Opinião Semanal #61 Parte 1

 

 

 

14ºShokugeki no Souma 1-5:

 

Acabei surpreendido pelo manga e tendo em conta a queda de qualidade de Hungry Joker e da falta de algo mais de Kiruko-san, Shokugeki no Souma é facilmente o melhor manga da última leva, como até pode ser comprovada pela toc, mesmo que o motivo de Shokugeki no Souma ficar em primeiro deve ser mais pelo quase hentai que pela sua qualidade. Além disso nos últimos anos na Jump ser o melhor da sua leva também não é algo para se gabar muito.

 

O problema dos mangas echi é que ganham leitores muito rapidamente, mas com a mesma velocidade que os ganham também os perdem, até por isso acho que Shokugeki no Souma teria muito mais a ganhar se fosse apenas um manga de comida, parecido com Yakitate Japan, de qualquer maneira ao contrário de boa partes dos echi, em especial os últimos publicados na Jump, o fanservice em Shokugeki no Souma não chega a ser forçado, ou pelo menos não é um “só porque sim”, mesmo que quem olhar o manga por cima possa ficar com essa ideia.

 

 

Dos mangas de comida que li, Toriko também tem a sua dose de reacções e é só olhar para Yakitate Japan que se percebe de onde surgiu essa ideia de quando um personagem come algo ter uma reacção extravagante, afinal em Yakitate Japan há quem tenha ido ao paraíso e voltado por causa de um pão ou pior ainda, as reacções exageradas do final do manga. Apesar disso a primeira reacção, com o polvo, foi exagerada demais, mas acredito que boa parte dos votos que colocou o primeiro capítulo em terceiro lugar na toc tenha vindo dessa página.

 

Saindo do fanservice falta comentar sobre duas coisas, primeiro a arte, a arte é excelente, uma das melhores dos mangas publicados actualmente na Jump, o problema da arte é que é bem padrão, personagens iguais a esses existem 1000, mais ou menos bem desenhados. E numa revista como a Jump isso não é de todo bom, mas também não é que seja motivo para dizer que só por isso vai ser cancelado, o que lhe seja um defeito gigantesco.

 

 

Por fim o background do manga, no que trata de comida, bom tema e boa escolha, ainda para mais com o que disse acima sobre as reacções, o problema é o manga gritar cliché em cada página e aí a arte padrão não ajuda. Exemplos do que disse são, a escola de comida bem exagerada, principalmente nas personalidades dos personagens ricos. A parte de ele ter falhado, só para aparecer uma pessoa por trás e lhe dizer que entrou, ou então os clichés dos clichés, ele ser filho do provável melhor, ou quase, chefe do mundo, o professor que só dá A’s ou E’s e a personagem feminina desastrada, entre outros.

 

De qualquer maneira acabei ficando surpreso do manga e volto a dizer o tema comida só lhe beneficia, não que isso seja surpresa, mangas echi com outro destaque que não apenas o fanservice sempre acabam tendo vantagens, basta saber ou não aproveita-las. Manga bem razoável, mas que duvido que não siga pelo mesmo caminho que os seus antecessores echis, cancelamento em mais ou menos 30 capítulos, esperar para ver, também de dizer que apesar de ter gostado, se fosse cancelado também não me faria grande diferença.

 

PS: Das reacções, a que coloquei acima foi a melhor.

 

 

13ºGin no Saji 54-59:

 

Sinceramente esperava mais do festival, o problema é a autora deixar os leitores mal habituados, depois de dois desfechos de arcos excelente e com um especial sobre “aliens” melhor ainda. Mas olhando para o final do 59 também parece que o festival não vai ser o climax do arco, o que pode querer dizer que ainda há esperanças do arco Outono poder competir com o de Primavera e o de Verão.

 

Outra coisa que também me está a deixar desanimado é a autora não estar a seguir muito uma lógica, o primeiro arco teve 10 capítulos, o segundo 19 ou 20, o especial teve 2 e este já vai quase com 30, ou seja metade do manga num único arco. Acho que 20 capítulos seria o ideal, principalmente tendo em conta que a autora faz sempre umas pausas por ano, dava bem para ter duas estações por ano, o que renderia ao manga uns 6 anos, mais que aceitável para um manga sobre uma escola agrícola.

 

Para concluir, apesar do que me desapontou, foram bons capítulos, principalmente no que diz respeito há interacção entre os personagens, que aos poucos, como sempre deve acontecer, vão se tornando mais familiarizados pelos leitores.

 

 

12ºRookies 84-89:

 

Ia comentar só com os 3 últimos capítulos do volume 9, mas como parece que a AUIEO vai demorar até lançar os próximos capítulos, comento logo tudo aqui. O meu comentário vai ser praticamente o mesmo do que tenho feito nas últimas vezes, pensava que a esta altura o manga já estivesse mais ligado ao basebol, mas o autor continua indo pelo seu lado mais drama escolar e continua indo bastante bem.

 

Por causa de ter acompanhado a primeira metade de Slam Dunk pelo anime muitas vezes esqueço-me de que a maior parte de Slam Dunk também foi bem nesse drama escolar e lutas entre alunos, mas nos últimos volumes do manga o Inoue dedicou-se a 100% ao basquetebol e fez um final fantástico, espero que Rookies siga no mesmo caminho, só que com um final mais feliz, até porque ainda não li nenhum manga onde mostrasse a final do Koshien.

 

 

11ºShuumatsu no Laughter Fim:

 

Fui apanhado de surpresa sobre o manga ter apenas 5 capítulos, principalmente porque a autora no primeiro capítulo deu-se ao trabalho de criar um bom background, algo que em histórias curtas não faz muito sentido haver, até para não ficar esse sabor que ficou com Shuumatsu no Laughter, que a história podia ter rendido mais.

 

De qualquer maneira tirando a parte do background dos demónios e as suas bocas, a verdade é que recebi a notícia de bom grado, porque não estava tão convencido que a autora tinha ido pelo melhor caminho ao tornar a irmã do protagonista no verdadeiro demónio, podia funcionar ou não, isso é algo que não dará para saber, mas gostei de ver o manga terminar com apenas 5 capítulos.

 

Foi um bom manga, que serviu para juntar uma obra ao currículo da autora e para promover o seu próximo trabalho na Sunday, desta ver algo mais longo, ao qual aguardo para ler. E volto a dizer o que já tinha comentado antes, tendo em conta o que li de Kekkaishi, quase 20 volumes, e Shuumatsu no Laughter é mais que obvio que não se deve esperar uma obra-prima do próximo trabalho da autora, mas sim um manga divertido e bom para passar o tempo e a princípio melhor que Nanatsu no Taizai e espero que melhor que Shuumatsu no Çaughter e Kekkaishi.

 

 

10ºBleach 524-526:

 

Primeiro queria deixar a pergunta: “O Kubo já tinha dado alguma pista antes ou saiu do nada essa cena da Unohana ser uma Kenpachi?” Se sim, então esses capítulos, ou pelos esses aspectos que vou comentar nesta parte, deveriam ter ficado melhor, senão, o que acredito mais ser verdade, podiam ficar mais abaixo.

 

Foram 3 bons capítulos por parte do Kubo que só falharam por 3 aspectos, a mudança drástica da personalidade da Unohana, que em menos de 10 capítulos, já foi a personagem calma do manga inteiro, passou por ser humilhada pela Guarda Real e agora diz que era rebelde quando era adolescente e que afinal não é assim tão simpática e que o seu poder em vez de se basear em estratégia se baseia totalmente em poder de destruição. O segundo ponto é a mudança drástica de cenário, por um lado foi bem-vindo porque já chega de humor à lá Kubo, mas não deixa de ser enrolação no que diz respeito ao Rei e ao que deveria importar. Por fim o provável desaproveitamento de uma das melhores personagens do manga.

 

 

Tirando isso o Kubo acertou em cheio, ou quase, no que fez, até mesmo os capítulos rápidos de ler e com poucas falas funcionaram nestes 3 capítulos, fora que o facto do Kubo ter apostado nas falas em formato de pensamento, o que ajudou a criar bons capítulos, em especial o final do último. No geral foi uma boa relação entre os dois personagens que pecou por ser repentina, faltou trabalha-la durante mais tempo, antes de soltar esses capítulos. Resumindo o Kubo acertou no que sabe fazer melhor essas batalhas com destaque nos pensamentos dos personagens, o que só é pena por tornar a bankai da Unohana nesse capítulo em algo secundário.

 

PS: Mas nada foi melhor do que ler dois capítulos sem Ichigo e principalmente sem a comédia do Kubo.

 

PS2: Uma página dupla nessa cena final não ficava nada mal, dessa maneira acabou destacando o fundo favorito do Kubo, branco.

 

 

9ºAssassination Classroom 22-30:

 

Muito capítulo para comentar, então vou revisar rapidamente, o arco da Noma foi finalizado com a qualidade habitual de AC, ou seja bem, já o arco seguinte da revanche da Turma E para alguns outros alunos mostrou o quão infantil o manga pode ser, provavelmente apresentando no capítulo 24 o capítulo mais fraco do manga até ao momento. O arco da Irina e do seu professor serviu para melhorar a imagem da Irina no manga e pouco mais que isso, deixou a ideia que o outro professor era super forte, mas isso também segue para um caminho bem cliché. Já os mais recentes deixaram uma ideia que pode seguir um caminho mais direcionado ao tema principal, o passado do professor, mas esperar para ver.

 

Vale lembrar o que digo já desde praticamente o início do manga, o autor sabe o que está a fazer no que diz respeito há quantidade de capítulos investidos por arco, só ver que a maioria dos arcos de AC tem 3 capítulos, como esse da Irina, começo, meio e fim. Também é só ver que o único arco que passou disso, o da viagem, o autor perdeu-se no meio dele, mesmo que não se possa dizer que foi um total fracasso.

 

 

O capítulo 28 e o 29 abrem boas possibilidades para o futuro do manga, mas tendo em conta que o autor até ao momento está a fazer muito isso de criar bons plots, mas arruma-los logo de seguida, melhor deixar a espectativa baixa, além disso o autor devia de começar a pensar numa maneira de juntar personagens ao elenco sem precisa-los se tornarem ou alunos ou professores, ou melhor dizendo trabalhar os personagens iniciais da turma, afinal para quê criar a trama numa escola se a maioria dos personagens em destaque são alunos e professores transferidos. Seja como for mais um aluno na turma e pode ser que seja desta que AC apresente o grande capítulo que lhe está a faltar.

 

Resumindo, AC continua apresentando capítulos bons, mas sem algo grandioso. E é por aí que volto a tocar nos assuntos que critiquei há uns tempos atrás, primeiro, AC já tem quase 30 capítulos e está mais que na altura de apresentar um capítulo melhor do que o primeiro, porque a verdade é essa, por mais que AC seja bom, ainda não mostrou nada a mais que não se tenha visto no capítulo 1, no máximo apenas o que aconteceu no 30.

 

 

Em segundo lugar lembro-me claramente de quando disse por volta do capítulo 3 ou 4 que AC tinha um ar de um manga veterano e que tudo há volta parecia funcionar por si só, com os personagens já todos em harmonia, o pior é que com 30 capítulos isso parecia-me mais verdade no 3º ou 4º capítulo do que neste momento e isso deve-se principalmente ao facto do autor não parar de apresentar personagens e deixar o resto da turma, que não o Nagisa e o Karma, completamente de parte.

 

Sobre o 30, que acabei lendo já depois de ter escrito o texto acima, claramente pode ser o ponto de viragem e o grande momento que falta a AC, mas por outro lado, também pode querer dizer que o manga se vai afastar cada vez mais da proposta inicial da classe. Há pontos positivos e negativos, é uma questão de esperar para ver, mas mais uma vez repito, independentemente das críticas o manga está bem e recomendasse.

 

PS: Só agora ao escolher as imagens que reparei nessa última imagem, tendo em conta que existem 3 lugares disponiveis na turma, 2 já que o "irmão" do Duro de Matar acabou chegando entretanto, a principio quer dizer que ainda vão entrar mais dois novos alunos, esperando estar errado, já chega de novos personagens, que tal trabalhar os outros alunos.

 

 

8ºOne Piece 691-698:

 

Muita coisa para comentar então tentando resumir o mais bem possível, no que diz respeito à história de capa com o Caribou nenhum grande desenvolvimento, até pelo grande número de páginas coloridas que o manga teve nesses capítulos, de qualquer maneira esperando que nas próximas semanas se desenvolva algo interessante, até porque ele está numa ilha do Kaidou.

 

Tudo o que se esperaria se confirmou nesses capítulos, o Luffy derrotou o Caesar relativamente fácil, igual ao Law contra o Vergo, o que volto a mencionar que deixa o Smoker um pouco abaixo do que seria de esperar neste momento do manga, já que não teve nenhuma vitória importante neste arco, mas esperar para ver já que o Oda tem de equilibrar obrigatoriamente a balança. Além dos 3 personagens em destaque do arco, com este final razoável do arco, o Oda mostrou que alongou em demasiado tudo o que envolveu a ilha de Punk Hazard, porque praticamente todos os problemas, até mesmo o Caesar, seriam resolvidos se o arco tivesse tido entre 20 a 30 capítulos em vez de mais de 50, tornando se aborrecido em certas partes e exagerando nas personalidades, algo que não aconteceria, ou melhor não teria tempo de acontecer, num roteiro mais rápido.

 

 

O Buffalo e a Baby 5 são dois personagens típicos de One Piece, e até por isso servem como exemplo para o arco mais fraco de One Piece, em bons tempos de One Piece acredito que seriam dois personagens que seriam bem recebidos pelo público e que eu pessoalmente iria gostar, não adorar, mas gostar, já com este arco mais fraco nem lhes vi tanta piada, mesmo sendo dois personagens ao estilo One Piece.

 

Quando vi o final do capítulo 694, na altura, fiquei extremamente irritado com One Piece e com o Oda, porque o que nunca quis que acontecesse seria ver o Flamingo vs Luffy em Punk Hazard, o embate entre eles teria de ser necessariamente em Desrosa, até para se poder livrar de Punk Hazard e de um momento menos bom de One Piece. Com isso foi um alivio que uns capítulos depois o Oda resolveu não colocar Flamingo em Punk Hazard ao mesmo tempo do Luffy, excelente decisão, mesmo que para isso tenha de enrolar mais um pouco para o confronto dos dois.

 

Houve no final do 695 a dúvida sobre quem era o personagem que apareceu no final, tendo em conta os anteriores personagens que apareceram assim, só poderia ser Aokiji ou Mihawk, parecendo mais o Mihawk, mas fazendo muito mais sentido ser o Aokiji, algo que se confirmou no capítulo desta semana. Mesmo que pelo meio o Oda ainda tenha colocado os subordinados do Flamingo num barco só para confundir as contas do personagem misterioso.

 

 

One Piece segue várias ideias das quais raramente se afasta, ou seja a zona de conforto, ou a sua essência, duas coisas com significado diferente, a zona de conforto é na maioria das vezes usado como critica, afinal quer dizer que uma história nunca se arrisca de verdade, isso em One Piece seria o formato dos seus arcos/sagas, que basicamente seguem o mesmo padrão, à excepção de Marienford, e é provavelmente por Marienford, um grande risco tomado pelo Oda, ter funcionado tão bem que não há muito o que criticar One Piece na sua essência, essência essa que se baseia em chegar a uma ilha, criar ou encontrar um problema, vencer um vilão e festa no final, por isso é que se gostando ou não, a festa no final é obrigatória no Universo de One Piece, porque pior do ser repetitivo por ter uma festa no final do arco é fugir da sua essência, problema de boa parte dos mangas que por aí andam.

 

Por fim, Punk Hazard por menos bom que tenha sido traz várias aberturas para o futuro do manga e como disse acima poderia ter funcionado na perfeição se o tempo gasto com corridas e com o Caesar tivesse sido reduzido consideravelmente. Afinal o background era a ilha da luta entre Aokiji e Akainu, criou-se a parceria entre o Law e o Luffy, o Flamingo estava envolvido, o Smoker também e até no final o Akainu deu as caras.

 

 

7ºOne Punch-Man Actualizado:

http://i.imgur.com/Cn1D3yP.gif

 

Colocando o manga aqui, mas sem comentar sobre nenhum capítulo em especial, apenas adicionando mais um daqueles gifs sobre uma sequência que deve aparecer num dos próximos capítulos.

 

 

6ºHunter x Hunter Kurapika One Shot:

 

 

 

Infelizmente nesta ausência fiquei um monte de tempo sem comentar sobre o final do one shot, o que faz com que já não aja muito o que dizer, que não tenham lido em qualquer outro lugar, one shot simples, com o propósito principal de promover o filme e que infelizmente para a maioria não teve o massacre retratado no one shot.

 

Quer dizer, infelizmente até há penúltima página, porque neste one shot o Togashi fez o regresso das páginas pretas, ou no caso página preta, que para quem não se lembra também foi usado no provável melhor capítulo de sempre do manga, a morte do Meurem. E igual nesse último caso, o Togashi não podia ter acertado melhor, duvido que um capítulo de 30 páginas sobre o massacre pudesse ter um impacto maior que essa página teve, dessa forma cada um imagina à sua maneira e não apresenta um massacre numa revista shounen.

 

 

5ºDorohedoro Extra Volume 10:

 

Devia comentar sobre o extra e o capítulo 61, mas deixo o 61 para comentar para a semana, já que faz mais sentido comentar junto com o resto dos capítulos. Sobre o extra, basicamente a autora decidiu dar destaque ao personagem mais poderoso de Dorohedoro, Chidaruma, o demónio mais forte.

 

Uma coisa que sempre gostei bastante em histórias que envolvam níveis de poder são esses personagens extremamente fortes e que são invencíveis, ou quase, no seu Universo, mesmo fugindo de certa forma da realidade, se torna algo bem interessante, afinal cria aquele sentimento de impotência, de que por mais que se esforce nunca se conseguirá alcançar. Só relembrando o melhor confronto já feito envolvendo personagens desse género, Meruem vs Netero, em Hunter x Hunter, dois personagens que claramente estavam num nível diferente, num nível que nunca que Gon ou qualquer outro personagem do manga chegará, a não ser que o Togashi queira estragar o fez de bom. Resumindo uma batalha colossal, que serve como um extra, e que extra, para Hunter x Hunter.

 

 

E a autora parece que gosta desse tipo de personagem também, porque representa na perfeição o que qualquer personagem desse género tem de ser, desde o facto de que ele “brinca” com o En, personagem até ao momento visto como extremamente forte, como se ele fosse uma formiga, desde a personalidade estranha, jogando coco de pombo nos usuários de magia fracos, ao facto de que arranca as asas e os cornos só para poder dormir melhor ou para finalizar se deitar no meio da rua só porque sim.

 

Resumindo, mais um típico capítulo simples de Dorohedoro que é contado na perfeição, desta vez envolvendo o dia-a-dia do personagem mais forte de Dorohedoro, que não está nem aí para o que se passa com o Kaimen ou em idolatrar o En ou qualquer outra coisa que a autora tenha destacado no manga até ao momento.

 

PS: O personagem é tão overpower que nessa imagem acima tenho as minhas dúvidas se isso não é uma homenagem à Marie de Music of Marie, um dos melhores mangas que tive o prazer de ler.

 

 

4ºBeelzebub 184-191:

 

 

Finalmente Beelzebub voltou a ter bons capítulos, pena que para isso seguiu o caminho mais simples, em vez de ter arriscado e seguido para onde realmente deveria ir, que de forma resumida é em direcção ao mundo dos demónios, mas em vez disso, a forma que o autor arranjou para melhor a qualidade em baixa de Beelzebub foi voltar às origens, que deu tão certo nos primeiros 40-50 capítulos do manga.

 

Beelzebub sempre foi um manga que não deveria ser só battle shounen nem só comédia, mas sim uma junção dos dois, por isso essa situação de delinquentes escolares e lutas entre gangs funciona na perfeição no manga, afinal tem a parte de luta, mas nunca deixa a comédia de lado, então resumindo voltar a Ishyama, num novo ano, com novos novatos e com toda a nova luta pelo poder é algo que não tem como falhar, na verdade até tem, já que o Oga está claramente num nível superior, mas numa fase inicial não tem como falhar. E se o autor se inspirar em Crows/Worst e retirar 1/10 da sua qualidade podemos estar perante um grande arco.

 

Não me vou aprofundar muito, nas próximas semanas logo o faço, por agora apenas dizer que funcionou, que Beelzebub está excelente e que se o autor não diminuir em demasia o arco e não estragar tudo num final do nada tem tudo para ser o melhor momento do manga após a luta do Oga e do Toujou, relembrando novamente que por mais que o manga esteja bom, voltar às origens desta forma é sempre algo negativo e que mostra uma de duas coisas, ou o autor não quer arriscar e falhar ou simplesmente não tem qualquer ideia de como faria o mundo dos demónios.

 

 

3ºShingeki no Kyojin Actualizado:

 

Voltando a comentar sobre Shingeki no Kyojin, mas só irei voltar a comentar sobre os capítulos no próximo post, por agora apenas recomendar para quem ainda não leu e dar destaque a um dos melhores mangas da actualidade. Era para deixar as melhores imagens dos últimos capítulos, mas acabei decidindo por colocar o trailer do anime, do qual de certeza vou acompanhar e se o anime estiver tão bom como o trailer, pode estar aí o novo Full Metal Alchemist, anime tão bom ou melhor que o manga.

 

 

2ºNaruto 618-620:

 

Excelente jogada do Kishimoto, sinceramente já nem me lembrava que o Sasuke ainda não tinha pisado em Konoha na fase Shippuuden, demorou quase 400 capítulos para tal feito e o Kishimoto não deixou de aproveitar para fazer uma excelente analogia. A verdade é que podia ter ficado melhor se o Kishimoto tivesse colocado a imagem no mesmo exacto ângulo, se a saga do Pain tivesse tido efeito em Konoha e principalmente se houvesse mais um rosto entre os hokages, teria simbolizado muito mais, mesmo assim não retira muito do brilhastismo da cena, da qual destaco dois aspectos fundamentais, o Naruto dizer que Konoha não mudou nada e o Sasuke dizer que mudou um pouco e provavelmente a melhor, que acredito e espero que tenha sido intencional, Naruto chegar de dia e Sasuke à noite. De qualquer maneira isso seria apenas o começo dos excelentes capítulos que estavam por vir.

 

 

A mudança de trama também foi algo que vi com bons olhos, a parte da guerra, mesmo com o Juubi e a chegada da aliança, estava bem desinteressante, então mudar, nem que seja algo rápido, pode aliviar bastante o clima e quando o Kishimoto voltar há guerra pode ser que flua melhor. Outra coisa que também funcionou bastante bem, para surpresa de muita gente incluindo-me a mim, foi o Sasuke, que parecia nestes dois capítulos o Sasuke que sempre deveria ter sido, mas que se perdeu a partir do pós time-skip e principalmente pós morte do Orochimaru.

 

Isso vê-se por particamente os dois capítulos inteiros, mas principalmente pela frase final do capítulo 619, onde o Sasuke faz uma pergunta realmente interessante e não apenas mais uma das suas perguntas típicas, além disso pelas suas reacções calmas a tudo o que acontecia à sua volta. Além disso com a ressurreição dos 4 kages, me apercebi de uma coisa e que poderia ter sido uma ideia brilhante por parte do Kishimoto, mas que neste momento não faz muito sentido de acontecer.

 

 

Dos 5 kages, 3 são senjus, um é aluno de um desses senjus e o outro é aluno do aluno desses senjus, fora que se Naruto se tornar Hokage também terá parte Senju, ou seja todos os 6 kages, já contando com o Naruto estariam ligados aos Senjus, mas não há nenhum Uchiha, o mais perto disso foi o Danzu e seria o Kakashi se tivesse aceitado, mas Uchiha mesmo nenhum, então se o Kishimoto tivesse mantido o excelente Sasuke da fase clássica e não o tivesse perdido pelo caminho veria o Sasuke como hokage uma ideia brilhante, mais que brilhante uma ideia genial, ainda para mais depois dessa conversa. Mas aí entra os se’s e as várias coisas que o Kishimoto podia ter feito melhor do time-skip para cá.

 

O único, ou pelo menos o principal, defeito destes capítulos foi sem dúvida a comédia e dentro desse aspecto, principalmente a comédia em torno do primeiro hokage, não lhe acabou com a imagem, mas pouco faltou, não chega a ser algo simplesmente medíocre como em Bleach, mas se tivesse sido evitado teria fluido melhor. Por contra-partida o Kishimoto confirmou o que há muito tempo se vem expectando a influencia do segundo hokage, por um lado é meio exagerado a diferença de imagem que se tinha dele na fase clássica para agora, mas que seja, ele a cada menção que tem na obra se mostra um shinobi ainda mais forte e a ser respeitado, mostrando que afinal não fica assim tão atrás do seu irmão mais velho.

 

 

Mas sem dúvida o que troce esses 3 capítulos de Naruto para o segundo lugar e que só não entram em primeiro porque seria injusto com Toriko, foi o capítulo 620, acertou em 3 pontos-chave. Meio como quem não quer a coisa mostrar a força do Hashirama, a excelente frase do Sasuke interrompida ”Destruir Konoha ou talvez”, esse talvez abre várias possibilidades interessantes, se bem trabalhadas podendo fazer um twist que mude várias decisões duvidosas do Kishimoto no pós time-skip e terceiro o passado dos Senjus e dos Uchihas.

 

Só digo que o Kishimoto com esses 3 capítulos pode ter arranjado maneira de mudar radicalmente o clima de Naruto e mudar muitas opiniões sobre o actual e futuro estado do manga. Como se diz, o Kishimoto tem a faca e o queijo nas mãos, tudo depende dele, pode com este ponto de viragem fazer algo que muitos já achariam impossível ou então apenas dar a machadada final.

 

PS: Com o Hashirama vivo seria uma boa maneira de criar algo como Meruem vs Netero em Naruto, dessa forma fazendo com que o Naruto não precisasse ganhar poderes vindo do nada para derrotar um personagem que claramente é visto como superior.

 

PS2: Nunca pensei dizer isto, mas tendo em conta esses capítulos ainda é possível o Sasuke ter salvação.

 

PS3: Daqui a umas semanas/meses logo poderei saber com melhor precisão se o que disse acima foi um exagero de alguém que, mesmo com as criticas, quer ver Naruto tão bom como já foi, ou se estarei certo em me empolgar.

 

 

1ºToriko 214-221:

 

 

Nem era para colocar Toriko em primeiro, pelo menos da primeira vez que toquei neste post, mas com a chegada da Bishokukai, mudou o que eu tinha para comentar acerca de Toriko. Não me lembro se cheguei a dizer, mas o início do torneio fez-me lembrar bastante, não a nível de qualidade obviamente, dos Jogos Mágicos em Fairy Tail, isto porque da mesma maneira que o Mashima não tinha guildas o suficiente para fazer um torneio, também o Shimabukuro não tinha chefes o suficiente para fazer um torneio interessante, principalmente nas fases iniciais.

 

 

Além disso sempre vi interrupções de torneios como algo negativo numa história, mesmo que sejam raros os torneios que num manga não são interrompidos, só olhar para os torneios em Dragon Ball Z, o exame Chuunin ou agora este. Mas o engraçado é se apenas houver uma dessas falhas vejo como algo mau, mas se juntar-se as duas é a melhor ideia possível, ou seja, o torneio já estava a ir rápido demais por causa de não haver personagens secundários interessantes suficientes para manter uma prova de qualificação interessante, logo para quê seguir com um torneio dessa forma, com a maioria dos concorrentes sem nunca se ter visto antes no manga, melhor a fazer é mesmo interromper e isso o autor fez na altura certa.

 

 

Tivemos a apresentação do Buranchi, mais um personagem com a cara e corpo do Toriko, só que desta vez com um nariz grande, apesar disso já mostra ser um personagem bem carismático. Boa introdução do personagem e melhor ainda foi ver que ele e o Komatsu combinam muito bem, único problema do personagem foi a introdução repentina, mas é típico do Shimabukuro. Outra coisa que não gostei muito foi ver que o Shimabukuro vai seguir o cliché de todos os chefes serem fortes, por isto não quero dizer que todos deveriam ser igual ao Komatsu, mas todos serem fortes é exagero, além disso numa competição de corrida não haveria a necessidade dos chefes mais bem cotados ficarem nos primeiros lugares.

 

 

De resto foi o ataque da Bishokukai e os vários combates individuais entre os personagens de maior destaque, destacando que o Tomyrod e o Sany são o par ideal. Vários capítulos para aumentar o hype neste ataque e agora é ir esperando pelo que há de vir, que é uma grande incógnita, para último destaque fica o Zaus, que duvido muito que tenha sido derrotado, até pela surpresa da Setsuno ao vê-lo no chão.

 

 

Resumindo, o Shimabukuro está a criar um grande hype à volta desta invasão da Bishokukai, e nisso ele sabe fazer como poucos, o problema é depois corresponder esse hype à realidade, ou seja, quando pararem de aparecer novos personagens nesta batalha, e aí é que fica a questão, “Será que essa invasão estará ao nível do hype criado?” É uma questão de esperar, já não deve faltar muito para os capítulos estabilizarem, espero.

 

 

Ranking:

1ºToriko
2ºNaruto Parte 2
3ºShingeki no Kyojin
4ºBeelzebub Parte 2
5ºDorohedoro
6ºHunter x Hunter
7ºOne Punch-Man
8ºOne Piece
9ºAssassination Classroom
10ºBleach Parte 2
11ºShuumatsu no Laughter
12ºRookies
13ºGin no Saji
14ºShokugeki no Soma
15ºHaikyuu
16ºNaruto Parte 1
17ºCross Manage
18ºNanatasu no Taizai
19ºHajime no Ippo
20ºNisekoi
21ºNew Prince of Tennis
22ºKiruko-san
23ºBleach Parte 1
24ºTakamagahara
25ºFairy Tail
26ºHungry Joker
27ºBeelzebub Parte 1

publicado por Dark-Fenix às 23:38