Opinião Semanal #52

Semana sem Toriko quer dizer semana sem battle shounen no topo e nesta semana isso foi mais que verdade, sendo que o puro battle shounen mais perto do topo do ranking está apenas em sétimo. Tirando isso foi uma semana no geral bem mediana, onde os mangas que se destacam são aqueles mais estáveis, como é o caso de Haikyuu, Rookies ou Dorohedoro.

 

 

15ºSensei no Bulge Fim:

 

Finalmente foram lançados os últimos capítulos e já posso juntar mais um manga há lista de concluídos, tirando isso não há muito o que dizer, sendo que o único momento que esses últimos capítulos me fizeram pensar que o cancelamento foi injusto foi o último quadro, que não me fez pensar que o manga foi cancelado injustamente, mas sim que nas mãos de outro mangaka poderia ter futuro, afinal estamos a falar de um manga com aliens e viagens espaciais.

 

Que fique claro gosto bastante do autor, afinal ele fez Oumagadoki Zoo, mas sem dúvida essa mesma premissa nas mãos de um autor de shounen de batalha teria tido mais sucesso, já o autor de Sensei no Bulge devia-se dedicar a comédia, de preferência na Magazine ou Sunday.

 

 

14ºFairy Tail 309:

 

Típico capítulo de Fairy Tail, depois do Mashima dar a entender que podia dar algum destaque às lutas, ele faz o do costume fazer com que a Fairy Tail esteja em desvantagem, para no final dar a volta por cima, para no próximo capítulo eles darem o golpe final e seguirem em frente. Resumindo nada de novo e totalmente esperado, confirmando-se o que esse novo grupo além de aleatório serviu apenas para gastar tempo.

 

Além disso ainda se teve tempo para ver Arcadios, o homem lava, a correr na lava para salvar as damas em apuros, mas nem para deixar o personagem morrer, além de não ser derretido por causa da lava ainda é salvo pelo relógio da Lucy, que se vê salva por um Loki, que está tão estranho que nem parece o Loki.

 

 

13ºOne Piece 689:

 

Na altura que saiu o 688 ao ler alguns comentários sobre One Piece acabei vendo um que dizia que era melhor entrar em hiatus com um capítulo fraco para depois no regresso voltar em grande, do que terminar com um bom capítulo e depois regressar por baixo. De certa maneira ele tinha razão, caso não fosse o Oda ter entrado em hiatu com um capítulo fraco e voltado com um que não foi muito melhor.

 

Como disse nos comentários nas últimas semanas One Piece é um manga à partida lançado para um público infantil, mas que como bem mostram as pesquisas feitas no Japão agradam a todas as faixas etárias e isso deve-se ao facto de que mesmo com uma premissa infantil na hora certa o manga ganha a carga dramática certa para agradar aos fãs que procuram algo mais que uma história boba e infantil, o Oda em praticamente o manga inteiro soube balancear esses dois aspectos muito bem, mas parece que desde o final de Marienford, claramente um momento mais sério do manga, ele não soube voltar direito aos momentos mais simples do manga e isso viu-se na saga dos tritões, mas ainda está mais visível em Punk Hazard, em especial a maneira sem sentido que o Oda tenta mostrar que o Caesar é mau.

 

 

O Caesar está quase ao nível Bruxa Má das histórias da Disney e o facto de ele criar frutas artificiais podia bem funcionar como uma comparação com a história da Branca de Neve, seja como for se o objectivo do Oda era tornar o personagem irritante conseguiu, porque no final também queria ter feito igual ao Luffy, mesmo que seja bem inferior aos épicos socos que o Luffy deu no Bellamy e no Tenryubito e ao contrário desses dois personagens não beneficia nada o Caesar.

 

O melhor do capítulo é ver que mesmo que o Oda esteja gastando mais tempo do que o necessário em Punk Hazard, One Piece ainda continua com a linha de pensamento de pensar no futuro e não fazer uma saga fechada, as akuma no mis artificiais, Smile, abrem uma boa possibilidade para o futuro do manga, ainda para mais com tudo isso envolvendo o DoFlamingo. O ponto forte disso foi também que o Oda deu destaque às akuma no mi tipo zoans, que o Oda sempre deixou em terceiro plano, só espero é que não ajam muitas akuma no mis artificiais lendárias, senão as Smile vão ser bem overpower e acabam estragando por consequência com o significado de só haver uma akuma no mi de cada tipo.

 

Esta semana concluindo ao contrário, ou seja falando da capa do capítulo, mais uma vez o melhor do capítulo continua a ser a história do Caribou, que agora chegou à ilha onde o X-Drake tinha ido antes do timeskip, relembrando uma das ilhas do Kaidou, o que deixa muito boas possibilidades para essa história e quem sabe até descobrir alguns segredos do pós-timeskip, algo que o Oda está a dar a conta-gotas e a esta altura já estava mas que na altura de mostrar algo mais concreto sobre como está o mundo pós esses 2 anos.

 

 

12ºKiruko-san 1:

 

Igual a One Piece vou começar por algo que li na internet, alguém disse algo parecido com isto, comecei a ler e estava a achar sem graça, mas já que estava a ler decidi ir até ao fim, isto quando paro para ver em que página vou e ainda estava na 20, de mais de 55. No meu caso não foi logo na 20, mas também não durou muito, foi na 27 que parei para ver quanto ainda faltava e a partir daí foi um martírio para acabar de ler o resto.

 

Kiruko-san é um gag manga, mas ao mesmo tempo que é um gag, tem o nº de páginas normais que os mangas da Jump têm e isso até pode acabar passando despercebido quando tiver as habituais 19 páginas, mas ler 55 páginas seguidas disso é complicado. Até comentei parecido no primeiro capítulo de PSI, onde quase no final do manga também já estava a começar a ficar irritante, a diferença é que em PSI faltavam apenas 6 páginas para o final e em Kiruko-san faltava praticamente 30.

 

Antes de comentar sobre a história, não é só Kiruko-san, mas ao ler esse capítulo me fez pensar no porquê de cada vez gostar menos dos mangas que estreiam na Jump, antigamente um gag manga policial seria um Kochikame, personagem adulto e dentro dos possíveis realista, agora manga publicado na Jump tem de ter personagens com cara de criança e se não terem traços realistas ainda melhor, e a comédia é o mais bobo possível e se possível também envolvendo um ladrão de roupa interior feminina. Mas como disse isso não é só problema de Kiruko-san, mas sim de mangas shounen no geral, provavelmente por isso Toriko funcionou tão bem na Jump de hoje em dia, para contrariar essa tendência.

 

 

Sobre a história em si, é bem ao nível de Reborn, entendam como quiserem. A Kiruko é uma ex-mercenária que vai trabalhar para a polícia de uma pequena cidade, não tem muita personalidade, parecendo que nunca conviveu com ninguém, sendo muito forte, essas duas ideias basicamente servem para 90% das piadas do capítulo. Os outros 10% ficam para o coprotagonista pervertido, que até gostei no início, mas no final vi que mesmo com personalidade diferente da maioria dos protagonistas no final vai dar ao mesmo.

 

Para concluir, Kiruko-san ainda não mostrou muito a que veio, o primeiro capítulo é gag, mas tem um toque de quem pode ir para comédia romântica ou battle shounen, seja como for actualmente na Jump essa indecisão pode não ser benéfico para o manga. De qualquer maneira logo no primeiro capítulo já entregou logo um dos maiores clichés de mangas de romance, o ladrão de roupa interior feminina, e acho que isso mostra bem o nível do manga.

 

Mas é como disse acima é bem ao nível de Reborn e o manga durou 42 volumes.

 

 

11ºBleach 517:

 

A página colorida já mostrava bem o que estava por vir, uma sequência de comédia protagonizada pela Guarda Real. Deixando isso de lado, é sempre uma pena quando a Jump decide colocar toda essa publicidade em cima das páginas coloridas, principalmente nessa que era a primeira com os 5 da Guarda Real reunidos. Além disso volto a relembrar a boa referência que o Kubo fez uma das melhores músicas de sempre, pena que a qualidade do capítulo não esteve há altura da referência.

 

Bleach sempre esteve longe de me agradar totalmente, mesmo tendo excelentes momentos nunca conseguiu resultar durante muito tempo seguido, mas uma coisa que nunca me agradou foi o senso de humor do Kubo, piadas forçadas e num timing pior ainda, é a maneira como descrevo o humor em Bleach, um bom exemplo foi a aparição do Kon no capítulo anterior, algo que se esperava há uns bons tempos estragado pelo timing da sua aparição.

 

Neste capítulo como se já não bastasse a personalidade dos membros da Guarda Real não combinar nada com os seus postos, ainda veem fazer piadas depois da Soul Sociaty ter sido praticamente destruída, na terceira página do capítulo então parece que eles estão a abrir o desfile de Carnaval do Mundo Espiritual. Percebi que a ideia do Kubo era mostrar o quão eles são fortes e quanto os capitães os respeitam, mas havia melhores maneiras para o fazer do que estragar a imagem de alguns personagens importantes, em destaque a Unohana, personagem que nunca sequer teve tempo para brilhar e já foi humilhada.

 

E para terminar em grande porque não uma dose de protagonismo, pelo menos uma coisa saiu de bom daí, vai-se conhecer o Rei mais cedo do que se esperaria. O telefonema no final não sei bem o que comentar, esperando para ver o que saí daí.

 

 

10ºKurogane 40-42:

 

Fica difícil gostar de Kurogane quando se lê capítulos a conta-gotas e que a cada semana que passa mais parece que é uma questão de tempo até o manga ser cancelado, além de claro de alguma falta de qualidade da maioria dos capítulos anteriores, mesmo assim Kurogane tem um ponto forte que são as batalhas e isso mais uma vez ficou provado nesses 3 capítulos.

 

Não que o manga tenha deixado de ser cliché, mas sim que o manga funciona dessa maneira na parte dos duelos, já no drama, é melhor que o autor perceba de uma vez que essa esta longe de ser a sua praia. Os clichés em si não me incomodaram muito, o que mais me incomodou foi ver que o autor na responsabilidade de mostrar algo de interessante para não ser cancelado vai já jogar o herói do Kurogane no lixo, metendo-o numa equipa fraca e tendo em conta que eles perderem os dois primeiros jogos é de certeza que o Kurogane lhe vai ganhar, o personagem podia ter sido melhor aproveitado.

 

PS: Lutar com duas espadas está dentro das regras?

 

 

9ºNaruto 610:

 

Naruto volta a ter um capítulo bem morno, e volto a dizer numa altura que se esperaria que o manga estivesse em alta, sendo o assunto de conversa de qualquer fã de mangas, fosse para elogiar ou criticar, a verdade é que o manga apresenta mais uma vez um capítulo morno e sem nenhuma empolgação, é que nem para criticar.

 

Resumindo, um pouco de estratégia por parte dos bijus e um Juubi feio como tudo, acho que foi só isso que aconteceu no capítulo. Não foi um mau capítulo, nem um bom capítulo, foi um capítulo onde pouca coisa aconteceu e que faltou carisma tanto de um lado quanto do outro.

 

 

8ºBeelzebub 182:

 

Um dos motivos porque este capítulo não correu da melhor maneira foram os adversários, só estão 8 equipas e mesmo assim tanto na primeira luta em destaque quanto na segunda, os adversários foram personagens randoms, de certa maneira faz lembrar um pouco o torneio em Fairy Tail, onde não havia equipas suficientes sequer para preencher 8 vagas.

 

A parte da Aoi foi bem fraca, sendo que os melhores momentos não envolveram nem ela nem o seu parceiro, ou seja as falas do Furuichi e a burrice do Oga. Seria esperado um pouco de mais destaque para o Toujou, mas a sua parceira, Shizuka, fez um optimo trabalho e roubou os holofotes para ela. Vale lembrar que ao contrário da semana passada o autor se lembrou do juiz, que continua excelentes nas suas aparições aleatórias.

 

 

7ºHungry Joker 2-3:

 

Não me lembro ao certo quem comentou no blog sobre a importância do segundo capítulo, de qualquer maneira pegando nesse comentário para começar a análise a Hungry Joker. O primeiro capítulo é uma das coisas mais importantes de um manga, ainda para mais na Jump, porque se a maioria das pessoas não gostou do primeiro capítulo nem sequer vai ler o segundo, mas o segundo é provavelmente o mais importante capítulo do manga, principalmente para um manga que teve um primeiro capítulo de bom para cima.

 

Isto porque o segundo capítulo é a confirmação sobre a ideia que se ficou do primeiro e também dá uma ideia mais realista da obra em si, já que o primeiro capítulo é normal levar mais tempo para ser terminado, ou seja tempo mais que suficiente para melhorar algo que ficou pior, não só na arte, mas no roteiro, já a partir do segundo capítulo é a sério, agora e a doer o manga está serializado e o autor tem de fazer um capítulo por semana. Mas voltando à parte principal, a qualidade, um segundo capítulo mau, pode ser quase tão mal quanto um primeiro.

 

E nisso Hungry Joker falhou, não totalmente, mas falhou, apresentando um capítulo de transição, que não ajudou a melhorar a personalidade dos protagonistas, que também não adiantou muito sobre os Eurekas, que apresentou um vilão meio do nada, exagerou no nível de poder do Haiji, como disse logo de início foi de transição e acima de tudo o pior problema foi que neste capítulo o Haiji chamou a Yamada de outro nome, ela já é uma personagem sem nenhum carisma e andar a mudar o nome não ajuda nada a Yamada.

 

 

O capítulo 3 começou também com alguma falta de carisma e seguindo alguns dos erros que apontei no parágrafo anterior, dando principalmente destaque agora à falta de expressão do Haiji, por um lado esse tipo de personagem é bom, mas para um shounen, é complicado um personagem assim funcionar, onde protagonistas são algo essencial a um leitor se identificar com o manga.

 

Por outro lado o autor continua a acertar em cheio no que diz respeito à Ciência e há maneira como tem criado os Eurekas, inicialmente esperaria que fosse tudo na base de maças, principalmente para não haver comparações desnecessárias com as akuma no mis, mas com este capítulo mostrou que não são só frutas ou plantas, mas sim objectos também e isso é uma boa escolha do autor que abre um leque bem vasto de possibilidades, fazendo lembrar de certa maneira a série Once Upon a Time, só que em fez de ser um monte de contos de fadas na mesma história é um monte de cientistas, matemáticos, inventores e outras pessoas do género como base para uma história.

 

Para concluir, gostei de ver que o autor não se vai fixar apenas no Japão, o que é o problema de muito manga com background no mundo actual, e que acaba-se centrando demasiado ao Japão, na mesma perspectiva que as séries americanas se focam demasiado na América, a diferença é que as séries é difícil exagerar por causa do orçamento, já num manga viajar até à Inglaterra custa o mesmo que continuar na mesma cidade o manga inteiro, o melhor exemplo pela negativa é provavelmente Hajime no Ippo, onde o Ippo nunca lutou fora do Japão, mas pior mesmo é o Takamura nunca lutou fora do Japão, sendo que defende o cinturão mundial.

 

 

6ºKuroko no Basket Volume 8:

 

Apesar de dizer que vou comentar em específico sobre o volume 8, tenho de comentar sobre algo que acontece no volume 7 e adiantar algo do volume 9, já que o jogo entre o Kise e o Aomine não termina no volume 8. Focando os assuntos que quero abordar no comentário.

 

Campo de Treino:

O problema de muitos mangas de desporto é saber como criar uma boa história fora dos jogos, resumindo problema mais que obvio de Kurogane e que tendo em conta o lado cliché de Kuroko no Basket poderia ser um grande problema, mas o autor soube trabalhar isso bem e essa fase entre a derrota para o Aomine e o começo do torneio de Inverno foi o ponto-chave para provar isso, em especial o campo de treino, que ficou ainda melhor com a adição da equipa do Midorima, dessa maneira o autor matou dois coelhos de uma só vez, provou que também sabe fazer bons capítulos fora dos jogos e mudou, para melhor, a personalidade do Midorima, algo que tinha sido de longe a maior falha do manga até ao momento.

 

Jogo entre o Kise e o Aomine:

Outra coisa que o autor acertou em cheio foi em dar destaque, e por destaque digo ter usado mais que 1 volume para isso, a jogos que não apenas os de Seirin, isso é algo que também falha bastante nos mangas de desporto, centrando tudo demais na equipa principal, mas sem credibilizar os adversários fica difícil motivar o leitor a gostar do jogo, principalmente nos mangas de desporto shounen onde é fácil adivinhar quando uma equipa vai ganhar ou perder. Resumindo mostrou um grande jogo entre duas equipas adversárias e ainda aproveitou para dar alguma dúvida sobre os resultados futuros, contando ainda mais para isso com que comentei na semana passada.

 

 

Capítulo Especial - Tip Off:

Sem muito o que dizer desse capítulo, apenas que deu uma visão diferente da geração dos Milagres e deu para conhecer um pouco mais da personalidade do Kise, Kuroko, Midorima e Aomine, esperando que saía algo do género quando forem revelados os últimos dois.

 

Páginas Extra volumes:

Para concluir algo que mostra que muitas vezes se perde bastante ao não ler um manga pela sua versão compilada, não que isso me tenha surpreendido, na verdade só confirmou o que já esperava, o autor realmente sabe o que está a fazer, e novamente repito, mesmo Kuroko seguindo um rumo que tinha tudo para ser algo cliché e por consequência sem qualidade, o autor mostra que dá para ser cliché com qualidade.

 

O que quero dizer, quem nunca viu algumas cenas de mangas shounens clichés e pensou, que timing perfeito ou que perspicácia sobre-humana, pois Kuroko, como manga cliché que é, está cheio de cenas dessas, mas não chega a ser aquela coisa totalmente irritante e essas páginas extras dos volumes mostram bem isso, já que o próprio autor brinca com esses clichés, lembro-me principalmente de uma cena de um personagem que faz o cliché de ir andando num corredor e num cruzamento parar, sem olhar para o lado, e falar a sua frase de efeito. Depois na página extra o autor faz a piada com ele parando no cruzamento errado, e falando o mesmo para a senhora da limpeza.

 

 

5ºPSI 4:

 

Este capítulo flui muito melhor do que o anterior e esse é o ponto-chave desse capítulo, o facto dos 3 personagens principais já terem sido apresentados também ajuda, já que dessa forma distribui o capítulo pelos 3, tornando o capítulo menos repetitivo, algo que tinha sido um problema no final do primeiro e principalmente no terceiro.

 

De resto, novamente o autor começa com uma boa piada na primeira página, desta vez com a evolução, os 3 personagens de tão diferentes que são formam um grupo bem interessante e o autor continua a adicionar poderes interessantes ao Saiki. Resumindo se o manga continuar seguindo esses aspectos tem tudo para ser um bom manga de ler, mesmo que dificilmente fuja dessa fórmula.

 

 

4ºRookies 80-81:

 

Mais dois bons capítulos de Rookies, mesmo que o autor continue a focar mais no aspecto pessoal do que no basebol em si, mas como disse anteriormente o autor antes de Rookies fez Rokudenashi Blues, um manga escolar sem destaque em nada especifico, então é normal ele focar mais no aspecto pessoal do que no desportivo, e claro que também sabe o que faz.

 

O 80 foi o melhor, focando num personagem que teve pouco destaque anteriormente, destacando a página final com a piada do Instinto contra Instinto. Já o 81 foi apresentar uma nova personagem e foi o início de algo, resumindo é algo que não dá para comentar com muito destaque por agora, então esperando os próximos capítulos para poder comentar com algo mais consistente.

 

 

3ºAssassination Classroom 19-20:

 

Desta vez sem um comentário gigante, até porque o que tinha para comentar sobre esse hype de AC já o fiz nos dois posts anteriores.

 

Quando comecei a ler o 19 pensei logo, não acredito que o autor ainda vai continuar com o foco nessa viagem escolar, sendo que é principalmente desde que essa viagem começou que o manga me começou a desanimar e também a cair numa pequena fase de estabilidade que não é a melhor solução para um manga que veio com uma popularidade tão alta, mas este capítulo mesmo ainda pertencendo ao arco da viagem, vem com algo novo.

 

O único problema que aponto foi o que disse na semana passada, o destaque dado ao Duro de Matar, o capítulo 19 foi bom? Porquê? Porque o Duro de Matar aparece em todas as cenas do capítulo e ele é o centro de tudo, não tem como dar errado, destacando a cena que há uma troca de papéis, em vez de serem eles a espia-las, são elas que vão espiar o Duro de Matar, que claro faz o seu papel de Diva. Para finalizar um capítulo simples e divertido o que melhor que deixar um pequeno mistério no ar?

 

O 20 também foi um bom capítulo, nem tanto pelo capítulo em si, mas pelo que do futuro aguarda, o manga com este capítulo abre boas possibilidades para o futuro, mesmo que eu não seja grande fã de robôs, principalmente porque na maioria dos casos é difícil imaginar que eles terão real destaque e irão ser ameaças, como no caso onde de certeza não serão os robôs que iram derrotar o Duro de Matar. A personagem Mata é uma ideia que funciona há partida, mas que tenho sérias dúvidas que funcione a longo prazo, difícil pensar que um iPod gigante vai ser importante daqui a 50 capítulos, mas quem sabe. De qualquer maneira o ponto principal desse capítulo sem dúvida foi as probabilidades que a Mata comenta no final do capítulo, o que dá esperança aos alunos de que a cada dia que passa a probabilidade de ser possível matar o professor aumente.

 

 

2ºHaikyuu 23:

 

Este é mais um manga que só se lê a conta-gotas, pelo menos a scanlator americana tem mantido um ritmo aceitável, resta esperar é pela dragon scans.

 

Deixando isso de lado, mais um excelente capítulo de Haikyuu que a cada semana prova o quanto estava errado quando disse que o principal ponto positivo de Haikyuu era os jogos e não a interação entre personagens. Não que o drama seja melhor que as jogadas em si, mas desde o capítulo 20 que o autor tem apresentado uma excelente sequência de boas decisões no que diz respeito à personalidade dos personagens, algo que não estava à espera de Haikyuu.

 

Depois de destacar os novos membros da equipa, agora é a vez de dar destaque aos dois protagonistas, principalmente ao Hinata e sem dúvida foi uma boa surpresa ver que o autor vai dar personalidade ao personagem, algo que nos últimos anos tem faltado bastante nos protagonistas. Resumindo, o Kageyama vê que precisa ajudar o Hinata, que depois de ver o craque a jogar se sente inferior e pensa que nunca chegará ao seu nível, à sua maneira mostra ao Hinata que ele também é importante e que com a sua ajuda pode ser ajudar a equipa, pelo meio ficam excelentes páginas duplas com as jogadas dos dois jogadores, proposta simples, mas não tão simples de executar.

 

 

1ºDorohedoro 56-58:

 

Um dos pontos fortes de Dorohedoro é o nº de tramas ao mesmo tempo, ou melhor dizendo, a falta de um único protagonista ou grupo de protagonistas, havendo dois grupos principais o do Kaiman e o do En, sendo que como os últimos capítulos tem mostrado esses dois grupos podem ser bem flexíveis, como o facto da Noi e o Shin estarem amigos do grupo do Sasukabe. De qualquer maneira isto para dizer que vou comentar sobre 3 capítulos e 3 histórias diferentes, a primeira focada no passado do Sasukabe, a segunda na Ebisu e a terceira no presente focando em vários assuntos.

 

Também por causa dessas mudanças de plot muitas vezes acaba-se esquecendo de algumas cenas, principalmente antes de ter começado a comentar, onde muitas vezes não li exactamente capítulo a capítulo, por isso estava meio a apanhar do ar sobre esse personagem que eles foram desenterrar. Mas afinal ele ainda não tinha aparecido, achei o personagem interessante, mas acima de tudo a história envolvendo o personagem trás muito boas possibilidades, além disso o flashback esteve cheio do habitual tema bizarro do manga que é sempre bem-vindo.

 

 

A Ebisu é uma das melhores personagens do manga e se havia dúvidas disso, esse capítulo vem provar o contrário, a sua maneira peculiar, excêntrica e bizarra combina na perfeição com a personagem e essa imagem com ela relembrando os seus melhores momentos mostra muito bem isso. Além disso faz uma excelente parceria com o Fujita e isso mostrou-se novamente no capítulo 57, para concluir sobre este assunto adorei quando a Ebisu chega a casa e quem abre a porta não a reconhece-se, esperando para ver o que daí saí.

 

Sobre o 58, não se foca numa história em específico, mostrando as duas principais e terminando com o grupo do En ficando sabendo onde está a Nikaido. Não há muito o que comentar sobre a parte do Sasukabe, só que ele faz uma boa parceria com a Noi e o Shin, e a excelente reação atrasada do velho. Já o Kaiman se encontra a pensar sobre o seu passado, enquanto encontra com um grupo de olhos cruzados, finalizando com um excelente momento. E por fim parece que no final todos ou pelo menos os personagens principais se vão encontrar nos próximos capítulos.

 

 

Ranking:

1ºDorohedoro
2ºHaikyuu
3ºAssassination Classroom
4ºRookies
5ºPSI
6ºKuroko no Basket
7ºHungry Joker
8ºBeelzebub
9ºNaruto
10ºKurogane
11ºBleach
12ºKiruko-san
13ºOne Piece
14ºFairy Tail
15ºSensei no Bulge

publicado por Dark-Fenix às 23:55