que deve ser o destaque do arco, ou pelo menos de boa parte dele. De resto teria feito mais sentido dar a página colorida do capítulo 65 ao 64, já que o arco de Inverno começou no 64. Sabia que Gin no Saji ia ganhar anime, mas fiquei surpreso por ser na Fuji Tv, obviamente não é nos horários de One Piece ou Sazae-san, mesmo assim deve acabar ganhando bastante pelo anime passar no canal mais visto do Japão, mesmo com o horário.

 

 

Green Blood 24:

Capítulo de transicção que marca o fim da estadia dos irmãos em Cinco Pontos e a partida em busca da vingança, ou seja a primeira parte do manga. O mangaka fez o que tinha a fazer, conseguindo fechar os principais assuntos por resolver na cidade e agora é ver o que o futuro reserva para o manga. E como sempre a arte não desilude, como essa imagem acima bem o mostra.

 

PS: Já li o 25 e 25, mas deixarei para a próxima semana.

 

One Punch-Man 30:

Acabaram não sendo 100 páginas, mas acho que se fossem iriam dar ao mesmo, pelo menos o Murata não colocou mais uma cena em sequência, que volto a dizer é um dos pontos fortes do manga, mas não pode ser usado sempre e de preferência quando for usado que seja para benefício do manga e não apenas porque sim. Seja como for 61 páginas e a sensação que fiquei foi que podiam ser apenas 20 que a diferença seria pouca, ou nenhuma, sendo ainda mais evidente quando se olha para o final do capítulo, tantas páginas, acho que seria de esperar uma conclusão da batalha entre o tritão e o Sonic. De qualquer maneira tirando esses aspectos, foi mais um capítulo razoável de One Punch-Man, mas espero sinceramente que a história ganhe um foco.

 

 

Shokugeki no Souma 22-23:

Uma das maiores qualidades do manga é a sua incrível estabilidade, como tudo tem capítulos melhores que outros, mas no geral Shokugeki no Souma tem tido uma média bem estável e melhor que isso, degrau a degrau ou capítulo a capítulo, fica a ideia que a qualidade vai aumentado, algo não muito habitual num manga shounen e muito menos sendo um echi, onde a tendência é exactamente o contrário.

 

Mas sobre os capítulos, começo de um novo Shokugeki, desta vez focado na melhor amiga do protagonista, infelizmente ainda tivemos muita choradeira por parte da personagem, mas esperando que a última página do capítulo 23 signifique uma mudança definitiva na personalidade dela e por consequência excelentes próximos capítulos.

 

Toriko 233-234:

O principal defeito destes capítulos nem está nos próprios capítulos em si, mas sim no final do 232 e no seu super exagerado cliffhanger, que como o 233 mostra e o 234 comprova está longe de ser coerente, o Shimabukuro tenta chocar o leitor e funciona no 232, pena que para isso acaba baixando o nível desses dois capítulos, já que Toriko e Starjun estão a lutar de igual para igual, diferente do que foi mostrado no final do 232.

 

Sobre o 233 foi bom, mas no lugar errado, acho que dava para guardar perfeitamente essa retrospectiva da parceria entre Toriko e Komatsu para um momento mais importante, fora que veio do nada e sem grande motivo para acontecer. De qualquer maneira bons capítulos e esperando que a luta valha a pena, no 234 pelo menos deu indicio que sim.

 

Em relação às “cenas gays”, o bromance já há muito que é uma caracterista do manga, o melhor exemplo disso é dar para contar as personagens femininas pelos dedos de uma mão. E a cena entre o Toriko e o seu alter-ego tendo em conta a maneira como a cena está a ser representada faz todo o sentido eles estarem nus.

 

 

Ranking:

1ºKuroko no Basket
2ºVagabond

.

3ºGin no Saji
4ºGreen Blood
One Piece
6ºBeelzebub
7ºToriko
8ºShokugeki no Souma
9ºBaby Steps

.

10ºNaruto
11ºOne Punch-Man
12ºBleach

...

13ºFairy Tail

 

 

Os espaços entre alguns mangas significam a minha própria distribuição dentro próprio ranking, ou seja, Kuroko e Vagabond como claramente os melhores da semana, seguidos por todo aquele grande grupo 2 que já bastante perto em termos de qualidade. Também pode mostrar em muitos casos a minha incerteza, por exemplo esse mesmo grupo 2 me deu bastante dor de cabeça, acabou ficando dessa maneira, mas as posições podiam estar bastante diferentes que ainda veria como algo válido.

 

Igual na semana passada Kuroko no Basket acaba beneficiando dos vários capítulos comentados no mesmo post, o manga não foi perfeito, mas tendo em conta o resto da concorrência e o final excelente de jogo não tenho qualquer dúvida em relação ao primeiro lugar. Também sem dúvidas em relação a Vagabond, que continua excelente nos seus capítulos de introspeção.

 

Nos últimos capítulos do arco de Outono não gostei muito da história de Gin no Saji, mas este início do arco de Inverno tem melhorado a história do Komaba, então dentre algumas dúvidas acabei colocando Gin no Saji em terceiro. Green Blood finaliza o sua primeira parte e finaliza bem. One Piece tem um bom capítulo, mas o momento actual mais lento pode não ser um bom indicio para os próximos capítulos, esperando que não.

 

Beelzebub estaria melhor caso tivesse apenas comentado sobre a parte do Himekawa, mas deixa uma boa promessa para as próximas semanas. Toriko podia estar melhor, mas tendo em conta o capítulo anterior a estes dois acaba ficando desconexo e cliché demais, seja como for deixando esse fantasma para trás deve voltar a ter bons capítulos nas próximas semanas. Shokugeki teve alguns altos e baixos, de qualquer maneira acredito se tudo correr bem na próxima semana estará num lugar bem alto. Baby Steps com um capítulo de transição se calhar acaba ficando mais baixos do que deveria, mas nada a fazer.

 

Agora outra coisa a comentar, relembrando que por tempo indefenido parei a leitura de alguns mangas que ocupavam normalmente os últimos lugares do meu ranking, logo, ainda para mais sem ter lido Nisekoi nesta semana, acaba sendo normal capítulos nem por isso tão maus quanto isso ficarem tão abaixo, pelo menos tão perto de Fairy Tail, isto para dizer Naruto, Bleach e One Punch-Man não tiveram capítulos horríveis, mas dentro os mangas que comento sem dúvida foram os piores.

 

Sobre Fairy Tail, só tenho a dizer que o manga está pior do que nunca, ainda para mais depois de alguns capítulos que davam a impressão que no mínimo o manga podia ser interessante.

publicado por Dark-Fenix às 16:26
Domingo , 14 de Abril DE 2013

Opinião Semanal #66

 

Já fazia um tempo desde que saiam dois posts em duas semanas seguidas, esperando que seja para manter. Sobre o novo formato que tinha mudado na semana passada, realmente ficou muito mau, mas a ideia passa para esta semana, só que em vez de tudo junto voltei a dividir os comentários individualmente, a diferença ao habitual é que agora não estará por ordem decrescente, mas sim por ordem alfabética, pelo menos nesta semana, ainda não decidi se será sempre em ordem alfabética, tem as suas vantagens e desvantagens.

 

De resto este é um post com menos mangas que o habitual, isto derivado do nº alto de mangas que deixei de ler, em pausa diga-se, na semana passada, isso também afectando a parte do ranking em si, já que vai deixar Fairy Tail e Nisekoi ainda mais no fundo do que o habitual. Nesta semana não houve nenhuma adição ao post, mas para a semana já deve ser adicionado pelo menos 1, adiantando já que é mais um manga de boxe, mas com uma grande vertente musical. Outros mangas da Fuji para fazer companhia a Dorohedoro também devem ser questão de tempo até aparecerem por aqui.

 

Assassination Classroom 37:

 

Antes de mais de destacar que já se passaram 4 meses desde que o Duro de Matar deu o prazo de um ano para destruir a Terra, com isso pode-se afirmar que mais ano e meio/dois anos e já se terá o tão esperado dia. E tendo em conta esses cálculos, posso dizer que o autor não está a ir nem rápido nem lento, agora uma coisa tenho a certeza, já se passaram 4 meses, ou seja 1/3 do tempo, e no que toca à relação professor/alunos, ainda pouco foi desenvolvido, pelo menos para os leitores, já que no manga em si a relação até parece existir, o problema é que isso não foi construído ao longo dos capítulos.

 

Sobre o capítulo, se quisesse resumir e criticar apenas por criticar, diria que é um filler. Mas de outra perspectiva, mesmo sendo filler, esse capítulo, como outros do género, são mais que necessários, para poder construir os personagens, neste caso o Sugaya. E além de desenvolver o personagem em questão também ajuda a desenvolver o resto da turma, de certa forma o mesmo do jogo de basebol, havia um personagem em destaque, mas todos os outros acabavam ganhando, alguns mais outros menos, com isso. Agora que fique claro isso só funciona se não cair no mesmo erro de Nisekoi, ou seja capítulos filler atrás de capítulos filler, sem desenvolver a trama principal.

 

 

Bleach 533:

 

Sinceramente não sei o que comentar sobre Bleach, e isto deve-se novamente ao facto de que o capítulo pouco ou nada andou. O flashback está interessante? Não vou dizer que não, mas essa lentidão mata completamente a leitura. Só tenho a dizer, que é estranho ver o Isshin adulto e a Masaki com a idade do Ichigo, sabendo que vão ter um relacionamento e que flashback de Bleach sem Urahara e Aizen em destaque não é flashback.

 

 

Dorohedoro 72:

 

Confesso que esperava algo além de um massacre, até porque tendo em conta que estamos a falar de Dorohedoro, manga que dá a perspectiva de cada um dos lados em disputa, é sempre complicado ver dois lados que se conhece entrar em guerra até à morte, ainda para mais sabendo que um lado não tem qualquer hipótese. Além disso morte em Dorohedoro é bem relativo, apesar de que isso funciona mais para o lado do grupo do En, já que têm a Kikurage.

 

Também achei que o capítulo terminou de maneira bem estranha, já que o último quadro não deixa a ideia de que o capítulo realmente terminou, resumindo final abrupto, mas junto desse final senti a sensação de, “quero ler mais/já acabou?” Algo que não podendo ser levado à letra ainda significa que o trabalho está sendo bem feito.

 

 

Fairy Tail 327:

 

Pena o capítulo não ter terminado com a chegada dos dragões, podem ter a certeza que o comentário aqui, e o ranking mais abaixo, seriam totalmente diferentes, com mais 13 páginas pela frente acabaram aparecendo os habituais momentos irritantes de Fairy Tail e com isso o hype caindo a pique. Para quem ficou feliz com o Natsu sendo derrotado no capítulo anterior, repito agora e ainda com mais convicção, ele derrotar o Rogue do futuro deve ser questão de tempo.

 

De qualquer maneira, DRAGÕES! Pena que parece que não vai haver viagem no tempo, pelo menos a curto prazo.

 

 

Green Blood 23:

 

Depois de alguns capítulos e principalmente de algumas decisões que mais faziam parecer que Green Blood era um manga shounen, o manga redime-se neste capítulo, finalizando o arco e diria a primeira fase do manga, pelo menos neste momento. O grande momento sem dúvida é o enforcamento do chefe dos Grave Diggers, em especial a maneira como o povo reagia aos seus últimos momentos na Terra, ou seja mal, isto para um homem que mesmo não escolhendo os melhores meios sempre quis o melhor para aquele sítio e para aquelas mesmas pessoas.

 

Agora deve-se seguir a vingança do Brad contra o seu pai, o que sinceramente tenho receio, principalmente por causa do design e do caracter shounen do Edward King, como bem representa a página dupla desse capítulo. Por fim apenas destacar a última página, onde o autor segue, de certa maneira, a ideologia do Togashi, só que em vez de colocar a descrição numa página de fundo preto, faz o desenho do personagem na forca, o que se pode dizer neste caso, que foi mais do que bem executado.

 

 

Haikyuu 35-37:

 

Antes de mais achei bem interessante a maneira com que o autor escolheu para começar o capítulo 35, ou seja dando a perspectiva de um outro grupo ao saber quais seriam os seus adversários no torneio. Apesar de que a escolha podia ser melhor, dando destaque a uma equipa mais forte, mas aí já estou vendo o autor a fazer o cliché de menosprezar os Corvos, então será mais uma daquelas questões de e se, onde não há uma escolha certa.

 

Sobre o resto dos capítulos, como seria de esperar, já que igual a Kuroko o forte de Haikyuu está longe de ser o relacionamento entre personagens, a fase de preparação antes do torneio, ou mesmo entre jogos, foi curta, servindo na sua maioria para apresentar um relativamente largo grupo de equipas. Sendo que nesse aspecto a arte do autor não ajuda em nada em tentar se relembrar das caras dos personagens.

 

O capítulo 36 foca-se na personagem feminina, ganhando até mesmo página colorida, apesar do foco do capítulo nela, a personagem em si ainda parece bastante deslocada de todo o manga e até mesmo da própria equipa, sendo reflectido na própria página onde os veteranos da equipa chorão, e os novatos ficam sem saber o porquê de tanto entusiasmo, e aí não falo apenas dos personagens Kageyama e Hinata e as suas personalidades clichés de não ligar ao sexo contrário. Resumindo espero que aquela situação sirva para mais tarde ou mais cedo o autor explicar como ela se juntou ao clube mesmo sendo tão tímida e tão distante dos próprios jogadores.

 

No capítulo 37 algum destaque aos veteranos e nos dois protagonistas, na verdade no geral toda a equipa teve o seu espaço nem que seja pela página dupla onde os corvos chegam para meter medo na concorrência. No fim a chegada da equipa que os eliminou no ano passado. Por fim um aparte, a personalidade do Asahi cada vez mais me irrita, principalmente porque ainda faz mais lembrar da diferença entre os mangas de hoje com os de antigamente, ou no geral entre os mangas de hoje e a realidade. Eles são colegiais, não é ele que está deslocado, mas sim todos os outros que parecem alunos do ginásio ou mesmo do fundamental.

 

 

Kuroko no Basket 118-120:

 

A maioria das pessoas, mesmo no Japão, devem ler os capítulos quando saem na Jump, comprando a revista ou lendo pela net e depois, só depois disso, é que compram os volumes, então o que vou dizer acaba sendo bem “tanto faz”, mas achei interessante e ao mesmo tempo estranho o volume 14 começar com um capítulo onde o foco acaba indo para todos menos os personagens da Geração dos Milagres e ainda para mais na única aparição que o Aomine teve foi totalmente derrotado, única vez até ao momento.

 

No 119, achei toda a cena envolvendo a disputa entre o Aomine e o Kuroko extremamente exagerada, ainda não pior do que o primeiro jogo contra o Midorima, mesmo assim chegando perto desse nível, algo que acaba sendo amenizado no final do capítulo com as piadas habituais do autor, em que destaca esse momento, mesmo assim começando a me preocupar com o futuro do manga, no que diz respeito aos exageros.

 

Por fim, o que mais gostei desses capítulos foi ver algumas reacções por parte do Kuroko, que durante todo o manga sempre foi um personagem bem apagado, e no capítulo 120 o Kuroko mostra desespero por não conseguir derrotar o Aomine. E aí novamente digo, que o Aomine é sem dúvida alguma o melhor personagem da Geração dos Milagres, excepto o Akashi que ainda não mostrou a que veio, que melhor serve para mostrar algo além do normal, a derrota no jogo anterior, a desforra neste combate, o que o Kagami mostrou no capítulo 117 e agora o Kuroko, isso é algo que não vejo sendo possível, pelo menos bem feito, num jogo contra Midorima, Kise e principalmente Murasakibara.

 

 

Naruto 627:

 

Naruto seria o contrário de Green Blood, enquanto Green Blood enquanto seinen tem algumas atitudes de shounen, Naruto como shounen de vez em quando saí com algumas frases impactantes, que parecem muito melhores do que o normal nível do manga, não que isso se aplique apenas a Naruto, Bleach por exemplo deve ser o rei nisso. Seja como for, o que quero dizer é que nessa conversa inicial, por um lado tivemos os habituais clichés nas conversas entre personagens do manga ou coisas do género da cara de amuo do primeiro hokage, mas ao mesmo tempo saiam frases como; “Tudo foi feito para nada”, “É irónico, que o shinobi que mais partilhou do seu ponto de vista seja um Uchiha”, o comentário do segundo sobre os uchihas, a retrospectiva do legado do terceiro como hokage ou a excelente página dupla.

 

Sobre a resposta do Sasuke, como tinha dito nos comentários, era impossível com tudo o que o Kishimoto tinha desenvolvido desde o time-skip e principalmente nestes últimos capítulos a resposta ser outra, o que não torna imediatamente o momento mau. Foi um excelente momento, sem dúvida um dos melhores do Sasuke nesta segunda fase, a resposta pode ter sido a esperada, mas tudo o resto que a resposta implica está longe de o ser, deixando o manga bem imprevisível a partir deste momento.

 

O problema deste capítulo veio depois dessa página, com todo o mundo parecendo fazer uma festa digna da Guarda Real de Bleach, e apesar da página dupla final impactante, não dá para deixar passar que não faz lá muito sentido eles fazerem um desvio até à montanha, apenas para pousar para a fotografia em cima das suas próprias caras. Para a próxima semana não há Naruto, a maioria está dizendo, logo agora que isto estava bom é que o Kishimoto pausa, eu penso o contrário, e já o disse várias vezes, se é para pausar o manga, pelo menos que termine bem.

 

 

Nisekoi 67-69:

 

Igual ao arco da mãe da Chitoge, Nisekoi consegue um bom arco no meio de tanto filler. Apesar disso nada de especial a comentar já que mesmo nas situações mais interessantes, onde parece que finalmente a relação vai sair do sítio, o mais provável é que acabem não significando nada.

 

PS: Com a saída da maioria dos mangas que habitualmente ficavam nos últimos lugares do meu ranking, vai ser normal ver Nisekoi mal classificado, Nisekoi também irá servir para separar Naruto e One Piece, caso esta maneira de postar se tornar fixa.

 

 

One Piece 705:

 

Não tenho comentado muito sobre o Caribou, mas continuo interessado na história das capas, só não faço ideia é no que isso vai levar. De qualquer maneira esperando sinceramente que o Oda dei algum spoiler através dessa história de capas, por exemplo, era genial se ele desse a ideia que o Kaidou estaria em Dessrosa, ou tivesse mandado alguém para o torneio, ou algo do género, apesar de que duvido que isso aconteça.

 

Achei interessante o Oda ter escolhido este momento para dar destaque aos outros acontecimentos paralelos ao torneio, tinha dúvidas como ele iria fazer a troca entre os vários grupos, mas acabou usando este capítulo como forma de intervalo, entre a fase de grupos do torneio. O grande problema foi que em 1 único capítulo o Oda mostrou um monte de personagens ao mesmo tempo, quase que batia o nº de acontecimentos paralelos por episódio em Game of Thrones. Para quem está a pensar, sim critiquei a falta de acontecimentos em Bleach e o excesso em One Piece, como na maioria dos casos no meio está a virtude.

 

Outra cena genial é o nome do capítulo, “Maynard, o perseguidor”. Maynard esse que derrota facilmente um pirata de 68 milhões de recompensa e mais tarde acaba sendo derrotado com a mesma facilidade pelo Bartolomeu, ou Barto Romeu como já vi chamarem e até acho que faz mais sentido. O velho que apareceu no bar serviu de inspiração para as mais derivadas teorias, indo desde o homem da estátua ao Fujitora, o Oda acabou escolhendo o Fujitora, não seria a minha escolha para Almirante, até porque ainda não tinha aparecido anteriormente na história, apesar disso só o tempo dirá se foi uma boa escolha.

 

Acontecimentos rápidos por parte do resto dos mugiwaras e pelo Kinemon e filho, que cada vez mais fazem parte do grupo. E desde já digo, odeio o Monosuke, e exactamente por odia-lo é que torço para ele continuar no bando. Sobre os restantes, personagem misterioso no barco, Sanji se dando bem, Kinemon capturado, Zoro quase descobrindo quem são as fadas e mais importante, o grupo do Law encontrando a CP0. Confesso que não gostei muito dessa primeira aparição da CP0, já que diziam que a CP9 era a mais forte, de qualquer maneira isso pode ser contornado facilmente com um simples, foi criada nos últimos dois depois do fracasso da CP9.

 

 

One Punch-Man 27:

 

Este capítulo de One Punch-Man foi o total oposto do capítulo de Dorohedoro, tanto um como o outro acabaram de forma abrupta, mas enquanto em Dorohedoro queria continuar a ler, em One Punch-Man já não senti essa sensação, apenas que senti, “não faltam aqui páginas?” Antes de passar às minhas outras criticas ao capítulo, a última página, tirando o polvo, fez-me lembrar automaticamente do Tsunami, fica a questão será ainda cedo para um manga recriar um tsunami num manga?

 

De qualquer maneira, não foi só nisso que achei o capítulo bem abaixo da média, era esperado que agora o Saitama ganhasse o respeito do povo e subisse nas classes de super-heróis, ok, aceito que isso não tenha acontecido, mas para isso também era preciso uma outra maneira de construir a história, bastante diferente dessas últimas 30 páginas deste capítulo. Outra coisa, foram 30 páginas que bem podiam ter sido reduzidas em 10, na maioria dos casos o Murata tem aproveitado bem o facto de que sendo um manga online não precisa de um nº de páginas fixas, mas de certeza este capítulo não foi um desses casos, neste caso menos seria mais.

 

 

Shokugeki no Souma 14-16:

 

Na Jump, uma revista a curto prazo principalmente para os novatos, acaba sendo normal esses mangas onde tudo acaba sendo extremamente exagerado, vejo isso por exemplo em Kuroko no Basket que o nível de exagero disparou a um nível altíssimo logo no jogo contra o Midorima, mas o autor soube travar a tempo e manter um nível equilibrado de exagero, pelo menos até ao actual jogo contra o Aomine. Isto para dizer que Shokugeki no Souma exagerou e parece que vai seguir esse caminho, e isso funciona a curto prazo, mas a longo prazo será assim tão benéfico? De todo não e Yakitate Japan que o diga, e vale lembrar que Yakitate Japan foi publicado na Sunday, revista que mesmo mangas também sendo cancelados, tem uma margem de erro muito maior, logo essa fase excessiva de exagero só começou realmente a afectar o manga a partir da fase da Copa Mundial.

 

De qualquer maneira deixando essa introdução de lado, bons capítulos, Shokugeki no Souma continua interessante e esse acampamento foi uma boa maneira de adiar as inevitáveis repetições o máximo possível, o que na Jump sem dúvida se torna uma vantagem. Apesar de ter gostado não tenho muito o que comentar, dispensava o outro personagem andar sempre despido, boas páginas coloridas e duelo interessante, em contra partida, Shokugeki no Souma é mais um manga onde não é fácil relembrar da cara dos personagens.

 

 

Toriko 229:

 

Como digo sempre, odeio quando Toriko, ou qualquer outro manga, tem uma excelente página colorida e a Jump simplesmente prefere estragar o máximo possível o que o autor fez de bom com toda aquela poluição visual que a página colorida dupla tem, e sim é dupla. Além disso, já que estou a comentar sobre a página colorida, já comentei sobre isso, mas é pena, nesse aspecto, o Shimabukuro já ter moral na Jump o suficiente para quando ganha destaque na revista só fazer a página dupla colorida, e deixar de lado a 3º página a que tem direito. Isso é algo que respeito no Kishimoto por exemplo, apesar de que ele quase sempre usa as páginas coloridas para destacar ainda mais o Sasuke.

 

Sobre o capítulo sinceramente não gostei e achei bastante fraco mesmo, por dois principais motivos. Primeiro, as situações exageradas em Toriko na maioria das vezes funcionaram bem, mas neste caso em particular não achei que tivesse funcionado de todo, é porque toda aquela situação do raio infinito e do personagem imortal que irá morrer por toda a eternidade além de cliché é apelação demais, fazendo lembrar da morte do Garilick ou Garlick Jr. em Dragon Ball Z, só que no caso o personagem foi sugado para dentro do vazio.

 

O segundo ponto é mais uma coisa bem normal em Toriko, que é a maneira como o Shimabukuro narra a história, em Toriko parece haver um narrador que conta um pouco de tudo, muitas dessas coisas que já estavam óbvias, ou naquela excelente definição de uma imagem vale mais que 1000 palavras. De qualquer maneira, isso é algo que dentro dos possíveis o leitor se habitua, mas no caso deste capítulo o autor exagerou, já que além do narrador, ainda colocou o Branch a explicar, só porque sim, as suas técnicas, deixando várias páginas cheias de falas. O que poderia não ser uma critica, caso isto não fosse um capítulo dedicado ao final de uma batalha.

 

Seja como for, esperava uma primeira luta do Branch no manga um pouco mais interessante, até porque o personagem desde a sua primeira aparição que me deixou com a impressão que podia chegar ao nível de carisma do Zebra, e aqui ficou bem aquém disso e de muito mais.

 

 

Ranking:

1ºOne Piece
2ºGreen Blood
3ºNaruto
4ºDorohedoro

5ºHaikyuu
6ºAssassination Classroom
7ºKuroko no basket
8ºShokugeki no Souma
9ºToriko
10ºOne Punch-Man
11ºFairy Tail
12ºNisekoi
13ºBleach

 

Fiquei na dúvida entre dar o primeiro lugar a One Piece ou a Green Blood, acabou sobrando para One Piece, preferindo beneficiar a consistência de One Piece ao excelente final de um arco inconsistente de Green Blood, o mesmo se aplica a Naruto, e aos seus altos e baixos, reflectindo mesmo nesse capítulo. Seria a altura certa para Dorohedoro ficar novamente em primeiro, mas o capítulo podia ter sido muito melhor. De qualquer maneira esses 4 sem dúvida foram os melhores da semana.

 

A seguir seguem-se 4 mangas que foram as minhas maiores dúvidas em relação ao ranking, acabou ficando assim, mas qualquer maneira de listar os 4 estava para mim de bom agrado, já que no geral estão os 4 ao mesmo nível, com alguns ligeiros pontos positivos e negativos de cada um.

 

Os últimos 5 foram para mim os mais fracos, mas neste caso, mais fácil de rankear, Toriko teve um capítulo fraco, mesmo assim é sempre um manga no geral de qualidade. One Punch-Man quase o mesmo. E nos últimos 3, Fairy Tail podia ter ficado melhor rankeado, mas até que me mostre uma melhora consistente sempre manterei um, ou mesmo os dois, pés atrás antes de elogiar. Nisekoi teve um arco melhorzinho, mas continua sem surpreender e Bleach está uma lentidão que mata qualquer leitura.

publicado por Dark-Fenix às 21:56
Quarta-feira , 27 de Março DE 2013

Opinião Semanal #64

 

Finalmente saindo o post, peço desculpa pela ausência nas últimas semanas, mas desta vez acredito que coloque tudo em dia, já tenho todos os posts da tocs em atraso preparados, só falta o desta semana e colocar as imagens nos outros.

 

Era para colocar mais um manga no post, mas acabei adiando para a próxima edição, se tudo correr bem. Sobre os que estão nesta edição, a maioria dos que comentarei são os que estavam no ranking da primeira vez que reuni os mangas para fazer o post, logo ainda nada de Kuroko, Shingeki no Kyojin e Kiruko-san, e estou atrasado em Beelzebub, Dorohedoro e qualquer outro capítulo que não apareça no post. Também sem Cromartie High School, só li os restantes capítulos hoje, então só no próximo.

 

Sobre os lugares no ranking, só tenho a dizer que tive várias dúvidas sobre o top3 e que não tenho 100% sobre a maneira como distribui os 3 mangas.

 

20ºFairy Tail 322-324:

 

Os capítulos 323 e 324 até foram razoáveis, dentro do que Fairy Tail pode oferecer, mas o 322 muito provavelmente deve ser o pior capítulo de sempre do manga e sobre isso só tenho uma coisa a dizer, que me irrita bastante ver um mangaka destruir um manga que tinha potencial e mesmo assim lhe dedicar tanto trabalho, afinal foram 14 páginas extras, dentro delas 3 coloridas e isto sendo que o Mashima raramente folga.

 

 

19ºRouruni Kenshin 4:

 

Nem foi tão mau, mas já perdi totalmente o interesse nesta versão.

 

 

18ºKoi Suru Edison 1:

 

Apesar da má classificação, devo dizer que fiquei com uma boa impressão do manga, o que foi apresentado na primeira página pode muito bem funcionar, juntar Thomas Edison, um parafuso e uma personagem completamente maluca, está aí uma premissa com total cara de gag manga, além disso o manga vem realmente como todos os mangas gags deveriam vir, com poucas páginas.

 

Apesar dessa boa impressão inicial, todo o resto do capítulo não me conquistou, um dos motivos foi a maneira como o “poder” da protagonista foi usado, a primeira impressão é que conta e em vez do autor usar esse primeiro capítulo para apresentar algum poder mais interessante, e quem sabe logo desde aí começar a fazer referencias como fez com Dragon Ball num dos próximos capítulos, acaba usando esse poder em cenas forçadas e bem exageradas, o que sendo gag até poderia ser um elogio, mas não é.

 

O manga estreou mal na Jump e o mais provável é se tornar um novo fracasso do autor. Seja como for que pelo menos traduzam até ao capítulo que o manga faz referência a Dragon Ball.

 

 

17ºNanatsu no Taizai 8-9:

 

Ainda acho estranho ver um gigante no grupo principal. De resto os capítulos acabam focando no novo personagem dos Sete Pecados Mortais, que numa cena ainda mais cliché do que no capítulo 7, saí da cela, e no capítulo 9 ainda consegue a proeza de cortar o cabelo e fazer a barba, com a espada do adversário, no meio de uma batalha, essa nem o Eduardo Mãos de Tesoura faria.

 

 

16ºBleach 529-530:

 

Só eu que achei estranho a maneira como o Kubo introduziu o flashback? É porque tendo em conta o capítulo anterior, e a lógica, o flashback deveria ser contado pelo Ishin ao Ichigo, mas o Kubo decidiu colocar entre o capítulo anterior e o início do flashback neste uma conversa entre o Renji e um dos membros da Guarda Real, então fica a ideia que a história está a ser contada por ele ao Renji, o que não faz lá muito sentido. De qualquer maneira na página seguinte o Kubo relembra a quem realmente o flashback pertence, então pode ser resumido a uma interrupção sem sentido e propósito por parte do Kubo, como ele gosta de fazer.

 

Uma outra coisa que já me incomoda há algum tempo, e que acabei não comentando no post de retorno do blog, é esse membro da Guarda Real ter criado as zanpakutos, mas aí entra a idade e a velocidade a que os shinigamis envelhecem, quem sabe ele não acaba sendo mais velho do com que se parece, até porque senão estou em erro eles já as usavam há 1000 anos atrás. Seja como for não acho que fosse preciso haver alguém que criou as zanpakutos e muito menos o criador parecer mais novo que o Yamamoto.

 

Sobre o flashback, começo com o típico humor do Kubo, pelo menos desta vez com menos destaque que o normal, e por fim Aizen, porque nunca poderia deixar de aparecer, fica a questão se isso será positivo ou não, esperando para ver e torcendo para que valha a pena. Também de mencionar que tudo o que vai ser mostrado agora teria ficado muito melhor encaixado se o Kubo tivesse seguido o que os fãs queriam e tivesse criado o Turn Back to the Pendulum II e já agora também teria ficado melhor se não fosse mais um motivo para adiar tudo o que o Kubo deixou pendente nas semanas/meses anteriores, ou seja nomear o flashback com o nome de um dos arcos que melhor funcionou em Bleach, coloca-lo na altura certa, que de certeza não era esta, e se calhar ter um assunto um pouco mais abrangente que a família do Ichigo.

 

 

Sobre o que aconteceu no 530, a maioria dos mangas shounen, e não só, acabam sempre batendo na tecla dos protagonistas sempre terem um pai famoso, e as mães também, além disso também fazem uma série de coincidências familiares que deixam quase todos os personagens da história em família. Os exemplos são mais que muitos, na verdade o mais difícil é encontrar exemplos do contrário, de qualquer maneira Bleach está levando isso para um nível quase imaginável, com o Ichigo pertencendo a todas as raças possíveis, mas não bastava ele ser parte quincy, ele tinha de ser logo familiar do Ishida. Seja como for, também não é algo que nunca tenha passado pela cabeça da maioria dos leitores.

 

A última página poderia colocar o manga mais elevado, mas prefiro esperar para ver o que vai acontecer.

 

 

15ºWorld Trigger 4-5:

 

Sabem aquele ditado “falem bem ou falem mal o que interessa é que falem”? A partir dessa expressão saiu esta outra, “para ter sucesso ou tem de ser muito bom ou muito mau”, essa última frase é mais usada para se referir a cantores. O que isso tem a ver com World Trigger? É que World Trigger não se encaixa nem numa nem noutra, World Trigger nem é muito bom nem muito mau, mas pior que isso a maioria das pessoas não falam bem e mesmo a ideia geral estando mais virada negativamente, também não há quem fale muito mal.

 

Isto para dizer novamente que World Trigger não é a pior coisa do mundo e quem sabe com tanto manga para cancelar, ou a fazer hora extra, na Jump o manga não possa acabar sobrevivendo, mas a falta de sal, o que em mangas se resume a uma arte apelativa, personagens carismáticos e história interessante, mata completamente o manga, simplesmente porque World Trigger não é mau, mas existem outros 500 iguais e melhores.

 

 

Sobre os capítulos, até ao capítulo 3 o manga realmente tinha-se focado mais em diálogos em vez de lutas e até estava a achar isso interessante, mas depois nesses 2 capítulos World Trigger foca nas batalhas. O que me lembra, principalmente pela estrutura dos capítulos, dos capítulos 2 e 3 de Hungry Joker, que coincidência ou não também tem o seu melhor momento no final do par de capítulos, Hungry Joker com a viagem e World Trigger com os personagens que aparecem no último quadro.

 

PS: Não que eu acho que World Trigger tenha mostrado muita coisa para ser comparado de imediato com Bleach, há mangas muito mais parecidos tanto com um como com o outro, mas é difícil não comparar com Bleach depois do autor ter feito o maior cliché do Kubo, cortar braços aos personagens.

 

 

14ºBeelzebub 195:

 

One Punch Man versão Beelzebub.

 

PS: Ainda não li os capítulos seguintes.

 

 

13ºNisekoi 59-63:

 

No capítulo 59 foi publicado o resultado do concurso de popularidade, sem grandes surpresas, confirma o que tinha sido publicado há algum tempo, que a maioria dos leitores de Nisekoi era do sexo masculino. Apesar da Kirisaki na maior das vezes ter mais destaque no manga, personagens do estilo da Onodera raramente perdem, ainda para mais no Japão. De destacar o maluco que mandou 1500 votos para a Marika.

 

Sobre esse arco, até que foi bom, nem que seja por criar algo além de capítulos aleatórios sem nada que mude algo no Universo do manga, mesmo que no que diz respeito ao tema principal, continue tudo na mesma, até porque o próprio autor fez questão de ser dessa maneira, já que tocou no assunto no final do arco, mas foi mais uma vez apenas para dizer, “ainda não me esqueci”.

 

 

PS: Esse é provavelmente o melhor quadro de todo o manga.

 

 

12ºOne Punch Man 25:

Onepunchman-robo

 

Foi genial? Foi, mas chega né Murata. Essas sequencias sem dúvida acabam sendo um diferencial interessante e original do manga, mas essas páginas devem ser algo para ser visto como um bónus e não algo que aparece em todos os capítulos. De qualquer maneira no próximo capítulo parece que a história volta a andar.

 

 

11ºAssassination Classroom 33-35:

 

Vou-me acabar repetindo, e se calhar sem grandes motivos para isso, de qualquer forma lá vai. Assassination Classroom continua bem e recomendasse, mas ao mesmo tempo disso também parece que estabilizou, não no sentido de o autor não ter boas ideias, mas sim porque ainda não conseguiu surpreender de verdade, ainda não mostrou nada que não tenha feito no primeiro capítulo.

 

Seja como for sobre este arco do jogo de basebol, foi uma boa escolha por parte do autor, porque acaba, em poucos capítulos, focando em vários personagens da turma E, e não só, dessa maneira dando destaque aos alunos, para os leitores se importarem mais por eles. Apesar disso sem dúvida algumas decisões podiam ter sido diferentes, está certo que a fase inicial com os jogos entre as turmas não tem muito interesse, mesmo assim ficou estranho o autor passar logo para o jogo final, mas aí se calhar teria sido mais proveitoso se a turma E tivesse sido incluído na fase inicial e não apenas como bónus.

 

 

No capítulo 34 a turma E acaba ficando por cima do jogo, sem dúvida acaba sendo de certa maneira forçado pensar que uma turma onde apenas 1 teria lugar na equipa de basebol, tenha conseguido surpreender a equipa da escola. Apesar disso até que faz sentido se treinar-se com bolas a 300km/h é óbvio que bolas a menos de 150km/h não seria grande coisa e apesar de não entender muito de basebol, os mangas do Adachi não ajudam, essa história dos Bunts funciona, principalmente se no final o último batedor fizer um home run. Seja como for acho que era possível fazer toda a cena sem tanto exagero, mas aí se calhar o arco não ter apenas um jogo ajudaria, novamente.

 

Por fim, está sendo um bom jogo, mas tendo em conta toda essa história da turma dos rejeitados, tenho bastante receio que o autor acabe exagerando e fugindo para os clichés, uma derrota por pouco seria se calhar a melhor opção, mas também depende de como o autor quer desenvolver o resto do jogo. E como sempre o Duro de Matar não desilude, mesmo quando o seu papel no manga se resume a ser uma bola de basebol, reacções épicas para o personagem que leva o manga do momento nas costas.

 

 

10ºGintama 423:

 

Já li o capítulo há umas semanas atrás então vou ser rápido, a ideia é boa, e fez-me lembrar do famoso filler de Dragon Ball em que o Goku e o Picollo aprendem a conduzir, só que em Gintama é a escola de ninjas. Apesar da boa ideia, achei que o desenvolvimento acabou ficando aquém, mesmo assim mais um bom capítulo de Gintama.

 

 

9ºShokugeki no Souma 8-10:

 

Comentando apenas desses porque não tenho a certeza se os outros capítulos que tenho aqui para ler já enceram o próximo “Shokugeki” do manga e prefiro não ficar a meio, até por isso ainda não os li. De qualquer maneira sobre estes 3 capítulos, o 8 acaba finalizando a introdução do Dormitório Estrela Polar, no 9 é explicado o que é o Shokugeki e no 10 o primeiro desafio do Souma, de forma resumida Shokugeki no Souma continua sendo cliché, mas ao mesmo tempo consegue se manter interessante, e novamente digo o manga poderia facilmente funcionar sem o fanservice, mesmo que em alguns casos acabe sendo um extra interessante.

 

Tendo em conta o que foi mostrado no capítulo 9 e 10 o mais provável é o manga não seguir propriamente para a ideia de uma escola normal, mas sim se basear bastante nesses duelos entre os personagens, mas só dará para ter uma ideia daqui mais a um tempo, quando o manga realmente se estabilizar e se ter uma ideia mais sólida do futuro.

 

 

Por fim, a referência a Ashita no Joe, dessa maneira Shokugeki no Souma acaba entrando para uma lista já bem longa de mangas que homenagearam Ashita no Joe, sendo que Shokugeki no Souma sem pudor lembrou logo a lendária cena. Não sei se proposital ou não, mas quando o cabelo dele foi cortado ficou bem parecido com o Ryu, da Espada de Madeira.

 

 

8ºGreen Blood 20-22:

 

Inicialmente, quando só tinha lido o capítulo 20, o manga era para ficar em segundo no post, e realmente merecia pelo óptimo final do capítulo, mas os outros 2 acabaram se não estragando tudo, pelo menos estragando uma boa parte do trabalho final do capítulo 20. Mas aí entra o que já tinha dito antes, a facilidade, e não no sentido positivo, em que o autor troca os momentos sérios do manga pelos momentos battle shounen.

 

O capítulo 20 é o exemplo de como isso pode beneficiar o manga, já que passa de um momento que lembra de Samurai X e a sua metralhadora, para uma excelente página dupla e um final excelente e impactante. Já o 21 é o inverso, passa de toda essa situação tensa para o “vilão” perdoando o Brad e o Luke, aí pedia-se um pouco mais de coragem ao autor, de parte a parte, tanto do Luke como do líder dos Grave Diggers.

 

A história entre o pai do Brad e o líder dos Grave Diggers também roda o cliché, de qualquer forma esperando aqui que o Edward se vire para o Luke eventualmente no manga e diga a mítica frase, “Luke i’m your father”. Já agora será que o Edward acaba tendo o mesmo fim do Edward Stark?

 

 

7ºBaby Steps 6-9:

 

Infelizmente parece que a Elite Scans vai paralisar o manga por tempo indeterminado, logo no meio do primeiro jogo do E-chan, mas reclamar do quê, quando eu tenho Ahiru no Sora parado há uma eternidade. De qualquer maneira sobre o que interessa, o capítulo 6 finaliza a disputa entre o E-chan e o Takuma, finalizado da melhor maneira, mesmo que pelo meio o Takuma tenha arriscado um bocado, já que com a bola indo cada vez mais perto, sempre havia a possibilidade do E-chan se sair melhor que o esperado e ter um golpe de sorte, de qualquer maneira finalizado com o Takuma mostrando superioridade, como tinha de ser.

 

Nos outros 3 capítulos o foco é o primeiro jogo oficial do E-chan, jogo esse que também acaba sendo como o esperado, apesar de achar que o E-chan está a evoluir demasiado depressa, mesmo que combine na perfeição com a sua personalidade perfecionista, e o capítulo 9, com o início do jogo, é o melhor exemplo disso, ele no que trata de rebatar o serviço já está num excelente nível, já que treinou até há exaustão, mas na simples técnica de serviço ele ainda é um total iniciante, como ele bem diz, dentro do tempo de treino que teve ter um serviço assim ainda está dentro da média.

 

Para concluir, esperando que a Elite Scans volte com Baby Steps, que o E-chan acabe tendo um bom jogo, mas que sem dúvida perca.

 

 

6ºOne Piece 701-702:

 

Antes de mais, boa mudança de ares na história de capas, que já fazia algum tempo que estava bem tanto faz, agora esperar como será as futuras aventuras do Che Guevara de One Piece.

 

Sobre o 701, como acaba sendo normal em One Piece, os primeiros capítulos numa nova ilha pouca coisa acontece, mesmo que o Oda sempre coloque algum mistério no ar, isso basicamente resume como foi o capítulo 701. Chegada à ilha, os mugiwaras já se começam a separar, o Oda mostra as bizarrices da ilha, neste caso brinquedos, e por fim novo personagem misterioso. Capítulo simples, mas bom, de destacar também os grupos completamente desproporcionais, os mais fortes foram no grupo do Luffy, e os que sobraram foram no grupo do Law e a proteger o navio acabam ficando os mais fracos, lá ver no que isso vai dar.

 

 

Sobre o 702, achei estranho o Zoro deixar a guarda em baixo e lhe roubarem uma das espadas, de qualquer maneira é algo que dá para aceitar, tanto pela desatenção ser um personagem forte como pela possibilidade de isso acabar dando em algo excelente no futuro é grande. A partir daí o grupo ainda se separa mais, e com isso o Luffy acaba ficando sabendo sobre a akuma no mi do Ace e juntando isso ao facto do Oda já ter apresentado o torneio pela Mera Mera no Mi dá para dizer que pelo menos por agora, o Oda está andando relativamente rápido, o que é bom para o manga.

 

Sobre o torneio, não pensava que o Oda iria colocar algum torneio no manga, pelo menos não algo além do que fez no arco do Dave Back Fight, mas sem dúvida se era para colocar um torneio em One Piece esta era a altura certa, ou melhor dizendo não havia lugar melhor que na ilha do DoFlamingo e ainda para mais tem um prémio bem interessante. Agora esperar que “Os melhores, dos melhores, do Novo Mundo” não sejam apenas personagens randoms, porque senão o torneio vai acabar se virando muito para mugiwaras vs bando do DoFlamingo e isso não será propriamente um torneio.

 

 

PS: Infelizmente não fui eu que o encontrei, mas olhem aí o Pandaman.

 

 

5ºMolester Man 2-3:

 

Igual a Gintama já faz um tempo que li e isso acaba não sendo benéfico para sair um comentário melhor, de qualquer maneira no caso de Molester Man o pior não é não me lembrar ao certo do porquê de ter gostado ou não do capítulo, mas sim porque ao ler o capítulo tinha alguns pequenos detalhes para comentar e que agora não me lembro.

 

Também de dizer que é bem provavelmente que durante esta experiência, que deve ser relativamente curta, de ler Molester Man, acabarei comparando muito com Densha Otoko, o Homem do Comboio, pelas parecenças entre as duas histórias, só dizendo isto porque querendo ou não acabarei sempre comparando os dois, que fique claro também as comparações nunca serão para idolatrar um em demérito do outro, pelo menos essa nunca será a intensão.

 

 

Sobre os capítulos, dois excelentes capítulos, em especial o segundo, até porque o terceiro quase pareceu um filler. O autor preferiu dar apelidos aos personagens e sinceramente gosto dessa escolha, até porque numa história curta como é o caso Molester Man o nome dos personagens não importa realmente muito, então porque não generalizar a história, e no caso especifico de Molester Man, de Densha Otoko também, isso ainda faz mais sentido.

 

Uma coisa que estou a sentir falta em Molester Man e que é um dos grandes atrativos de Densha Otoko, é as reacções das pessoas ao ler a história do protagonista na internet, que de certa forma acaba representando os leitores que estão lendo a obra, mas o que Molester Man perde por isso acaba ganhando na dupla de protagonistas, onde tudo parece que flui melhor, principalmente nos momentos em que ele tenta falar algo bonito e ela acaba respondendo apenas, sim, acho que sim.

 

O capítulo 3 como disse acaba parecendo um filler, já que pouco adianta à história, de qualquer maneira foi um bom capítulo

 

 

4ºDorohedoro 68:

 

Ainda não li os outros dois capítulos que saíram, por isso vai ser um comentário curto. Capítulo pós morte do En e como seria esperado é um capítulo para ver como o mundo reagiu ao que aconteceu, capítulo simples, que se limita ao necessário e sem pressa, dar destaque aos membros do grupo do En, em especial ao Fujita, já que foi ele que encontrou o En.

 

 

3ºToriko 225-227:

 

Antes de mais essa página que abre o comentário de Toriko deveria ter apenas os dois personagens num fundo preto, o Shimabukuro ou usava essa página mais à frente no capítulo ou tirava o próprio símbolo de Toriko da página, que para todos os propósitos deveria servir como capa do próprio capítulo, seja como for excelente página.

 

Curiosamente o meu atraso em lançar o post acaba apanhando exactamente os capítulos da luta entre o Tommyrod e o Sanny, com o Shimabukuro mostrando como se cria uma boa luta num manga shounen. Coincidência ou não, mas também seguindo a ideia de 3 capítulos, princípio, meio e fim, com o Tommyrod “saindo por cima” no final do capítulo 225, o Sanny no 226, e o ataque final no 227. Entre aspas porque a luta dos dois foi sempre bem equilibrada e apesar do Tommyrod parecer sair por cima no capítulo 225 a ideia final que fica é a superioridade do Sanny.

 

 

No meio da luta o Shimabukuro também aproveita para jogar ainda mais exagero no seu próprio manga, com o cabelo do Sanny sendo capaz de matar o planeta Terra, será que o Mundo Gourmet não irá chegar para o Shimabukuro? Parece que eles os 4 acabarão ganhando novos poderes por causa da genki-dama lançada no arco anterior, esperando para ver o que acontecerá com os outros 3 Reis.

 

Por fim, o Shimabukuro mostra a terceira facção, que já estava mais que na hora de aparecer, afinal o manga estava ficando muito OIG vs Bishokukai, e haver apenas um vilão acaba não sendo uma solução viável. A traição do Zaus já era esperada, senão para eles para a Bishokukai, também alguns outros personagens relativamente importantes no grupo, agora espero alguma entrada um pouco mais surpreendente no futuro. Para concluir, se o manga continuar assim sem qualquer dúvida estamos perante o melhor arco do manga.

 

 

2ºHaikyuu 29-33:

 

Os atrasos no Opinião Semanal acabam prejudicando uns e beneficiando outros, Haikyuu está no segundo grupo, já que o atraso faz com que o meu comentário saía sobre todo o jogo entre os corvos e os gatos, em vez de ir dividindo o jogo nas últimas semanas. Ainda antes de comentar sobre os capítulos, acabo sempre surpreso em como Haikyuu com tão pouco consegue ser, ou parecer ser, tão bom, numa comparação com o futebol Haikyuu seria como o Málaga este ano na Liga dos Campeões, no meio de tanto monstro do futebol, uma equipa modesta consegue chegar aos 8 melhores do ano, ou mais especificamente para os portugueses seria o Paços de Ferreira, que ainda mais modesto luta este ano por uma vaga no playoff da Liga dos Campeões.

 

Mas sobre os capítulos, é basicamente o que tenho vindo a comentar ao longo do último ano, Haikyuu está cheio de clichés, de pequenas coisas irritantes, de pequenos exageros de personalidade, mas depois na altura que tem de mostrar qualidade não falha, os melhores exemplos nesses 5 capítulos seriam, o final do capítulo 29 e do 30, a página colorida dupla do capítulo 30, com a referencia a animais que espero que venha a ser usada mais vezes ao longo do manga, a maneira como eles perdem o segundo set, mas principalmente pela ideia deixada ao longo de todo o jogo, que no início eles pareciam uma boa equipa, mas no final ainda tem de melhorar bastante.

 

Ou seja melhor momento do manga até ao momento e que continue assim que vai longe.

 

 

1ºNaruto 623-624:

 

Até sair o capítulo 624 não tinha qualquer dúvida que colocaria Naruto em primeiro, de qualquer maneira decidi manter Naruto em primeiro na mesma, mesmo que Toriko ou Haikyuu fossem dois grandes vencedores na mesma. O 623 fez exactamente o que tinha de fazer, um capítulo que vi como o melhor deste flashback, simplesmente porque em poucas páginas faz o que o Kishimoto raramente conseguiu fazer, principalmente nesta segunda fase do manga, na relação entre o Naruto e Sasuke.

 

O único ponto fraco é o final extremamente forçado, mas como reclamar quando faz pouco mais de um mês a Academia atribuiu o óscar de melhor filme a um filme que também teve um final a beirar o cliché? Só um aparte Argo não era o melhor, mas mereceu e esse final em nada estraga tudo o que foi feito de bom no resto do filme. Resumindo, em Naruto foi a mesma coisa, sim foi cliché, mas não destrói tudo o que o autor fez de bom no resto do capítulo.

 

 

Se no 623 o Kishimoto mostra a relação deles como crianças, no 624 mostra a relação deles já adultos, e não sei se por aí já se pedir uma maturidade extra, mas esse capítulo já não foi tão bom quanto o anterior ou os restantes do flashback, e aí destaco dois problemas. O primeiro, percebi que a ideia era em dois capítulos mostrar duas realidades diferentes, mas enquanto essa velocidade rápida funcionou no 623, o 624 acabou prejudicado por ser rápido, e segundo dá para desculpar atitudes como a do final do capítulo em crianças, mas adultos? Aquele final foi forçado, mesmo assim dando o benefício da dúvida.

 

 

Ranking:

1ºNaruto
2ºHaikyuu
3ºToriko
4ºDorohedoro
5ºMolester Man
6ºOne Piece
7ºBaby Steps
8ºGreen Blood
9ºShokugeki no Souma
10ºGintama
11ºAssassination Classroom
12ºOne Punch Man
13ºNisekoi
14ºBeelzebub
15ºWorld Trigger
16ºBleach
17ºNanatsu no Taizai
18ºKoi Suru Edison
19ºRouruni Kenshin
20ºFairy Tail

publicado por Dark-Fenix às 23:50
Terça-feira , 26 de Fevereiro DE 2013

Opinião Semanal #62

 

Antes de mais, abaixo deste post está já o anterior que fiz na semana passada, quando regressei ao blog e vários post sobre os óscares incluindo os resultados. Sobre este acabou atrasando um pouco, amanhã já saem os novos mangas da Jump, mas melhor agora do que voltar a fazer uma edição dupla.

 

Como tinha comentado, há algumas alterações, ou seja a partir deste post em diante a cada semana vou escolher alguns mangas e capítulos para comentar mais acerca deles, já os outros, a maioria, terão um comentário curto. Não serão sempre os mesmo mangas em destaque e nem sempre os que estão mais acima ou abaixo no post, os escolhidos são os que têm mais destaque, que têm algo de importante para comentar ou então para recapitular alguma coisa importante, início/final de arco por exemplo. Caso queiram ver um manga em especial com um comentário mais largo, peçam nos comentários, caso veja necessário irei dar destaque no post seguinte.

 

Dessa maneira, poderei comentar sobre mais mangas e sobretudo sobre mangas de melhor qualidade, já que o meu foco nos mangas da Jump, comentando sobre praticamente todos eles, estava acabando por deixar o post muitas vezes com mais capítulos fracos que bons. A ideia é destacar por semana entre 5 a 10 mangas, dependendo de vários factores pode ser menos ou mais, mas 90% das vezes deve ser entre 5 e 10.

 

No post em si, estreia de World Trigger e Molester Man, regresso de Rouruni Kenshin Kinema-ban, Gintama, Vagabond e Deadman Wonderland, comentando sobre os one shots de Nisekyuu e After School Idol. Já spoilando o meu próprio post, Dorohedoro foi de longe o melhor manga da semana e fica aqui novamente a recomendação.

 

 

23ºFairy Tail 319-320:

 

Gajeel ganhou como seria de esperar, alguma curiosidade para saber o que é a sombra e esperando que o Mashima ande de vez com este torneio. No 320, o Mashima até desenvolveu um gancho para um possível próximo arco de Fairy Tail, com os 4 magos em destaque, mas o pior do capítulo foi mesmo o gancho de esquerda do Laxus, resta ver como o 5º grande mago irá perder, ou será que o Mashima surpreende e o Laxus perde?

 

 

22ºKiruko-san 8:

 

Imaginem PSI tentar-se manter comédia ou continuar com a ambiguidade do seu plot tendo mais que um personagem com poderes, acabaria tirando a mística de apenas haver um, praticamente é a mesma coisa com a chegada dos amigos da Kiruko, o pouco de comédia que resultou no manga foi à custa da ambiguidade da Kiruko, havendo 3 torna tudo mais normal do que deveria ser.

 

Além disso mantenho a crítica que fiz no primeiro capítulo para um manga virado para comédia o manga tem muitas páginas. E com isso o que a Jump decide fazer, dá páginas extras, se serve de alguma coisa é por isso que ainda não li o 9 e o porquê de estar em penúltimo esta semana.

 

 

21ºRouruni Kenshin Kinema-ban 2-3:

 

Contínua aquela ideia que o mangaka não está a assumir grande compromisso com esta nova versão, criando-a só porque sim e para ganhar algum dinheiro sobre o manga da sua vida, já que nos últimos 15 anos não conseguiu criar algo de real sucesso. Percebe-se que ele tenha de mudar alguns acontecimentos para não alongar demasiado o manga, mesmo assim está tudo muito no “porque sim” ou no “porque não” e sem qualquer lógica.

 

Volto a comentar essa arte que ele assumiu principalmente em Busou Renkin não beneficia em nada Rouruni Kenshin, na verdade nem em Busou Renkin beneficiava. Entretanto acabei lendo o 3 e também fiquei com a impressão, se calhar pela necessidade de ser mais rápido, que até mesmo a nível de roteiro o mangaka está mais fraco.

 

 

20ºDeadman Wonderland 52:

 

Em si até não foi um capítulo mau de todo, se não tivesse havido hiatu estaria de certeza mais alto, mas para um capítulo pós hiatu tão longo seria esperado algo melhor e alguma introdução rápida para situar o leitor não teria ficado nada mal, mesmo que não tenha sido preciso muitas páginas de leitura para me recordar.

 

PS: Uma página colorida também não ficava nada mal.

 

 

19ºWorld Trigger 1-2:

 

Este manga tem tanta falha, que vou começar pela sua única qualidade, que é não querer ser mais do que realmente é, os dois capítulos em momento algum mostram o manga e o mangaka se achando mais do que realmente são, que é apenas um manga razoável e isso é benéfico, ainda para mais se pensar-se em Hungry Joker, que chegou se achando que era isto e aquilo e no final de inteligente não tem nada.

 

Mas isso é o mangaka, porque nem nisso a Jump ajuda, se calhar por pensar que foi por causa disso, não quererem ser mais do que são, que Kurogane e Takamagahara foram cancelados e vendo que World Trigger iria seguir o mesmo caminho, que os editores logo na página colorida dupla chamam o mangaka de génio, sendo que o máximo que o mangaka fez foi ter um manga na Jump que durou mais de 20 capítulos. Publicidade enganosa é motivo mais que bom para leitores deixarem de ler o manga e eu digo que da primeira vez que peguei no manga para ler desisti logo ao ver essa frase.

 

Agora os pontos negativos, a ideia da história é batida, desde histórias mais parecidas como Tokko, a mangas que seguem o mesmo padrão, mas de outra maneira, como Bleach. Na verdade se pensar-se bem até Digimon entraria nesse lote, resumindo o que não faltam por aí são exemplos. Mesmo assim essa é sempre um daqueles plots que podem funcionar deste que o resto do roteiro ajude, o que até ao momento não é o caso de World Trigger.

 

 

O manga, e principalmente o primeiro capítulo, foi totalmente cliché, a introdução até foi o melhor, mas quando começa a apresentar os personagens tudo parece um efeito de bola de neve até ao final do capítulo, onde a bola de neve torna-se uma avalanche. Começando pelo nerd típico, passando pelo personagem estranho que aparece com o seu bichinho de estimação, que claro que tem de passar logo pelo ritual dos, nada clichés, rebeldes da turma, só para mostrar o seu estilo. Depois piora, o nerd é derrotado vergonhosamente, mesmo que depois mostre ser um membro da Border e a criança esquisita mostra ser ainda mais forte salvando-o de um Naver. E para fechar com chave de ouro o que melhor do que ser totalmente obvio? Acredito que não tenha sido só eu que desde a primeira aparição dele que juntou 1 + 1 e deu 2.

 

E o último defeito, para quê a overdose de “3” no manga e principalmente no capítulo 2? O capítulo poderia ter corrido muito melhor sem isso, mas só conseguia pensar nessa cara dele durante toda a leitura, e agora olhando as imagens por alto novamente até foram bem menos do que estava a imaginar, e olhem que continuam a ser muitas. Tudo o que é demais enjoa, essa é uma das regras fundamentais para criar uma boa história.

 

Para concluir, World Trigger até pode funcionar, o tema é batido e a arte é genérica, mas se apanhar um bom público pode funcionar, mas sendo sincero não vejo um manga como World Trigger durar muito na Jump. Vale lembrar que o manga está a ser publicado pela Jump Alpha, que desde que começou a serializar novatos da Jump acertou em cheio no que vai ser cancelado.

 

 

18ºKurogane 43:

 

Praticamente igual a Deadman Wonderland, nem está assim tão mau, mas de forma resumida fiquei afastado do blog durante mais de 2 meses e quando volto apenas 1 capítulo, isso mata completamente a leitura, além disso foi mais um capítulo de introdução. O manga já foi cancelado e só espero que as scans terminem o manga.

 

 

17ºBleach 527:

 

Gostava de saber o que passou pela cabeça do Kubo para decidir dividir o capítulo em duas partes totalmente distintas, ou melhor provavelmente sei exactamente o que ele pensou, tendo em conta que a segunda metade pode ser facilmente resumida como o Kubo tentar surpreender e acabar sendo mais cliché do que se tivesse seguido o óbvio, acredito que o mesmo se possa dizer da primeira parte, onde ele sabiamente, só que não, decide mudar na melhor parte, como ele tanto gosta de fazer e raramente funciona.

 

A pergunta mantém-se, qual o sentido de ter hypado o Rei se demorarão meses para realmente vê-lo? É que se o Kubo seguir o que estou a pensar deve-se seguir um mini-arco com o Ichigo treinando, logo ainda mais tempo sem Rei.

 

 

16ºShokugeki no Souma 6:

 

Capítulo totalmente cliché e neste caso em especifico difícil de dizer que o manga foi cliché porque quis e funciona dessa maneira. De qualquer forma, acredito que seja um deslize e volte a apresentar bons capítulos daqui em diante, Shokugeki no Souma não é um manga que precisa ou necessita de ser cliché, então um pouco menos de exagero só lhe beneficiava.

 

 

15ºNisekyuu One Shot:

 

One shot simples, agradável de ler e que funciona bastante bem para promover tanto Nisekoi quanto Haikyuu, resumindo bom trabalho, mas pouco mais que isso.

 

 

14ºPSI 5:

 

Psi não é um mau manga, bem pelo contrário, o problema é que a sua premissa acaba por se tornar, mais tarde ou mais cedo, aborrecida e repetitiva. E nesse caso, ao contrário de Kurogane, a leitura mais demorada tem ajudado, porque tenho as minhas dúvidas se conseguiria ler 1 capítulo de PSI semana após semana. E aí entro novamente no assunto das páginas em demasia, 10 páginas, ou até menos, seriam o ideal para PSI, o manga já mostrou que deve seguir essa ideia em todos os capítulos, logo menos páginas acabariam sem qualquer dúvida por beneficiar a leitura, porque não cansariam tanto.

 

E só para ficar claro que não estou a criticar PSI ou Kiruko-san apenas porque sim, penso o mesmo de boa parte dos capítulos que li de Gintama, menos páginas não lhe ficavam mal, apesar de que em Gintama funciona melhor já que o manga diversifica mais e sem dúvida tem mais carisma.

 

 

13ºHaikyuu 27:

 

Agora é de vez, jogo pronto para começar e boa execução neste capítulo, desde a parte que o Hinata fica com o nº do seu ídolo, até à página final e mais uma vez à referência entre gatos vs corvos, achava muito bem vindo se o autor no futuro pudesse dar destaque a isso no futuro e não ser apenas para simbolizar este jogo.

 

 

12ºBeelzebub 192-193:

 

Típico capítulo de transição entre o ataque dos inimigos e a preparação de um plano para o ataque, Beelzebub continua bem, mas a cada capítulo que passa parece que a probabilidade do arco acabar de uma forma ridícula aumenta, esperando estar totalmente errado. Há alguém com um contrato de demónio entre os novatos e espero que isso possa significar algum adversário mais ao nível do Oga.

 

No 193 já se começam a movimentar e fica a ideia que o autor vai começar a distribuir poder demoníaco para todo o mundo, lá ver como será, mas já que o autor não quer colocar o manga em rota para o mundo dos demónios claramente tinha de fazer algo para equilibrar os poderes e correndo o risco de perder o fio à meada pelo menos pode sair daí algo interessante. A parte do jogo pedra, papel, tesoura era dispensável.

 

 

11ºAfterschool Idol One Shot:

 

Quem acompanha o blog há um tempo considerável deve-se lembrar que esta era a minha aposta para vencedor da Golden Future Cup, não tendo lido os restantes one shots até ao momento, a vitória de Afterschool Idol continua-me a parecer a escolha mais acertada, mesmo que tenha muitos contras, como a Jump já estar sobrecarregada de mangas de romance e principalmente mangas com uma escola como pano de fundo e a ideia de “já li isto antes”, que salta à vista neste one shot.

 

A história é relativamente interessante e bem desenvolvida, e também com boas possibilidades para o futuro, mas a ideia em si é igual a tantas outras histórias, o único factor de diferença é o protagonista ser cabeleiro, mas não deixa de ser apenas uma ligeira mudança numa história que segue o padrão de tantas outras. De qualquer maneira repito a história é bem desenvolvida e esse é o seu ponto forte.

 

 

Até porque muitas vezes as histórias que acabam passando a barreira inicial de cancelamento/falta de público não são as histórias mais originais, mas as que são bem desenvolvidas, é só olhar para Hungry Joker, ou qualquer outro battle shounen publicado na Jump nos últimos 3 anos, que dá para perceber o porquê de tanto romance e comédia na Jump actual. Por isso dá para ver futuro em Afterschool Idol, as questões que ficam é se o manga poderá sobreviver na Jump com tanta concorrência directa e se as mudanças que irá sofrer lhe acabaram por afectar? Algo que só se poderá dizer quando sair a versão serializada na Jump daqui a uns meses.

 

Acabei destacando mais o pode ou não fazer sucesso na Jump do que a história em si, mas realmente não há muito o que comentar, o protagonista cabeleireiro pode ser um diferencial interessante e a história da protagonista feminina pode ter futuro, isto se não se tornar repetitivo antes, naquela questão de descobrir ou não o segredo. De forma resumida, é um bom one shot, que pode funcionar na Jump, dependendo da maneira como for trabalhado.

 

 

10ºKuroko no Basket Volume 10:

 

Este volume marca o recomeço do manga, por assim dizer, por um lado faz parecer que os outros 9 foram totalmente perdidos já que neste volume se começa de novo uma competição, mas mesmo Kuroko não sendo o típico manga de desporto realista, logo acaba deixando praticamente todos os assuntos fora de campo de lado ou trata-los de uma maneira mais cliché, vejo algumas decisões muito bem tomadas pelo autor nos volumes anteriores e volto a comentar o que tinha dito da última vez, tendo em conta o que o autor mostrou nos volumes anteriores eles perderem na final da Copa de Inverno não seria uma má decisão.

 

Neste volume também uma homenagem à famosa cabeçada do Sakuragi no cesto de basket, que em Kuroko foi recriada pelo Kagami. Apesar de no título dizer volume 10, vou neste post comentar logo sobre todo o jogo com Shutoku, já que não faz muito sentido ficar a meio, ainda para mais porque o resto do volume 11 e o 12 praticamente andam de mãos dadas, algo que comentarei para a semana e actualizar de vez Kuroko no Basket.

 

 

O jogo foi claramente melhor do que o anterior entre as duas equipas, a começar pelo facto do autor não ter exagerado tanto no Midorima como de antes, mesmo que agora ajam mais técnicas extravagantes, pelo menos já estão mais equilibradas. Além disso claramente dá para ver que o autor também está a dar destaque a mais personagens do que no início do manga, agora já parecem mais como uma equipa e mesmo os adversários não se resumem só à Geração dos Milagres.

 

O resultado é que foi um pouco forçado, até porque até onde sei em basquetebol não existem empates, quando termina em empate passam para uma fase de prolongamento, além de que fica estranho eles empatarem, estando mais fortes, com uma equipa que já tinham ganho antes. De qualquer maneira se havia solução para o autor criar um empate sem parecer tão forçado sem dúvida era o lance livre mesmo à beira de fechar o encontro, além de que isso criou alguma tensão, algo que poucos mangas de desporto clichés conseguem fazer.

 

Concluindo, bom jogo, que acabou ganhando ainda mais pontos por ter funcionado melhor do que o anterior e claramente neste momento o autor parece que está a conseguir controlar bem os seus momentos clichés e de puro entretenimento com as fases em que se precisa de criar algum drama. Para a semana vou terminar de comentar sobre os volumes lançados até ao momento, mas vou dividir os comentários em dois, já que o flashback foi excelente, mas o próximo jogo em si foi uma completa desgraça.

 

 

9ºMolester Man 1:

 

Ainda não li o segundo capítulo, de qualquer maneira estreando mais um manga no post, Molester Man é um manga curto, então irá quase garantidamente ser completamente comentado no meu post. É do mesmo artista de Onani Master Kurosawa deixando a história pelo próprio Molester Man e a história contada no 2ch, o famoso fórum japonês.

 

Começando pelo 2ch, não sei ao certo quantas histórias do género já saíram desse forúm, mas no mínimo já são duas histórias reais passadas para o manga que saíram daí, a primeira é essa, a segunda, a mais conhecida, é a famosa história do Homem do Comboio, que provavelmente comentarei no blog futuramente. A história de Molester Man é a história de como um homem foi confundido por um pervertido/stalker, ou na tradução à letra, molestador.

 

O primeiro capítulo é apenas a introdução à história, resumindo tirando a tal cena que ele é confundido não mostra nada demais, mesmo assim sem dúvida deixou-me bem intrigado para saber o que vai acontecer nos próximos capítulos e se for tão entusiasmante como a história do Homem do Comboio (Densha Otoko) acompanhar semanalmente deverá ser uma tortura, no bom sentido.

 

Para concluir, fiquei surpreso por saber que esta história foi publicada antes de Onani Master Kurosawa e só agora aparecer pela net. Só falta comentar sobre a arte, ou falta dela, já que a arte em Molester Man é quase inexistente, com todos os fundos sendo brancos e os personagens muito mal desenhados, está certo que nesse tipo de histórias tanto faz se a arte é boa ou não e no caso de Onani Master Kurosawa até gostei da arte mais fraca, mas como está em Molester Man acaba sendo um ponto fraco, mesmo assim pontos por me deixar intrigado.

 

 

8ºToriko 223:

 

Mais um capítulo dedicado ao hype, desta vez dedicado aos Nitros. Sobre o resto uma aparição rápida do pinguim e o final pode indicar que agora o manga vai se estabilizar e deixar de apresentar novos personagens nesta guerra. Está certo que matar o Livebearer agora seria mais um tiro no pé do que outra coisa, já que era jogar fora um personagem relativamente importante, mesmo assim acaba sendo mais uma daquelas situações onde o autor cria a cena para surpreender e não tem coragem de ir até ao fim.

 

 

7ºGreen Blood 16-19:

 

Bons capítulos de Green Blood, que continua com um roteiro interessante e com uma arte extraordinária. Neste post para não me alongar muito apenas destacando uma coisa que muitas vezes me incomoda não apenas em Green Blood, mas em todos os mangas que li do autor. Já li 4 mangas deles, todos curtos, e por mais que ele tenha um roteiro sério e uma arte extraordinária em algum momento sempre consegue acabar parecendo meio shounen, como alguns personagens ou reacções. Só olhar para o pai do protagonista, igualzinho personagem overpower de battle shounen. De qualquer maneira Green Blood continua bom e recomendasse.

 

 

6ºGintama 418:

 

Apenas comentando sobre o 418, porque ainda tenho de me conseguir actualizar com Gintama, que nos últimos tempos tem tido muitos capítulos lançados, ainda bem, e que com isso acabei ficado totalmente perdido e atrasado. Mas antes de comentar sobre o capítulo, a princípio irei comentar a partir deste em diante e vou tentar ir por arcos, ou seja caso aja capítulos soltos que nem este comentarei separado a não ser que dê para agregar com o seguinte de alguma maneira, caso aja um arco comentarei tudo junto até para conseguir colocar o manga de novo em dia. Entretanto irei lendo capítulos antigos e se haver algum que mereça destaque, como o do arco do Kintoki, logo comentarei aqui eventualmente.

 

Sobre o capítulo, mais um que o autor faz com que se passe todo num espaço fechado, no caso apenas na casa de banho e aí volto a comentar, Gintama se passado para série live-action seria o sonho de qualquer produtor, porque de certeza seria uma série bem barata de produzir, nesses capítulos entenda-se. A ideia é boa, e ainda melhor executada e funciona como uma espécie de crítica, já que nunca se sabe o que os outros fazem quando estão sozinhos. Só achei meio exagerado a cena da peruca, dos pelos no peito e da cauda, que acabam aparecendo do nada no manga, mas como qualquer comédia longa, dá sempre para resetar tudo na semana seguinte.

 

 

5ºNaruto 621:

 

Capítulo de introdução do flashback, sem muito o que dizer, confronto entre Madara e Hashirama e no final um flashback dentro de um flashback. Sobre os personagens enquanto crianças, acredito que aquele com cara de Sasuke jogando pedras na água seja o Madara e o outro o Hashirama, certo? Então qual o sentido do último quadro do capítulo? Que dá a entender tudo totalmente ao contrário.

 

 

4ºAssassination Classroom 31:

 

Bom capítulo de Assassination Classroom, que nem sei se devo de elogiar ou esperar para ver se devo elogiar ou criticar, explicando neste capítulo o autor mostrou claramente que ele sabe dos problemas do seu próprio manga, ou seja tudo o que o Nagisa pensou no capítulo. O que o manga se propõe e no que funciona principalmente é nessa história dos alunos quererem matar o professor e na evolução a curto e longo prazo para que isso aconteça, ou não, dependendo do que o autor está a preparar para esse tal dia. Agora pensando nisso, e até por se tratar de um manga com fundo escolar, teria feito mais sentido ele dar um prazo de 3 anos e não 1, não que isso importe agora.

 

Mas ao longo dos capítulos, o que acontece é novos professores, novos alunos, várias tentativas de assassinato do governo, como o sniper na viagem escolar e agora até mesmo o “irmão” do Duro de Matar, são muitas interferências, o autor trabalha tudo e ao mesmo tempo não trabalha nada e o facto do Nagisa e do Kharma estarem cada vez com menos destaque no manga, fora o resto da turma que raramente aparece em destaque, mostra bem isso.

 

Sobre essa lista de fraquezas, que neste capítulo recebeu vários updates, como o Nagisa disse isso não faz muito sentido de acontecer já que o objectivo eram eles irem aos poucos conseguindo por si próprios se tornar fortes, na verdade já tinha comentado isso na altura que apareceu o sniper, mas agora está mais que evidente. Agora ficam as questões, esse questionamento do Nagisa neste capítulo quer dizer que o autor sabe o que fez de errado e vai mudar? Sabia e foi de propósito? Ou continuará como nada tivesse acontecido? Esperando que seja a segunda e que o Matsui confirme o génio que dizem que é.

 

 

3ºOne Piece 699:

 

Só eu que olhei para essa página dupla e me lembrei logo de Nanatsu no Taizai? Se fossem 7 em vez de 9, então ainda teria ficado mais parecido, de qualquer maneira como sempre boa página colorida.

 

Muito hype, até pela semana de pausa, e afinal acabou não sendo nada demais, não que isso seja errado, na verdade era o óbvio e o mais correcto de fazer nesse momento, até porque o Aokiji nunca foi, e agora muito menos é, alguém que se preocupa em arrumar os problemas dos outros e dessa maneira consegue fechar bem esse arco. Agora dispensava bem aquela cena final do Aokiji, mania dos mangakas de quererem infantilizar personagens.

 

Na segunda parte do capítulo, típico momento de descontração em alto mar, desta vez mais focado em fanservice e desta vez o Oda apelou, ele já tinha feito várias cenas da Nami e da Robin para levar o Sanji e o Broock à loucura, mas esta é provavelmente onde apela mais e onde funciona da melhor forma, muito por culpa do Monosuke, e também do seu pai, que já parecem estar mais que bem ambientados no bando.

 

A terceira e última parte me surpreendeu bastante e acima disso abre ainda mais probabilidades interessantes para o futuro do manga, o Oda agora tem tudo nas suas mãos, possibilidades infinitas para o manga e espero que o Oda acaba escolhendo uma das melhores. O Novo Mundo pedia algo fora da zona de conforto, algo que até agora ele ainda não saiu desde Marienford e se metade do que foi prometido neste capítulo se cumprir está-se perante, finalmente, o reerguer de One Piece, está-me a parecer que o capítulo 700 vai decidir se o manga passa para uma fase superior ou continua no mais do mesmo.

 

Aliança de Law e Luffy, aliança de Kid, Apoo e Hawkins, DoFlamingo já não ser Shibukai e muito provavelmente tudo isto afectará todos os Yonkus, a sério agora só falha se o Oda já não for o que era há 3 anos atrás. Esperemos que se esteja perante o real início do Novo Mundo e que o Oda finalmente cumpra o que prometeu.

 

 

2ºVagabond 304:

 

Voltando a comentar sobre Vagabond, mas tenho as minhas dúvidas de quando comentarei sobre o próximo capítulo, já que as traduções nas scans americanas estão praticamente paradas. De qualquer maneira aproveitar o que se tem, Vagabond e o Musashi continuam numa fase introspectiva, antes do combate entre ele e o Kojiro, para o Inoue poder finalmente concluir o manga. Musashi continua a cuidar do pequeno Takezo, enquanto enfrenta uma pequena batalha contra a chuva, que lhe leva a uma conclusão.

 

Esperando que não demore muito para poder ler os próximos capítulos.

 

 

1ºDorohedoro 62-67/Volume 11:

 

O que mais dou valor numa história, não só manga, mas como tudo no geral é quando acabo totalmente surpreendido, como se o meu cérebro tivesse explodido e não acreditasse mesmo no que acabei de ler/ver. Infelizmente isso tem sido cada vez mais raro, até porque quanto mais histórias se lê/assiste mais raro se torna encontrar algo novo e original, por pouco que seja há sempre uma cota parte do “já vi alguma coisa do género antes”.

 

Para quê essa introdução? Porque foi exactamente assim que me senti lendo esse volume, principalmente o capítulo final, não estava nada à espera do que estava por vir, e não foi apenas uma questão de não estar à espera, mas sim toda a situação envolvida, a reacção e tudo o resto que envolveu o En neste capítulo foi feito na perfeição, todo aquele sentimento de impotência, que mesmo sendo o mago mais poderoso não podendo fazer nada, a falta de reacção pela surpresa e finalizando com aquela já épica cena dele decapitado, fora tudo o resto que a autora trabalhou nos capítulos anteriores e acabaram fazendo todo o sentido nesse último capítulo do volume.

 

Nunca o En tinha sido tão “humano”, no manga sempre foi visto como alguém superior, e do nada vê-se, tão surpreendido quanto nós, pela primeira vez no manga frágil, com medo, com receio e finalmente a sensação de tem de fazer algo, mas que nada pode fazer. E com isso, o manga que até parecia estar numa fase mais calma, cria um plot twist com 1001 opções para o futuro, tornando de vez Dorohedoro como um dos mangas mais criativos e consistentes em publicação.

 

Acabei focando demasiado nesse capítulo, e tendo em conta a qualidade desse pouco importa neste momento comentar sobre os restantes, mas só tenho a dizer que a autora colocou todas as peças no lugar certo antes de explodir a bomba, desde tirar todos os principais da mansão, à história da Kikurage, que claramente teve destaque num dos capítulos anteriores para os leitores relembrarem que ela ressuscita os mortos, logo sendo peça fundamental de todo o futuro que irá sair desse último capítulo.

 

Sem qualquer dúvida, um dos melhores momentos que já comentei no Opinião Semanal e esperando que Dorohedoro continue fazendo o que sabe fazer melhor, ficar melhor a cada volume que passa.

 

 

Ranking:

1ºDorohedoro
2ºVagabond
3ºOne Piece
4ºAssassination Classroom
5ºNaruto
6ºGintama
7ºGreen Blood
8ºToriko
9ºMolester Man
10ºKuroko no Basket
11ºAfter School Idol
12ºBeelzebub
13ºHaikyuu
14ºPSI
15ºNisekyuu
16ºShokugeki no Souma
17ºBleach
18ºKurogane
19ºWorld Trigger
20ºDeadman Wonderland
21ºRouruni Kenshin
22ºKiruko-san
23ºFairy Tail

publicado por Dark-Fenix às 21:56
Segunda-feira , 05 de Novembro DE 2012

Opinião Semanal #48&49 Parte 1

 

Tive algumas dificuldades em escolher os mangas que ficariam entre o 3º e o 7º lugar, então não posso dizer que esteja de total acordo com a maneira final com que essas posições ficaram. Por uma questão de que não é fácil comentar sobre 20 mangas por semana vou deixar de comentar sobre Green Blood e para quem não lê os meus comentários sobre o manga, a sua posição nesta semana nada tem a ver com isso.

 

O meu comentário a Assassination Classroom acabou saindo gigante, já que fugi bastante do assunto dos capítulos, focando na minha opinião sobre o manga, principalmente sobre como vejo esse actual sucesso do manga, o resultado final do que escrevi acabou ficando meio confuso, mas espero que consigam entender o que quis dizer.

 

Relembrando novamente o post inicial é o de cima.

 

11ºAssassination Classroom 14:

 

A popularidade à volta de Assassination Classroom tem aumentado a um ritmo estrondoso, tanto que pelo menos ao nível das tocs já é a melhor estreia desde os celebres mangas que estrearam entre 1996 e 1998, a Jump também já se apercebeu disso e está a apostar forte no manga, dando um destaque gigante ao manga no seu site, resta só saber os números das vendas para poder considerar o manga um sucesso ou um mega sucesso.

 

Mas é em todo esse destaque que o manga tem tido que entre uma questão problemática, é porque por mais que o manga seja bom, tenha um protagonista carismático, tenha potencial e que duvido que a qualidade caia no futuro, a verdade é que mesmo com isso tudo o manga não está ao nível do hype e isso pode não querer dizer nada ou pode querer dizer muita coisa.

 

Que fique claro não estou a agoirar, na verdade o que mais quero como leitor é ver o nascimento do futuro da Jump, algo que nenhum novato mostrou ser possível desde que acompanho as tocs, é comecei a acompanhar as tocs um tempo depois do início de Toriko, mas o que depressa sobe também depressa desce. O exemplo perfeito disso é Double Arts, um sucesso imediato que acabou cancelado do nada, porque tanto leitores quanto autor pensaram que já estava ganho, da mesma forma que muitos já fãs de Assassination Classroom pensam que top3 nas tocs actualmente já quer dizer que o manga é o 3º manga mais popular da Jump, não o é e vai levar tempo para o fazer se realmente o fazer.

 

Assassination Classroom é acima de tudo um manga escolar e como praxe desse tipo de manga é complicado a cada capítulo surpreender na verdade chega uma altura em que o manga tem de estabilizar, afinal se não o fizer acaba-se logo o que o manga pode explorar, outro bom exemplo disso é Nisekoi, começou a com a corda toda e toda a gente falava dele e agora está bem mediano e sem muita discussão há volta do manga, não está mal, mas já não empolga como aquela sequência de capítulos excelente empolgou. Assassination Classroom vai ter sofrer do mesmo, ou melhor, já o está a começar a fazer e a pergunta é, e agora?

 

 

Esses dois capítulos do manga por mais que tenha o carisma do Duro de Matar e dos outros personagens, na verdade nada mais é que o autor a usar o cliché da viagem escolar misturado com o estilo do manga. São dois capítulos normais do manga, que no futuro vão ser importantes para o manga, afinal servem para desenvolver a história e principalmente os personagens, mas não empolgam e mesmo que isso não fique claro agora aos poucos vai acontecendo e com o passar do tempo se manter-se assim os leitores podem pensar que o manga afinal não era tudo isso e acabar abandonando o barco de quem elogia.

 

Para concluir isso é tudo se’s e como disse no início pode querer dizer muita coisa ou pode simplesmente não querer dizer nada, também há a possibilidade de Assassination Classroom do nada seguir fora desses padrões e apresentar capítulos surpreendentes a cada semana. O que quero realmente dizer com isso tudo é que muitas vezes um hype grande não é o melhor, principalmente para um manga como total cara de manga escolar padrão, mesmo que envolva o que seja lá que o Duro de Matar for.

 

Em contra partida esse hype também cria muitos haters e nesse aspecto pode ser que o manga acabe ganhando com isso, porque mesmo parecendo ridículo, essa relação fanboy x hater acaba beneficiando muito Assassination Classroom, os hater vão criticar sem razão e isso vai dar motivos para os fanboys ainda apoiarem mais o manga, sem que deixem o manga cair na situação que Nisekoi está actualmente. Então para quem não gosta de Assassination Classroom e está a ler isto se querem ver o manga cair na toc simplesmente parem de criticar, vão ver que a popularidade do manga vai descer.

 

Caso não tenha feito o menor sentido, três exemplos para fechar isto. Primeiro, Gin no Saji, inicialmente ninguém ligava, ganhou o prémio de melhor shounen já todo o mundo dizia que era melhor que Full Metal Alchemist, passou o hype do prémio e não vejo muita gente a falar do manga, daqui a uns 6 meses a 1 ano deve estrear o anime e volta o anime. Segundo, quem nunca acabou de ler um manga pensando que era a melhor coisa do mundo e mais tarde veio a saber que afinal não era nada demais e já tinham feito igual e melhor? Meu exemplo Death Note. Terceiro, o contrário do segundo ponto, terminar de ler um manga e pensar que desperdício de tempo, mas com o tempo passando se percebendo que afinal o manga era excelente, só não se tinha apreciado, entendido ou no meu caso gostado do final, exemplo Hikaru no Go.

 

Depois de tudo isso já me ia esquecendo de comentar, excelente referência no capítulo 16, e melhor que a referência é a maneira como o autor fez a cena, para quem está a ler o manga agora vai se lembrar logo do que ele está a falar, mas quem ler daqui a uns 5 ou 10 anos de certeza que não se vai lembrar, mas aí está o autor não fez uma referência directa, mas sim uma cena bem aleatória e cenas aleatórias combinam bem com Assassination Classroom.

 

 

10ºGreen Blood 11-12:

 

Depois de colocar o manga praticamente sempre em primeiro e agora colocar em 10º até parece que a qualidade do manga caiu drasticamente, mas não é de todo verdade, mesmo que estes 2 capítulos sem dúvida alguma tenham sido muito abaixo do normal. Isto pro causa do novo personagem, num manga que até ao momento estava a ser bem realista, esse personagem faz um contraste que eu não consigo ver como positivo, já que o personagem tem total personalidade de vilão de manga shounen.

 

Mas tirando esse personagem, a arte continua como sempre impecável e a página dupla final do capítulo 12 foi de certa forma surpreendente e colocou o manga de volta ao nível dos capítulos anteriores. Mas sem dúvida que o facto do personagem em momento algum me ter convencido fez daquele cena menos chocante do que deveria.

 

Para concluir, os posts já estão a ficar extensos demais e preciso de cortar alguns mangas e por isso Green Blood será um deles, acho que já passei a mensagem que o manga é excelente e para comentar mangas do tipo de Green Blood é preferível comentar por volumes ou quando for concluído.

 

 

9ºOne Piece 686-687:

 

Depois de algumas semanas sem acontecer nada de especial nas capas de One Piece, com a história do Caribou a arrastar-se um pouco, a do 687 esta excelente e mostra bem a personalidade do Caribou, que abandona o irmão, mesmo depois de ele o ajudar. E agora fica a questão do que se segue na história do personagem que agora tem o caminho aberto para fazer o que quiser.

 

Uma coisa que o Oda sem dúvida alguma acertou nestes dois capítulos foi em só destacar a luta entre o Zoro e Tashigi contra a Monet, o Oda tem de perceber que a correria tem de acabar e começar as batalhas ou pelo menos algum desenvolvimento e apesar de a correria ainda não ter terminado pelo menos estabilizou por dois capítulos.

 

Os dois capítulos foram bons e voltaram a dar entusiasmo, algo que faltava desde que o Oda tinha tirado uma semana de folga, mesmo assim tiveram os seus erros, no 686 foi toda a aparição do Sanji e dos Marinheiros, por mais que até tenha rido com a cena, foi desnecessário e um anti-climax digno de Fairy Tail. Mesmo assim o capítulo compensou colocando a Tashigi no combate.

 

 

Já o problema do 687 foi a falta de destaque para a Monet, está certo que não se poderia esperar que ela tivesse um grande destaque, já que ficou claro que o Vergo e o Caesar teriam mais destaque e que seriam os verdadeiros vilões desta saga, o problema é que a Monet mostrou muito mais carisma que eles os dois e vê-la a ser derrotada tão facilmente foi algo que me incomodou, agora é rezar para uma boa luta entre o Smoker e o Vergo e que o Luffy acabe rápido com o Caesar.

 

A discussão entre o Zoro e a Tashigi foi tanto um ponto positivo quanto negativo, negativo pelo que comentei acima da Monet, destacou tanto a sua discussão que acabou faltando o destaque para a Monet e para a luta em si, tudo sendo focado na conversa dos dois e no facto do Zoro não atacar mulheres. Por outro lado foi bom ver o destaque sendo o Zoro e a Tashigi, porque trabalhou os dois personagens de uma maneira que há algum tempo o Oda não fazia em One Piece.

 

Agora esperar pelos próximos capítulos e ver se o Oda consegue pelo menos manter a qualidade destes dois capítulos e por favor que parem de correr de um lado para o outro.

 

 

8ºRookies 76-77:

 

 

Finalizando o arco envolvendo o novo personagem e o desenvolvimento do Kawatou como personagem, apesar de capítulos simples, o autor finalizou muito bem o arco e aproveitou para desenvolver ainda melhor do que já tinha feito a personalidade do Kawatou e do próprio Anya que é colocado ao barulho nesses 2 capítulos.

 

Já o tinha dito antes, mas estes capítulos mais virados para os personagens que para o tema do manga em si faz-me lembrar bastante da série Friday Night Lights, que tirando as diferenças óbvias entre mangas e séries e a personalidade do seu protagonista, são bem-parecidos principalmente entre o Anya e o Tim Riggins. Cada um dos dois bons à sua maneira, preferindo Friday Night Lights, mas não dá para não gostar da personalidade do Kawatou e da maneira efusiva como resolve os problemas.

 

Para concluir, espero que o manga agora volte ao basebol, mas gostava que esse personagem não sumisse de vez do manga, até porque teve uma participação grande para nunca mais ser mencionado. E o Anya a cada aparição que faz se torna cada vez mais o melhor personagem do manga.

 

 

7ºACxPSI:

 

Inicialmente quando li sobre esse crossover fiquei meio sem saber o que esperar já que mesmo os dois seguindo um caminho mais gag não via como o Saiki conseguiria igualar o carisma do Duro de Matar, mas entretanto acabei lendo PSI e vi que mesmo que seja complicado igual o carisma também não fica tão atrás assim. E o ponto forte deste crossover é que de propósito ou não o Saiki é que contou a história, fazendo com que o destaque tenha ido para ele, igualando assim com o carisma do Duro de Matar.

 

Uma outra coisa que faz com que os personagens se entendam tão bem são os seus poderes, cada um com os seus poderes, mas no geral bem equilibrados faz com que aquele encontro casual ponha frente a frente dois monstros que podem destruir a Terra facilmente. Além disso o crossover apanha duas características importantes, o facto do Saiki nunca falar, que logo comento mais à frente no post, e a rapidez do Duro de Matar.

 

No geral foi um crossover pequeno, que apanhou o melhor de cada obra e que ficou excelente dando aos fãs de cada uma dessas obras a conhecer a outra.

 

 

6ºToriko 209-210:

 

Um bom exemplo do que tinha dito ao Ever, só que na altura foi, “Só não é erro porque foi o Kishimoto que fez”, agora digo o mesmo só que para o Shimabukuro. Muita gente adorou ver o Teppei “morto” no final do capítulo 208, mas no 209 não reclamou de vê-lo vivo, até percebo já que o personagem é popular e que se tratando de manga shounen, sem ser Hunter x Hunter, era pedir demais. Mesmo assim isso para mim sempre será um erro, uma falha, um defeito ou simplesmente falta de coragem do autor, mesmo que até perceba o porquê do Teppei continuar vivo, só que tirou, não toda, mas muita emoção da cena final do capítulo 208.

 

Agora deixando isso de lado, foram dois capítulos interessantes, o Komatsu finalmente entrou no top100 chefes, directo para a posição 88, não tem anda a ver, mas associe logo a Sekirei, onde a protagonista também tem o nº88, mas que usa esse nº para passar para 8 e ser considerada uma das 10 mais fortes, então fiquei a pensar se o Shimabukuro não vai seguir a mesma estratégia, quando da próxima vez de o Komatsu melhorar o ranking passar logo para 8º, afinal eles não devem demorar muito para entrar no Mundo Gourmet, ou seja até voltarem ele será sempre 88º.

 

 

Curioso sobre o próximo arco, Festival de Cozinha, por outro lado dispensaria o clone do Komatsu, um chega e sobra. E felizmente o Shimabukuro resolveu uma coisa que eu tinha reclamado no inicio do último arco, a facilidade com que o Quatro Bestas tinha destruído os ecossistemas onde o Toriko teve tanta dificuldade, em especial a Pirâmide Gourmet e o Inferno de Gelo, mas com esse alguém por detrás do monstro e ainda para mais com esse alguém parecendo ser alguém que vai ser importante para o manga, já não deixa a cena tão aleatória e exagerada com que tinha parecido na altura.

 

Por fim o que mais gosto em Toriko é a facilidade com que o autor exagera com estilo e qualidade, como a cena da nova faca do Melk. Além disso essas poucas páginas no Mundo Gourmet me fizeram aumentar ainda mais o hype com que estou em volta desse épico momento.

 

 

5ºPSI 2:

 

Nesta semana vou só comentar sobre o capítulo 2, o 3 fica para a próxima edição, já que duvido que o manga comece a sair semanalmente.

 

O que mais gosto de PSI, e que se tinha dúvidas confirmei no capítulo 2, é a maneira como o autor criou o protagonista, ele não fala, tudo o que aparece no manga dito por ele são os seus pensamentos e tendo em conta a proposta do manga isso é muito bem executado. Fazendo até lembrar do genial Oyasumi Punpun, onde o protagonista também não fala, mas nesse manga tudo é levado até um outro nível já que o protagonista mesmo representando um humano é uma caricatura de um pato(?).

 

Mais deixando Oysumi Punpun de lado, dos 3 capítulos este foi sem dúvida o melhor, primeiramente pelo passado do protagonista e em segundo lugar pelo novo personagem Nendou Riki. Novamente o autor na descrição inicial do personagem faz com que se pense que vai inserir novos usuários de PSI ou alguma coisa do género, mas não, ele simplesmente é um idiota sem cérebro. E o terceiro motivo e sem dúvida o mais importante é que foi o único dos 3 capítulos que não me cansou antes do final.

 

 

4ºBeelzebub 178-179:

 

O que mais me irrita em Beelzebub é por mais que tente reclamar do manga e em especial do facto do autor não seguir um rumo, não dá para reclamar quando o autor apresenta capítulos de comédia bons como estes dois e provavelmente o resto do arco. Um arco focado em casais foi uma boa ideia, em especial por causa do Furuichi, que assim pode mostrar o máximo do seu potencial.

 

De resto não há muito mais o que comentar, destacando apenas a excelente cena do Furuichi ligando para a Misaki, a parceira do Furuichi, a pequena, mas carismática, participação da Futaba e o que já tenho comentado anteriormente o Oga estar a ganhar personalidade. Fiquei surpreso do autor não ter colocado o Himekawa para participar, mesmo que também não sinta muita falta dele, já que nunca fui grande fã do personagem.

 

 

3ºHaikyuu 21-22:

 

Mais dois capítulos excelentes de Haikyuu, que continuaram a construção do Asahi, o craque do time, e nesse aspecto o capítulo 21 conseguiu ser quase tão bom quanto o 20, que sem dúvida deverá ser relembrado por um bom tempo como o marco de qualidade do manga. Novamente o autor não se preocupa em gastar um capítulo com um único movimento, porque tendo em conta a carga emocional desse movimento esse destaque é necessário.

 

Já no final do 21 e o 22 o destaque vai para o Hinata, ou melhor para a maneira como ele vê o craque a ter destaque e a sua necessidade de se firmar na equipa. Uma coisa que gosto bastante em Haikyuu são as recordações que os personagens tem quando estão a jogar, isso aumenta ainda mais a carga dramática da cena, vê-se isso claramente nos momentos antes do craque pedir a bola.

 

Agora é esperar que a scanlator americana não atrase novamente o manga, que já está bem atrasado comparativamente ao Japão, o que ainda se torna pior porque Haikyuu tem sido um dos melhores mangas da Jump nos últimos tempos.

 

 

2ºDorohedoro 54:

 

Já saiu o 55, mas tendo em conta que para a semana não vai haver post, não faz sentindo comentar sobre esses dois capítulos e depois comentar sobre um capítulo especial, ou pior ainda um capítulo especial e o início de um novo volume. Antes de comentar sobre o capítulo, t-shirts bem ao estilo de Dorohedoro, apesar de a maioria ser bizarra, se tivesse de escolher uma seria a do Team En, pena que a t-shirt é branca, fundo preto ficava melhor.

 

Sobre o capítulo, só tenho uma crítica e vou já dizer, é que a autora sentiu necessidade de no final colocar algo acerca da história actual, quando este capítulo teria funcionado muito melhor apenas com o passado da Nikaido contado através do Chota, que se não é o melhor personagem do manga anda lá perto. Gosto da maneira como a autora faz fanservice sem parecer o fanservice habitual de manga, já que mesmo com a personagem quase nua e em alguns momentos nua mesmo, coloca a mascara e ainda relembra o tempo todo que mesmo tendo corpo de mulher ainda é o Chota, ou seja um fanservice bizarro por parte da autora.

 

A Nikaido bebé é quase tão carismática quanto a Futaba, de Beelzebub, e o passado dela funcionou muito bem basicamente por uma junção de tudo o que disse anteriormente, por envolver a Nikaido bebé, por ser contado pelo Chota e pelo jeito bizarro de contar a história. Basicamente é o tipo genial e diferente que a autora faz tão bem e que torna Dorohedoro mais único e carismático a cada capítulo.

 

 

1ºKuroko no Basket 36-51:

 

Não tenho qualquer problema, como já o mostrei várias vezes em especial com Reborn, Fairy Tail, Bleach e Naruto de numa semana colocar o manga no top3 e depois coloca-lo entre os últimos, mas não gosto de fazer o contrário, mas vale lembrar que no caso especifico de Kuroko não estou a comentar sobre dois capítulos seguintes, mas sim sobre dois arcos diferentes e aí já é outra história, por isso o penúltimo lugar na última edição e o primeiro nesta.

 

Mangas de desporto escolar têm vários padrões aos quais é impossível fugir, um deles é a primeira derrota no campeonato, e isso é algo que a maioria dos mangakas tem dificuldade em fazer, porque se não falham na altura acabam falhando mais tarde, como Eyeshild21 onde a derrota foi excelente, mas faltou a revanche depois. Além disso uma derrota é sempre algo complicado de fazer, já que apesar de tudo é um manga shounen e em shounen o protagonista tem sempre de ganhar.

 

 

E dito isso esse jogo contra a equipa do Aomine funcionou na perfeição, porque tudo foi feito para eles perderem e melhor do que perderem, tudo foi feito para serem humilhados, ou seja o jogo todo o autor foi preparando o leitor para a derrota, para uma derrota pesada e em contra partida dava destaque à personalidade dos membros da Geração dos Milagres, algo que sem dúvida alguma falhou redondamente com o Kise e o Midorima nos capítulos anteriores, tanto que a partir deste arco o autor começou a perceber isso e até o Midorima se tornou menos irritante.

 

Além disso o autor deu a clara ideia que haveria revanche e tendo em conta que ao contrário de Eyeshild21 não estou a ver nenhuma brincadeira por parte do autor, além de que tendo o manga todo dedicado aos 5 personagens da Geração dos Milagres fica difícil imaginar eles não se encontrarem mais tarde num novo duelo. E como já o tinha mencionado antes no blog uma derrota muitas das vezes é mais importante que uma vitória, isso é cliché em manga de desporto e se também o fosse em mangas de batalha muitas das vezes seriam evitados muitos problemas de roteiro.

 

Para concluir, Aomine é um excelente personagem e fico à espera da revanche contra o Kuroko e esse jogo foi o grande momento do manga, que dividiu a fase mais fraca do manga para uma nova fase que apesar de repleta de clichés e exageros nunca perde a qualidade. Resta esperar pelo Akashi e pela Winters Cup, destaque da próxima edição que comentar de Kuroko no Basket.

 

Ranking:

1ºKuroko no Basket
2ºDorohedoro
3ºHaikyuu
4ºBeelzebub
5ºPSI
6ºToriko
7ºAC X PSI
8ºRookies
9ºOne Piece
10ºGreen Blood
11ºAssassination Classroom
12ºNanatsu no Taizai
13ºReborn
14ºOumagadoki Zoo
15ºBleach
16ºHajime no Ippo
17ºNaruto
18ºTakamagahara
19ºFairy Tail
20ºNisekoi
21ºOne Punch Man

publicado por Dark-Fenix às 23:00
Domingo , 21 de Outubro DE 2012

Opinião Semanal #47

 

Mais uma semana cheia de mangas para comentar, com mais uma estreia, PSI, gag manga que estreou recentemente na Jump e que finalmente teve scans. Ao contrário do que gostaria esta semana teve muitos mangas com capítulos maus e principalmente mangas com capítulos sem nada demais, em contrapartida também não houve grandes capítulos, tanto que Rookies conseguiu brilhar e chegar a um excelente ranking.

 

18ºReborn 406:

 

Nem sei oque comentar sobre este capítulo, porque no geral é o Reborn do costume e não entrega nada, tanto pode terminar na próxima semana, como ter mais uma saga, é uma questão de esperar por quarta-feira e ter a certeza se o manga terminará ou começar outro arco. Seja como for não vejo qual o sentido de continuar com o manga, o mais importante já foi mostrado, tudo agora é puro capricho ou coisas que já poderiam ter sido resolvidas antes, o pior é que com a posição que Reborn ocupa nas tocs hoje em dia se não aproveitar e terminar agora, será uma questão de tempo até ser cancelado, até porque muita gente irá dropar o manga se ele continuar, ou seja cair ainda mais nas tocs é inevitável.

 

Mas sobre o capítulo, confirmou-se um drama gigantesco para nada, no final tudo foi resolvido na base da conversa, com explicações forçadas e uma resolução feita à pressa. Até gostei da maneira como toda a história da maldição dos arcobalenos terminou, com eles ainda bebés, excepto a Lal Mirch, mas aí entraria a questão da expectativa de vida, será que os anos que eles já viveram não irão contar? Seja como for, isso seria entrar em campos de qualidade que Reborn nunca abordou.

 

 

Aquela cena no hospital combina perfeitamente com Reborn, o que por si só já é uma crítica, de qualquer maneira se o manga terminar na próxima semana, isso poderia servir como despedida desses personagens aos leitores. E no final a cena que me fez colocar Reborn em último, novamente uma cena que combina na perfeição com Reborn, relembremos que nos últimos capítulos o Tsuna tem dado uma de superdotado, mas a sua inteligência superior não lhe deixe perceber o obvio.

 

Para concluir, para aqueles fãs de Reborn que dizem que ainda falta isto e aquilo para ser abordado no manga, só relembro-vos de Slam Dunk. Para quem já leu o manga, pensem no que os fãs pensaram ao ler o penúltimo capítulo do manga. Slam Dunk, sim, ainda tinha muito por mostrar, tanto que o autor teve de abandonar vários plots que tinha criado, mas o Inoue inteligente como é, percebeu que mesmo que continuasse não conseguiria fazer um jogo mais emocionante que aquele, além de que viu uma oportunidade perfeita para concluir um manga num final cruel, mas ao mesmo tempo genial.

 

 

17ºKuroko no Basket 26-35:

 

Comentando nesta semana sobre o jogo contra o Midorima, o jogo mais forçado do manga, pelo menos espero que o seja, onde Seiren foi visto como um Underdog o tempo todo. Não me entendam errado, uma boa história de um verdadeiro Underdog normalmente saí algo épico, afinal o último jogo de Slam Dunk baseia-se totalmente nisso. O problema é que este jogo em Kuroko no Basket não seguiu a ideia do último de Slam Dunk, mas sim o último jogo do torneio nacional de Eyeshild21, ou seja um jogo impossível de ganhar, mas que é ganho.

 

Mesmo que Kuroko tenha tocado num ponto extremamente importante, uma jogada de 3 pontos dá mais pontos que um afundanço, mas um afundanço na altura certa dá uma motivação extra à plateia e aos próprios jogadores que um cesto de 3 pontos nunca poderá dar. Mas mesmo com isso e com a maneira com o jogo foi desenvolvimento era impossível Seirin ganhar o jogo.

 

 

Fora que o “poder” do Midorima é extremamente exagerado mesmo que se tenha em conta o nível cliché e de exagero de Kuroko no Basket, marcar o cesto de qualquer lugar da quadra é algo que o autor nunca deveria ter criado. Porque ele até deu boas explicações para Seirin ter ganho, mas nenhuma realmente me convenceu, até porque em nenhum momento o autor mostrou que o Midorima se poderia cansar. Além disso há a história do horoscopo que podia muito bem ser deixada de lado, porque só ajudou a tornar o resultado ainda mais incoerente.

 

Esta poderia ter sido uma boa altura para eles perderem o primeiro jogo, apesar de que não vejo o Midorima com essa moral toda para ser o que ganhou ao Kuroko, algo que o adversário seguinte tem. De qualquer maneira a seguir é o Aomine, que na altura que li essa parte até cheguei a pensar que ele fosse o principal da Geração dos Milagres, o que me deixa ainda mais curioso para ver os outros dois, o melhor o Akashi, o capitão da Geração dos Milagres.

 

Na sexta acabei-me empolgando e li todos os capítulos lançados em português, nas próximas semanas irei comentar por arcos, ou seja para a semana o jogo contra o Aomine. E uma última coisa ao ler os próximos capítulos percebi o quanto o autor sabe o que está a fazer, mesmo que o manga siga um caminho cliché e exagerado, mas logo comento melhor depois.

 

 

16ºNaruto 606:

 

Difícil rankear este capítulo, porque este capítulo tem dois lados bem distintos, a primeira metade que devia ter ficado em último lugar no ranking e a segunda metade onde o Kishimoto tenta juntar todas as peças. É engraçado porque ainda esta semana tinha defendido Naruto, porque mesmo que aquela cena do capítulo 600 tivesse ficado infantil, o autor até estava a conseguir convencer com a Rin ser o motivo para tudo começar, mas depois apresenta este capítulo, onde me conseguiu surpreender, já que fez algo ainda mais infantil do que a tal cena do capítulo 600. Moral da história, nunca elogiar Naruto, porque o Kishimoto logo trata de mostrar que se está errado.

 

Outra cena engraçada foi eu ter comentado em tom de piada ao Ever sobre colocar aliens em Naruto e não é que o Kishimoto vem mostrar que afinal não estava assim tão longe da verdade, não que aja aliens, por agora, mas o Juubi já foi selado na Lua, então se Naruto demorar muito a ter ser concluído, não me surpreenderia se isso fosse mais explorado. Mas agora mais a sério, Madara ao mesmo nível do Rikudou Senin? Agora sim o Kishimoto exagerou, curioso para ver como o Naruto derrotará alguém que está no nível do ninja lendário.

 

 

Outra coisa que não faz muito sentindo é ver que o Rinnegan nada mais é que o estágio final do Sharigan e menos sentido ainda o Pain afinal ter ganho o Rinnegan, o que só comprova que só não tem jutsus oculares quem não quer. A única coisa positiva desse capítulo foi o final, que explica o porquê de o Itachi pensar que o Tobi era realmente o Madara, por outro lado é incrível a facilidade com que o Madara entrega tudo ao Obito, está certo que ainda está ali o Zetsu, mas o Madara morre e deixa no Obito a esperança de ser renascido, o Obito simplesmente podia abandonar o plano, ir viver num eterno gengutsu com a Rin e ninguém morreria, não que realmente alguém tenha morrido na guerra.

 

 

15ºGin no Saji 51:

 

Capítulo completamente sem nada para comentar, não foi mau, mas não mostrou nada de novo. À espera do final do arco.

 

 

14ºBleach 512:

 

É engraçado como muitas vezes não veem as palavras certas para comentar sobre algo, mas por outro lado aparece outra coisa que explica bem o que senti lendo este capítulo de Bleach. No caso foi Homeland, uma das melhores séries em exibição, apresentou no último Domingo um episódio filler, foi um mau episódio? De maneira alguma, afinal é Homeland, mas não deixou de ser filler, o anterior tinha terminado com a revelação bombástica que se esperava desde o primeiro episódio da série e no episódio desta semana apenas enrolou, finalizando o episódio da mesma maneira que o anterior, com a diferença que mais uma pessoa ficou sabendo, a pessoa chave diga-se.

 

Em termos de qualidade não dá para comparar Homeland com Bleach, mas nesses capítulos/episódios em questão dá, tanto o episódio de Homeland como o capítulo de Bleach foram bem executados e tanto os dois foram pura enrolação, podiam desaparecer que não fariam grande falta. E é engraçado porque a parecença entre os dois não fica por aí, já que a enrolação deve-se a um único factor nos dois casos, a diferença é que em Homeland é a revelação mais bombástica da série, até mesmo maior do que o final da primeira temporada, já em Bleach é o Ichigo, que toda a gente já sabia, só não queria acreditar, ou seja Homeland ansiedade para assistir o próximo episódio, Bleach decepção.

 

 

Mas como disse o capítulo foi bem executado, não é a primeira vez que o digo e não será a última, o Kubo de vez em quando tem alguns momentos de genialidade, este foi um desses casos, só que o problema dele é que ou não sabe ligar esses momentos de génio ou não sabe construi-los. Pode parecer apenas haterismo dizer que o motivo para o capítulo ter falhado é pelo personagem em destaque ser o Ichigo, mas não é. Por duas razões, primeira é protagonismo, o pior cliché que existe e o segundo é pelo mesmo motivo que critiquei o Oda há uns tempos atrás quando o Vergo apareceu, só que de uma maneira diferente, ou seja, qual o sentido em fazer um personagem aparecer apenas como sombra se já se sabe quem ele é, ainda para mais gastar um cliffhanger e depois 19 páginas com isso.

 

Se fosse outro personagem que não se conhecesse ai sim poderia fazer sentido, e digo poderia, já que depende da situação. Já que daria aquela dúvida se é alguém conhecido ou não e acabaria no final por surpreender, ou seja teria contrariado as expectativas dos leitores, teria jogado com as suas mentes e no final teria surpreendido, basicamente o que o autor de Toriko fez na perfeição no capítulo desta semana. Mas não o Kubo decidiu seguir o exemplo de Fairy Tail, fazer aparecer o seu protagonista e dar razão aos leitores para criticar.

 

 

Além disso o autor ainda dá mais protagonismo à cena, já que faz com que o Ichigo pareça que vai salvar o dia, cheio de poses e tudo mais. Como disse nos comentários ele já ganhou o direito de ser respeitado pelos grandes nomes da Soul Sociaty, o que não é pouca coisa, mas ser o Salvador do Mundo? Igual ao Goku ou o próprio Naruto? Ai já é forçar e me pergunto o que aconteceria se em vez do Ichigo fosse o Hitsugaya a dar uma de estrela e querer aparecer? O mais provável era o Juha Bach chegar perto dele pisá-lo igual formiga e seguir em frente, mas o Ichigo de certeza vai merecer uma conversa.

 

A melhor cena do capítulo sem dúvida foi a conversa do Ichigo e do Byakuya, mas mesmo assim me suou forçado e o mesmo que venha dizendo nos últimos parágrafos, protagonismo, e nem é por ele depositar as suas esperanças no Ichigo, mas sim por o Yamamoto ter morrido e o Byakuya ainda pensar que o Ichigo ganha. O Shinigami de mais de 100o anos de idade morre com um golpe, mas o meio shinigami de nem 18 anos já consegue proteger a Soul Sociaty.

 

PS: Para quem ainda não acha que Bleach enrolou ou que teve um bom capítulo é olhar para as imagens que coloquei no post, duas delas tem o Ichigo a fazer pose, como pode um capítulo não enrolar quando o autor coloca o meso personagem a fazer pose duas vezes no mesmo capítulo, claro a não ser que seja o manga sobre moda, ai faria sentido.

 

 

13ºFairy Tail 304:

 

Foi um bom capítulo de Fairy Tail, mesmo com as suas cenas dispensáveis do costume, a primeira delas a cena do gato sozinho, uma morte de um personagem, mesmo que um gato tem de ter emoção, mas toda a história até ao momento não me disse nada e aquela cena do gato sozinho no início deste capítulo foi mais irritante que outra coisa.

 

Novamente o Mashima mostra que tem boas ideias só não as sabe utilizar da melhor maneira, esse último jogo é simples mas eficaz, só acho que faria mais sentido se tivesse sido feito no inicio do Jogos Mágicos, dando assim quem ganhasse uma boa vantagem sobre o resto, agora sendo o último jogo meio que não faz muito sentindo afinal a Fairy Tail tem 45 pontos e apenas neste jogo está em causa mais de 50 pontos, muda muita coisa, quando o último jogo deveria ser só a confirmação da vitória.

 

O grupo do Natsu como já estava à espera é a parte menos interessante do capítulo, com uma entrada no castelo bem fácil, nem digo por aquela ideia funcionar, mas mais por o Natsu ser o que foi capturado, afinal ele deu um show nos jogos meio estranho pensar que ele foi capturado assim. No final, nova personagem e novo plano, esperar para ver no que isso vai dar.

 

 

12ºTakamagahara 11-12:

 

“Tamagahara, eu gostei do manga, mas me pareceu algo Shonen Champion, muito exagerado e pesado para a Jump actual, é um manga que eu sei que iria acabar por gostar com o tempo, mas tempo é coisa que os mangas da Jump não têm, pelo menos no início, além de que como referi não acredito que tivesse muito publico.”

 

Essas foram as minhas exactas palavras quando comentei sobre a raw do one shot, que relembro foi publicado na Golden Future Cup do ano passado. E hoje em dia não podia estar mais de acordo, o manga tem cara da Shonen Champion e infelizmente para o manga, o autor e a Jump ninguém pensou nisso, ou melhor decidiram seguir em frente, mesmo sabendo disso. E o facto do tão comentado capítulo não ter saído do último lugar na toc só demonstra isso, nunca teve hipóteses, porque nunca teve público.

 

Sobre os capítulos, foram clichés, como sempre e até funcionaram bem, o meu único problema é que os personagens adversários são todos iguais, todos tem o mesmo estilo de desenho e isso acaba tirando a personalidade dos personagens, algo essencial. Mas por outro lado as Dádivas Divinas continuam interessantes.

 

 

11ºNisekoi 43:

 

Vou comentar apenas o 43 porque não faz muito sentido comentar sobre dois capítulos totalmente diferentes, para além disso o próximo capítulo começa um arco, então deixar as coisas divididas como devem ser. Sobre o 43, foi um bom capítulo e bom desfecho para o arco, mas esperava um pouco mais, em especial juntar o final do 44 no festival, até porque faria mais sentindo afinal, o destaque deste capítulo foi o amuleto do amor, o que não tornaria a tal cena do próximo capítulo tão aleatória.

 

 

10ºHajime no Ippo 947-950:

 

Cada vez mais perto da Chrono ficar em dia com Hajime no Ippo, nem sei ao certo quantos são, mas é bem possível que a Chrono fique em dia antes do tão esperado capítulo 1000.

 

Sobre os capítulos, o 947 foi bem interessante, fez regressar um personagem que já há algum tempo não aparecia, o amigo mangaka do Ippo e também serviu como previsão sobre os capítulos que se aproximam. Já os outros 3 capítulos se focam principalmente no Aoki, que pelo que apanhei de alguns spoilers vai ser o grande destaque dos próximos capítulos. O capítulo 950 foi o melhor dos 4, principalmente na parte bizarra do Aoki hipnotizado e claro o seu medo tinha de ser o Takamura.

 

 

9ºBeelzebub 177:

 

Na altura que fiz o post da toc nem me lembrei, mas essa página colorida não faz o menor sentindo, tanto para o dia que a Jump saiu quanto para o que está a acontecer no capítulo, onde comemoram o Natal. Ou seja uma capa comemorando o Haloween e um capítulo comemorando o Natal, só faltava em vez do Pai Natal aparecer o Coelho da Pascoa. Por um lado é uma crítica, por outro Beelzebub é um manga de comédia, então não fazer sentindo é um ponto positivo, mesmo que nesse caso não o ache.

 

O capítulo foi cheio de altos e baixos, começando em baixo, usar uma ideia que já nem tinha funcionado muito bem na primeira vez é sempre uma má ideia, a única coisa de positivo que isso teve foi ver alguma personalidade do Oga, tanto que até achei estranho ver o personagem pensar e usar a Hilda fofa a seu favor. Mas acabou estragando tudo quando dá uma de Tsuna ao encontrar a Aoi modo baby-sitter, basicamente todas as primeiras 10 páginas foram um ponto baixo.

 

 

Mas depois na página 10 é tudo felicidade, Futaba regressou e claro roubou o capítulo, com a frase do Kanzaki, “O Pai Natal morreu” e “No mês passado, o seu trenó bateu no caminhão do lixo”, fora a reação épica da Futaba, o Toujou que se prepare porque vai levar com a força da criança que descobriu que o Pai Natal morreu.

 

Por fim, um baile de Natal, que tem tudo para ser excelente. O problema é o de sempre mais uma vez o autor decide continuar com os capítulos normais em vez de seguir para um plano maior, de qualquer maneira a Futaba deve animar os próximos capítulos. O curioso é que logo no capítulo do regresso da Futaba o autor deixa o Furuichi de fora, medo de um confronto directo entre os melhores personagens do manga?

 

 

8ºOne Piece 685:

 

One Piece comemorando o Haloween, com uma página dupla colorida excelente. Sendo que provavelmente essa página foi mesmo o momento mais emocionante do capítulo, que novamente voltou a ser bem sem sal. De qualquer maneira o destaque sem dúvida vai para o Zoro e a sua frase, “Whisky ou Cerveja”.

 

O meu actual interesse em One Piece tem estado tão baixo que me escapou completamente o facto obvio do mini Shen Long que apareceu no final do último capítulo ser o Monosuke, de qualquer maneira se confirmou, novamente o Luffy por pura coincidência vai parar ao sítio onde está o “objectivo” do arco. Pelo menos, ele ganha um pouco de destaque nesta saga onde ele tem estado tão sem sal quanto o manga.

 

 

Não gostei muito da maneira como o Oda desenvolveu o flashback, não pela personalidade do Monosuke, mas por ter entrado no cliché de fazer tudo rápido, pela maneira como a outra criança falou dele parecia que eram amigos e no final mal se tinham falado antes. Em contrapartida o facto de haver uma akuma no mi, mesmo que artificial, do Dragão faz com que se possa acreditar numa akuma no mi dessas para o Monkey D. Dragon, ainda para mais o dragão se parece com o Shen Long, o que combinaria com o Dragon que já mostrou controlar o clima, ou algo do tipo.

 

Por outro lado não gostei da akuma no mi da Monet, desde que o Oda inventou o haki que tem sido cada vez mais natural as akuma no mis tipo logia, algo que não vejo com bons olhos, porque é tornar algo banal, o que até há guerra de Marienford era algo especial e raro. Além disso akuma no mis do tipo zoan não tem sido muito utilizadas e o Oda poderia apostar mais nelas, nem que seja para balancear melhor os 3 grupos.

 

 

7ºPSI 1:

 

Se há um lado bom de um gag manga ter bastante sucesso na Jump é que mais tarde ou mais cedo alguma scanlator acaba pegando o manga para traduzir e assim dá para tirar a curiosidade sobre o que o manga trata e se a ideia que se tira das raw é correcta ou não. E nesse aspecto tenho a dizer que mesmo não sendo muito diferente do que imaginei ao ver as raws, me surpreendeu porque não é tão infantil como o seu antecessor, Inumarudashi.

 

Não há muito o que dizer sobre a história do manga, é uma pessoa que nasceu por poderes psíquicos, ou seja se tornando um usuário de PSI, o que deixa em aberto se existem mais como ele não, provavelmente o autor só irá decidir bem lá para a frente. Apesar do personagem ser aquele típico personagem cliché que por causa de ser superior não liga para o resto do mundo, típico personagem da Geração dos Milagres de Kuroko no Basket, gostei dos monólogos internos dele.

 

Principalmente sobre o motivo por ele não gostar dos seus poderes, porque no Universo de PSI, apenas ele tem esses poderes, ou seja ele pode fazer tudo com os seus poderes, como ele bem explica é como se fosse um vilão de manga shounen, só que ao contrário dos mangas shounen ele não teria inimigos, como ele também diz bastaria apenas 3 dias para controlar o mundo com os seus poderes. Apesar de cliché, sem dúvida a melhor piada é onde ele explica o porquê de não gostar de ouvir os pensamentos.

 

 

O resto do capítulo mostra a relação dele com os seus pais, que levam na boa o facto do filho ter esses poderes, comecei por gostar dessa interação entre os personagens, mas lá para as últimas páginas já estava a ficar chato. O que mostra bem o porquê de gags mangas terem menos páginas no primeiro capítulo e até mesmo nos capítulos normais.

 

Para concluir, não é o melhor gag manga já publicado na Jump, longe disso, mas serve para ser o único gag manga da revista e tapar a cota necessária desse género na revista. Nem sei se vou continuar a acompanhar, já que o manga tem tudo para ser bem repetitivo, mas logo vejo depois de ler o segundo capítulo.

 

 

6ºDorohedoro 53:

 

Capítulo quase filler, onde basicamente só tenho uma coisa a comentar, seguiu a mesma linha de raciocínio que o capítulo desta semana de Toriko, apresentando no início a cena onde dois personagens randoms vão comprar “carne”, que serve para se transformar em futuros demónios, no ar fica a pergunta sobre que carne é essa.

 

Passa para a cena do demónio amigo da Nikaido, onde ele é desmembrado e volta ao seu estado normal, retirando-lhe o título de demónio, passa para umas cenas de acção com a Nikaido e o Kaiman. Isto para no final soltar a pérola que a tal carne é na verdade carne de demónio, não ficou uma cena tão perfeita como em Toriko, mas a maneira simples, bizarra e eficaz com que a autora faz isso dá profundidade ao capítulo e mesmo ao manga inteiro.

 

 

5ºGintama 417:

 

Mais um bom capítulo de Gintama, apesar de não tão genial e tão constante como o anterior, começou meio fraco, melhorou com a chegada dos macacos, antes do final já estava a cair de qualidade, mas terminou bem com um combo de momentos sem noção. O grande problema de não acompanhar algo desde o início é ver personagens a relacionar com os já conhecidos protagonistas e não saber nada sobre eles, no caso a criança e essa mulher, apesar de que ela ainda vi nos recentes capítulos do anime.

 

Este capítulo também foi bastante focado na história japonesa, algo que acabou meio disfarçado com a chegada dos macacos e quando dá para ver que o Gintoki já perdeu completamente o rumo da história, mas na maior parte do tempo é apanhar do ar, apesar de que há algumas coisas que me lembro por alto, como a batalha de Sekigahara e alguns nomes de generais dessa época, informação essa que sei já de ler outros mangas, principalmente Samurai Deeper Kyo que se passa nessa época.

 

 

Uma cena excelente foi a naturalidade com que Gintama fez uma referência a Assassination Classroom, ficando numa daquelas situações, percebes-te a referência achas genial, não percebes-te nada a preocupar, já que nesse momento o capítulo já não fazia o menor sentindo mesmo. Até porque se pensar-se bem o Universo de Gintama não é propriamente um Japão futurista, então referências ao passado japonês por si só já não faz muito sentindo.

 

Para concluir, é sempre bom ver quando uma conversa estranha dessas vai aumentando aos poucos o nível apocalíptico da história, começando com uma metáfora simples, mas se expandindo para uma guerra apocalíptica sem o menor sentido. O melhor momento do capítulo sem dúvida alguma foi quando o Gintoki explica as mudanças de capital do Japão feudal, com os macacos mudando de caverna e mais tarde para um iglô.

 

 

4ºToriko 208:

 

Inicialmente era para ficar mais baixo, até porque o capítulo em si parece ser um capítulo de uma só cena, mas olhando o capítulo como um todo e a maneira como foi construído parece que o Shimabukuro fez tudo de propósito. Ou seja esse desfecho cliché e bem infantil do arco, meio que foi feito de propósito para a cena final ter ainda mais impacto, porque o mais importante da cena final é mesmo o facto de ser o completo oposto do resto do capítulo, 15 páginas de um manga infantil e 4, principalmente as duas últimas, com uma qualidade do nível de Hunter x Hunter. Se isso não foi feito de propósito então Toriko deveria estar mais abaixo, mas se o Shimabukuro fez isso tudo pensando dessa maneira deveria até ter ficado mais alto.

 

Mas voltando atrás, o desfecho do arco foi bem infantil, está certo que é na Shonen Jump, então o autor não poderia matar todos aqueles humanos, mas isso seria resolvido facilmente se não fosse mencionado, até porque as crianças nem vão pensar que alguém ali realmente morreu e se não for mencionado não fará diferença, tipo em Power Rangers onde os monstros destroem a cidade, ninguém menciona nada então ninguém liga se morreu ou não alguém pisado.

 

 

Uma coisa que ainda não sei se gostei ou não foi a dica que fica no ar que tudo é Apetite, esperar para ver como isso irá funcionar no Mundo Gourmet, já que lá é que terá o destaque. De resto também foi explicado como eles comeriam o quatro bestas, mesmo que eu ainda ache bem estranho todos os animais em Toriko serem comestíveis, não que não o sejam, mas olhando para a realidade, animais herbívoros são os comestíveis, já um leão ninguém quer saber de come-lo, ou mesmo um macaco, mas aí volta ao assunto que mesmo Toriko tocando em vários assuntos importantes, ainda é um manga shounen, onde quanto maior for o nível de captura maior o sabor.

 

A cena final é simplesmente uma obra de arte, na semana passada tinha dito que a página dupla tinha entrado para aquele grupo de páginas épicas, mas tinha as minhas dúvidas a longo prazo, mas esta digo sem qualquer dúvida, é uma página épica. E como disse nos comentários, quando comecei a ler o capítulo pensei, era excelente se o Teppei morresse, mas nunca na vida esperei que acontecesse, ainda para mais assim. E como o Dave disse para a cena ficar mesmo perfeita, só mesmo o vinho sendo o sangue do Teppei.

 

 

3ºAssassination Classroom 12-14:

 

Rankear Assassinantion Classroom é algo bem complicado, porque o manga vale pela maioria e não pelos capítulos individualmente, então fica estranho colocar o manga no meio do ranking, mas também não consigo de certa maneira olhar para o manga como o melhor da Jump da semana. E mesmo comentar arcos não é propriamente fácil, de qualquer maneira decidi coloca-lo em terceiro lugar, o que equivale ao melhor da Jump da semana.

 

O interessante de Assassinantion Classroom é que igual a Gintama as referências saem com naturalidade, como a referência a Naruto logo no início do capítulo 12. O director da escola é o típico personagem cliché, mas que em Assassinantion Classroom consegue ter uma personalidade própria e se apresentar já como um excelente personagem, lembrando um pouco a introdução do Karma no manga.

 

Outra cena cliché que ganha personalidade no manga é toda a situação da classe E, como disse na semana passada o capítulo 11 não fluiu bem e teve uma apresentação da situação da escola meio fraca, mas nestes capítulos a situação muda, porque mesmo que isso seja cliché, a verdade é que isso funciona, o facto do director querer fazer uma classe de excluídos e fazer parecer que aquilo é o pior buraco onde os estudantes podem ir parar faz com que o resto olhe para eles como superiores, desprezo e dar-lhes motivação para estudarem, para não se tornarem neles.

 

 

Outra coisa que estou a gostar no manga é a lista de fraquezas do Duro de Matar, porque são fraquezas naturais, para um monstro que pode destruir a Terra quando quiser, além de que acredito que seja com base nessas fraquezas que eles vão acabar derrotando-o. Uma cena que ficou excelente foi a maneira como o Duro de Matar reagiu ao facto da classe E se convencer de que não precisam se esforçar, já que eles tem o objectivo de mata-lo, quando na verdade é precisamente o contrário.

 

No capítulo 13 novamente acaba numa cena cliché, para no capítulo seguinte o autor desconstruir tudo, numa maneira diferente de roteiro, que ganhou muito com o factor surpresa e originalidade, não diria que foi perfeitamente construído, mas funcionou. No final foi tudo uma armadilha do professor o que deixa tudo mais interessante para o futuro e deu uma boa cena final com os alunos trollando o professor.

 

 

2ºRookies 73-75:

 

Fiquei surpreso da AIUEO ter lançado 3 capítulos nesta semana, mas ainda bem que o fizeram, porque deu um ar melhor aos capítulos, da mesma maneira como ler Hajime no Ippo seguido é melhor do que ler capítulo a capítulo. Os capítulos continuam meio filler, digo meio porque mesmo que não tenham nada a ver com Basebol, servem para construir o protagonista, algo que na minha opinião não seria preciso neste momento, dava para o fazer aos poucos, mas por outro lado parar e fazer alguns capítulos dedicado apenas ao Kawatou também é uma boa ideia e que aumenta a qualidade do manga a curto e longo prazo.

 

Foi apresentando um novo personagem, que junto do Kawatou é o destaque do arco, ele igual ao Kawatou tem uma personalidade um pouco exagerada, um ideal quase impossível de ser concretizado, mas combina com o que Rookies se propõe a fazer. A cena final do capítulo 73 ficou excelente, porque combina na perfeição com os dois personagens, principalmente com o Kawatou que não viu o nível da conversa que ele estava a ter com o aluno.

 

 

Os capítulos 74 e o 75 são focado na maneira diferente de ser do Kawatou, um professor novato que tenta sempre ver o lado positivo e que quer ajudar a todos, tanto que ele fica irritado com a maneira como os outros professores lidam com a situação, uma situação que se diga normal e impossível de resolver, mas aí que entra a personalidade do Kawatou e a sua determinação que ajudam a ligar os dois lados, fazendo lembrar de certa maneira o papel do Hana Tsukishima em Worst, que tem a personalidade para unir a escola que o Bouya Harumichi não tinha em Crows.

 

O arco em si ainda não terminou, mas espero que não demore muito a ser concluído, mesmo gostado dos capítulos, o manga tem de saber oscilar melhor entre manga escolar e manga de desporto, mas percebe-se, já que o anterior manga do autor era um manga escolar, com um pouco de desporto, o contrário deste, o que dificulta a transição.

 

 

1ºGreen Blood 9-10:

 

A história desses dois capítulos de Green Blood são basicamente contados através dessas 3 excelentes páginas duplas. Na primeira a diferença entre um manga shounen e um seinen, no shounen ele sairia daquele duelo vencedor, mas num seinen isso não é possível e além de sair com o rabo entre as pernas, não consegue a vingança que tinha ido buscar. Além disso uma cena excelente é ver que o líder da gang não jurando que o vai matar, como aconteceria de certeza num manga shounen.

 

 

Na segunda, ele se encontra a pensar sobre a sua vida, o que fez e o que irá fazer, visitando o cemitério da sua mãe, numa excelente cena, mesmo que bastante utilizado, na maioria das vezes terá sempre o mesmo excelente impacto. Por fim, na última página dupla, o desespero, vendo que tudo o que faz sempre acaba afectando negativamente tudo e todos com que se preocupa, algo que é retratado bem na cena final do capítulo, com o seu irmão mais novo em perigo.

 

 

Ranking:

1ºGreen Blood
2ºRookies
3ºAsssassination Classroom
4ºToriko
5ºGintama
6ºDorohedoro
7ºPSI
8ºOne Piece
9ºBeelzebub
10ºHajime no Ippo
11ºNisekoi
12ºTakamagahara
13ºFairy Tail
14ºBleach
15ºGin no Saji
16ºNaruto
17ºKuroko no Basket
18ºReborn

publicado por Dark-Fenix às 22:17
Domingo , 23 de Setembro DE 2012

Opinião Semanal #42&43 Parte 2

 

8ºGame of Thrones 5:

 

Capítulos mais mornos de Game of Thrones, que até tiveram bons momentos, mas no geral foram apenas de transição e de apresentação de personagens, personagens esses que são claramente o ponto forte dessas 4 histórias.

 

A história da Sansa acabou ficando mais infantil do que se esperaria, é difícil sentir pena de um novo personagem, principalmente quando ele é claramente visto como random, mas na série e no livro conseguiram passar esse sentimento em poucas páginas ou poucos minutos, deixando um gosto de injustiça na morte do Mycah, algo que não aconteceu de todo na hq.

 

Tirando o facto da história da Catelyn ter apresentado o Mindinho e o Varys foi totalmente dispensável na hq, algo que principalmente no livro foi muito bem trabalhado. Esses dois personagens são 2 dos 4 personagens mais inteligentes de todo o reino, tanto um como o outro com grandes momentos no futuro, em especial o Mindinho.

 

 

A história da Arya foi provavelmente a mais parecida de todas até agora com o livro e com a série, obviamente falta a carga dramática que o Martin e os roteiristas conseguem e que o autor da hq passa longe de o conseguir, mas mesmo assim funcionou bem. E assim morre o primeiro dos lobos, curioso para saber quantos irão chegar ao final da história.

 

Por fim, os sonhos do Bran, isso é algo que foi pouco trabalhado na série e que nos livros fica bem confuso, então por isso gostei de ver isso retratado na hq, para ter uma ideia melhor. E no final do capítulo ele acorda, o que dá um bom cliffhanger.

 

 

7ºAssassination Classroom 6-7:

 

Comentando apenas os capítulos 6 e 7, para a semana logo comento o resto.

 

Mas sobre esses dois capítulos o 6 fecha o arco do Karma, achei o capítulo mais fraco até ao momento porque em muitos momentos o autor seguiu ideias bem clichés. Em destaque aquela cena do professor morto, ficou bem estranha, porque ele não tendo matado o professor acaba ficando desvalorizado, mas por outro lado não dá para matar um professor e só apanhar uma pequena suspensão e voltar de novo à escola, então foi um beco sem saída por parte do autor.

 

De resto, gostei de ver o autor a seguir o padrão, que pessoalmente acho o mais correcto para arcos curtos, 3 capítulos, introdução, desenvolvimento e conclusão, ele fez isso para o mini-arco do Karma e também para o próximo com a professora, fora que pensando já numa maneira de vender o manga em formato Tankōbon, o normal é o primeiro volume dos mangas da Jump terminar no capítulo 7, capítulo 7 que introduz na última página o gancho para o arco seguinte.

 

 

Mas sobre o 7 e deixando o próximo arco para a semana, foi um capítulo no geral normal, mas que gostei mais do que do 6, principalmente pela simplicidade e por mostrar a relação entre o Duro de Matar com um aluno, no caso aluna, que não tem muito destaque, além disso também serve para ficar entre arcos, o que também é bem feito pelo autor.

 

Para concluir, quando li esses capítulos, ainda não tinha visto a toc da semana passada, então o primeiro pensamento que me veio à cabeça quando li o final do capítulo 7 foi só espero que essa aparente adição de fanservice não seja por o manga não ter ido tão bem quanto esperado, mas tendo em conta que entretanto já ganhou um primeiro lugar, pode ser visto como um extra.

 

 

6ºRookies 68-69:

 

Difícil decidir quem ficar nas posições 3-6, inicialmente Rookies estaria mais alto, principalmente pelo seu ponto forte, a estabilidade, mas acabei baixando para dar destaque aos outros que não são assim tão estáveis e por consequência surpreenderam mais esta semana.

 

Estabilidade representa totalmente esse dois capítulos, o 68 é praticamente um dia normal de escola, o Kawatou chorando feito um bebé, os membros da equipa de basebol voltando a faltar às aulas. Apesar de metade do capítulo ter sido normal, a segunda metade foi excelente, com o Anya descobrindo sobre o director, o director assumindo as culpas e no final aquela despedida sem glória, mas com um significado grandioso.

 

O 69 então foi completamente um filler, que mais pareceu Rokudenashi Blues, anterior manga do autor, do que propriamente Rookies. Há de se dizer que o autor também soube conciliar o nº do capítulo com a ideia deixada durante praticamente o capítulo inteiro, mas no final é um manga shounen e ela apenas estava a ensinar ao Kawatou como mexer no computador. Ao ler esse capítulo me fez pensar como dava trabalho a um professor fazer os testes antes de haverem computadores ou melhor antes das impressoras e fotocopiadoras.

 

 

5ºToriko 203-204:

 

O que fez a diferença para Toriko perder para Bleach e One Piece foi curiosamente o mesmo motivo de Rookies, a sua estabilidade, como normalmente coloco sempre Toriko entre os 5 primeiros do meu ranking, acabei preferindo colocar nesta semana Bleach e One Piece à frente, já que Toriko foi a qualidade normal de sempre e os outros dois foram surpresas.

 

Mas deixando isso de lado, uma história normalmente tem uma trama principal e a partir dessa tem outras secundárias, muitas vezes até mais interessantes que a principal, o que muitas vezes não é levado em conta é que essas tramas secundárias se tornam interessantes exactamente por não terem tanto destaque, serem apenas um bónus.

 

 

E é isso que penso que deveria ter sido feito com essa história do Komatsu, apenas um extra e não tornar em algo tão importante quando a luta contra o monstro mais forte visto em Toriko. Foi meio que um anti-climax no que trata do assunto principal, não tão grande quanto de Fairy Tail, longe disso, mas desnecessariamente longo.

 

Porque falando sobre essa trama do Komatsu, o único defeito que têm é esse exagero no Komatsu, com ele criando comidas que nunca tinha imaginado em poucos minutos e ainda levando mais tempo por causa de que queria melhorar o sabor, ficou muito cliché. Mas tirando isso o capítulo 204 foi muito bem feito, com alguns pormenores bem interessantes e que apesar de cliché foi bom ver que o nível actual do Komatsu e onde ele se enquadra no meio de todos esses grandes chefes, pode ser que com isso até venha a entrar nesse top100, o que daria um bom gancho para a entrada dele no Mundo Gourmet, já que a Bishokukai está atrás dos 100 melhores chefes.

 

 

Para a próxima semana o foco volta para a luta, que não está nada fácil para eles os 4, lá ver como será que o Shimabukuro irá derrotar o monstro que quando mais tempo passa mais forte fica, de qualquer maneira uma coisa é certa, passa de certeza por trabalho em grupo.

 

Para finalizar um pormenor interessante quando as pessoas ficam a saber sobre o veneno na chuva, é uma reação normal do ser humano, quando não sabe de nada não tem nenhum problema, mas é só contar que está doente, já doí tudo, gostei de ver isso, mesmo que em tom de piada.

 

 

4ºOne Piece 681-682:

 

A história do Caribou está-se a formar, com o Jinbei levando para o antigo G5, resta esperar para ver o que acontecerá com o Caribou, que agora foi capturado pela marinha. Esperava mais destaque para o Jinbei que tendo em conta a capa do 682 já não deve de aparecer mais no especial, mesmo assim esperar para ver a aventura do Caribou.

 

O capítulo 681 foi na sua maioria mais ou menos, ou mais do mesmo, com o Luffy enfrentando o sem carisma do Caesar e que pelo que mostrou neste capítulo também não lá muito forte, já que a Monet é que acaba por salvar o Caesar. Ainda bem que o Oda restringiu bem a akuma no mi do Caesar, mas mesmo assim ainda acho bem exagerado ele conseguir controlar o oxigénio, mesmo que seja apenas num pequeno espaço.

 

Mas mesmo assim foi o capítulo 681 que deu o tal click que vinha falando, o motivo foi o obvio, Trafalgar Law, que a cada capítulo que passa rouba mais a cena. E ao contrário do que possa ter parecido nos capítulos anteriores e até mesmo nestes dois, aquele sorriso do Law mostra que ele tem tudo bem planeado e espero que seja realmente um grande plano, grande o suficiente que possa apagar completamente da memória este mau começo do Novo Mundo.

 

 

Fazendo uma pausa entre elogios para uma crítica, a mesma das últimas semanas, os marinheiros. Já o tinha dito nas últimas semanas e repito o Oda consegue trabalhar muito bem personagens importantes da história, mas consegue infantilizar demasiado os randoms, principalmente quando são grupos, como os marinheiros e a página 5 do capítulo 682 mostra bem isso, com eles agindo que nem crianças, desde gritar pelo Sanji, a se recusarem a acreditar na cruel verdade que o Vergo é mau e gritando que nem crianças quando a Tashigi diz para irem ajudar as crianças.

 

E agora voltando aos elogios, Doquixote DoFlamingo, já o disse ele era a minha grande aposta para o primeiro vilão no Novo Mundo desde há muito tempo e não posso ficar mais feliz por isso acontecer. Nunca fui grande fã do personagem, mas é inquestionável que ele é um grande vilão e serve na perfeição como grande teste para o Luffy. As cenas com ele foram meio confusas e no-sense, mas mesmo assim interessantes e pelo que dá a entender ele não irá até a Punk Hazard, o que na minha opinião é uma decisão mais que certa, porque One Piece precisa de uma mudança de ares, além de que dá um ar melhor à saga.

 

Mas Flamingo só daqui a pelo menos uns 20 capítulos, por agora ainda é Punk Hazard, com o Oda voltando à comédia que sempre funcionou em One Piece, não achei tão natural quanto antes do time-skip, mesmo assim uma excelente interação entre os personagens, incluindo o espadachim, que até poderia ser um forte possibilidade para o grupo se não fosse o grupo já estar cheio de espadachins.

 

 

O Broock e o Kinemon foram o destaque da luta contra o dragão, mas o Zoro foi o melhor, sem fazer nada, o papel que ele mais gosta de desempenhar. No final do capítulo uma bomba, pelos vistos o dragão é o filho do Kinemon, só que volta-se a um assunto já antigo, em One Piece personagem secundário não morre, a não ser em flashback, então não passa de uma bomba momentânea, mas sem dúvida seria muita ousadia do Oda matar uma criança num manga shounen, principalmente nessas circunstâncias.

 

Mas numa virada de roteiro interessante gostaria de ver o Kinemon a morrer e o Momonosuke a entrar para o bando dos mugiwaras, um dragão seria um bom bicho de estimação, mas duvido bastante que isso fosse acontecer. Já me esquecia, foi pena que o Vergo e o Sanji não lutassem até ao fim, mas faz sentido já que a ideia inicial sempre pareceu ser Smoker vs Vergo.

 

Para concluir, é incrível como o Oga logo agora que conseguiu chamar a atenção dos leitores de novo para One Piece tira uma folga, mas por outro ponto de vista foi sem dúvida na altura certa, já que quando se tira uma folga de uma semana é sempre bom deixar algum gancho importante, para manter o leitor interessado.

 

 

3ºBleach 507-508:

 

Começando pelas críticas e deixando os elogios para o fim, o maior cliché de manga shounen é, todos ou 99%, dos personagens gritarem o nome do ataque quando vão atacar, mesmo quando é um ataque surpresa pelas costas. É algo que qualquer fã de mangas shounen já deve aceitar logo à partida, porque senão ou vai ler mangas seinen ou parte para outra mídia.

 

Isso é algo que não se deve criticar, mas sim elogiar quando o autor não o faz, como por exemplo o Mihawk, o seu ar nobre, sério e de poucas palavras faz com que não faça sentido ele sair gritando o nome dos seus ataques para o mundo saber, ele simplesmente tira a espada e ataca o Barba Branca para dar início à guerra.

 

E em Bleach o Yamamoto deveria ser um desses personagens, tem idade suficiente para não ser arrogante e sair dizendo em alto e bom som o nome do seu ataque ou da sua bankai, para quê contar o inimigo a sua única vantagem? Um Naruto, um Luffy ou até mesmo o Ichigo, sim faz sentido eles são burros mesmo, mas um velho e acima de tudo o comandante da Gotei 13 não faz.

 

E acho que isso até mesmo influenciou muita gente, mesmo que inconscientemente, a não ter gostado da bankai, porque o facto de ele ter dito o que a bankai faz torna-a simples. Porque sinceramente se o Kubo não tivesse feito toda aquela lengalenga inicial dizendo que ia mostrar a bankai e depois dado um close para a manga a rasgar-se e deixar tudo tão óbvio, na altura que mostrou o chão sendo cortado iria surpreender. O que quero dizer é uma imagem vale mais que mil palavras.

 

 

Muito texto e no final irá parecer que foram mais críticas que elogios, mas foi para explicar o meu ponto de vista, algo que não irei de todo levar tanto tempo para elogiar, é que tirando tudo isso do Yamamoto, os dois capítulos foram excelentes, até porque coloca frente a frente os prováveis dois personagens mais fortes já apresentados até ao momento no manga.

 

Mas acima disso foi ver o comandante Yamamoto a libertar a sua bankai, que por motivos óbvios é a bankai mais poderosa que a Soul Sociaty já viu e provavelmente nunca mais irá ver, tamanha é a força que emana. O Juhabach até tentou contra-atacar, com ataque que parece ter vindo de Soul Eater, pelo menos para mim pareceu bastante com a arte do manga.

 

E no final o que fez Bleach ficar em terceiro, grande impacto ao ler o capítulo, normalmente não fico muito entusiasmado com novos ataques e ataques mirabolantes e coisas do tipo, preferindo uma boa história, mas esse final de Bleach me animou para ler o próximo, agora esperar para ver se os próximos capítulos estão à altura.

 

 

2ºGreen Blood 7:

 

Estava em dúvida se continuaria a comentar ou não sobre Green Blood, já que o manga mostrava seguir um padrão de seinen com boa arte, alta qualidade em arte e um roteiro mais arrastado, mas depois deste capítulo não tive como não comentar. A arte como sempre está extraordinária, em especial essas duas imagens do post, mas neste capítulo o destaque vai para a história, que surpreendeu.

 

Não estava à espera que o chefe dos Grave Diggers aparecesse e nessa aparição é que se vê uma grande diferença entre uma história shounen e uma seinen, num shounen o pai seria igual ao filho, sem qualquer dúvida disso, no seinen o pai sabe que o filho não presta, mas o desgraçado não deixa de ser seu vilho.

 

No final do capítulo fica a dúvida sobre o que o Brad decide fazer, mesmo assim tiros foram disparados e provavelmente esse será o gancho para o futuro da história. Outros pontos interessantes do capítulo foram a fala da personagem feminina ao dizer que o Brad está a trabalhar e o valor que o Brad atribui à vida do Kip, 10 dólares, até achei bastante, normalmente é 1 dólar ou até mesmo entram nos cêntimos.

 

 

1ºBeelzebub 173:

 

Sinceramente já esperava vir criticar ou pelo menos não elogiar e o início do capítulo até estava a mostrar isso, mas é impossível não elogiar este capítulo, que em todos os aspectos foi construído da melhor maneira possível.

 

A página colorida é um bom exemplo disso, servindo como aperitivo para a luta que irá vir, depois o facto da batalha serve à beira rio, algo que remota ao primeiro capítulo de Beelzebub e também ao maior cliché de mangas de batalha escolares. O autor também não seguiu com uma batalha completamente séria entre os dois como o Furuishi fez com o Toujou ou os outros que derrotou antes, afinal eles são amigos de infância.

 

E isso foi praticamente o assunto ao qual o capítulo rodou, desde as posses estranhas deles no inicio, passando pelos incidentes de infância sem qualquer lógica, pela sequência de desespero do Furuishi, ao não conseguir encontrar um demónio forte, ele ao dizer que já sabia do veneno, o momento épico dele ao chamar o demónio mais forte, culminando numa troca de socos até à exaustão e finalizando com os dois deitados à beira rio falando sobre o passado.

 

 

No final o Furuishi só queria por uma vez se igualar ao Oga, mesmo que depois voltasse a ser o mesmo Furuishi de sempre e pelo que parece o próprio Oga também queria lutar de igual para igual com o Furuishi mais uma vez. Isso faz-me lembrar de várias lutas de Crows/Worst, mangas sobre gangs escolares, onde esse tema é mais que recorrente.

 

Além disso tudo o que o capítulo ainda serviu para mais duas coisas. Primeiro porque há já bastante tempo que o autor não conseguia terminar um arco bem, começava a maioria bem, mas no final deitava tudo a perder, já este foi mais inconstante, começou bem, falhou no meio, mas fechou com chave de ouro, se calhar mesmo com o melhor capítulo do manga.

 

E a segunda coisa foi o final do capítulo que não só termina o arco como dá o gancho para o seguinte ou para uma continuação do mesmo, com o passado dos dois personagens. Além de flashbacks quase sempre darem bons resultados ainda há o factor de que se irá ter o Furuishi em destaque durante mais algum tempo e se calhar dar alguma personalidade ao Oga, que sempre foi bem sem personalidade, algo que mais cedo ou mais tarde é um ponto negativo num protagonista.

 

 

Ao contrário da luta do Furuishi e do Toujou, onde o Jagger foi destacado demais, neste o Behemoth fez apenas uma aparição simbólica, servindo apenas para o Furishi e o Oga brilharem ao mesmo nível e para mim isso foi perfeito, o Behemoth não precisava de destaque, era apenas simbólico e o facto de ele não ter tido destaque também faz com que não fique totalmente a ideia que o Oga está ao mesmo nível dele, já que a luta foi entre Oga e Furuishi e não Oga vs Behemoth, como foi desenvolvida a luta Toujou vs Jagger.

 

Para concluir, acima falei de Crows e Worst, porque esse discussão entre o Oga e o Furuishi me fez lembrar da relação entre o Bouya e o Yasuda de Crows, onde o primeiro também é o mais forte da escola e o segundo o alívio cómico do manga, além de ser o segundo em comando, mesmo sendo provavelmente o mais fraco de Suzuran.

 

 

Ranking:

1ºBeelzebub 173
2ºGreen Blood
3ºBleach
4ºOne Piece
5ºToriko
6ºRookies
7ºAssassination Classroom
8ºGame of Thrones
9ºBeelzebub 172
10ºNisekoi
11ºKuroko no Basket
12ºTakamagahara
13ºNaruto 602
14ºReborn
15ºPokémon
16ºFairy Tail 300
17ºNaruto 601
18ºFairy Tail 299

publicado por Dark-Fenix às 20:22

mais sobre mim

pesquisar

 

Dezembro 2013

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

últ. comentários

  • Karigurashi No Arrietty.
  • O Dark conheceu a vida na faculdade, o League of L...
  • Você escreve bem.Uma pergunta, de qual animação ja...
  • ALL FREE ANIME FOR YOU at http://www.anime4you.com...
  • Também estão disponíveis à venda nas lojas FNAC, B...
  • A Devir começou a traduzir mangás em português. Es...
  • Tb acho que o telefonema de walt a skyler não tem ...
  • Aceitas parceria? Já adicionei o teu banner. O lin...
  • Bom dia,vi que seu site oferece arquivos para baix...
  • Me pergunto se o Dark passa alguma vez por aqui ne...

mais comentados

Tags