Opinião Semanal #50&51

 

Depois de uma semana de pausa voltando com o post, numa semana marcada pelos fracos capítulos dos mangas mais populares, esta semana também marca porque vou retirar mais dois mangas do post, Ao no Exorcist e Gin no Saji, com este último voltando sempre que ter bons capítulos ou quando eu achar necessário. Por outro lado comentando também sobre One Punch Man, que acabou-me surpreendendo deste a última vez que comentei sobre o manga.

 

Estreia de Hungry Joker no post, já o Rookie policewoman Kiruko-san fica só para a semana, sem Haikyuu porque ainda não li o capítulo lançado pela Dragon, o mesmo para Kurogane e relembrando só comento Sensei no Bulge quando for lançado o último capítulo em português, ainda falta 1 e eu pensando que tinha terminado no 15.

 

Sem Reborn no post, quando comecei a fazer o post estava com a ideia fixa de logo comentar sobre Reborn noutro post separado, agora pensando bem mais valia comentar mesmo aqui sobre o final fraco e dando uma pincelada pelo resto, assim já estava livre do manga, mas como agora fica complicado encaixar Reborn no meio vai assim mesmo e logo saí eventualmente, esperando que seja nesta semana, mas não fiquem surpresos se for só para o mês que vêm.

 

 

17ºAo no Exorcist 40:

 

Como disse acima, vou deixar de comentar sobre Ao no Exorcist, o motivo é simples tentar reduzir a lista de mangas que comento que já está extensa demais, além disso não sou grande fã do manga, não é um manga que muita gente comenta e mais uma vez a autora mostrou que segue para um caminho não muito bom.

 

Este último lugar é uma junção entre o facto de ir deixar de comentar sobre o manga e a qualidade baixa desse capítulo, em particular a maneira fraca com que a autora trabalhou o plot do capítulo e o que tinha deixado como cliffhanger no capítulo anterior. Está certo que seria meio ingénuo pensar que aquele portal já teria destaque logo neste capítulo, mas mesmo assim esperava que tivesse tido mais foco por parte do grupo de personagens da escola, já que o mais certo é cedo ou tarde eles irem lá parar, então num manga mensal mais cedo vale mais.

 

Mas deixando isso de lado, foi um capítulo totalmente filler, mesmo que o plot de 7 mistérios da Academia Vera Cruz podia ser bem aproveitado, mesmo não tivesse nada de especial e que fossem apenas fillers, dava para fazer isso com qualidade e também como treino para futuros arcos do manga ou ligação entre arcos, mas com essa cena de parecer que 7 é apenas um número e que depois com um deles sendo um fantasma travesti fica complicado ver isso como algo positivo.

 

Para concluir, acho que o grande problema do actual Ao no Exorcist é a sua popularidade extremamente alta que veio do nada e o facto da autora não saber lidar com isso, fazendo de certa forma lembrar de Fairy Tail, antes de sair o anime era um manga aceitável e que entretém bem, mesmo passando longe de ser de qualidade, saiu o anime e a qualidade caiu a pique. Ao no Exorcist não caiu a pique, mas parece que a autora está a pensar que entregar qualquer coisa serve, pelo menos já voltou a fazer 40 páginas por semana.

 

 

16ºFairy Tail 307-308:

 

Capítulos base de Fairy Tail, com o Mashima mais uma vez focando no poder dos sentimentos, só que desta vez para o inimigo, tirando o facto de que tudo isso dos poderes do sentimentos e tal é ridículo, essa parte de agora também ser reconhecido pela Sabetooth e que o Natsu não está no torneio, pode ser que o Mashima saía do cliché e coloque a Fairy Tail a perder, mesmo que tendo em conta o que o Mashima fez no torneio isso não faz o menor sentido, mas essa também é a especialidade do Mashima.

 

A morte do gato era dispensável, mas a cena de dizer que ele afinal não morreu era mais dispensável ainda. É complicado, para quando se tem duas histórias diferentes a acontecer ao mesmo tempo, saber balancear o que dar mais desta e o que dar menos, além de em que momento mudar, por isso muitos acabam por seguir a maneira mais segura, de primeiro finalizar uma parte e depois mostrar a outra e tendo em conta esses dois capítulos o Mashima devia ter seguido a maneira segura.

 

Digo isto principalmente porque o Mashima parece que vai gastar alguns capítulos para derrotar o novo grupo, ou seja deve demorar até voltar ao torneio e se ele já não estava muito interessante com hiatos fica difícil. O grupo é bem cliché, ao estilo do Mashima, até podia resultar se não tivessem sido tão aleatórios e além disso servirem apenas para empatar e não deixar tudo tão fácil, mesmo assim é uma boa ideia o Mashima gastar alguns capítulos numa luta, é algo que falta há um bom tempo no manga.

 

 

15ºOne Piece 688:

 

One Piece está a desanimar tanto que novamente o melhor do capítulo volta a ser a sua capa e a viagem do Caribou no Novo Mundo, o que é mais engraçado nisso é que o personagem em si não é nenhum Buggy em carisma, se mantendo no básico e mesmo assim a sua história está a conseguindo ser melhor que os capítulos semanais de One Piece. Sobre a página em si, parece que se não acontecer nada surpreendente ele vai ter um papel semelhante ao Buggy.

 

Uma das coisas mais importantes numa história semanal, seja de que género for é o interesse que dá a quem lê, por exemplo o capítulo em si foi mau? Não, foi mais ou menos, o grande problema é os altos e baixos que o manga tem sofrido nas últimas semanas, o autor dá destaque ao Flamingo e depois entra em pausa e volta a meter todo o mundo a correr, depois para e faz uma boa luta contra a Monet, mesmo que tenha falhado em alguns aspectos, e aí pensasse é agora que vai e o Oda apresenta este capítulo com nada demais e pior que isso volta a ter uma pausa, assim é difícil esta saga pegar interesse do público.

 

Sobre o capítulo em si, voltou tudo a correr, só que desta vez basicamente apenas na escadaria. O plot da Mocha podia ser muito bom, mas em One Piece é difícil levar a sério principalmente porque toda gente já sabe que o Oda não mata ninguém a não ser em flashback, randoms ou em casos especiais como o Barba Branca e o Ace. Além disso eu tenho um sério problema com esse tipo de plot, está certo que os doces fazem mal e que as crianças deviam deixar de comê-los, mas que mal fazia os mugiwaras deixarem as crianças comerem o raio dos doces, ir tratar logo do Caesar e do resto dos problemas da ilha e logo deixavam as crianças para o fim, afinal elas já comem os doces há vários meses que diferença faz se comerem agora mais um.

 

 

14ºBleach 515-516:

 

Os dois capítulos mostrando a calma depois da tempestade, esses dois capítulos podiam muito bem ser encaixados no mesmo, na verdade deveriam, principalmente pela chegada da Guarda Real, mas já falo disso. É raro o momento que o Kubo acerta no que toca a conversas e ele fez isso razoavelmente na parte da conversa entre os capitães, as reacções mesmo que não totalmente bem-feitas têm um tom pesado, essencial naquele momento.

 

O problema é que não interessa o quão as reacções foram bem-feitas quando momento antes do Kubo dá um tiro no pé, pelo menos se quer ter a qualidade que ele diz que o manga tem, Byaukuya vivo é chamar de burros os leitores, depois de mais de umas 3 declarações de morte ele ainda continua vivo, então para quê aquele discurso para o Ichigo ou gastar umas 3 páginas com ele a dizer que vai morrer? Já do Zaraki não havia dúvidas que estava vivo, agora com essa declaração que não acharam o corpo do Yamamoto ainda fico em dúvida se o Kubo não o vai fazer ficar vivo também, do Kubo espero tudo. O melhor do capítulo foi provavelmente o Shunsui no final do capítulo, dando aquela impressão de que é quem vai tomar as rédeas da Gotei 13 quando essa guerra terminar ou mesmo na guerra, apesar da Unohana também ser uma possibilidade a ter bastante em conta.

 

Já o 516 falhou em praticamente tudo, ou seja 3 coisas:

 

 

1ºA história da bankai quebrada não poder voltar ao que era, não é que veja isso como falha, defeito ou qualquer critica, na verdade gostei bastante disso, o problema é que já houve melhores alturas para isso ser introduzido, acho que o mais obvio seria na luta contra o Aizen, agora já em cima do final do manga parece que o único motivo para ser introduzida é porque o Kubo se lembrou em cima da hora e provavelmente vai servir para algo em especial, provavelmente envolvendo os poderes quincy do Ichigo.

 

2ºKon, fiquei bastante surpreso com o Kon a aparecer no manga, há muito que isso era esperado, afinal faz uma eternidade que ele não aparece, então de certa forma criou-se um grande hype há volta da sua reaparição em Bleach ou em casos como o meu de mesmo nunca tendo gostado do personagem torcer para que ele simplesmente não fique esquecido. A minha primeira reacção ao ver o Kon foi surpresa e entusiasmo, mas rapidamente passou para o sentimento, agora lembrou-me por nunca gostei do Kon. Além do mais a sua aparição foi aleatória demais e num momento sem sentido, até porque comédia é algo que o manga não precisa nada neste momento.

 

3ºA Guarda Real, ou seja a segunda metade do capítulo, por mais que tenha gostado do Kubo finalmente sair daquela ideia que que personagem popular, forte e carismático tem de ser bonito e sem imperfeições e no caso delas ter peitos gigantes, para 5 personagens que em nada combinam com o típico personagem de Bleach, principalmente os mais fortes. Mas mesmo com isso os personagens mostraram uma falta de carisma gigante e sendo bem estereotipados, primeiras impressões muitas vezes não correspondem à realidade, mas também muitas vezes são essas impressões que ficam.

 

Como disse acima estes dois capítulos deviam ter sido apenas 1, um já deixava a ideia que eles tinham levado uma eternidade para chegarem, quando o esperado seria ir o mais depressa possível, agora fica a ideia que se passa mais de um dia até eles lá chegarem e depois a maneira do Kubo de ser não ajuda em nada, já que mesmo com a Soul Sociaty destruída eles chegam a sorrir e a fazer pose como se fossem para uma festa. De qualquer maneira esperar pelo próximo capítulo para ter uma ideia melhor do que está por vir.

 

 

13ºHajime no Ippo 955-958:

 

Uma coisa que me esqueci de ter em conta na última vez que comentei foi o adversário do Itagaki, porque o Itagaki tem tudo para ser o típico personagem génio que vira irritante e isso poderia acabar por estragar a luta, mas do outro lado também está um personagem que não fica muito atrás da personalidade do Itagaki, o Saeki apesar de mais contido também tem a mesma personalidade do Itagaki e isso viu-se bastante claramente nesses capítulos em questão.

 

Tirando isso só tenho a dizer que o autor tem um sério problema com dimensões, do corpo há muitos exemplos, sendo o melhor uma imagem do Myata quando criança, que ficou mais bizarro que as poses dos personagens de Jojo Bizarre Adventures. Agora essa do ringue é nova, ou se calhar não, a ideia era dar rapidez aos personagens, mas praticamente tornou o ringue rectangular e dimensões gigantescas.

 

 

12ºNaruto 608-609:

 

Antes de mais, acho que a Scans project não lançou a versão final, pelo menos no site deles e no leitor online não está então vai mesmo com a prévia. E segundo que título de capítulo mais sem sentido esse do 609, novamente igual há página de fundo preto há uns capítulos atrás, pena não ser noutra altura, porque senão dava uma boa ironia.

 

O manga em si está a fazer o básico, mas sem cativar, foram dois capítulos bem normais, numa altura que para bem ou para mal se esperava algo que chamasse a atenção, esse algo seria o 10 caudas, mas a verdade é que a última página do capítulo 609 não saiu desenhada da melhor maneira, ou falando de outra maneira, o angulo não é o melhor, para não falar que o biju é apenas a estatua com 10 caudas, não é como se fosse uma grande surpresa.

 

Uma coisa que também me tem incomodado nesses capítulos é o que o Naruto está ali a fazer, obviamente é o protagonista e essa é tecnicamente a luta final, mas ele está ali completamente à toa desde que o Tobi mostrou ser o Obito. O momento deveria ser do Kakashi e do Obito, até o Gai, o Bee e o Madara se afastaram, mas continua ali o Naruto sem saber bem o que dizer e o que fazer, saindo com as suas frases de efeito só para não se esquecerem que ele existe.

 

 

11ºPSI 3:

 

PSI tem um grande problema, fica difícil dizer isso no capítulo 3, já que não dá para confirmar se isso acontece em todos os capítulos ou foi uma característica única e exclusiva desse capítulo. O problema é conseguir manter um manga gag, ou seja um manga cheio de diálogos, interessante durante tanta página. Isso falhou perto do final do primeiro capítulo, onde já estava a começar a ficar repetitivo, no segundo não tive esse sentimento, mas neste terceiro foi bem rápido até começar a achar repetitivo.

 

Na verdade isso foi logo na primeira página, o autor devia ter deixado a dúvida, ou pelo menos enrolado, mas não entregou o melhor do capítulo logo na primeira página, depois que se fica a saber que ele não tem nenhum poder, mas sim que é uma doença, o capítulo pelo menos para mim perde bastante o interesse, mesmo tendo bons momentos, principalmente a parte do raio e a cobra.

 

 

10ºAssassination Classroom 17-18:

 

Depois de na última vez me ter focado no quão esse sucesso pode afectar negativamente o manga e nos haters que quanto mais reclamam mais adiam esse provável problema, nesta semana vou comentar sobre os 3 principais problemas de AC:

 

1ºO protagonista, que fique claro o problema não é o protagonista, mas sim o Duro de Matar ser tão carismático que o manga gira praticamente apenas à volta dele, isso pode não ser muito visível agora, mas já dá para notar bastante, o melhor exemplo é provavelmente o capítulo 17, quem não leu o capítulo esperando que ele aparecesse e salvasse todo o mundo, já sentindo falta do personagem nas primeiras 15 páginas em que não aparece? A melhor maneira do público se interessar por um manga é ter um protagonista carismático, mas um manga depender demais do seu protagonista é mau. Isso até resulta em séries, mas em mangas é complicado.

 

2ºSer um manga com background escolar. Por mais que o manga tenha um enorme potencial e ainda não tenha mostrado ao que veio, a verdade que o manga se passando numa sala de aula restringe muito o que o manga pode e não pode fazer, tanto que em menos de 20 capítulos o autor já fez uma Viagem Escolar e um capítulo filler. Além disso com essa ideia o manga fica muito restrito a um manga episódico, o que não seria de maneira alguma mau se não fosse a popularidade bastante alta do manga.

 

 

3ºO primeiro capítulo de AC, ele é perfeito no que se propõe, mostra uma ideia original numa revista onde isso cada vez se torna mais raro, apresenta um personagem extremamente carismático, algo que também estava em falta, e apresenta a ideia geral do manga que dificilmente irá mudar muito num futuro próximo. O problema é que AC já começa com um capítulo a bater muito forte, então os seguintes acabam por ser bons, mas usando os elementos do primeiro, sem acrescentar algo mais, sem mais nenhuma grande surpresa, salvo a introdução do director, o que volto a dizer é normal para um manga escolar, mas para um manga com essa popularidade toda isso acaba sendo uma desvantagem, afinal o que fez Death Note ganhar popularidade até ao volume 7 foi que a cada capítulo acontecia algo novo e surpreendente, dando aquela ideia de que a cada capítulo fica melhor.

 

Ou seja nada do que disse acima é uma crítica há qualidade do manga, mas sim problemas que o autor e a Jump têm de levar em conta, porque essa popularidade alta de AC pode acabar prejudicando o manga, seja pelo manga centrar demais no protagonista, por causa de se repetir demasiado ou por não conseguir ter aquele capítulo que todos os fãs consideram como o topo de qualidade. Isso era algo que não seria necessário se o manga tivesse se estabilizado, mas crucial se o autor e a jump quiserem manter AC como sucesso absoluto ou no mínimo que não caia pique de um momento para o outro.

 

Sobre os capítulos em si, uma excelente página colorida e uma boa finalização para o arco, o livro do Duro de Matar é um guia essencial para qualquer viagem e até mesmo para a vida, gostei da nova personagem, mesmo que o autor lhe tenha dado uma personalidade bem cliché, não acabou ficando tão irritante quanto esperaria. Já o vilão estava muito irritante, numa tentativa do autor mostrar que ele era mau, acabou faltando personalidade e como disse acima o Duro de Matar é só carisma.

 

 

O capítulo 18 foi praticamente um filler, também mostrando o que referi no ponto 2, o capítulo em si é praticamente desnecessário por vários motivos, mas principalmente por o sniper provavelmente nunca mais aparecer no manga, por alongar ainda mais a viagem escolar e simplesmente porque não serviu para nada. Mas tirando isso foi um bom capítulo, dando uma perspectiva de fora do quão bizarro é o Duro de Matar e da relação da turma com o estranho professor.

 

O capítulo também está cheio de referências como tem vindo a ser habitual no manga, e isso é algo que tenho vindo a gostar muito no manga, porque o autor não para e diz olhem a referência, não ele faz e só quem leu o manga ou conhece a história percebe, quem não conhece na maioria das vezes passa sem nem se aperceber que foi uma referência. A única coisa que não gostei e pensava que seria feito de melhor forma é a lista com as fraquezas do Duro de Matar, que até ao momento tinha sido sempre feitas pelo Nagisa ou dita a ele por algum outro aluno, mas essa fraqueza no capítulo 18 só os leitores ficam a saber.

 

PS: Obviamente AC também pode virar uma espécie de The Big Bang Theory ou Walking Dead da Shonen Jump e fugir completamente dos padrões normais, aumentado a cada semana a audiência, mesmo que as séries não são tudo isso.

 

 

9ºDorohedoro 55-Extra:

 

O capítulo 55 não teve muita coisa de novo e foi bem parado, mesmo com os seus bons momentos como o En descobrindo que a Nikaido afinal era o Chota, mais uma das cenas aleatórias da Ebisu ou a Nikaido olhando para o Kaimen e vendo ele normal. Fora a frase final que dá um excelente gancho para o próximo volume, mostrando que ao contrário da maioria onde um bom cliffhanger é uma página dupla, também é possível ter a mesma emoção com apenas uma frase num capítulo bem calmo.

 

Pessoalmente nunca gostei muito de extras, quando estou a ler um manga por volume, parece que corta a emoção do manga se ler-se em maratona e às vezes não interessam nada há história, nem piada ou qualidade têm, mas os de Dorohedoro são sempre excelentes fillers, na sua maioria bem divertidos. Como esse, que se foca no grupo do En, que mesmo não sendo protagonistas roubam quase sempre a cena, só achei cliché demais o Shin ter dançado com a Noi há 10 anos atrás e só ter percebido agora.

 

PS: A parte final do Volume onde a autora comenta sobre o que aprendemos neste volume é sempre genial e um bom resumo do que aconteceu.

 

 

8ºKuroko no Basket 52-61:

 

Hás 3 coisas a comentar sobre esses capítulos:

 

1ºA derrota no campeonato, provavelmente o que mais gostei do que li em Kuroko até ao momento, não esperava de todo por isso, até porque de certa maneira foge a praticamente todos os clichés de shounens de desporto, além do mais abre uma possibilidade bem interessante para o futuro do manga, já que se eles perderam esse torneio caso o autor decida fazer Serin perder na final contra o Akashi, já não ficará tão aleatório e com aquela ideia de que isso só aconteceu para esticar o manga.

 

E até vejo essa possível derrota como positivo, já que pelo pouco que foi dito do Akashi, até onde li, ele está acima do resto da Geração dos Milagres, então uma derrota seria algo lógico, para uma revanche no ano seguinte no torneio nacional, afinal essa ainda é uma possibilidade maior quando se pensa que Seirin não tem 3º ano e que todos da Geração dos Milagres são do 1º, então o que não faltam são possibilidades em aberto para o manga continuar depois do torneio, até mesmo um terceiro ano não seria uma carta fora do baralho, mesmo que ai já ache desnecessário, a não ser que Seirin perca nas meias-finais do torneio de Inverno.

 

 

2ºA chegada do Teppei, o personagem apareceu meio do nada e vinha com cara de que iria acabar estragando o manga com alguma drama irritante ou destaque em demasia, mas o que aconteceu foi que mais uma vez o autor de Kuroko mostra que mesmo criando um manga à partida cliché, sabe balancear bem o que fazer e não fazer. Ele chega, se ambienta e torna parte da mobília sem grandes problemas e aumenta a personalidade da equipa, que sempre viveu dos dois protagonistas.

 

3ºCapítulos de comida, caso o autor de Kuroko depois de concluir o manga quiser fazer um manga de comédia envolvendo comida tem todo o meu apoio, a sério, não há um capítulo em Kuroko que envolva comida que não saia algo no mínimo excelente.

 

PS: Tinha pelo menos mais uma coisa a comentar, mas deixo para a próxima semana, já que

 

 

7ºBeelzebub 180-181:

 

Parece que as opiniões acerca destes dois capítulos dividiram bastante, uns (eu incluído) gostaram mais do 180 do que 181, já outros preferiram o contrário. Então vamos por parte, o 180 foi um capítulo muito mais fluido, teve duas disputas, fora os combos rápidos nas lutas que não interessavam muito. Como sempre em Beelzebub tudo tem de ser bem bizarro e ser desculpa para uma luta, seja quais as regras forem.

 

Nunca fui grande fã do Kanzaki, mas parece que desde a aparição da Futaba o personagem ganhou mais destaque e personalidade, então ele serviu para manter a primeira disputa interessante, já na segunda tem o Furuichi e isso já diz tudo, mas sem dúvida o melhor do capítulo, e que fez com que não gostasse tanto do 181, foi o juiz, ou melhor a maneira ridícula e aleatória que ele apareceu.

 

Já o 181 teve uma boa página colorida, mas se focou demasiado numa só luta, acabando não fluindo tão bem, felizmente dá para contar com o Beel e terminou a luta muito bem. Como disse acima um dos motivos para não ter gostado desde capítulo foi a ausência do juiz, essas cenas aleatórias sempre foram o forte de Beelzebub e autor devia ter aproveitado isso, além disso essa história da Hilda mudar de personalidade está bem irritante e tirando muita personalidade própria da personagem.

 

De qualquer maneira seja qual for o preferido dos dois, foram dois bons capítulos que continua a manter este arco bem interessante e que o juiz apareça mais vezes.

 

 

6ºRookies 78-79:

 

Mais dois excelentes capítulos, com dois temas que podiam dar muito errado, primeiro tocar no assunto dos estudantes fumarem, o que também se vê não só na qualidade do manga, como a diferença entre a mentalidade de alguns anos atrás e a actual, onde hoje em dia é raro o manga que toca no assunto cigarro em manga escolar.

 

Deixando isso de lado, não esperava que o autor conseguisse fazer os personagens mudarem de ideia, mas o mais interessante foi mesmo a maneira como o autor desenvolveu o capítulo, porque não foi preciso uma grande lição de moral do Kawatou, na verdade ele mal tocou no assunto, eles simplesmente virão que o cigarro não presta por eles próprios. Mas a frase do Anya no fim diz tudo, “É hoje que eu paro, eu acho…”.

 

Já no 79 o problema é que essa nova personalidade do Shinjo não combina nada com a imagem que o manga dá dele nos primeiros capítulos, inicialmente não gostei muito, mas no final, como a maioria dos plots em Rookies, ficou muito bem desenvolvido, principalmente porque foge, de todo, do cliché, tanto da sua personalidade, como aquela ideia que ele ia começar a jogar e já seria um génio, em vez disso ele vai ter de conseguir através do trabalho duro, como o resto da equipa.

 

 

5ºToriko 211-212:

 

Um dos grandes problemas de Toriko é que o Shimabukuro muitas vezes acaba exagerando demais, por mais que o manga tenha um vasto leque de exorbitâncias e isso até seja um dos seus grandes pontos fortes, o Shimabukuro conseguiu exagerar demais neste festival Gourmet, números extravagantes e estádios gigantescos sem o menor sentido, se quem vai a um jogo de Futebol e fica nos lugares de topo do estádio já vê os jogadores pequenos imaginem esses estádio com 100 milhões de pessoas, sendo um estádio de 100 mil já é considerado muito grande.

 

Além disso há uma coisa que também me chamou a atenção, não é exactamente uma critica já que não me lembro em que parte, mas sei que já foi mencionado que em Toriko as pessoas vivem mais tempo que o normal, mas se contabilizara-se que esse esse torneio é tipo os Jogos Olímpicos e é de 4 em 4 anos, quer dizer que o Zaus e Setsuno participaram de todos os torneios, já que eles os dois somados dão 43 troféus e ainda há mais os dois títulos do 1 Milímetro Yuda. Ou seja tudo personagem a rondar a casa dos 200 anos.

 

 

Tirando isso e mais alguns outros exageros, foram mais dois excelentes capítulos que serviram para hypar o torneio, a aparição da Bishokukai ainda ajuda mais a hypar este arco, mesmo que pessoalmente preferisse ver o torneio até ao fim. Como em qualquer manga shounen fica sempre aquela dúvida de sair o tão terrível protagonismo, ou seja o Komatsu sair dali vencedor, mas com apenas 5 chefes tendo ganho o torneio dá para descansar nesse aspecto.

 

Para terminar a sequência de apresentações foi mais demorada do que deveria acabando por ser bem entediante e mesmo que pelo meio esteja cheio de excelentes ideias para personagens, a verdade é que com tanto personagem sendo apresentado fica difícil se interessar particularmente por algum. Esperando um bom torneio para o Komatsu, mas que fique fora do top25, ainda é cedo, quem sabe daqui a 4 anos, ou mesmo 8, seja como for sem preocupações Komatsu ainda há mais de 100 anos para tentares a sorte e até lá os grandes vencedores já devem ter morrido.

 

 

4ºGin no Saji 52-53:

 

Mais um manga que irei deixar de comentar, mas este ao contrário de Ao no Exorcist não tem nada a ver com eu não gostar ou falta de qualidade, é mais porque o manga é bem episódico e não tem muito o que comentar, servindo mais para encher o post que outra coisa. Então mesmo deixando de comentar sobre o manga repito é um excelente manga, apesar de não ter personagens a soltar raios pelas mãos, e não deve demorar muito a ganhar anime e virar um grande sucesso.

 

Sobre o capítulo em si, adorei essa página que abre o comentário, além do significado da cena a autora conseguiu realmente colocar na mesma página várias culturas diferentes, se não estou em erro na mesma página a autora faz referência a 7 culturas diferentes. O final do capítulo 52 foi excelente, mesmo que preferisse que tudo corresse bem, sem ele precisar de ir parar ao hospital, mas pode ser que isso dei azo a um plot de final de arco diferente dos anteriores.

 

 

Plot esse que pode envolver o pai do Hachiken e sinceramente a última página foi tão bem feita que me surpreendeu totalmente, aquela situação de, agora f****, é nestes momentos que dá para ver que não precisa de duelos de titãs para criar drama numa cena é apenas preciso por o protagonista a ser surpreendido pelo pai.

 

PS: Usando uma frase de feito para terminar de comentar, não é um adeus, mas um até já.

 

 

3ºNisekoi 46-49:

 

Enquanto lia os capítulos já pensava no que iria criticar mais tarde, mas depois quando chego ao 49 mudo de opinião, depois de algum tempo com capítulos mais fracos Nisekoi apresenta na altura certa um capítulo excelente, mas indo por partes.

 

Não gostei da escolha de Romeu e Julieta para tema da peça, principalmente porque em vez de ser um professor a escolher foi o próprio Shou, a sério que aluno em sã consciência decide interpretar Romeu e Julieta? Sendo que ele não está fazendo o papel principal e não está interessado pela pessoa que vai interpretar a Julieta.

 

Além disso mais uma vez o Naoshi mostra que parece que não existem mais alunos na turma, fora o grupo principal, fazendo com que o Raku seja escolhido para fazer de Romeu, não estou a dizer por isto que ele não deveria fazer de Romeu, mas ser escolhido à base da sorte é forçar.

 

E a terceira grande falha do Naoshi é que para criar uma boa história entre o Raku e a Kirisaki, quase que mandou a Onodera no lixo, bem forçado ela torcer o pé, para não falar que havia uma substituta que também teve uma explicação sem graça para ficar de fora, mas que apareceu, tudo em favor da Kirsaki. Agora fica mais que claro o que o Shinuki tem dito nas últimas semanas.

 

 

Mas tudo isso meio que é deixado de lado com o capítulo 49, que por si só já seria um excelente capítulo, mas que ainda ganha mais por comemorar o primeiro aniversário de Nisekoi o que torna este capítulo marcante para o manga e um dos melhores capítulos. Neste capítulo não fez com que a lesão da Onodera fizesse sentindo, nem o protagonismo do Raku e ainda acho uma escolha errada do tema ser escolhido pelo Raku, mas por outro lado o Naoshi fez uma história com princípio, meio e fim na relação entre a Kirisaki e o Raku e o tema foi Romeu e Julieta para a cena de comédia ter mais graça, já que toda a gente conhece essa peça.

 

O capítulo 49 de tão ridículo e sem noção que foi parecia um gag, mas um bom gag, porque funcionou muito bem, fazendo uma peça chata como Romeu e Julieta se tornar algo muito bom, além de exagerar bastante no caminho e adversários que o Romeu teve se seguir e vencer para poder se encontrar com a Julieta. Excelente página final, compensando a página dupla colorida do inicio do capítulo que não foi nada demais.

 

PS: Ainda bem que Titanic é um filme e não uma peça de teatro e que uma adaptação seria complicada, porque Romeu e Julieta já chega.

 

 

2ºHungry Joker 1:

 

Inicialmente ao ver a raw fiquei preocupado acerca do manga por causa das suas mudanças drásticas do one shot para a versão serializada, que mudou praticamente tudo, mantendo apenas o protagonista e o título, que agora já não faz tanto sentido com a história. Mas depois de ler o primeiro capítulo a única preocupação no que trata essas mudanças é se o público japonês não ficará na maioria logo contra o manga porque não era aquilo que esperaram mais de 1 ano para ler, mas é uma questão de esperar.

 

Tirando esse aspecto, que não dá para controlar, é uma questão de esperar e torcer para que não afecte, as alterações foi a melhor coisa que aconteceu a Hungry Joker, que mesmo tendo um one shot cheio de potencial tinha muitas falhas e pelo menos por este primeiro capítulo o autor se não conseguiu supera-las pelo menos tapo-as bem.

 

A única coisa que seria preferível ter mudado é a personagem feminina, nem se trata da personagem do one shot ser melhor, mas sim que essa personagem desta versão é cliché demais, seguindo o padrão básico de personagem pequena, atrapalhada e sem sal. Mas isso nem é tanto culpa do autor, mas sim do próprio padrão Jump actual, onde parece que personagem bom é personagem sem personalidade, como aconteceu com Cross Manage. Seja como for gostei de uma coisa nela, o Haiji chama-la de Yamada, relembrando a relação do Walter e a Astrid em Fringe, onde ele também nunca acerta o nome dela e a Astrid também era bem apagada no começo, então pode ser que funcione no futuro.

 

 

O protagonista sofreu poucas alterações e mesmo não tendo gostado muito dele no one shot foram alterações que melhoraram o personagem, porque até achei interessante nesta versão, fazendo lembrar um pouco o Walter, mas mais ainda o Sherlock Holmes, da actual série britânica, que também vive num mundo só dele e tem basicamente a mesma arrogância.

 

Para terminar as comparações, sem dúvida que Hungry Joker faz lembrar e muito Fringe, desde o protagonista, o tema ou principalmente pelo corpo brilhante logo no início do capítulo, parece que se o manga quiser dá para seguir naquele estilo Fringe de caso semanal, mesmo parecendo que vai seguir uma trama mais fixa. É bom ver um manga do género ciência na Jump, principalmente porque é um tema pouco explorado e que de certa forma cria alguma originalidade ao manga.

 

A aspecto principal desse primeiro capítulo é sem dúvida alguma o significado da maça perante a vida e a ciência, a escolha da maça não é por acaso, da mesma maneira de os Shinigamis em Death Note gostam de maças, ou a fruta envenenada que a Bruxa má dá à Branca de Neve ser uma maça, não são puras coincidências, entre tantas outras vezes que se vê essa fruta associada a alguma história ou mesmo a simbolismos reais, como a marca Apple ter escolhido uma maça dentada como símbolo.

 

 

A maça significa muita coisa, mas no geral conhecimento, poder, amor, livre arbítrio ou vida, dependendo de qual interpretação dada ao fruto, a maior referência é sem dúvida a Adão e Eva, que retrata praticamente todos os aspectos que referi acima e como referido no capítulo significa também a teoria da gravidade, criada pelo Newton depois de levar de ver uma maça a cair. Essa história e foco na maça deixou interessado no manga e se o autor conseguisse seguir bem esse caminho, o que é difícil para um manga shounen, podia muito bem servir para amenizar o final de Fringe, que já está bem próximo.

 

Achei bem interessante a escolha do poder dado pela maça, mesmo que com a referência ao Newton se tornasse obvio, gravidade pode dar excelentes momentos de batalha no futuro, mesmo que para um manga também possa andar ali de mãos dadas com a confusão de desenho, mas esperar para ver.

 

Para concluir o manga tem potencial e sinceramente espero que dei certo, é o manga certo para a Jump, que precisa urgentemente de um battle shounen de sucesso, nem que seja para a Jump não pensar em alongar Naruto e Bleach mais que o desejado. Esperando que a qualidade se mantenha e que os japoneses saibam diferenciar o one shot desta versão.

 

PS: Por comparar com Fringe e Sherlock Holmes não quer dizer que Hungry Joker está ao nível dessa duas grandes séries, apenas que apanhou elementos das duas séries que me agradaram.

 

 

1ºOne Punch-man:

 

Como dá para ver não vou comentar sobre nenhum capítulo em específico, mas sim sobre o manga, e como disse no início do post o manga entrou no ranking em cima da hora. Na última vez que falei sobre One Punch Man critiquei o manga e agora sinto-me na necessidade de retificar o que disse, porque o manga é excelente e os spoilers que apanhei com alguns gifs fazem que o manga mereça este primeiro lugar.

 

 

Agora vale lembrar o que disse nos comentários quem é fã do Murata e lê apenas o primeiro capítulo, deixando o resto de lado, tem todos os motivos para criticar, afinal por mais que o manga tenha qualidade e seja divertido fica aquela sensação que o Murata está a perder tempo e a desperdiçar a sua qualidade num manga cliché feito para a internet. Mas passado essa barreira o manga torna-se excelente, fazendo com que aquilo que pareça cliché à partida seja bem executado e numa maneira de sátira ao género battle shounen.

 

 

 

O Murata é um génio no que toca à arte, já o tinha mostrado em Eyeshild21 e Doten Prism Solar Car, mas em One Punch man está melhor do que nunca, isso vê-se logo como uma qualidade deste manga nos primeiros capítulos, mas nesses dois gifs que postei o Murata fez um trabalho simplesmente perfeito, porque esses excelentes gifs não são bons pelo trabalho de quem os fez, até eu fazia, eles são bons e encaixam na perfeição, porque tudo cada frame do gif é uma página dupla. Esperando a para ver esses capítulos em português.

 

Para terminar igual a Gin no Saji não vou comentar todos os capítulos, mas o manga deve aparecer aqui frequentemente, principalmente nesses capítulos geniais.

 

 

Ranking:

1ºOne Punch Man
2ºHungry Joker
3ºNisekoi
4ºGin no Saji
5ºToriko
6ºRookies
7ºBeelzebub
8ºKuroko no Basket
9ºDorohedoro
10ºAssassination Classroom
11ºPSI
12ºNaruto
13ºHajime no Ippo
14ºBleach
15ºOne Piece
16ºFairy Tail
17ºAo no Exorcist

publicado por Dark-Fenix às 16:09