Opinião Semanal 76 - Los Matadores

 

Já era para ter comentado sobre os "Los Matadores" antes no blog, mas entretanto chegou o final de Breaking Bad e acabei esquecendo, de qualquer maneira acima o debut da nova tag team da WWE, da qual não esperava nada, mas que me surpreenderam, principalmente pelo mini-touro. Apesar de ter adorado a entrada duvido que a participação da equipa na WWE seja algo mais que isso, um alivio cómico.

 

Esta semana comento sobre 8 mangas, infelizmente onde não incluo Giant Killing, ainda não li o segundo volume. Em contrapartida, dois novos mangas e o regresso de Bleach. Os restantes são os do costume.

 

8ºFairy Tail 355 (Desastre Total):

 

Fairy Tail tem tanto fanservice que se o Mashima reduzisse o fanservice em 90% o manga ainda teria uma alta cotação de fanservice, mas já seria de uma forma aceitável e dessa maneira o mangaka já se poderia dedicar ao que sabe fazer melhor, personagens carismáticos num manga de aventura interessante. Agora com tanto fanservice é impossível elogiar, um completo desastre total e só espero que os próximos capítulos não sigam o mesmo caminho.

 

7ºBleach 549-552 (Mau):

 

Como tinha dito acabei acumulando alguns capítulos para ver se desta forma seria melhor ler o manga, na maior parte dos casos seria verdade, sem dúvida Bleach lê-se melhor por volume que por capítulos, mas neste caso em particular não faz qualquer diferença. Continua mau há mesma, o Kubo cometeu vários erros, mas o maior sem dúvida é esse destaque monstruoso ao Hitsugaya, desses 4 capítulos, todos os 4 tiveram como cliffhanger (directo ou indirecto) o Hitsugaya, o que faz com que praticamente desde o regresso do manga o único personagem realmente trabalhado tenha sido o Hitsugaya, o que também faz com que em 6 capítulos desde o regresso o manga praticamente não tenha andado.

 

E o pior foi que no pouco que andou, desanimou completamente. Criaram o plot dos quincys roubarem as bankais só para poucos capítulos depois o Urahara arranjar uma maneira de contornar e recuperar as bankais? Então para quê se dar ao trabalho de retirar as bankais à partida? É que nem trabalhar os personagens serve como desculpa, já que o destaque dado aos personagens nesse meio-termo serviu de pouco ou nada, já que o destaque foi exactamente pela falta das bankais.

 

6ºNaruto 650 (Mau):

 

A ideia que fiquei ao terminar de ler o capítulo foi que o manga andou às voltas desde o capítulo 647, até porque o final deste capítulo é idêntico ao final do 647, Naruto e Sasuke novamente unidos contra o Obito, a pergunta que fica é, qual o propósito deste e dos dois anteriores capítulos? Nenhum, a não ser que o Kishimoto tenha feito questão de estragar a boa sequencia que vinha tendo e desanimar novamente a guerra.

 

Não vou alongar, mas a arte de Naruto está cada vez pior. Em muitos capítulos de Naruto sinto quase a mesma sensação que tive quando olhei um manga pela primeira vez, uma dificuldade gigantesca em muitos quadros para perceber o que está a acontecer. Além disso é o que já tenho vindo a comentar faz tempo, o Kishimoto não consegue fazer nenhuma página de impacto. E por nenhuma quero mesmo dizer nenhuma.

 

5ºScissors 1 (Mau):

 

Primeiras impressões aqui. Esperava mais (muito mais) do autor que em poucos capítulos me fez adorar Yakitate Japan. Scissors é um manga genérico e só não pararei de ler no primeiro capítulo porque tem apenas 3 volumes e porque quero dar um voto de confiança ao autor.

 

4ºToriko 253 (Razoável):

 

Igual há semana passada o flashback voltou a não me convencer. Para começar, mesmo fazendo sentido não haver uma luta entre o Acacia e os Nitros achei bem anti climático, principalmente tendo em conta o final do capítulo anterior que deixou uma ideia totalmente diferente do que estava por vir.

 

Os personagens, principalmente o trio principal do flashback, Acacia, Midora e Frohze, continuam sem me convencer, não consigo olhar para o Acacia e acreditar que aquele é o personagem mais forte que já pisou o mundo de Toriko, a mudança do Midora criança para o adulto não me convenceu de maneira nenhuma e a Frohze por algum motivo também não consigo ver como a melhor cozinheira. Adicionando a isso que esta é a verdadeira primeira vez que o Shimabukuro destaque a dupla mais forte de sempre, mas o faz em off, o que acaba não sendo de todo a melhor solução, já que nem trabalha verdadeiramente o Midora nem mostra o passado do Acacia.

 

Resumindo, Toriko é aquele manga à antiga, ou comparando com filmes é o típico Mercenários, e o que se procura num manga/filme desses é algo focado mais na porrada do que propriamente no drama e por algum motivo isso acontece. Porque raramente o autor duma história do género consegue trabalhar bem personagens dramaticamente, o Shimabukuro tem muitas qualidades, mas nenhuma delas é saber construir um personagem, tanto que isso vê-se facilmente pelo facto de Toriko não ter crianças como protagonistas, ao contrário de todos os outros mangas shounens da actual Jump.

 

Mas como nem tudo são críticas, o final do capítulo e o plot twist envolvendo a morte da Frohze foi bem feito, o autor conseguiu arranjar, de forma simples, uma maneira de colocar a Frohze de volta à vida e sem parecer forçado. Aqui apenas um extra, para a maioria dos mangas sem dúvida seria forçar a barra, mas dentro do que o Shimabukuro já criou em Toriko é coerente, bem coerente.

 

3ºEven a Monkey can draw a manga 1 (Bom):

 

Manga antigo lançado recentemente pela PORRA scans, não é exactamente o melhor manga para comentar capitulo a capítulo, de qualquer maneira irei adicionar à Opinião Semanal, nem que seja para fazer de número. Como o próprio nome indica é um manga sobre como fazer manga e que no primeiro capítulo falam sobre algo bastante importante, ou não, a escolha do pseudónimo.

 

O manga tem muito humor japonês e muitas das piadas acabam não tendo tanta piada traduzidas, ou melhor dizendo para quem não é japonês, apesar disso todas as outras que funcionam traduzidas compensam e realmente parece ser um manga que ensina a criar manga, no meio de toda a comédia. A melhor parte do capítulo foi sem dúvida as respostas à pergunta: “O que tem de tão bom em ser um mangaka?”, sendo a resposta “Pode ter uma vida tranquila, acordar às 5 da tarde e deitar ao meio-dia” a que mais se destaca.

 

2ºKuroko no Basket 232 (Bom):

 

E finalmente o jogo principal começou, percebo quem não gostou do capítulo, quem achou apressado ver o Kagami entrar na zona e “derrotar” o Akashi, percebo isso tudo e de certa forma concordo, mas há um contra e um contra com muita força, Eyeshild 21. Quem já leu o manga sabe como o roteirista se perdeu na segunda metade do manga, tendo como o fundo do poço o final do Winters Bowl, onde a equipa principal foi colocada num marcador impossível de dar a volta, principalmente se pensar-se que estavam a enfrentar a equipa mais forte do campeonato.

 

Ou seja entre o autor de Kuroko fazer o que normalmente deve fazer, colocar a equipa em desvantagem para depois dar a volta, como um verdadeiro underdog deve fazer, ou equilibrar já o jogo desde o início para não se tornar num Eyeshild21 2.0, prefiro a segunda opção. E exactamente por isso que não posso criticar o capítulo e muito menos o autor, afinal como criticar o autor quando ele arranja uma solução para uma das minhas maiores dúvidas sobre este final?

 

1ºOne Piece 724 (Excelente):

 

Gostei da página colorida de One Piece, mas muitas vezes essas páginas coloridas não fazem qualquer sentido com o momento do manga em questão e esta semana é um desses momentos, uma página colorida focada na ilha dos tritões enquanto o manga se situa em Dessrosa, não acho que seja a melhor ideia. Além disso a capa desta semana da Jump tem uma imagem espectacular, o que acaba colocando a imagem colorida do capítulo, infelizmente, em segundo plano.

 

O combate entre Sanji e DoFlamingo foi o que já era esperado e ainda bem, porque dessa forma o Oda confirma a superioridade do DoFlamingo contra os mugiwaras, mostrando que por mais que os mugiwaras estejam habituados a enfrentar adversários mais fortes que eles, provavelmente esta será a maior desvantagem que já enfrentaram (no máximo o Enel, mas aí o Luffy tinha vantagem), principalmente se colocar-se a inteligência do DoFlamingo na equação. A frase da Jora também foi bem interessante e um resumo perfeito do que os mugiwaras são, neste momento, para o DoFlamingo, insectos presos na sua teia.

 

Apesar do Sanji ter perdido fez o seu papel, empatar o DoFlamingo até o Law conseguir salvar o bando, e mais uma vez o Oda faz o esperado de uma excelente forma, sendo provavelmente a melhor cena desse embate o momento onde o próprio DoFlamingo diz: “É isso que ganho por baixar a guarda”, com ele mais uma vez percebendo que não pode subestimar os mugiwaras e o Law.

 

Vi uma teoria onde dizem que o Law é mais fraco quando não tem o seu coração no corpo, algo que aconteceu quando enfrentou o Vergo e agora o DoFlamingo, espero que essa teoria seja confirmada, porque só isso mesmo para fazer sentido a diferença de nível que o Law tem tido desde a sua aparição em Punk Hazard, onde muitas vezes parece ser capaz de enfrentar o DoFlamingo de frente e outras vezes nem o Vergo consegue. Por um aldo gostava de ver o plano do Law a ser posto em prática, ou seja da Nami e companhia irem para a próxima ilha, mas isso é totalmente contra as regras de um manga shounen e por mais que gostasse de ver o Oda quebrando essas regras, a verdade é que esta saga tem de ter as lutas 1x1 que o Oda faz tão bem.

 

 

Finalmente o Law mostra a sua capacidade estratégica, além da sua força, em Dessrosa, conseguindo escapar do Fujitora e do DoFlamingo. Mas ainda nesse meio-termo o Law ainda teve tempo para levar na cabeça do Sanji, que relembra não só o Law, mas como também a maior parte dos leitores, que o objectivo da aliança não é o DoFlamingo, mas sim o Kaidou. Também ainda nesse meio-termo tivemos tempo para saber qual era a akuma no mi do DoFlamingo (ou devia dizer Spiderman?) e ver o vilão deste arco a pensar duas vezes no que fazer, atacar ou proteger a sua tripulação, o que só aumenta ainda mais a personalidade deste magnífico personagem.

 

Então chega-se ao grande momento do capítulo, o confronto a sós entre Law e DoFlamingo, sem ninguém para se intrometer no duelo, uma das coisas que mais achei interessante e bem irónica foi a primeira frase que o Law diz ao DoFlamingo “Você será um dos muitos que virá a se arrepender por os subestimar”. Algo irónico, já que mais que uma vez o DoFlamingo comento ao longo do manga que não pode subestimar os mugiwaras, tanto que é por não os subestimar que eles estão todos espalhados pela ilha e principalmente por causa disso que o protagonista está afastado de tudo e todos a lutar no torneio. Resumindo, por mais que o Law tenha finalmente feito alguma coisa neste capítulo ainda perde para o Doflamingo porque causa de tê-lo subestimado.

 

A aliança está terminada, apesar de que de certeza isso irá mudar no fim deste arco, o Law sempre teve como objectivo o DoFlamingo, mas nem por isso deixou de pensar em tudo o resto. Ele sabe que dificilmente sai do confronto vivo, mas também não deixará o DoFlamingo numa boa situação, já que se os seus planos funcionarem o DoFlamingo será o maior derrotado, mesmo que ganhe o confronto. Essas camadas de história, com os arcos não sendo fechados era algo que já fazia falta a One Piece, principalmente agora no Novo Mundo onde isso é praticamente essencial que o Oda se desfaça da sua habitual fórmula de sucesso.

 

A única coisa que o Law não levou em conta (sem contar com a inteligência superior do DoFlamingo) foi com o DoFlamingo ser um tenryubito, o que pode muito bem acabar por o proteger caso tudo termine mal para o personagem, o que é uma possibilidade interessante do DoFlamingo sair derrotado da saga, mas continuar activo na história e mais tarde aparecer para se vingar dos mugiwaras e Law. De resto curioso pelo mais que provavelmente flashback do passado dos dois e ver o que o DoFlamingo fez para criar tanto ódio no Law.

 

One Piece está excelente e que continue assim.

 

publicado por Dark-Fenix às 18:40